Operação que prendeu Barbosa pode alcançar Roseana Sarney e Ricardo Murad
Política

Operação que prendeu Barbosa pode alcançar Roseana Sarney e Ricardo Murad

Delator aponta em gravação que construção da nova sede da PGJ estaria dentro do esquema criminoso

Uma segunda fase da Operação Lilliput, deflagrada em primeira etapa na manhã desta terça-feira 12, pela Polícia Federal, e que resultou na prisão do mega empreiteiro Antônio Barbosa Alencar e de auditores fiscais da Receita Federal, pode alcançar a ex-governadora Roseana Sarney e seu cunhado e ex-secretário de Saúde do Maranhão, Ricardo Murad, ambos do PMDB. A informação é do Blog do Marcelo Vieira.

Segundo a publicação, no bojo das investigações, há uma gravação de um homem de confiança do empreiteiro sendo interrogado por dois agentes da PF. No áudio, ele revela aos federais como funcionava todo o esquema, entre pagamentos de propinas, fraude a documentos, sonegação fiscal e não pagamento de multas.

Roseana Sarney é apontada pelo delator como a responsável por garantir facilidades à Dimensão Engenharia junto à Vice-Presidência Habitação (VIHAB) da Caixa Econômica Federal (CEF), no Programa Minha Casa Minha Vida. As facilidades, segundo o delator, eram retribuídas por Barbosa à Roseana por meio repasses de dinheiro.

O delatador diz ainda que Ricardo Murad também teria recebido propinas para facilitar a atuação de Barbosa no esquema. O envolvimento de Murad, segundo o delator, teria sido efetuado na construção da nova sede da Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ). A ex-chefe da PGJ, Fátima Travassos, também é citada pelo delator. Ela seria parceira de Murad no esquema.

Em maio passado, o ATUAL7 revelou que as obras de construção da suntuoso prédio custaram mais de R$ 25 milhões ao cofres públicos, o que representa 10% a mais que o valor original do contrato. A obra foi feita pela Dimensão Engenharia, e foi inaugurada recentemente, após mais de três anos de atraso.

O MP-MA foi procurado pela reportagem para explicar o motivo do atraso, bem como as razões para os dois aditivos que elevaram o valor da construção do prédio, mas nunca respondeu os questionamentos.



Comente esta reportagem