Júlio Pinheiro
Rubens Júnior disputa com baixo clero do PCdoB unção eleitoral do partido
Política

Deputado federal terá de confirmar que tem maior estatura política e eleitoral que Duarte Júnior e Júlio Pinheiro para concorrer à sucessão de Edivaldo Júnior

A experiência e tamanho adquiridos com dois mandatos consecutivos na Assembleia Legislativa do Maranhão e com o já segundo mandato na Câmara Federal não foram suficientes para garantir ao deputado federal Rubens Pereira Júnior a unção do PCdoB para a disputa pela sucessão de Edivaldo Holanda Júnior (PDT) na Prefeitura de São Luís, nas eleições de 2020.

Para ter o seu nome confirmado na corrida e mostrar que possui estatura política e eleitoral, ele terá primeiro de enfrentar internamente pelo menos dois quadro do baixo clero do partido: o deputado estadual neófito Duarte Júnior e o vice-prefeito da capital Júlio Pinheiro.

O rebaixamento de Rubens Júnior foi confirmado pelo presidente do PCdoB no Maranhão, Márcio Jerry, eminência parda do governo de Flávio Dino, em entrevista à rádio Timbira, na semana passada.

Para se viabilizar, Rubens Júnior terá de mostrar serviço mais do que satisfatória na Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), pasta técnica e politicamente associada à eleição municipal.

Além disso, no período pré-eleitoral, além das articulações de bastidor dentro do partido, o deputado federal terá de trabalhar e torcer para que a alta rejeição de Edivaldo Júnior, pela visível falta de ações da prefeitura na maioria esmagadora dos bairros da cidade, seja naturalmente herdada por Júlio Pinheiro.

Em relação a Duarte Júnior, a situação é mais complicada. Na Assembleia, o parlamentar estadual parece ter carta branca do Palácio dos Leões para se passar por representante da nova política e, constantemente, atropelar parlamentares já carimbados como da velha, inclusive governistas, o que tem lhe garantido destaque nas redes sociais – e, por bônus, boa aparição em pesquisas eleitorais de consumo interno. Para suplantá-lo, terá de conquistar maior estima e confiança de Flávio Dino e ainda operar junto aos antigos colegas de bancada no Palácio Manuel Beckman pela derrocada do correligionário.

Promotoria instaura inquérito sobre acumulo de cargos de Júlio Pinheiro
Política

Vice-prefeito de São Luís reassumiu presidência do Simproesemma para chancelar um acordo com o governo Flávio Dino

A promotora de Justiça Moema Figueiredo Brandão, da 30ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade, instaurou inquérito civil para apurar suposto ato de improbidade administrativa do vice-prefeito de São Luís, Júlio Pinheiro (PCdoB). Ele é suspeito de acumulação indevida do cargo de agente político com o cargo de presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma).

O procedimento foi aberto no final de setembro último, em prosseguimento às investigações iniciadas em abril deste ano, por meio de uma notícia de fato, mas ainda não serem concluídas.

Após haver deixado o comando do sindicato provisoriamente em 2016, quando entrou na chapa de reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), o vice-prefeito de São Luís efetivou seu afastamento do comando do Sinproesemma tão logo empossado, em janeiro deste ano.

Contudo, em fevereiro, ele voltou ao posto de sindicalista, a fim de chancelar um acordo entre o Sinproesemma e o governo Flávio Dino, do seu partido, o PCdoB, para a concessão de reajuste de 8% apenas sobre a chamada Gratificação de Atividade de Magistério (GAM).

Durante as investigações, serão realizadas coleta de informações, depoimentos, certidões, perícias e demais diligências para posterior instauração da ação civil e/ou penal ou promoção de arquivamento do inquérito, se for o caso.