Beto das Vilas
Seccor abre investigação sobre gastos da Câmara de São José de Ribamar
Política

Casa é comandada por Beto das Vilas. Ele pretende disputar em 2020 a prefeitura do município

A Seccor (Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção), da Polícia Civil do Maranhão, abriu investigação sobre gastos da Câmara Municipal de São José de Ribamar.

A Casa é comandada há mais de uma década por Manoel Albertin Dias dos Santos, o Beto das Vilas.

Segundo disse ao ATUAL7 uma fonte com acesso a investigação, a apuração teve início no final do ano passado, por meio de uma VPI (Verificação de Procedência das Informações), mecanismo criado pela legislação para averiguar a verossimilhança de suposta ocorrência de fato criminoso e a viabilidade de instauração de inquérito policial.

Os levantamentos correm sob sigilo, no âmbito do 2ª Deccor (Departamento de Combate à Corrupção). O objetivo é apurar suspeitas de ilegalidades nas despesas do Poder Legislativo ribamarense, entre 2017 e 2018.

Coincidentemente, no pleito de 2020, pela primeira vez, Beto das Vilas pretende disputar a prefeitura do município, pelo PSD do deputado federal Edilázio Júnior, oposição ao governador Flávio Dino (PCdoB).

Atualmente, a prefeitura de São José de Ribamar está sob gestão de Eudes Sampaio (PTB), que virou prefeito após a renúncia de Luis Fernando Silva (sem partido) para tentar reconstruir a vida pública como secretário de Estado de Programas Estratégicos no governo de Dino, ex-desafeto. Eudes tentará a reeleição.

Beto das Vilas se perpetua no comando da Câmara de Vereadores de Ribamar
Política

Parlamentar está na presidência do Palácio Miguel Evangelista de Souza pela quinta vez consecutiva

No município de São José de Ribamar, a Câmara Municipal de Vereadores está sendo controlada pelo vereador Manoel Albertin Dias dos Santos, o Beto das Vilas (PV), pela quinta vez consecutiva. A perpetuação do parlamentar no comando dos cofres do Legislativo ocorreu no início de janeiro, durante a posse dos eleitos e reeleitos no município.

Sem adversários na disputa, ele foi mantido no comando da Câmara por aclamação.

A facilidade de Beto das Vilas em permanecer no alto poder do Palácio Miguel Evangelista de Souza tem lá suas razões de ser.

No final de 2016, por articulação dele com o então prefeito da cidade, Gil Cutrim (PDT), os vereadores tiveram sancionado pelo pedetista aumento salarial autorizado por eles próprios, dias antes. Com o reajuste, o salário que era de R$ 5,6 mil pulou para R$ 12,6 mil por mês. Tudo isso para participar de apenas uma sessão por semana, como vem ocorrendo nos últimos dois anos. Antes, não era muito diferente: era necessário participar de duas sessões por semana.

Em fevereiro de 2015, eterno presidente da Câmara ribamarense foi alvo de ação civil pública, por ato de improbidade administrativa, proposta pela promotora Elisabeth Albuquerque de Sousa Mendonça, do Ministério Público do Maranhão. Segundo o Parquet, a ação teria sido ajuizada em decorrência da omissão de informações no Portal de Transparência do Legislativo municipal, que estaria ocorrendo desde meados de 2013.

Passados quase dois anos, o vereador se reelegeu; articulou sua permanência no comando do Poder e o aumento do próprio salário e de seus pares; e ainda diminuiu a quantidade de sessões legislativas na Casa. O site de informações sobre orçamento e despesas públicas, porém, continua desatualizado — e o processo parado.