Eleições 2020
Movimento pró-Roseana implode tratativas do MDB com Carlos Madeira
Política

Juiz federal vai se aposentar neste mês e disputará a prefeitura de São Luís em 2020

Repentinamente lançado pelo deputado estadual Roberto Costa —que há poucos dias promovia atos públicos de apoio à pré-candidatura do deputado Neto Evangelista (DEM)— o movimento do MDB pela entrada da ex-governadora Roseana Sarney na disputa pela prefeitura de São Luís implodiu as tratativas do partido com o juiz federal Carlos Madeira.

Com aposentadoria confirmada para este mês, Madeira estava praticamente a caminho certo da legenda, inclusive tendo a própria Roseana como principal entusiasta do projeto de ter o magistrado na corrida pelo Executivo da capital. A mudança de planos da cúpula emedebista, porém, fez com que ele decidisse retomar a agenda de contatos com outras siglas.

“Página virada. Compreendo que o partido está fazendo opção pela pacificação de seus membros, que passa pelo nome de Roseana”, declarou ao ATUAL7, ao ser questionado sobre como fica a agenda com o MDB após a ex-governadora ter deixado em aberto que pode ela própria concorrer à prefeitura.

Embora não possa ser oficialmente declarado pré-candidato —em razão do impedimento legal por ainda ocupar o cargo na magistratura— Madeira tem sido cobiçado por diversos partidos para a disputa pela prefeitura de São Luís em 2020.

Diante da inviabilidade do MDB como rumo partidário, segundo apurou o ATUAL7, as conversas devem avançar com o Solidariedade, do secretário estadual de Indústria e Comércio, Simplício Araújo.

Natural de São Luís, Carlos Madeira teve o nome lembrado pelo eleitorado ludovicense na última pesquisa de intenção de votos do Instituto Escutec, realizada entre a primeira e segunda quinzena de outubro.

Como o perfil de magistrado e de outsider agrada o eleitor de São Luís, que almeja um gestor sem tradição política, tem forte potencial de crescimento, sobretudo pela baixa rejeição.

Braide começa a usar eleição de 2020 como palanque para Palácio dos Leões em 2022
Política

Pré-candidato a prefeito de São Luís, deputado tem centrado críticas em Flávio Dino, e não apenas em Edivaldo Holanda Júnior. Ele foi o mais votado em São Luís para a Câmara em 2018

Mais do que uma possível derrota do PDT em São Luís, a eleição para a prefeitura da capital em 2020 poderá ser também o fim antecipado da hegemonia do PCdoB e do grupo liderado pelo governador Flávio Dino no Maranhão.

Pelas movimentações e discursos mais recentes, se não houver erros de marketing ou problemas com a Justiça, essa eventual derrocada caminha para ser determinada por Eduardo Braide, deputado federal mais votado em São Luís em 2018 e pré-candidato a prefeito da cidade pelo Podemos, partido ao qual ele passa a integrar a partir desta sexta-feira 29.

Em publicações nas redes sociais e em entrevistas à imprensa, o parlamentar começou a demonstrar que vai usar a eleição do próximo ano como palanque para o Palácio dos Leões em 2022. Nas últimas semanas, por exemplo, em vez de críticas apenas a gestão Edivaldo Holanda Júnior, passou também a mirar, principalmente, Flávio Dino, e o que chamou de “projeto de poder” do PCdoB e do PDT.

“O que existe é um projeto de poder. E o que a gente percebe é que tem um projeto de permanecer nesse poder, porque se tivesse um projeto de governo realmente os índices divulgados seriam positivos. Essa é uma parceria de televisão, só existe nas propaganda”, apontou mais cedo ao programa Nova Manhã, da Rádio Nova FM.

A estratégia parece ser a mesma adotada pelo próprio Dino, que primeiro concorreu para a prefeitura de São Luís como vitrine eleitoral para logo depois disputar e vencer para governador.

Contudo, diferentemente do comunista, diante do vácuo na sucessão de 2022 criado pela briga de bastidor entre o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e o senador Weverton Rocha (PDT), somada à pré-candidatura precoce de Flávio Dino à Presidência da República, Eduardo Braide tem hoje maior chance de vitória já na primeira disputa pelo Palácio dos Leões, ganhando ou perdendo o pleito de 2020.

Em caso de vitória de Braide nas urnas ano que vem, quem indicar o nome para vice-prefeito —daí o porquê da vaga estar em negociação com o PSDB e o PL, de Roberto Rocha e Josimar Maranhãozinho, respectivamente—, poderá já contar com a única vaga ao Senado que o Maranhão terá direito em 2022.

Braide se filia ao Podemos nesta sexta para disputar prefeitura
Política

Parlamentar elegeu-se pelo PMN em 2018. Partido não atingiu a cláusula de barreira

O deputado federal Eduardo Braide confirmou nas redes sociais, para esta sexta-feita 29, sua filiação ao Podemos.

O ato ocorrerá em São Luis, onde o parlamentar pretende disputar a prefeitura em 2020.

Nas eleições de 2018, Braide elegeu-se pelo PMN, partido que não atingiu a cláusula de barreira. Em uma articulação envolvendo o deputado federal Aluísio Mendes (PSC), há alguns meses garantiu o controle do Podemos, para onde já havia mandado alguns de seus assessores e correligionários mais próximos.

No PMN, seu antigo partido, colocou no comando o seu irmão, Fernando Braide.

Anildes Cruz alega foro íntimo e deixa relatoria de ação contra Edmar Cutrim e Rubens Júnior
Política

Conselheiro do TCE e secretário estadual de Cidades são acusados de nepotismo cruzado pelo Ministério Público do Maranhão

A desembargadora Anildes Cruz, do Tribunal de Justiça do Maranhão, deixou a relatoria do recurso interposto pelo conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Edmar Serra Cutrim, contra decisão da juíza Alexandra Ferraz Lopez, titular do 2º cargo da 7ª Vara da Fazenda Pública, que aceitou ação contra ele e o secretário estadual de Cidades e Desenvolvimento Urbano, Rubens Pereira Júnior, sob acusação de nepotismo cruzado.

Na decisão, proferida no último dia 21, quase um mês após a promotora Sidneya Nazareth Liberato apresentar parecer contrário ao agravo de instrumento de Edmar Cutrim, Anildes invocou o parágrafo primeiro do artigo 145 do CPC (Código de Processo Civil), segundo o qual “poderá o juiz declarar-se suspeito por motivo de foro íntimo, sem necessidade de declarar suas razões”.

Os autos foram remetidos ao setor de distribuição, para que seja designado um novo relator na 6ª Câmara Cível, onde tramita o processo. Anildes Cruz, por conta do foro íntimo alegado, será substituída na votação do caso.

Rubens Júnior também tentou suspender a ação, mas teve liminar negada pelo desembargador Ricardo Dualibe. Posteriormente, Duailibe decidiu redistribuir o processo que estava sob sua relatoria para Anildes Cruz, então relatora preventa.

Como mostrou o ATUAL7, Edmar Cutrim e Rubens Júnior viraram réus por improbidade administrativa na segunda quinzena de agosto último.

Segundo o Ministério Público do Maranhão, Rubens Júnior, à época deputado estadual, empregou em seu gabinete na Assembleia Legislativa o filho de Edmar Cutrim, Glalbert Cutrim, atualmente deputado estadual pelo PDT. Em contrapartida, diz o Ministério Público, o conselheiro empregou em seu gabinete no TCE a irmã do parlamentar comunista, Camila Torres e Silva, a Camila Pereira. A irregularidade durou quase seis anos.

Nos autos, ambos negam que tenham cometido a irregularidade apontada, e requerem a improcedência da ação.

Pela legislação, entre as sanções previstas para quem comete improbidade administrativa estão as de a perda do cargo público e a suspensão dos direitos políticos, por até oito anos.

Wellington do Curso e Duarte Júnior comentam pesquisa Exata
Política

Instituto apontou tendência de segundo turno com um dos dois disputando contra Eduardo Braide

Os deputados estaduais Wellington do Curso (PSDB) e Duarte Júnior (PCdoB) comentaram, em resposta ao ATUAL7, o resultado da pesquisa do Instituto Exata que aponta tendência de segundo turno na eleição de 2020 para a prefeitura de São Luís.

Segundo o levantamento, eles aparecem tecnicamente empatados, com 12% e 11%, respectivamente, devendo um dos dois disputar contra o deputado federal Eduardo Braide (PMN), líder absoluto em intenções de voto, com 40%.

O ATUAL7 tentou ouvir Braide sobre a sondagem eleitoral, também, mas não conseguiu até a publicação dessa matéria.

Para Wellington, o resultado da Exata confirma o reconhecimento ao trabalho que ele vem desenvolvendo na Assembleia Legislativa do Maranhão, focado principalmente em denúncias, cobranças e fiscalização do dinheiro público para melhor aplicação em prol da população.

“É com alegria que recebemos o resultado dessa pesquisa que reflete, na realidade, o reconhecimento da população pelo nosso trabalho sério e independente em defesa de São Luís. O sentimento do povo é maior que qualquer apoio político e prova disso é que entre todos os candidatos, exceto o que ocupa a primeira posição, somos o único a não contar com apoio de governo nem de prefeitura. Seguiremos assim, trabalhando com coragem e sempre à disposição dos maranhenses. Tenho denunciado, cobrado e fiscalizado para que o dinheiro público seja aplicado na melhoria da qualidade de vida das pessoas. Conheço a realidade de São Luís e da sua população é apresentamos solução para os problemas da nossa cidade. O nosso apoio vem das ruas e é com a força da nossa gente que seguiremos firmes para construir uma cidade melhor”, declarou.

Comentário no mesmo sentido, de reconhecimento do trabalho desenvolvido, foi feito por Duarte Júnior. Ainda de acordo com ele, a população cansou de políticos aventureiros, e deseja que a cidade seja gerida por quem realmente tem um plano concreto de ações e histórico de resultados.

“Me sinto honrado por mais uma vez ter o meu trabalho reconhecido pelo povo da minha cidade. Está nítido que as pessoas não aguentam mais críticos ou vendedores de sonhos, mas buscam, para cuidar da cidade, quem realmente tenha um plano concreto de ações e resultados apresentados. Tenho me preparado muito e me dedicado ao máximo. A cada dia me sinto mais preparado para esta honrosa oportunidade.
Não vou decepcionar”, disse.

A pesquisa Exata foi realizada entre 18 a 21 de novembro, tendo como base 1.016 entrevistas. A margem de erro é de 3,1 pontos porcentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

Wellington ou Duarte disputará 2º turno contra Braide, diz Exata
Política

Levantamento foi realizado na semana passada

Pesquisa eleitoral realizada pelo Instituto Exata aponta que a eleição para a prefeitura de São Luís em 2020 será decidida somente no segundo turno.

De acordo com o levantamento, pela tendência apresentada pelo eleitorado ludovicense, disputará contra Eduardo Braide (PMN-MA), líder isolado com 40% das intenções de voto, Wellington do Curso (PSDB) ou Duarte Júnior (PCdoB), com 12% e 11%, respectivamente.

Como a margem de erro é de 3,1 pontos percentuais, eles estão tecnicamente empatados na segunda colocação.

Os demais pré-candidatos são Neto Evangelista (DEM) e Bira do Pindaré, ambos com 6%; Osmar Filho (PDT) e Adriano Sarney (PV), com 3%, cada; Jeisael Marx, com 2%; e Yglésio Moyses (PDT) e Rubens Pereira Júnior, empatados com 1%. Allan Garcês (PSL), não pontuou.

Brancos ou nulos somam 10%; e 5% não sabe ou não respondeu.

A pesquisa Exata ouviu 1.016 eleitores, de 18 a 21 de novembro. O nível de confiança é de 95%.

Ampla maioria rejeita gestões Gil Cutrim e Luis Fernando em São José de Ribamar
Política

Escutec aponta que eventual apadrinhamento dos dois políticos no pleito de 2020 servirá apenas para atrapalhar postulantes à prefeitura

O deputado federal Gil Cutrim (ainda no PDT) e o secretário estadual de Programas Estratégicos do Maranhão, Luis Fernando Silva (sem partido), carregam em seus currículos números vexatórios relacionados à São José de Ribamar, município situado na Grande Ilha e quarto maior colégio eleitoral do estado, que ambos administraram.

É o que aponta resultado de pesquisa de intenção de votos realizada pelo Instituto Escutec, no mês passado. Segundo revelou o levantamento, as gestões dos ex-prefeitos possuem rejeições estratosféricas e eventual apadrinhamento deles no pleito do ano que vem servirá, tão somente, para atrapalhar candidatos que pretendem ser alçados ao comando da cidade do santo padroeiro do Maranhão.

De acordo com os números, pelo menos 77% dos entrevistados pela Escutec, que ouviu 801 ribamarenses, disseram não votar de maneira nenhuma em um candidato a prefeito apoiado por Gil Cutrim, que geriu São José de Ribamar de 2011 a 2016.

Levando em consideração a margem de erro de 3,45% para mais, o ex-prefeito soma uma desaprovação de mais de 80%, um recorde na história política da cidade.

Ex-pré-candidato ao Palácio dos Leões pelo grupo Sarney, Luis Fernando administrou o município em três oportunidades. Por conveniência política, renunciou ao mandato duas vezes –2010 e neste ano–, traindo a confiança do povo que o elegeu.

Seu terceiro mandato, para o qual foi eleito em 2016, foi um verdadeiro desastre administrativo, situação que o levou a deixar a prefeitura para abrigar-se na gestão Flávio Dino (PCdoB), a quem ele criticou por diversas vezes em passado bem recente.

De acordo com a Escutec, instituto que o próprio Luis Fernando sempre contratou e apontou como de grande credibilidade, 57% dos ribamarenses não votam, de modo algum, em um candidato apoiado por ele.

Esta desaprovação, também levando em consideração a margem de erro para mais, ultrapassa a casa dos 60% de rejeição. Um percentual considerável e que enterra a imagem de bom gestor daquele que um dia foi considerado por alguns analistas políticos como o melhor prefeito do Maranhão.

Mulheres devem ficar de fora da disputa pela prefeitura de São Luís
Política

Até o momento, só há pré-candidaturas de homens ao Executivo municipal em 2020

Apesar das mulheres, de acordo com dados de outubro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), representarem mais da metade do eleitorado da capital (54,7%), a disputa pela prefeitura de São Luís nas eleições de 2020 deve se dar apenas entre homens, segundo nomes já lançados por seus respectivos partidos e os autodeclarados pré-candidatos.

O cenário ainda pode mudar até o período das convenções, primeiro passo para a oficialização das candidaturas. Até o momento, porém, todos os 15 postulantes ao Executivo municipal são apenas homens.

São eles, por ordem alfabética: Adriano Sarney (PV), Allan Garcês (PSL), Bira do Pindaré (PSB), Carlos Madeira (sem partido), Coronel Monteiro (PSL), Duarte Júnior (PCdoB), Eduardo Braide (PMN), Jeisael Marx (Rede), Neto Evangelista (DEM), Osmar Filho (PDT), Rubens Pereira Júnior (PCdoB), Silvio Antônio (PSL), Tadeu Palácio (PSL), Wellington do Curso (PSDB) e Yglésio Moyses (PDT).

Como alguns partidos possuem mais de um pré-candidato —só o PSL possui quatro—, para se manterem na corrida, alguns postulantes deverão migrar para outras legendas. Outros, por negociações de bastidor ou falta de partido, deverão desistir no meio do caminho e não disputar o pleito.

A última eleição para a prefeitura de São Luís em que apenas homens concorreram foi a de 2008, quando João Castelo (já falecido) venceu Flávio Dino (PCdoB) no segundo turno. As mulheres, no caso, participaram no papel secundário de vice —Sônia Baptista, na chapa de Gastão Vieira; e Helena Duailibe, na de Castelo.

Diaz também nega conversa com Braide sobre vice e diz que foi procurado por partidos
Política

Segundo o presidente da OAB-MA, diálogos com deputado sempre foram de cunho institucional. Possibilidade dele próprio disputar a prefeitura não está descartada

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) no Maranhão, Thiago Diaz, também negou que tenha conversado com o deputado federal Eduardo Braide (PMN) sobre a possibilidade de disputar a prefeitura de São Luís em 2020 como vice do parlamentar.

“Minhas conversas com Eduardo sempre foram de cunho institucional, com foco nas questões institucionais da OAB e nas questões envolvendo os interesses da advocacia”, disse ao ATUAL7.

Apesar de negar conversas políticas com o deputado federal, Diaz deixou claro estar aberta a possibilidade dele próprio entrar na disputa pelo Executivo municipal. Segundo informou, ao menos dois partidos o teriam procurado para concorrer ao pleito, tendo ambos recebido como resposta que, “neste momento”, ele pretende manter o foco apenas em questões relacionadas à Seccional maranhense.

“Fui sondado por alguns partidos para ser candidato a prefeito, mas meu pensamento nesse momento está com a OAB e os desafios da advocacia. Pra ser preciso, foram 2. Respondi a todos que nesse momento meu pensamento é na OAB”, disse, sempre deixando transparecer que a pretensão atual pode mudar futuramente.

Mais cedo, Eduardo Braide já havia desmentido a informação divulgada por blogs da capital, também garantindo que as conversas mantidas com o presidente da OAB-MA sempre foram de cunho institucional.

“Eu e o presidente da OAB-MA, Thiago Diaz, nunca tratamos sobre política. A nossas conversas sempre foram de cunho institucional, visando os anseios da classe de advogados, papel que exerço como coordenador da Frente Parlamentar da Advocacia no Maranhão”, disse.

Braide desmente conversa com Diaz sobre vice: ‘Nunca tratamos sobre política’
Política

Suposta articulação eleitoral entre deputado federal e presidente da OAB-MA foi divulgada por blogs nesta terça-feira 29

O deputado federal Eduardo Braide (PMN) desmentiu que tenha conversado com o presidente da Seccional maranhense da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Thiago Diaz, sobre a corrida eleitoral de 2020, quando pretende disputar novamente a prefeitura de São Luís.

“Eu e o presidente da OAB-MA, Thiago Diaz, nunca tratamos sobre política. A nossas conversas sempre foram de cunho institucional, visando os anseios da classe de advogados, papel que exerço como coordenador da Frente Parlamentar da Advocacia no Maranhão”, disse ao ATUAL7, por meio de sua assessoria.

A explicação foi dada em resposta a divulgação feita por blogs mais cedo, sobre suposta articulação entre o parlamentar e Diaz.

Segundo a assessoria de Braide, uma foto que está sendo utilizada nas publicações foi registrada no mês passado, durante reunião pedida pela Seccional maranhense da Ordem ao deputado, enquanto coordenador da Frente Parlamentar da Advocacia.

De acordo com pesquisa de intenção de votos da Escutec, divulgada recentemente, Eduardo Braide tem a preferência absoluta do eleitorado ludovicense.

Pré-candidatos a prefeito de São Luís comentam pesquisa Escutec
Política

Eduardo Braide, Duarte Júnior, Neto Evangelista e Wellington do Curso avaliam positivamente o levantamento; Allan Garcês contesta resultado e Jeisael Marx mostra desprendimento

O resultado da pesquisa Escutec/O Estado, divulgada nesse sábado 19, divide as opiniões dos pré-candidatos a prefeito de São Luís nas eleições de 2020 ouvidos pelo ATUAL7. Enquanto alguns avaliam positivamente o levantamento, outros contestaram ou se mostraram indiferente.

Líder com 42,6% das intenções de voto, Eduardo Braide (PMN) disse, por meio de sua assessoria, que o resultado da sondagem mostra que ele está no caminho certo. “Sempre serei grato ao povo de São Luís. Todo esse apoio e carinho demonstrados nas ruas e refletidos nas pesquisas divulgadas nos mostra que estamos no caminho certo e que a nossa cidade será muito melhor!”, comentou.

Segundo colocado no levantamento com 10%, Duarte Júnior (PCdoB) creditou o resultado da Escutec/O Estado ao “reconhecimento” do seu trabalho à frente do Procon e do Viva. “Me sinto honrado pela confiança depositada em meu nome. Nossa cidade precisa de resultados efetivos. Afinal, não adianta tratar os velhos problemas com velhas soluções. Por esta razão, acredito que este reconhecimento se dá pela gestão inovadora, eficiente e de resultados que desempenhamos no PROCON e no VIVA. Estou preparado para o desafio e tenho fé que não vou decepcionar!”, disse.

Neto Evangelista (DEM) atribuiu o desempenho na pesquisa à forma como vem atuando na Assembleia Legislativa e ao trabalho que desenvolveu no Governo do Maranhão. Ex-secretário estadual de Desenvolvimento Social, ele registrou 8,8% no levantamento. “Eu encaro a pesquisa primeiro com muito entusiasmo, vendo nosso crescimento, pois sei que ela reflete um reconhecimento das pessoas para com o nosso trabalho, tanto como parlamentar, quanto como gestor, porque até hoje as pessoas me param lembrando também da minha passagem como secretário. Continuarei meu caminho como pré-candidato ouvindo às pessoas, de todas as idades e me preparando muito para o que vem pela frente. Só tenho um sentimento, o de gratidão por ver que cada vez mais aprovam o nosso trabalho”, comemorou.

Para Wellington do Curso (PSDB), que pela margem de erro aparece embolado com Duarte Júnior e Neto Evangelista, o resultado da Escutec/O Estado representa “o reconhecimento da população” ao “trabalho sério e independente” que ele vem fazendo “em defesa de São Luís”. O tucano pontou 8,2% das intenções de voto.

“É com alegria que recebemos o resultado dessa pesquisa que reflete, na realidade, o reconhecimento da população pelo nosso trabalho sério e independente em defesa de São Luís: O sentimento do povo é maior que qualquer apoio político! Prova disso é que mesmo diante de todos os ataques e perseguições que sofremos do governo e prefeitura, o nosso nome surge entre os pré-candidatos a prefeitos de São Luís na pesquisa da Escutec! Seguiremos na luta, de forma séria, com coragem e sempre à disposição dos ludovicenses. Continuaremos cobrando, denunciando e fiscalizando para que o dinheiro público seja realmente para melhorar a qualidade de vida das pessoas. E o mais importante apresentamos soluções para os problemas existentes em nossa cidade! O nosso apoio vem das ruas e é com a força da nossa gente que seguiremos firmes”, disse.

Já Allan Garcês (PSL) contestou a pesquisa, que o aponta com apenas 1,0% das intenções de voto. Ele defendeu a tese de que a população, para ser respeitada por seus governantes, precisa eleger um governo de direita. “Acho no mínimo estranho o percentual de alguns candidatos. O povo de São Luís precisa ser respeitado, mas para isso precisa se dá o direito de ter um governo de Direita. Estamos a disposição para colocar nossa cidade na rota do desenvolvimento e do progresso”, declarou.

Estreante em pré-candidatura eleitoral própria, o comunicador Jeisael Marx (sem partido) mostrou-se desprendido dos números da Escutec/O Estado, onde apareceu com 1,1%. Para ele, embora seja positivo haver pontuado na pesquisa, “quem tem ‘obrigação’ de aparecer bem” são os candidatos que há anos estão na política. “Acho ótimo estar pontuando nas pesquisas, mas isso não influencia minha caminhada agora. Quem tem ‘obrigação’ de aparecer bem são eles que têm carreira política. Vou continuar levando minha mensagem independente de números de pesquisa, sejam quais forem”, destacou.

Ontem, Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e o juiz federal Carlos Madeira também comentaram ao ATUAL7 o resultado da pesquisa Escutec/O Estado. Enquanto Rubens Júnior alegou que “ainda sequer” lançou pré-candidatura a prefeito, Madeira comemorou o fato de ter aparecido e pontuado. Ambos registram 1,0% das intenções de voto.

Demais pré-candidatos não retornaram a tentativa de contato ou não foram localizados.

Madeira comemora após aparecer na Escutec: ‘Reforça convicção de oferecer meu nome’
Política

Juiz federal teve o nome lembrado por eleitores em pesquisa de intenções de voto para prefeito de São Luís, divulgada neste sábado 19

O juiz federal José Carlos Madeira comemorou o aparecimento de seu nome na pesquisa Escutec/O Estado, divulgada neste sábado 19.

Na sondagem estimulada, ele aparece com 1,0% de intenções de voto, mesma pontuação do secretário estadual de Cidades e Desenvolvimento Urbano, Rubens Pereira Júnior (PCdoB) —que buscou minimizar a colocação, por não conseguir deslanchar apesar de estar há anos na política, ter recebido uma injeção multimilionária pelo Flávio Dino (PCdoB) na pasta e de conversas com lideranças de outros partidos.

“Irei me aposentar até o final do ano. Em razão de meu nome ser lembrado e até já aparecer em pesquisa de opinião pública reforça a minha convicção de oferecer meu nome como pré-candidato. Alguns partidos estão me procurando e, após minha aposentadoria, conversarei com todos que tem me procurado”, disse ao ATUAL7.

É a primeira vez que Madeira fala como postulante ao Palácio de La Ravardière, nas eleições de 2020. Até antes da divulgação da Escutec/O Estado, em todas as declarações destacava que, após a aposentaria da magistratura, iria se dedicar à advocacia.

Entre os partidos que tentam ter o juiz federal como candidato a prefeito de São Luís, segundo apurou o ATUAL7, estão o PSD, MDB e PP.

Na Justiça Federal, onde ficará até dezembro de 2019, Madeira responde como titular da 5ª Vara Cível da Seção do Maranhão do TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região.

“Ainda sequer me declarei pré-candidato”, diz Rubens Júnior sobre 1% na Escutec
Política

Pesquisa divulgada neste sábado 19 mostrou secretário de Cidades como pior colocado entre os pré-candidatos governistas

O secretário estadual de Cidades e Desenvolvimento Urbano, Rubens Pereira Júnior (PCdoB), buscou diminuir o resultado da pesquisa Escutec/O Estado, divulgada neste sábado 19. A sondagem o apontou como o pior colocado entre os pré-candidatos da base governista na disputa pela prefeitura de São Luís em 2020.

“Eu ainda sequer me declarei pré-candidato a prefeito. Tem tempo pra tudo. Foco é trabalho. Eleição é ano que vem”, disse, por meio de sua assessoria, ao ATUAL7.

Segundo os números da Escutec/O Estado, Rubens Júnior registrou apenas 1,0% das intenções de voto na pesquisa estimulada com todos os possíveis nomes do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) e do atual prefeito da capital, Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

O melhor colocado entre os governistas, de acordo com o levantamento, é o deputado estadual Duarte Júnior (PCdoB), com 10% das intenções de voto na estimulada.

Os demais são: Neto Evangelista (DEM), com 8,8%; Bira do Pindaré (PSB), com 4,0%; Osmar Filho (PDT), com 3,1%; Yglésio Moyses (PDT), com 1,8%; e Jeisael Marx (ainda sem partido, mas com garantias de disputa pela Rede Sustentabilidade), com 1,1%.

Braide lidera intenções de voto, seguido por Duarte, aponta Escutec
Política

Pré-candidato de Flávio Dino e do PCdoB, Rubens Júnior é o pior colocado entre os governistas

O deputado federal Eduardo Braide, que deve sair do PMN para entrar no Podemos, lidera as intenções de voto para prefeito de São Luís na pesquisa Escutec/O Estado, divulgada neste sábado 19.

De acordo com os números, Braide tem a preferência de 42,6% ouvidos pela pesquisa estimulada. Ele é seguido, ainda que de longe, pelo deputado estadual Duarte Júnior, com 10%, que ainda está no PCdoB, mas disputará o pleito de 2020 pelo PRB, do vice-governador Carlos Brandão.

Na sequência aparecem Neto Evangelista (DEM), com 8,8%; Wellington do Curso (PSDB), com 8,2%; Tadeu Palácio (PSL), com 4,8%; Adriano Sarney (PV), com 4,5%; Bira do Pindaré (PSB), com 4,0%; Osmar Filho (PDT), com 3,1%; e outros candidatos que pontuaram apenas na casa do 1%.

Entre os nomes de baixa intenção de voto está o do deputado federal licenciado e secretário de Cidades e Desenvolvimento Urbano de Flávio Dino, Rubens Pereira Júnior. Nome do governador e do PCdoB para a corrida, ele registrou míseros 1,0%. É o pior colocado entre os governistas no levantamento da Escutec/O Estado.

Ainda segundo a sondagem, declararam que não votariam em nenhum desses candidatos 1,4% dos entrevistados e 4,0% não sabem ou não responderam.

A pesquisa foi realizada entre os dias 12 e 17 de outubro e ouviu 1.002 eleitores ludovicenses. A margem de erro é de 3,1 pontos percentuais, para mais ou para menos.

No Maranhão, 13 deputados devem disputar prefeituras em 2020
Política

Maioria é aliada do Palácio dos Leões e concorrerá em São Luís

As eleições municipais ocorrerão somente em outubro do próximo ano, mas ao menos 13 deputados maranhenses no exercício do mandato, entre estaduais e federais, já se movimentam em busca de apoio ao seus nomes para a disputa por prefeituras. A maioria é aliada do Palácio dos Leões.

Segundo articulações de bastidor, apenas por São Luís sete parlamentares devem concorrer ao Palácio de La Ravardière: Adriano Sarney (PV), Bira do Pindaré (PSB), Duarte Júnior (PCdoB), Eduardo Braide (PMN), Neto Evangelista (DEM), Wellington do Curso (PSDB) e Yglésio Moyses (PDT).

Os demais são Marco Aurélio (PCdoB), em Imperatriz; Rigo Teles (PV), em Barra do Corda; Fernando Pessoa (SD), em Tuntum; Leonardo Sá (PL), em Pinheiro; Rafael Leitoa (PSB), em Timon; e Daniela Tema (DEM), em Presidente Dutra.

Alguns deles, por falta de espaço ou de recursos no atual partido, trocaram de legenda para entrar no pleito de 2020.

Plano político de esquema de pirâmide financeira tem apoio de Josimar Maranhãozinho
Política

Em rede social, deputado publicou sobre reunião com pai e irmão de Rony Cardoso, apontado pela Polícia Civil como integrante da quadrilha. Objetivo é ganhar eleição para prefeitura de São João do Carú em 2020

A Polícia Civil do Maranhão descobriu, no bojo da investigação que resultou na megaoperação deflagrada mais cedo contra um esquema milionário de pirâmide financeira, que a quadrilha planejava se fortalecer politicamente no estado, com o lançamento de candidaturas a cargos eletivos, com a finalidade de se beneficiar financeiramente e dar respaldo e imunidade à quadrilha.

Segundo publicações feitas pelo deputado Josimar Maranhãozinho (PL) em sua página pessoal no Facebook, pelo menos uma dessas ramificações conta com o forte apoio e força dele próprio e de seu grupo político.

Trata-se da pré-candidatura para 2020 do agropecuarista Bruno Cardoso, o Peteca, a prefeito de São João do Carú, município localizado na Região Oeste do Maranhão, onde a maior parte da população vive em condições de pobreza extrema, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Peteca é irmão do empresário promotor de eventos no Maranhão, Rony Cardoso, preso na ação policial sob suspeita de integrar o esquema de pirâmide financeira que, no período de dois anos, de acordo com relatórios de Inteligência Financeira do Coaf (Conselho de Controle de Atividade Financeira), movimentou quase R$ 50 milhões.

Na rede social, segundo a publicação feita por Josimar, ele teria recebido a visita de Peteca e de seu genitor, Mizael Cardoso. “Recebi a visita do pré-candidato a prefeito de São João do Carú, Peteca, que estava acompanhado do seu pai Mizael. Peteca é irmão do empresário e promotor de eventos Rony Cardoso. Peteca abraça o nosso projeto político, e vem somar forças. Seja bem-vindo e estamos prontos para ajudar e trabalhar pelo bem dos municípios maranhenses”, publicou.

Procurado pelo ATUAL7, Josimar Maranhãozinho confirmou o fechamento de acordo político em apoio ao irmão de Rony Cardoso. O parlamentar garantiu, no entanto, desconhecer que a pré-candidatura de Peteca fizesse parte de algum esquema e, também, sobre as suspeitas que pesam contra o promotor de eventos.

“Não é o meu dever investigar as pessoas e empresas, para isso temos os órgãos responsáveis que com certeza fará os que forem responsáveis pagarem”, disse.

Flávio Dino conta com Duarte Júnior para forçar 2º turno em São Luís
Política

Governador avalia que, sem o deputado na disputa, chances de Eduardo Braide vencer no 1º turno são maiores. Apoio ao ex-presidente do Procon também mina planos de Weverton Rocha para 2022

O deputado estadual Duarte Júnior tem a certeza de apoio do governador Flávio Dino para disputar as eleições de 2020 em São Luís, em sucessão a Edivaldo Holanda Júnior (PDT). É o próprio governador, inclusive, quem tem dado abertura no bastidor para a saída do parlamentar do PCdoB, e entrada no PRB do vice-governador Carlos Brandão.

Segundo apurou o ATUAL7, Dino tem dito a aliados mais próximos que, apesar da principal aposta para o pleito ainda estar sendo depositada em Rubens Pereira Júnior (PCdoB), ele conta com o ex-presidente do Procon para forçar um segundo turno contra o deputado federal Eduardo Braide (PMN), que vem aparecendo como favorito na corrida.

Para o governador do Maranhão, como, segundo pesquisas eleitorais já realizadas, a população ludovicense quer um gestor para a administração da capital, Duarte já possui comprovadas ações a mostrar, além de qualidade no discurso e prontidão para o contraponto contra o opositor, o que mudaria o clima da eleição e diminuiria as chaves de eventual vitória de Braide no primeiro turno.

O apoio a Duarte Júnior, ainda de acordo com interlocutores do governador, mina também os planos do senador Weverton Rocha (PDT) para a sucessão do próprio Flávio Dino no Palácio dos Leões. Em vez de Weverton, o comunista prefere deixar Brandão no poder do Estado.

Na visão de Dino, conforme mostrou ontem o ATUAL7, numa eventual derrota de Weverton na capital do Maranhão nas eleições do próximo ano, o pedetista ficaria fragilizado e, com isso, impossibilitado de seguir com seu projeto de poder para 2022.