Flávio Dino recebeu diárias do governo para dar entrevistas em SP
Política

Flávio Dino recebeu diárias do governo para dar entrevistas em SP

Por lei, utilização de recurso público em interesse particular caracteriza improbidade e crime de peculato

O Governo do Maranhão pagou ao governador Flávio Dino (PCdoB) no ano passado pelo menos duas diárias usadas exclusivamente pelo comunista para entrevistas a veículos de imprensa na cidade de São Paulo (SP).

Segundo levantamento do ATUAL7 no Portal da Transparência, o comunista recebeu, por cada viagem, R$ 1.386,00. Os recursos foram embolsados em setembro de 2019, para entrevistas aos programas Canal Livre, da Band, e Roda Viva, da TV Cultura.

O governador Flávio Dino, sendo entrevistado pela bancada do programa Canal Livre, da Band

Outros R$ 4.158,00 chegaram a ser empenhados, no mesmo mês, para “agenda de imprensa na Globo News e em O Globo”, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), mas foram estornados, no início de outubro.

O Portal da Transparência mostra também diárias para entrevistas à imprensa misturadas a eventos institucionais. No dia 28 de março de 2019, por exemplo, Flávio Dino recebeu R$ 2.310,00 em diárias para viagens São Paulo e Rio de Janeiro, com objetivo de visitar ao jornal Valor Econômico; debate com blogueiros e jornalistas; participar do Talk Show de Abertura do Encontro GRI PPPs e concessões 2019; e ministrar Palestra na Plenária Brasil: Nação Protagonista.

Contudo, na agenda oficial referente a esta data, não constam os eventos com a imprensa, mas apenas os dois últimos, institucionais.

Uma entrevista ao Metrópoles, em Brasília (DF), em outubro, também foi misturada à agenda institucional para justificar o pagamento de diárias ao governador do Maranhão, no valor de R$ 1.386,00. Como, na contramão da transparência pública, os compromissos oficiais do governador entre os dias 6 de julho de 2019 a 5 de janeiro de 2020 permanecem ocultos, não foi possível ao ATUAL7 cruzar as informações.

Embora Flávio Dino seja chefe do Executivo estadual, em tese, entrevistas à imprensa não possuem interesse público, mas caráter particular. Uma solicitação de posicionamento foi feita ao Palácio dos Leões, mas ainda não respondida.

Por lei, a utilização de dinheiro dos cofres públicos em diárias para fim privado caracteriza improbidade administrativa e crime de peculato, passíveis de afastamento do cargo e prisão, respectivamente.

A falta de divulgação da agenda oficial do governador, inclusive, como vem mostrando o ATUAL7 há uma semana, aumenta o indício de que o uso das diárias para as entrevistas possa ter sido irregular e ilegal.



Comente esta reportagem