TCE/MA abre sindicância para apurar venda de decisões por membros da Corte
Política

TCE/MA abre sindicância para apurar venda de decisões por membros da Corte

Procedimento foi instaurado pelo conselheiro-presidente, Caldas Furtado, no último dia 3. Aos menos 18 municípios teriam se beneficiado do suposto esquema

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Maranhão abriu uma sindicância investigatória para apurar a existência de um suposto esquema, dentro da própria Corte, de venda de decisões por parte de conselheiros, auditores substitutos de conselheiros, procuradores de Contas e analistas de Controle Externo do órgão.

O procedimento foi instaurado no último dia 3, por determinação do conselheiro-presidente, Caldas Furtado — baixe o documento. A denúncia foi feita ao tribunal por meio de manifestação à Ouvidoria, no final de agosto deste ano.

Segundo o documento, um auditor de controle Externo do TCE/MA, nominalmente identificado na denúncia, estaria operando na Corte de Contas por meio de um advogado, que seria seu irmão; e outras duas pessoas, que estariam atuando em comissões de licitações e na contabilidade em diversos municípios, tanto em prefeituras quanto em Câmaras de Vereadores. Ao menos 18 municípios já teriam sido beneficiados pelo suposto esquema: Alto Alegre do Maranhão, Bacabal, Barra do corda, Buriticupu, Governador Nunes Freire, Igarapé grande, Mata Roma, Matões do Norte, Nova Olinda, Paraibano, Paulo Ramos, Santa Filomena, Santa Luzia do Paruá, São Luis, São Mateus, Sucupira do Riachão, Trizidela do Vale e Tufilândia.

Um conselheiro também é identificado nominalmente na denúncia. A estrutura do suposto esquema, inclusive, diz o documento, estaria funcionando dentro do gabinete do membro do TCE maranhense.

A movimentação da organização dita criminosa ultrapassa o montante de R$ 4,6 milhões.



Comentários 2

  1. Neto

    Eis que alguém teve coragem, não vou nem falar que esse auditor atua nas prefeituras no ramo de controle interno usando laranja, foi citado apenas dois contadores, mais a lista pode ter certeza, é extensa.

  2. Eu sei quem é

    Até que enfim esses pilantras vão pagar. Viciavam(viciam) todos os processos licitatórios para beneficiar os componentes da gangue deles. O irmão do auditor é um advogado fraquíssimo que só entrava nos municípios usando desse expediente. Deus não dorme...

Comente esta reportagem