Com retomada do comércio não essencial, Alema inicia retorno das atividades presenciais
Política

Com retomada do comércio não essencial, Alema inicia retorno das atividades presenciais

Retorno será feito de forma gradual e sistematizado, divido em três etapas

Seguindo o Palácio dos Leões, que sob Flávio Dino (PCdoB) autorizou a retomada do comércio não essencial no Maranhão sem apresentar qualquer embasamento científico mesmo diante da escalada de novos infectados e óbitos por Covid-19, a Assembleia Legislativa deu início ao retorno das atividades presenciais na Casa.

A decisão foi tomada duas semanas após o presidente da Alema, deputado Othelino Neto (PCdoB), haver dito ao ATUAL7 que ainda não havia definição sobre a data.

De acordo com protocolo administrativo publicado em edição suplementar do Diário Eletrônico da Alema na última sexta-feira 6, a retomada será feita de forma gradual e sistematizada, divida em três etapas, já tendo começado nesta segunda-feira 8, em horário especial de 8h até as 14h, exceto nos gabinetes dos deputados.

A segunda, quando será permitido o acesso concomitante de até três servidores aos gabinetes dos parlamentares, está prevista para iniciar a partir do próximo dia 15; e a terceira e última está prevista para 16 de junho, quando haverá o retorno das sessões plenárias presenciais.

Ainda de acordo com o documento, o acesso às dependências o Palácio Manuel Beckman fica restrito a deputados, servidores, estagiários e terceirizados imprescindíveis à manutenção de serviços. Não há autorização de acesso à imprensa, embora considerada serviço essencial, que deve ser atendida virtualmente.

Todos os parlamentares e servidores terão aferida a temperatura logo na entrada das dependências da Alema, obrigatoriamente feita apenas pelo acesso principal, em frente à Avenida Jerônimo de Albuquerque, Cohafuma, São Luís. O uso de máscaras, das dependências internas e externas da Casa; a higiene pessoal das mãos; e o distanciamento seguro de 2 metros no ambiente de trabalho, é obrigatório.

Tudo sobre


Comente esta reportagem