PGJ pretende gastar até R$ 2,1 milhões com construção de estacionamento
Política

PGJ pretende gastar até R$ 2,1 milhões com construção de estacionamento

Contratada é a Fênix Construções e Incorporações. Sócio-administrador da empreiteira vem faturando alto em contratos com o órgão, inclusive por meio de outra empresa, a Engepec

A Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ) pretende gastar até R$ 2.160.200,00 na execução de obra de construção de estacionamento do prédio sede das promotorias de Justiça da Capital, finalmente entregue no ano passado após ficar conhecido como espeto de pau — numa alusão ao fato do órgão fiscalizador haver demorado mais de 10 anos com a reforma do edifício.

A celebração do contrato foi firmada no último dia 24, pelo chefe do Ministério Público do Maranhão, o promotor de Justiça Luiz Gonzaga Martins Coelho, e tem vigência de 330 dias, a contar da data de sua assinatura. O prazo para execução dos serviços é de 150 dias, contados do dia útil seguinte ao recebimento da Ordem de Serviços.

“Por se tratar de um prédio que recebe uma quantidade considerável de pessoas para atendimento, o que torna imprescindível a criação de uma área de estacionamento para atender e proporcionar mais conforto e tranquilidade do (sic) público da cidade de São Luís e áreas metropolitanas, além de possibilitar melhores condições de trabalhabilidade, conforto e segurança aos Membros, Servidores e usuário daquela instituição”, justifica a PGJ a contratação.

A contratada é a empresa Fênix Construções e Incorporações Ltda, que tem endereço registrado na Rua dos Afogados, no Centro de São Luís, e como sócio-diretor o engenheiro civil Dib Jamil Maluf. O empresário vem faturando alto com a prestação de serviços de engenharia para o MP maranhense, inclusive por meio de sua outra empresa, a Engepec – Engenharia Gerenciamento e Planejamento de Construções, registrada num endereço próximo à Fênix.



Comente esta reportagem