Roseana Sarney
Sete anos depois, RCED contra Roseana e Washington é julgado e arquivado
Política

Em decisão monocrática, Gilmar Mendes destacou que recurso proposto por Zé Reinaldo perdeu o objeto

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, julgou e arquivou, monocraticamente, um Recurso Contra Expedição de Diploma (RCED) proposto por José Reinaldo Tavares contra a então governadora eleita em 2010, Roseana Sarney (PMDB), e seu vice, Washington Luiz Oliveira (PT).

A decisão é de quinta-feira passada, dia 11, mas foi publicada no Diário do TSE somente no início desta semana.

O RCED foi proposto quando Zé Reinaldo era candidato a senador, terminando derrotado nas urnas.

Atualmente, sete anos depois, ele exerce o mandato de deputado federal pelo PSB; Roseana pode voltar ao comando do Palácio dos Leões em possível vitória contra o atual governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); e Washington é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Na decisão, Gilmar Mendes ressaltou que o recurso perdeu o objeto justamente porque a ex-governadora e seu vice não se encontram mais exercendo o respectivos mandatos alvo do RCED.

“Considerando que o recurso representativo da controvérsia — RE nº 825.796/STF (RCED nº 8-84/TSE) — foi julgado prejudicado pelo Ministro Luiz Fux, este RCED também perdeu o objeto, porquanto exauridos os mandatos. Ante o exposto, julgo prejudicado o recurso”, despachou.

Com quase três anos no governo, Flávio Dino culpa Roseana por ‘gaiolão’
Política

Um comerciante morreu no início desta semana, após ser colocado na jaula que fica numa delegacia em Barra do Corda

O governador Flávio Dino (PCdoB) traçou a estratégia de culpar a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) como responsável pela existência de uma jaula improvisada nos fundos de uma delegacia no município de Barra do Corda, conhecida na região como ‘gaiolão’, que não tem teto e fica exposta ao sol.

No início desta semana, um comerciante colocado nessa cela passou mal e morreu. Ele sofria de hipertensão e, mesmo sentido dor de cabeça e mal estar, ficou no local desumano por quase 24 horas.

Para se eximir da responsabilidade, o Palácio dos Leões ignorou que Flávio Dino está no governo há quase três anos, que foi alertado pela Defensoria Pública sobre o ‘gaiolão’ desde fevereiro último, e distribuiu nota ao Bom Dia Brasil em que destaca que a situação nessa delegacia de Barra do Corda vem da gestão anterior, isto é, de Roseana.

A estratégia de fazer-se de rogado diante da própria inércia e incompetência é constante.

Em resposta às operações da Polícia Federal contra desvios de dinheiro público nos cofres do Estado, Dino culpou Roseana pela contratação do ICN, Bem-Viver e Idac, como se a peemedebista fosse a responsável pelos aditivos ou novas contratações feitas pelo e no governo do comunista.

Também quando presos fugiram do Complexo Penitenciário de Pedrinhas em fuga cinematográfica, ou quando facções criminosas voltaram a promover ataques a ônibus em São Luís, ou quando se descobriu a existência de alugueis e reformas camaradas, tudo isso durante o seu governo, Dino culpou Roseana.

E é nessa estratégia, de não se enxergar responsável pelo que ocorre em seu próprio governo, que ele quer ser reeleito.

Flávio Dino tem a menor rejeição e Roseana Sarney a maior, diz Exata
Política

Pesquisa aponta também para a reeleição do comunista no primeiro turno

O governador Flávio Dino (PCdoB) tem a menor rejeição entre os prováveis candidatos ao Palácio dos Leões em 2018, segundo aponta pesquisa do Instituto Exata.

De acordo com os números, a mais rejeitada é a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), com 46%. Atrás vem o senador Roberto Rocha (PSDB), com 35%; e a presidente do Podemos no Maranhão, Maura Jorge, com 30%. O comunista, segundo a Exata, tem apenas 23% de rejeição dos eleitores.

As demais opções, de votar em todos ou de não votar em nenhum dos nomes propostos marcou, respectivamente, 3% e 10%, cada.

A mesma pesquisa já havia apontado que, se as eleições fossem hoje, Dino seria reeleito no primeiro turno, com 60% da intenção de votos.

De acordo com o Jornal Pequeno, que encomendou e divulgou o levantamento, a Exata ouviu 1.420 eleitores, entre os dias 30 de setembro e 3 de outubro. A margem de erro é 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento tem 95% de confiabilidade.

Flávio Dino tem 32% de vantagem sobre Roseana Sarney, diz Exata
Política

Comunista aparece com 60% da intenção de votos contra 28% da ex-governadora

Levantamento do Instituto Exata, divulgado nesta quarta-feira 4 pelo Jornal Pequeno, aponta para uma vantagem de 32% do governador Flávio Dino (PCdoB), que vai para a reeleição, sobre a segunda colocada na pesquisa, a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

De acordo com os números, Dino tem 60% contra 28% de Roseana. O senador Roberto Rocha (PSDB) aparece na terceira colocação, bem longe dos dois primeiros, com apenas 7%. Logo atrás vem a presidente do Podemos no Maranhão, Maura Jorge, com 5%.

Segundo o Jornal Pequeno, a Exata ouviu 1.420 eleitores maranhenses, entre os dias 30 de setembro e 3 de outubro. A margem de erro é 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Apesar da rapidez na transcrição, tabulação e análise dos dados, o instituto de pesquisa afirma que o levantamento tem 95% de confiabilidade.

“Repõe a verdade”, diz Adriano sobre desmonte de acusação contra Roseana
Política

Ministério da Integração Nacional desmentiu a informação de que uma auditoria havia detectado o desvio de dinheiro público na gestão da ex-governadora

O deputado Adriano Sarney (PV) aproveitou a sessão legislativa desta quarta-feira 20 para comentar sobre a informação que de uma auditoria do Ministério da Integração Nacional teria apontado para desvios de recursos públicos, na ordem de R$ 18 milhões, destinado para vítimas de enchentes, pela ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), sua tia.

O alarde contou até com publicação do governador Flávio Dino (PCdoB) nas redes sociais, mas foi desmentido no início desta semana pelo titular da pasta, Helder Barbalho, em documento oficial.

Segundo ofício endereçado à Roseana, que solicitou a informação após a disseminação do boato, o processo que culminou com a liberação de cerca de R$ 35 milhões para execução de obras e ações emergenciais no Maranhão, no ano de 2009, após enchentes que atingiram 68 municípios, nunca passou por qualquer auditoria da pasta.

“Esclareço não ter sido o referido processo objeto de auditoria, nem constatar qualquer irregularidade a pessoa de Vossa Senhoria quando no exercício do cargo de Governadora do Estado do Maranhão”, diz Barbalho no documento.

Para Adriano Sarney, o uso da falsa notícia é uma tentativa de estancar o avançando da ex-governadora na preferência do eleitorado maranhense. “Isso é uma mentira do governo comunista que inventou uma denúncia contra a ex-governadora Roseana, e o ofício do Ministério da Integração repõe a verdade”, ressaltou.

Embora sequer tenha declarado se decidiu concorrer ou não ao Palácio dos Leões em 2018, Roseana Sarney é favorita e vence em todos os cenários de intenção de votos, segundo levantamento recente divulgado pelo Instituto Escutec. A chapa da oposição ao Senado, formada pelo ministro do Meio Ambiente Sarney Filho (PV) e o senador Edison Lobão (PMDB), ainda segundo a Escutec, também lidera a pesquisa.

Roseana é favorita e vence em todos cenários em 2018, diz Escutec
Política

Pesquisa mostra que, apesar do ataque midiático e da série de processos, peemedebista é a preferida da população maranhense

A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) continua tendo, apesar de todo o ataque midiático e da série de processos em que é alvo do Ministério Público por suposta corrupção, a preferência dos maranhenses.

Pesquisa Rádio Difusora AM/Escutec, divulgada neste sábado 16, aponta que, se as eleições para o governo estadual fossem hoje, Roseana vence em todos os cenários levantados. A pesquisa ouviu 2020 eleitores entre os dias 5 e 9 de setembro de 2017 em 60 municípios maranhenses.

De acordo com os dados divulgados, no primeiro cenário, Roseana Sarney tem 36,9%, contra 33% de Flávio Dino (PCdoB). Roberto Rocha (PSB) tem 9,1% e Maura Jorge (Pode) 5%. Nenhum deles chegou a 4,4% e não sabem ou não responderam marcou 11,7%.

No segundo cenário, em que é retirado o nome da peemedebista, Dino venceria é quem venceria, com 36%, contra 20,1% de Rocha. Maura Jorge aparece com 8,1%. Nenhum deles 18% e não sabem ou não responderam 17%.

Segundo turno

Numa simulação de segundo turno entre Roseana Sarney e Flávio Dino, a ex-governadora do Maranhão venceria com 39,4% contra 36% do comunista. Nenhum deles representa 11% e não sabem ou não responderam somam 13,6%.

Espontânea

Roseana também leva a melhor sobre Dino e os demais possíveis adversários no voto espontâneo, quando os entrevistados não recebem as cartelas com os nomes dos candidatos.

Nesse cenário, ela vence todos, com 14,9% das intenções de votos. Flávio Dino aparece com 13,3%.

Outros lembrados pela população são: Roberto Rocha, com 3,2%; o senador João Alberto (PMDB) com 2,3%; o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) com 1,9%; Maura Jorge com 0,8%; e o prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando Silva (PSDB), com 0,4%.

Ninguém marcou 3,4%. Não sabem ou não responderam 59,8%.

Lindonjonson apela ao TJ-MA contra decisão que absolveu Roseana
Política

Promotor acusa ex-governadora de haver se beneficiado com R$ 3 milhões em propina para liberação de precatórios para o consórcio UTC/Constran

O promotor de Justiça Lindonjonson Sousa, da 28ª Promotoria do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, apelou ao Tribunal de Justiça do Maranhão contra decisão do juiz Clésio Coelho Cunha, que absolveu sumariamente a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) no chamado Caso Constran.

De acordo com os autos, a peemedebista teria se beneficiado com vantagem financeira pessoal oriunda na liberação de precatórios para o consórcio UTC/Constran. Segundo o Parquet, o valor embolsado por Roseana em propina chegou a R$ 3 milhões.

O recurso foi distribuído à Segunda Câmara Criminal, onde será relatado pelo desembargador José Luiz Almeida.

Na decisão que livrou a ex-governadora do Maranhão, o juiz Clésio Cunha justificou que a ex-governadora do Maranhão não poderia ser condenada por praticar atos precedidos de pareceres da Procuradoria Geral de Justiça (PGE) e, ainda, homologados pela Justiça.

“O simples fato de à época ser Chefe do Poder Executivo estadual, não a torna responsável universal por todos os atos praticados pela Administração Pública, mormente quando o ato é antecedido por pareceres da Procuradoria Geral de Justiça e homologado pelo próprio Poder Judiciário, através de acordo judicial”, diz o trecho da decisão.

Caso Sefaz: Justiça manda fazer perícias tecnológica e contábil
Política

Ré no processo, Roseana Sarney é acusada de causar um rombo superior a R$ 410 milhões nos cofres públicos estaduais

O juiz Itaércio Paulino da Silva, titular da Vara de Interdição, Sucessão e Alvará, respondendo pela 8ª Vara Criminal, determinou, no último dia 16, a realização de perícias tecnológica e contábil no âmbito do chamado Caso Sefaz, que tem dentre os réus a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

De acordo com a determinação, a perícia tecnológica teve dada marcada para essa segunda-feira 21, e a contábil para início da próxima semana, dia 28.

O ATUAL7 não conseguiu confirmar se a primeira perícia, que deveria acontecer na Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), chegou a ser realmente realizada.

Já a perícia da próxima semana, segundo a determinação do juiz, deverá ser feita nos documentos juntados aos autos. Caso necessitem de informações complementares, os peritos poderão ter acesso na Secretaria de Transparência e Controle (STC) e na Procuradoria Geral do Estado (PGE).

Segundo denúncia apresentada pelo Ministério Público do Maranhão em outubro do ano passado, Roseana teria causado um rombo superior a R$ 410 milhões nos cofres públicos estaduais por meio de esquema fraudulento de concessão ilegais de isenções fiscais.

Boato de Roseana no Ministério das Cidades embaraça ex-governadora
Política

Peemedebista pode ficar com a imagem ainda mais fraca se Temer escolher outro nome para a pasta

A especulação de que a ex-governadora Roseana Sarney deve assumir o Ministério das Cidades, uma das pastas mais cobiçadas da Esplanada e que está, atualmente, nas mãos do tucano Bruno Araújo, acabou embaraçando o já duvidoso futuro político da peemedebista.

Apontada como nome forte nas eleições de 2018 no Maranhão após a vitória de Michel Temer na votação da denúncia por corrupção passiva na Câmara dos Deputados, Roseana se vê agora obrigada a conseguir a nomeação a qualquer custo, sob risco de ter a já fraca imagem ainda mais queimada pelos seus adversários.

Explica-se:

Se conseguir o impossível — por meio de seu pai, o ex-senador José Sarney, claro! — e derrubar a indicação da alta cúpula do PMDB pelo nome do deputado federal Carlos Marun, vice-líder da legenda na Câmara, Roseana confirmará para todo o Maranhão que realmente terá forças federais para disputar o Palácio dos Leões contra o governador Flávio Dino (PCdoB), que vai para a reeleição.

Contudo, se o ungido por Temer for Marun, ficará confirmado que a ex-governadora não terá o peso prometido no próximo pleito, e a marola ‘Volta, Roseana!’ chegará ao fim.

“Voto nela para auxiliar de limpeza”, diz Eduardo Nicolau sobre Roseana
Política

Comentário foi feito na rede social Facebook. Ele é corregedor-geral do MP-MA

Em manifestação a uma matéria do ATUAL7 publicada na rede social Facebook, o corregedor-geral do Ministério Público do Maranhão, Eduardo Jorge Hiluy Nicolau, desdenhou da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

“Voto nela para auxiliar de limpeza”, disse, seguido da forma popular de gargalhar na internet: “kkkkk”.

O comentário foi feito no grupo Servidores Públicos do Maranhão, na publicação que trata da insinuação da peemedebista a o que a população precisa fazer para que ela decida por entrar na disputa eleitoral de 2018.

Nessa sexta-feira 4, diante da marola ‘Volta, Roseana!’ tomar conta das redes sociais e de algumas lideranças desgostosas com o governo comunista, a ex-governadora do Maranhão declarou que, se os eleitores e seu próprio partido, o PMDB, quiserem mesmo que ela volte à vida pública, “que demostrem isso”.

Roseana insinua que população precisa se humilhar por sua volta
Política

Ex-governadora declarou que os maranhenses precisam demostrar que querem mesmo que ela entre na disputa de 2018

A marola ‘Volta, Roseana!’ parece ter inflado demais o ego do ex-governadora do Maranhão. Em discurso na reunião de seu partido, o PMDB, nessa sexta-feira 4, em que 157 diretórios municipais tiveram seus mandatos prorrogados até agosto do próximo ano, a filha do ex-senador José Sarney insinuou que a população precisa primeiro se humilhar, para somente então ela decidir por encarar novamente as urnas.

“Se quiserem que eu volte que demonstrem isso”, arrotou.

Caso o impossível aconteça, e a população entenda que voltar a ser comandada pelo clã é a única forma de escapar da tirania do governador comunista Flávio Dino, a eleição de 2018 será uma das mais importantes da história da política maranhense e até brasileira.

É que, se eleita, Roseana Sarney derrubará para sempre o discurso adversário de que as outras eleições só foram conquistadas em razão dela já estar no poder, e com isso usar a máquina pública para vencer todos os pleitos que disputou.

Já se Flávio Dino vencer novamente as eleições, ele firmará sua dinastia por décadas no Maranhão, já que terá derrotado diretamente, para sempre, não apenas um braço, como foi em 2014, mas um membro da própria família Sarney.

Mas se buscar a real libertação e apostar a esperança numa terceira via — Maura Jorge, Roberto Rocha, Wellington do Curso, Eduardo Braide ou Antônio Pedrosa —, a população finalmente poderá extirpar do Palácio dos Leões os dois atuais grupos dominantes da politica maranhense.

Lobão diz que irá para reeleição e confirma candidatura de Roseana ao Palácio
Política

Em recado ao governador Flávio Dino, peemedebista disse que, no seu grupo político, as decisões são tomadas em conjunto e não de forma autoritária

O senador Edison Lobão (PMDB-MA) confirmou, nesta segunda-feira 31, em entrevista ao Blog do Neto Ferreira, que pretende disputar a reeleição para o Senado Federal em 2018, e que a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) vai mesmo entrar na disputa pelo Palácio dos Leões contra o atual governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Aproveitando para fustigar o comunista durante a conversa, Lobão afirmou que, no seu grupo político, as decisões são tomadas em conjunto e não de forma autoritária.

“Nós somos um grupo político que decidimos em conjunto. Nós não temos uma posição autoritária dos rumos que o nosso grupo deve tomar. Entre nós, já há uma configuração da próxima campanha eleitoral, que será em 2018. A ideia é ter a Roseana, e ela aceita, como candidata a governadora do Estado”, garantiu.

Sobre o rumo que pretende ele próprio tomar, o peemedebista afirmou que irá disputar a reeleição, e que a outra vaga ainda está sendo decidida pelo senador João Alberto Souza (PMDB) e o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho.

“Eu sou candidato à reeleição para o Senado, e, provavelmente, [o outro será] o deputado Sarney Filho ou senador João Alberto, se desejar permanecer no Senado Federal”, declarou.

Cleones Cunha nega recurso contra decisão que desbloqueou bens de Roseana
Política

Sentença foi proferida pelo presidente do TJ-MA na semana passada. Ex-governadora é acusada de rombo de R$ 410 milhões nos cofres públicos

O presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Cleones Cunha, negou recurso especial criminal interposto pelo Estado do Maranhão contra decisão proferida pelas Câmaras Criminais Reunidas da Corte no julgamento que determinou o desbloqueio de todos os bens móveis e imóveis da ex-governador Roseana Sarney (PMDB).

A decisão foi proferida desde a quarta-feira passada, dia 19.

No recurso, o Estado alegou que houve violação aos artigos 4º, da Lei nº 9.613/98, a Lei de Lavagem de Dinheiro; 125, 126, 127 e 132, todos do Código de Processo Penal e 5º, inciso II, da Lei nº 12.016/09, conhecida como  Lei do Mandado de Segurança.

Ao examinar o caso, porém, Cleones Cunha ressaltou que não há como ser atendido o pedido de reforma da decisão que favoreceu a peemedebista sem que haja rediscussão de fatos e reexame de provas.

Ainda segundo o presidente do TJ-MA, o entendimento das Câmaras Criminais Reunidas sobre o caso está em consonância com jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que decidiu em julgamento recente que esse tipo de procedimento deve ser mitigado somente quando se estiver diante de decisões judiciais teratológicas ou flagrantemente ilegais.

“Ante o exposto, inadmito o presente recurso especial criminal”, despachou o magistrado.

Embora Roseana Sarney tenha conseguido reconfirmar a decisão que lhe é favorável, ela segue ré em processo criminal e ação de improbidade por um suposto rombo de R$ 410 milhões nos cofres públicos no esquema de fraudes em isenções fiscais, conhecido como Caso Sefaz.

Candidata ou não, Roseana terá papel central na eleição de 2018
Política

Peemedebista possivelmente está no segundo turno, se entrar na disputa. Caso não entre, será cabo eleitoral de peso

A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) terá papel central na eleição de 2018, seja como protagonista, disputando o Palácio dos Leões contra o governador Flávio Dino (PCdoB), e provavelmente chegando ao segundo turno; ou como personagem de bastidor, utilizando de sua carisma e tirocínio político como cabo eleitoral de Roberto Rocha (PSB) ou Maura Jorge (PODE), únicos nomes oficialmente declarados na corrida até o momento — ou Eduardo Braide (PMN), com quem já teria conversado às escondidas.

Segundo fontes, a peemedebista tem revelado repetidamente que “montará no cavalo apenas se ele estive selado”. Pela declaração, além de si própria e dos votos que possui, Roseana depende de pelo menos uma movimentação externa para decidir que papel interpretar.

Para entrar na disputa, ela tem como principal incentivo o fato de Dino estar pilhado no maior esquema de corrupção já investigado e desbaratado pela Polícia Federal e pela Procuradoria-Geral da República (PGR), por suposto recebimento de propina e caixa dois da Odebrecht.

A ex-governadora espera que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorize a PGR à devassar a vida política e particular do adversário, aumentando o risco dele ser alvo de operações da PF e até mesmo ser afastado do cargo ou preso.

Com o comunista deixando de ser o franco favorito na disputa, Roseana aumentará as chances de levar a eleição para o segundo turno, e com possibilidade de ser eleita.

Já se decidir ficar mesmo fora da disputa, a ex-governadora do Maranhão poderá usar a sua força para ser a principal cabo eleitoral de qualquer um dos possíveis candidatos de oposição ao comunista em 2018.

Neste cenário, o nome não precisa ser necessariamente apoiado pelo clã, mas somente pela ex-governadora.

Apesar de quase inacreditável, esse tipo de situação não seria novidade. Nas eleições de 2014, era somente ela quem apoiava a candidatura de Luís Fernando Silva (PSDB) — assim como foi somente ela, de seu grupo, que não apoiou Edison Lobão Filho (PMDB).

Clã Sarney usa Roseana, mas não tem nome para enfrentar Flávio Dino
Política

A um ano das convenções, grupo não sabe quem apoiar para governo e tem apenas um pré-candidato para o Senado

Restando pouco mais de 12 meses para as convenções partidárias, o que ainda sobrou do clã Sarney no Maranhão não sabe quem apoiar para o governo estadual em 2018 e tenta forçar a entrada da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) no embate direto contra o governador Flávio Dino (PCdoB), mesmo tendo conhecimento do medo da peemedebista de enfrentar novamente as urnas e, principalmente, o comunista num debate eleitoral.

Em 2006, quando ficou cara a cara com Jackson Lago, pelo segundo turno, a peemedebista mordia os lábios e se tremia constante e visivelmente, além de se atrapalhar a todo momento com o calhamaço que levou para a tribuna. Num dos momentos de nervosismo, inclusive, Roseana chegou a derrubar todos os documentos no chão, sendo alvo de piada de seu adversário, que estava com a palavra e abdicou de seu tempo para que ela pudesse recolher os papeis.

Para não se expor novamente ao vexame, ela está decidida a não entrar na disputa. Mas até encontrar outro nome, os caciques do clã pretendem continuar a insistir com a falsa pré-candidatura da ex-governadora.

Senado

A falta de alguém forte no seio oligárquico, porém, não se resume apenas à disputa pelo Palácio dos Leões. Até agora, o grupo, que na última eleição em que disputou o Senado Federal chegou ao ponto de brincar com o eleitor em quem ele deveria votar primeiro, segue apenas com um único nome para senador, e que mesmo sendo um sarneysista-raiz, ainda não teve e nem terá musculatura suficiente para, até o final da corrida, reunir pelo menos cinco grandes lideranças estaduais num palanque.

No recente levantamento feito pelo Instituto Escutec, por exemplo, apesar da consulta apontar que a maioria dos entrevistados tomou conhecimento da citação e acredita num possível envolvimento de Dino na Lava Jato, e de que tanto Roseana quanto o ministro Sarney Filho (PV) aparecem na frente, em todos os cenários, respectivamente, para o governo e o Senado, o clã teve receio de divulgar o resultado por avaliar que a diferença apontada na pesquisa aponta mais para o risco de uma eventual derrota da chapa majoritária do para a vitória dos candidatos do grupo.

Segundo fontes próximas à família Sarney, a expectativa era de que Roseana pudesse aparecer — sabe-se lá como — com pelo menos 20% à frente de Flávio Dino. Contudo, quando recebeu da Escutec o resultado e viu que a maior diferença não chegou a sequer 8%, a ordem direta foi para que a pesquisa não fosse divulgada — o que acabou não acontecendo, pois houve vazamentos em resposta a um pesquisa palaciana.

Ainda de acordo com fontes, em relação a Zequinha, o clã analisa que, embora ele tenha liderado com folga no levantamento para o Senado, caso não se encontre um nome forte para encabeçar a chapa na disputa pelo governo, o caçula do ex-senador José Sarney (PMDB-AP) poderá nadar em qualquer modalidade político-eleitoral, mas acabará morrendo na praia.

João Alberto

Há algumas semanas, o grupo Sarney chegou a ventilar a possibilidade do senador João Alberto Souza (PMDB-MA) entrar na disputa contra Flávio Dino, usando o forte discurso que lhe rendeu o apelido de Carcará, de como deveria ser tratada a segurança pública e bandidagem. Mas como a própria pesquisa Escutec mostrou, na espontânea, que a população quase não lembra de João Alberto para o governo e para uma possível reeleição ao Senado, essa ideia foi sumariamente descartada.

Zé Reinaldo surfa em encontro com Roseana após ser esnobado pelo Palácio
Política

Ex-governador aproveita receio de Flávio Dino em perdê-lo para o seu antigo grupo

O deputado federal José Reinaldo Tavares (ainda no PSB) está de bem com a vida.

Até outro dia esnobado e vilipendiado pelo Palácio dos Leões que não o desejava como candidato ao Senado Federal em 2018, o ex-governador do Maranhão agora surfa na insegurança comunista desde que foi flagrado trocando gentilezas com a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), num restaurante da capital.

Apesar de ter sido apenas casual, sem intenção política alguma, a pequena troca de palavras e cumprimentos entre Tavares e Roseana causou forte rebuliço no governador Flávio Dino (PCdoB), que passou a fazer análises sobre a ameaça que representaria ao seu projeto de poder uma possível formação de chapa senatorial entre o ainda aliado e o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV).

Uma das raposas mais experientes da política maranhense, Zé Reinaldo não pretende, até então, voltar ao seu antigo grupo, mesmo tendo porta aberta pra isso, mas deve esticar a corda ao máximo para obrigar o comunista a se posicionar a favor de seu nome.

“As pessoas não conhecem minha cabeça”, arrematou ele, em entrevista recente.

Sarneysistas tentam empurrar Roseana para a Assembleia Legislativa
Política

Medida é apontada como saída para a peemedebista reconquistar foro no Judiciário

Sarneysistas que não têm coragem de enfrentar na corrida majoritária o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), apontam desde a semana passada para a desistência em tentar convencer a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) de que ela poderia levar a melhor numa eventual disputa contra o comunista nas urnas, em 2018.

Após quase seis meses sem sucesso falando em nome de Roseana, a oligarquia resolveu mudar a rota e, em vez de continuar a sustentar uma falsa candidaturapermitir um cisma desnecessário dentro da família ou provocar o suicídio do grupo numa eventual entrada dupla na majoritária, pelo menos garantir à ex-governadora a reconquista de foro no Judiciário, por meio de um possível mandado na Assembleia Legislativa do Maranhão.

E ainda há outros benefícios que seriam alcançados e abrangeria todo o grupo.

Pelo plano, Roseana ainda caminharia pelos municípios do Maranhão como liderança estadual ao lado de seu irmão e ministro do Meio Ambiente Sarney Filho, prestando-lhe musculatura à raquítica pré-candidatura ao Senado Federal; carregaria outros candidatos com facilidade para a Assembleia; e ainda posaria de madrinha do nome que o PMDB apoiará para o governo estadual.

O clã acredita que, de todas as cartas postas na mesa — não é de baralho —, a que pode mais agradar Roseana a entrar novamente no jogo eleitoral é a possibilidade real que a peemedebista tem de escapar do promotor Lindonjonson Sousa e da juíza Oriana Gomes, e ser protegida diretamente pelos aliados no Tribunal de Justiça do Maranhão.

Desde que Flávio Dino assumiu o Palácio dos Leões, a ex-governadora tem sido bombardeada por uma série de investigações e processos criminais e por corrupção, que de forma inédita a tornaram ré e só não a levaram até agora para a prisão por força oculta de desembargadores amigos.

Eventualmente eleita deputada estadual, a ex-governadora ganharia o brinde constitucional do foro por prerrogativa de função, passível de abertura de inquérito somente pela Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ) e com poder de autorização para início de qualquer investigação apenas pelo TJ-MA.