Lílian Guimarães assume STC com desafio de tornar governo transparente
Política

Lílian Guimarães assume STC com desafio de tornar governo transparente

Maranhão terminou 2018 em 17º lugar em ranking de transparência da CGU

O governador Flávio Dino (PCdoB) empossou, na última sexta-feira 22, à nova titular da Secretaria de Estado de Transparência e Controle (STC), Lílian Régia Gonçalves Guimarães. Ela assume no lugar do advogado eleitoral Rodrigo Lago, agora no comando da Secretaria de Estado de Comunicação e Assuntos Políticos (Secap).

Além de ter de iniciar e dar prosseguimento a levantamentos não executados pela STC na gestão do antecessor, a nova titular da pasta tem como desafio tornar o governo comunista transparente. Mais ainda por ser esposa de um procurador da República no Maranhão, Juraci Guimarães Júnior.

Segundo o ranking da Escala Brasil Transparente (EBT) – Avaliação 360°, elaborado pela Controladoria-Geral da União (CGU) e divulgado no ano passado, o Maranhão possui a amargante 17ª colocação, com nota 7,74. Ruim, a pontuação também é abaixo na média nacional, que atingiu 7,94.

O levantamento apontou, dentre outras coisas, que o governo Dino não disponibiliza aos cidadãos possibilidade de consulta de informações sobre a licitação de origem de contratos celebrados pelo Poder Executivo, nem de consulta para o acompanhamento de obras públicas.

A CGU diz também que uma das três perguntas feitas pela LAI deixou de ser respondida, e que uma outra até chegou a ser respondida, mas não sobre o questionamento feito.

Difícil acreditar que Lílian Guimarães venha abrir a caixa preta da Educação e da Segurança Pública, protegidas pelo Palácio dos Leões por meio da base governista na Assembleia Legislativa do Maranhão, mas se ela ao menos passar a atualizar no Portal da Transparência a relação de contratos celebrados pelo governo, atualmente desfasada, já será um começo.



Comentários 2

  1. Pingback: Atual7

  2. Pingback: Flávio Dino dá posse a 14 secretários e gestores do primeiro escalão - Blog do Antônio Martins

Comente esta reportagem