Calote de Edivaldo Júnior pode deixar 85 mil alunos sem aulas
Política

Calote de Edivaldo Júnior pode deixar 85 mil alunos sem aulas

Professores ameaçam greve após prefeito de São Luís não pagar o aumento de 11,36% garantido por lei desde agosto de 2014

Um calote do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) pode deixar 85 mil alunos sem aulas na capital maranhense. O atraso é referente a falta de pagamento, de forma integral, do aumento de 11,36% nos salários dos professores da rede pública de ensino de São Luís, garantido por meio da Lei n.º 5.877, desde agosto de 2014.

A decisão depende apenas do resultado de uma assembleia entre os docentes, que será realizada na manhã desta quinta-feira 19, na sede da Fetiema (Federação dos Trabalhadores na Indústria do Estado do Maranhão). Na reunião, os professores decidirão se suspenderão ou não, por tempo indeterminado, as atividades.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Professores do Magistério da Rede Municipal de São Luís (Sindeducação), Elisabeth Castelo Branco, não há consenso entre os docentes e a Secretaria Municipal de Educação (Semed), já que o calote iniciado na gestão do ex-secretário Geraldo Castro Sobrinho continua sendo aplicado na do atual titular da pasta, Moacir Feitosa. Os professores reivindicam o pagamento, de forma integral, do aumento de 11,36%, mas o Prefeitura de São Luís teria oferecido, em reunião realizada na semana passada, um reajuste de apenas 10,67%, contudo com a quitação desse valor em três vezes: junho, setembro e dezembro deste ano.

“Nós não aguentamos mais negociar com a Prefeitura. Já foram feitas várias concessões e, até o momento, nada de concreto foi feito”, disse a presidente do Sindeducação.

Ainda de acordo com Elisabeth Castelo Branco, a greve será confirmada caso a Prefeitura não apresente uma proposta considerada “satisfatória” em até 48 horas. “Se isso não ocorrer, a greve seria a única for­ma viável. Queremos deixar bem claro à população que o movimento grevista não é a vontade da categoria. Pelo contrário. Foi a forma encontrada para pressionar, de alguma forma, o poder público”, afirmou a presidente.

Se confirmada, esta se­ria a segunda paralisação dos professores na capital maranhense em pouco mais de três meses. Em março deste ano, os docentes promoveram uma suspensão das atividades, reivindicando por melhorias na infraestrutura das escolas e melhores condições de segurança, já que alguns prédios, também por falta de pagamento, estavam sem vigilantes durante o dia.



Comentários 47

  1. Aline

    Assim como em qualquer área, é justo o funcionário galagar um salário melhor, porém acho injusto dizer que se trata de um calote, pois sempre houve o diálogo, e tenho certeza que o Moacir também está preocupado com essa situação, não é atoa que vários professores não querem paralisar, pois sabem que pode haver um acordo sem prejudicar ninguém.

    1. Yuri Almeida

      Se há alguma discussão sobre possibilidade de acordo, é porque não há pagamento. Se não há pagamento, e este está atrasado há meses, isso se chama calote.

      1. Mary Luce

        Realmente é calote,pois a Lei do Piso não surgiu agora e da forma parcelada e sem retroativos não tem como os docentes aceitarem.

  2. Roberval

    ELIZABETH É A EDUARDO CUNHA DO MARANHÃO, PERGUNTA PRA ELA SE ELA JÁ PRESTOU CONTA DO SINDICATO?

  3. HÉLIO

    O que deveria ser feito era entrar em um consenso, meu povo. A proposta feita se mostra cabível para honrar com os direitos dos professores... Chega a ser imcompreensível a "razão" que denominam essa diferença de poucos décimos no aumento como inválida. Não chega a ser exorbitante e NÃO justifica uma greve... os alunos que serão prejudicados por meio desse impasse desnecessário.

    1. Mary Luce

      Será que você gostaria de receber seu reajuste parcelado e sem retroativos,sem fazer jus ao mês que deveria ter saído?

    2. Elvimar

      Desnecessário por parte da prefeitura,pois pensa q professor é besta . Eles querem parcelar esse mínimo porcentual dando retroativos só na primeira parcela e correndo risco das duas últimas parcelas serem embargada pela justiça eleitoral ficando assim só 5% a ser pago! Oh povo egoísta só pensam nos seus !!! Aff

  4. Marcos

    A maioria não quer paralisação, so que essa que se diz representante não escuta a maioria, nessa assembleia sai o resultado que ela quer, toda vez é isso não sei por os professores aceitam

    1. Maria de Fátima

      O senhor estava na última assembleia? Acho que não! Pois, por alguns "professores politiqueiros" teríamos saído de lá já em greve. A presidente do sindicato foi quem interviu e ressaltou as consequências de se deflagrar uma greve naquele momento. E professor, quem decide somos nós, pois todas as decisões em assembleia são deliberadas através de votação. Temos que responder pelas nossas decisões.

  5. Poliana

    Se o prefeito paga, eles reclamam. Assim fica difícil de entender. Até eu quero que aumente meu salário, mas não fico dizendo que meu chefe é caloteiro, se ele me paga em dia.

  6. Ana Gabriela

    Esses progfssores tão de brincadeira? Toda hora fazem greve de alguma coisa. Pelo que li na matéria, eles estão recebendo os salários, sim.

    1. Esther

      Baderna? As salas de aulas estão a ponto de cair nas cabeças das crianças; não há ventilador; não há cadeiras adequadas; não há água para beber.Gente, será que a baderna é do sindicato? Um governo intransigente e despreparado que fez ao logo dessa gestão uma VERDADEIRA BADERNA na educação pública está mesmo sendo defendido? É isso mesmo? Agora a culpa é dos professores? Provavelmente seus filhos não estudam em escolas municipais.

  7. Felipe

    Num momento como esse o diálogo e a negociação aberta contribuem para a resolução de conflitos. Os professores pede o reajuste de 11,36% nos salários e, em contrapartida a prefeitura se mostra disposta a pagar 10,67% (o que é uma boa proposta). Penso que por parte dos que ameaçam a greve deveria haver mais sensibilidade de enxergar que aceitar essa proposta seria uma boa forma de evitar uma paralisação desnecessária.

    1. Mary Luce

      Concordo com você,mas pelo que sei não estão querendo colocar o retroativo que a categoria tem direito.

    1. Esther

      Você está desinformada minha cara, que tem puxado ao grito a greve são professores aliados a grupos políticos ( com o objetivo de fazer do movimento de luta o seu palanque) e a presidente (cuja qual não votei na última eleição) está até subindo no meu conceito, pois tem se posicionado forte contra esses grupos de oposição ao sindicato, deixando claro, que a luta é por uma educação pública de qualidade e não por interesses políticos.

  8. Lucas

    que tal chegar num acordo antes de ficar acusando dessa forma? essa greve só vai prejudicar os alunos. se nem mesmo os professores querem participar, o que essa mulher ainda quer?

  9. Antonio

    antes de partir pra outra greve pq não resolvem essa questão direito como pessoas civilizadas? da outra vez não foi resolvido? o prefeito ta pagando, então façam direito, que serão ouvidos.

  10. LUIS ANTONIO

    Os professores deveriam aceitar logo essa proposta da prefeitura. Assim evitam de prejudicar os alunos...

  11. CRISTIANA

    O Prefeito oferece uma boa proposta para a negociação e ainda assim os professores não aceitam. Sö pra atrasar o ano letivo dos estudantes!

  12. Jorge Rodrigues

    O prefeito agiu de bom senso ao oferecer proposta de reajuste 10,67% e a quitação da dívida em tres vezes. Não consigo entender porque o sindicato e os professores ainda recusam...

  13. PATRÍCIA VIEIRA

    Na matéria claramente podemos perceber o esforço do prefeito para atender as reivindicações dos professores. A proposta por ser boa para ambos os lados. Pena que o sindicato da categoria não enxerga isso!

    1. Patrícia

      Esse esforço e igual o esforço que ele faz para a escola funcionar com dignidade? ??
      Me compra um bode!!!!!

  14. Carmem

    Todos sabemos que esses sindicatos se tornam balcão de negócio em ano eleitoral, apenas no intuito de pressionar o gestor público. Agora Edivaldo que não se curva pra classe de empresários burgueses, não irá se curvar para meia duzia de cabos eleitorais de Eliziane que se dizem sindicalistas, pois os professores sérios não estão querendo essa greve absurda!

    1. Maria de Fátima

      Exatamente, professores sérios sabem que essa greve é precipitada. Contudo, o governo precisa entender que reajuste parcelado é arbitrário a uma lei que o próprio Edivaldo Holanda Júnior criou. Agora, o professor que trabalha já em condições precárias, que tem que comprar material para usar em sala de aula (pois a prefeitura não fornece) NÃO PODE PAGAR PELA CAMPANHA ELEITORAL DE EDIVALDO HOLANDA JÚNIOR. Reajuste sem parcelamento.... Ou será que você não sabe que somos NÓS (sociedade) que pagamos a campanha eleitoral deles.

  15. CARLOS ALBERTO JR

    Tenho quase certeza que essa presidente do sindicato é quem tá embassando o meio de campo! Acho que pela prefeitura essa situação já estaria resolvida.

  16. ADRIANA MOTA

    Tá claro no texto que o sindicato não quer diálogo. Ele se mostra inflexível diante de uma proposta que pode ser vista como um meio termo entre as partes. A prefeitura tá fazendo a parte dela, agora falta o sindicato e sua presidente fazerem a sua!

  17. Larissa Almeida

    Entendo que essa é uma luta por direitos, mas o bom senso poderia ser usado. A prefeitura se mostrou flexível e solicita diante da dificuldade dos professores. COntudo o sindicato aparemente não mostra interesse em negociar, mas apenas em impor suas condições. Lamentável...

  18. MANUEL RAMOS

    Não vi nada de calote aí... Pelo contrário, vi uma prefeitura que reconhece uma dívida e que pretende honrar com seus compromissos. Agora cabe a outra parte aceitar o acordo. É o que eu acho...

  19. ARTHUR MENDES

    A prefeitura agiu bem em oferecer uma contraproposta próximo ao valor pedido pelo Sindicato. Não acho justo chamar uma negociaçào de calote!

    1. Joana

      Que negociação? O prefeito oferecendo abaixo do reajuste e ainda por cima parcelado em 3x e sem o devido retroativo. Junho, setembro e dezembro, ora faça-me o favor!

  20. Diego

    Eitaaaaaa.....que hoje a ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO do governo municipal está trabalhando incessantemente! Me poupem!
    Tirando os comentários dos professores - todos os outros comentários está explicito o discurso governista e é claro para não atacar em si os professores, que são eleitores, atacam o sindicato. Afinal, tem que existir um culpado. Mas o verdadeiro culpado somos nós - que aceitamos essa situação. Todos dias tá na mídia a situação das escolas do município, não é segredo para ninguém e aí vem um e diz que o prefeito tem boa vontade! ACORDAAAA!!! A assessoria do governo pode fazer o que fizer, nada vai adiantar. O povo já cansou.

  21. Fátima

    Patŕcia, sou professora há anos, e não irei aderir a essa greve, pois não me convenceu paralisar as aulas por esses motivos que o sindicato está defendendo. Agora lhe pergunto, você realmente é professora ou está apenas com interesses em defender essa greve?

    1. Ângela

      Eu sou professora aposentada e sei o que eu quero. Não sou a favor da greve. E ainda não vi em nenhuma assembleia o sindicato puxar o movimento, pelo contrário, ela coloca a questão para categoria avaliar e somos nós que votamos e decidimos. O papel do sindicato é acatar a decisão da categoria e dar apoio. Por isso que existe VOTAÇÃO NO PROCESSO DE DECISÃO. Mas não podemos aceitar receber de forma PARCELADA. E já que governo municipal tem “boa vontade” porque não oferece os 10,67% integral; assim ficaria no meio termo: nem parcelado e nem os 11,36%.

  22. Bruno

    Sou professor, e sou contra essa greve! A classe parece que está esquecendo que há 4 anos não tínhamos nem piloto para dar aula, agora que tivemos uma melhoria significativa, querem adotar uma medida drástica.

  23. Alana

    Professores, estamos sendo usado como massa de manobra pelo sindicato para fins eleitoreiros, comecemos a pensar realmente como classe, e reconhecermos os avanços dos últimos anos, e tentarmos mantermos o diálogo.

    1. Carla

      Quanto hipocrisia ou talvez desconhecimento. Que avanço significativo aconteceu na educação? Prefiro pensar que se enganou na palavra, pois o TERMO CORRETO é RETROCESSO. E outra professora, se hoje temos pincel para escrever no quadro - não é favor da prefeitura e sim obrigação. Tem havido sim a intenção da manobra política, concordo plenamente, mas esse conluio é do governo municipal e de partidos políticos inseridos em nossa luta. Nas assembleias, o que vejo é um bando de professores alterados lá na frente gritando greve, greve, greve, greve e eles sim tem desvirtuado a nossa verdadeira luta. SINDICATO NÃO DECIDE POR MIM. GOVERNO NÃO DECIDE POR MIM. PROFESSORES DE GRUPOS POLÍTICOS NÃO DECIDEM POR MIM. SOU PROFESSORA E TENHO Opinião. E parabenizo você professora Alana, pois vejo que está satisfeita com o seu salário e com as condições de trabalho.

  24. Ângela

    Eu sou professora aposentada e sei o que eu quero. Não sou a favor da greve. E ainda não vi em nenhuma assembleia o sindicato puxar o movimento, pelo contrário, ela coloca a questão para categoria avaliar e somos nós que votamos e decidimos. O papel do sindicato é acatar a decisão da categoria e dar apoio. Por isso que existe VOTAÇÃO NO PROCESSO DE DECISÃO. Mas não podemos aceitar receber de forma PARCELADA. E já que governo municipal tem “boa vontade” porque não oferece os 10,67% integral; assim ficaria no meio termo: nem parcelado e nem os 11,36%.

  25. Maurício

    Acho que eles estão querendo é voltar a era João Castelo trajado de Eliziane, só pode.

Comente esta reportagem