Investigação da PF contra Aluísio Mendes é prorrogada por 90 dias
Política

Investigação da PF contra Aluísio Mendes é prorrogada por 90 dias

Vice-líder de Bolsonaro na Câmara é suspeito de peculato e lavagem de dinheiro. Sermão aos Peixes diz que caso tem conexão com suposta falsidade ideológica eleitoral e organização criminosa

Joelma Sousa Santos, juíza Eleitoral da 3ª Zona, decidiu prorrogar por mais 90 dias a investigação da Polícia Federal que apura a suspeita de prática dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica para fins eleitorais e de organização criminosa envolvendo o deputado federal Aluísio Mendes (PSC-MA).

A decisão foi tomada no mês passado. A magistrada também reforçou a manutenção do caráter sigiloso do inquérito policial até a conclusão da investigação.

Presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara, Aluísio Mendes é vice-líder de Bolsonaro na Casa. Ele obteve autorização para acesso aos autos recentemente, após o ATUAL7 revelar as investigações –chamadas por ele, à época, de fake news.

O caso envolve possível desvio de recursos públicos federais destinados ao sistema público estadual de saúde, identificados no bojo da Operação Sermão aos Peixes, maior investigação contra a subtração de dinheiro público da saúde da história do estado.

A suspeita é de que a eleição de Mendes para a Câmara dos Deputados, no pleito de 2014, tenha sido financiada ilicitamente com recursos federais desviados da saúde.

A investigação aponta que anotações apreendidas no bojo da Operação Rêmora, deflagrada pela PF em 2017, fazem referência a pelo menos dois pagamentos, um de R$ 517 mil e outro de R$ 550 mil, destinados à campanha eleitoral do vice-líder de Bolsonaro como, segundo o manuscrito, “ajuda IDAC”.

Há ainda citações ao parlamentar em interceptações telefônicas feitas pela PF com autorização da Justiça Federal.

O dinheiro público, ainda segundo a apuração, teria saído dos recursos destinados para a administração de unidades hospitalares estaduais pela organização social.



Comente esta reportagem