Roseana Sarney
Por afagos e contratos com os Leões, clã Sarney abandona Roseana
Política

Fernando Sarney, Lobão, Edinho, Zequinha e João Alberto incentivam entrada da ex-governadora na disputa, mas criaram relação com o governo Flávio Dino e evitam fazer legítima oposição ao comunista

De todos os motivos que têm levado a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) a fazer corpo mole sobre sua pré-candidatura ao Palácio dos Leões, destaca-se o abandono do próprio clã Sarney ao nome dela na disputa. Apesar do ex-senador José Sarney (MDB) ter mudado o domicílio eleitoral para o Maranhão, e ter montado um escritório político no estado para reuniões em prol da filha, os principais caciques do grupo, sobre a complacência do próprio Sarney, têm pouco se importado com a real possibilidade do governador Flávio Dino (PCdoB), conforme mostrou o Data Ilha, ser reeleito logo no primeiro turno.

Capitaneado pelo empresário Fernando Sarney, o abandono a Roseana tem começado de dentro da própria família. Em troca de gordurosos contratos com o Palácio dos Leões, o dono do poderoso conglomerado Sistema Mirante de Comunicação tem sido um dos principais divulgadores da propaganda comunista no estado, principalmente na televisão e internet.

Nesta semana, por exemplo, fotos de bastidores, mostrando Fernando e Márcio Jerry Barroso na intimidade de troca de abraços e largos sorrisos, confirmaram que os ataques a Mirante pelo entorno do governo é apenas de fachada. Fora do que se imaginava, o irmão de Roseana pouco se importa com o eventual retorno da emedebista ao comando dos cofres públicos estaduais ou se ela vai ou não parar na cadeia em razão de pilhada por auditorias da Secretaria da Transparência e Controle do Maranhão. Sendo Roseana governadora ou não, para Fernando Sarney, o que importa é que a Mirante permanecerá sendo agraciada com contratos pelos Leões. Fernando, afinal, é empresário, e não político. E Dino é político, por isso aprova esse posicionamento.

No mesmo caminho financeiro de pensar primeiro em seu próprio bolso está o suplente de senador Edison Lobão Filho, o Edinho (MDB).

Dono do também poderoso Sistema Difusora, Edinho priorizou seu lado empresarial e fechou contrato de arrendamento da TV e Rádio Difusora FM com um grupo de empresários que, segundo comenta-se nos bastidores, teria ligação com o deputado federal e pré-candidato ao Senado Weverton Rocha (PDT), aliado de primeira hora de Flávio Dino. Desde então, o sistema tem sido utilizado para desfavorecer desafetos do comunista e elevar a gestão do governador.

Mesmo tendo saído em caravana com Roseana por algumas cidades do Maranhão, o filho do senador Edison Lobão (MDB) tem demonstrado que pensa igual Fernando Sarney: para que precisa fazer oposição ferrenha a Dino se, com o comunista no poder, o Sistema Difusora continua governista e bem rentável!?

Além de Fernando e Edison Lobão, outro que sinalizou publicamente que pouco se importa com o futuro político e eventualmente prisional de Roseana é o outro irmão da ex-governadora, o ex-ministro do Meio Ambiente e deputado federal, Sarney Filho (PV).

Buscando ser eleito para o Senado, Zequinha, como é mais conhecido, sempre portou-se como alguém de íntima proximidade com Flávio Dino, trocando sorrisos, piadas e conversas ao pé de ouvido com o comunista em todo evento em que participam juntos. Ele, inclusive, para chegar até a sonhada Câmara Alta, já aceita até dividir palanque com Weverton Rocha (PDT) — jogando para escanteio, por tabela e sem se importar, seu companheiro de chapa Edison Lobão, que também ignora a existência da nova Difusora.

Até mesmo o senador João Alberto Souza (MDB), conhecido pela cara sempre de mau, fechada e pelo apelido de Carcará, esconde o rosto e fecha o bico em relação a Dino e a gestão do PCdoB no Estado.

Embora tenha demonstrado irritação com o governador — a única vez, em três anos e meio de governo — no evento de inauguração de trecho da BR-135, João Alberto tem pouco se importado com a postura de seu obediente afilhado na Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Roberto Costa (MDB), que, em troca de afagos leoninos, além de não fazer oposição a Flávio Dino, ainda sobe a tribuna para exaltar o comunista e criticar quem se levanta contra o chefe do Executivo. Nem mesmo durante votações polêmicas, como o aumento de impostos, Costa tem deixado Dino na mão. Cumpre sempre fielmente o status de legítimo emedebista vermelho.

Há ainda os sarneystas na Câmara dos Deputados que, com exceção de Hildo Rocha (MDB), estão prestes a concluir o mandato sem nunca sequer ter utilizado a tribuna da Casa para denunciar ou mesmo criticar o governo dinista.

É esse o grupo que, dizendo-se ainda conhecido como clã Sarney, quer a confirmação de Roseana na corrida eleitoral de 2018. Para derrotar o novo Capo di tutti capi — o chefe de todos os chefes, numa tradução livre — ou se valorizar junto aos Leões na disputa?

Roseana confirma que suspendeu caravana, mas garante que é pré-candidata
Política

Ex-governadora não soube dizer quando pretende retomar pré-campanha pelo interior do Maranhão. Ela culpou chuvas e alagamentos por freio em périplo

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) confirmou, nessa sexta-feira 27, em entrevista a rádio Mirante FM, que suspendeu as atividades de sua pré-campanha em razão das fortes chuvas que atingiram e alagaram parte do estado. “Estávamos marcados para o começo de abril, mas fui avisada que não era pra ir, por causa dos rios, que tinham enchido muito, e que as cidades estavam todas alagadas. Resolvemos suspender”, asseverou.

O motivo para o freio na chamada Caravana da Guerreira já havia sido antecipado pelo ATUAL7 há duas semanas. A possibilidade dela desistir da disputa, aproveitando-se da parada do périplo pelo interior do Maranhão, também.

Embora do mesmo partido do presidente Michel Temer, e conte com articulação pessoal e de seu pai, o ex-senador José Sarney, também do MDB, para conseguir a liberação urgente de recursos aos municípios atingidos, Roseana resolveu esperar a tempestade passar para decidir se permanece ou não na corrida pelo Palácio dos Leões. Não apenas a provocada pelas chuvas, quando decidiu evitar molhar os cabelos e melar os pés de lama, mas o de definhamento de seu grupo.

Além do medo de entrar na disputa e acabar não apenas perdendo para Dino, mas sequer ir para o segundo turno, contribuiu para a insegurança da emedebista a perda clara de prestígio e força política de seu pai em Brasília. Apesar das tentativas de Sarney, falharam todas operações para tomar a presidência do DEM e do PP no Maranhão dos jovens deputados Juscelino Filho e André Fufuca — ambos filhotes do sarneysmo, mas canonizados dinistas em troca de cargos no alto escalão e contratos com o governo.

Por esta razão, o nome do ex-ministro Sarney Filho (PV), que sonha mesmo é disputar o Senado Federal no pleito de outubro, passou a figurar como opção do grupo para concorrer ao governo. No bastidor, o decidido era que, se a ex-governadora não saísse imediatamente do casulo, o nome de seu irmão seria anunciado para a disputa pelo Leões.

Roseana, então, reapareceu em público e garantiu que é pré-candidata.

Contudo, apesar das cidades sob decreto de situação de emergência serem apenas 12, segundo a própria emedebista declarou na entrevista, ainda não há data definida para que ela retome a pré-campanha nas ruas. “[Será] na ocasião certa”, resumiu.

Roseana pode desistir de pré-candidatura; Sarney Filho cotado para substituí-la
Política

Ex-governadora tem até este fim de semana para decidir se realmente entrará na disputa. Grupo já avalia aderir ao nome de Roberto Rocha

A ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney (MDB), pode desistir a qualquer momento da pré-candidatura ao Palácio dos Leões. Ela tem até este fim de semana, quando dirá se pretende retomar ou não a chamada Caravana da Guerreira pelo interior do estado, para dar a decisão final.

De acordo com fontes ouvidas pelo ATUAL7, o ex-ministro do Meio Ambiente, deputado federal Sarney Filho (PV), é o único cotado para substituí-la na disputa.

Enfraquecida após o pai, o ex-senador José Sarney (MDB-MA), considerado uma das raposas mais astutas do país, haver perdido em Brasília a batalha pelo controle estadual do DEM e do PP para os jovens políticos Juscelino Filho e André Fufuca, Roseana entrou em crise desde a quinta-feira da semana passada, dia 12, data agendada para retomada do périplo de vários dias por municípios-chave do Maranhão, em busca da reconquista de lideranças regionais.

Como as fortes chuvas que caíram no estado provocaram enchentes em municípios que estavam inseridos na agenda, Roseana foi obrigada a voltar ao casulo. Não por medo de molhar o cabelo ou os pés, mas de ser classificada pela população como oportunista, que estaria se aproveitando da situação caótica nas cidades para buscar votos.

Aos mais próximos, Roseana passou a confessar dias depois que errou na estratégia.

Segundo a ex-governadora, como o governador Flávio Dino (PCdoB), mesmo com demora e somente após pressão pública, compareceu pessoalmente aos locais atingidos, levando ações do governo aos municípios em situação de emergência ou estado de alerta, em vez de se esconder do problema, ela deveria ter articulando junto ao Palácio do Planalto a liberação urgente de emendas da bancada federal maranhense para as cidades atingidas.

Insegura, Roseana tem dito ainda que uma coisa seria entrar na disputa pelo governo correndo o risco de perder para Dino, pois se derrotada poderá utilizar o célebre discurso de que perdeu para a máquina. Outra coisa, teme a emedebista, seria entrar de cabeça numa campanha e sequer não estar num eventual segundo turno.

Outro cenário

A possibilidade de Roseana desistir da pré-candidatura desnorteou seu grupo político.

Como o único cotado para substituí-la é Sarney Filho, e o ex-ministro é considerado fraco para a corrida pelo Palácio dos Leões, já é estudado o cenário de uma possível adesão do grupo Sarney à pré-candidatura ao governo do senador Roberto Rocha (PSDB), com Sarney Filho concorrendo à Câmara Alta.

Os sarneysistas avaliam que a candidatura de Rocha pode crescer em cima do desgaste de Flávio Dino e ainda pelo fato do PSDB ter uma pré-candidatura competitiva para presidente da República.

A dificuldade desse cenário, porém, é que a chapa majoritária do tucano já está praticamente fechada, com o deputado federal José Reinaldo Tavares (PSDB) e o deputado estadual Alexandre Almeida (PSDB) como postulantes às vagas ao Senado, restando apenas a indicação para a vice. Seria necessária uma reformulação radical da chapa para que uma mudança nessa dimensão se tornasse possível.

PCdoB-MA aciona Roseana Sarney no TRE por propaganda antecipada
Política

Partido de Flávio Dino argumenta que um outdoor em Buriticupu, sobre a Caravana da Guerreira, estaria à vista da população e disponível para divulgação nas mídias sociais eletrônicas

O Diretório Estadual do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) ajuizou Representação Eleitoral, com pedido liminar, contra a ex-governadora e pré-candidata ao Palácio dos Leões, Roseana Sarney (MDB), por propaganda eleitoral extemporânea antecipada. Também é alvo a suplente de vereadora Marlene Mascarenhas e o esposo desta, o ex-madeireiro Hélio Mendes, ambos do PSD.

No Maranhão, o PCdoB é comandado pelo pré-candidato a deputado federal Márcio Jerry Barroso, e tem como postulante à reeleição o governador Flávio Dino.

De acordo com a Representação, a irregularidade eleitoral teria ocorrido por meio de um outdoor fixado na entrada do bairro da Sagrima, em Buriticupu, quando da passagem de Roseana pela cidade durante a primeira etapa da chamada Caravana da Guerreira. O PCdoB argumenta que, em grandes dimensões, a peça estaria à vista da população e disponível para divulgação nas mídias sociais eletrônicas.

Além da retirada da propaganda sobre a caravana de Roseana, o partido requereu a aplicação de multa diária no valor de R$ 5 mil reais, em caso de descumprimento.

O pedido liminar, porém, foi indeferido pelo relator plantonista, juiz Itaércio Paulino da Silva.

O processo deve agora ser instruído e julgado pelo pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão. O relator é o juiz Ricardo Felipe Rodrigues Macieira.

***

Fotos: Jô Fernandes

Roseana desprestigia deputados e impõe eleição de ex-genro como prioridade
Política

Emedebista ignora parlamentares que pretendem abandonar Flávio Dino e trabalha pelo retorno de Carlos Filho à Assembleia Legislativa do Maranhão

Deputados estaduais destratados pelo governo comunista de Flávio Dino perceberam que, caso Roseana Sarney (MDB) consiga retomar o comando do Palácio dos Leões, nada mudará e eles, diante da inexistência de emenda impositiva, continuarão a ser desprestigiados pelo Poder Executivo estadual.

Embora precisando de apoios para tornar sua pré-candidatura imbatível, em vez de lutar pela permanência dos parlamentares que estavam prontos para abandonar Dino, Roseana resolveu priorizar as forças em prol do retorno de seu ex-genro, Carlos Filho, à Assembleia Legislativa.

Conhecido mais pela ausência do que pela presença durante sua passagem pelo Palácio Manuel Beckman — além de haver entrado na mira de investigação do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal por suposto uso de uma doméstica como fantasma na Casa, com o objetivo de tomar altos empréstimos e ficar com o salário e a restituição do Imposto de Renda da servidora, sem a anuência desta —, Carlos Filho tem acompanhado Roseana em suas andanças pelos municípios do Maranhão.

Em discursos ao público presente nas caravanas, a emedebista tem apresentado a pré-candidatura do ex-genro como de sua preferência pessoal. Já em reuniões fechadas com lideranças políticas e empresariais, ela tem avançado e fechado apoio e votos para ele.

Diante do desprestígio, alguns deputados que pretendiam abandonar o projeto dinista já estão pensando em permanecer onde estão.

Recepção de família Macedo à Roseana aponta para rompimento com Dino
Política

Deoclides e Valéria teriam dado aval para a reunião. Deputados do PDT estão insatisfeitos com crescimento de Rogério Cafeteira e Ildon Marques, com ajuda dos Leões, na região

No município de Porto Franco, um dos trajetos da primeira Caravana da Guerreira, a recepção organizada pela família Macedo à ex-governadora e pré-candidata ao Palácio dos Leões, Roseana Sarney (MDB), aponta para o rompimento dos deputados Deoclides Macedo (federal) e Valéria Macedo (estadual) com o governador Flávio Dino (PCdoB). Ou que ambos não conseguem sequer o voto da própria família para o comunista.

Apesar das imagens divulgadas em redes sociais mostrarem apenas Dona Maria de Jesus, Jano e Marcelo Macedo, respectivamente, pais e irmão dos deputados, o encontro teria tido o aval dos parlamentares do PDT, que estão insatisfeitos com Dino.

Segundo apurou o ATUAL7, o descontentamento dos Macedo se dá, principalmente, por dois grandes motivos:

1. O crescimento do deputado estadual Rogério Cafeteira (DEM) na região. Líder do governo na Assembleia Legislativa e postulante à reeleição, ele tem levado diversos serviços e obras dos Leões e por meio da liberação de emendas para os municípios do sul do Maranhão, e com isso pode enterrar Valéria;

2. A perda de território e eleitores para o ex-prefeito de Imperatriz, Ildon Marques (PSB), que disputará para a Câmara Federal em outubro com a ajuda dos Leões, podendo enterrar Deoclides.

Além disso, os irmãos-deputados também não estão satisfeitos com a confiança e diálogo estabelecido por Cafeteira com o atual prefeito de Porto Franco, Nelson Horário (PSD), e Estreito, Cicin Moraes (MDB), de quem são desafetos.

Como são filiados ao partido do deputado federal Weverton Rocha, primeiro pré-candidato ao Senado na chapa dos Leões, Deoclides e Valéria devem ser chamados para esclarecer a reunião da família Macedo com Roseana — que contou ainda com o senador Edison Lobão (MDB), complicando ainda mais a situação de ambos.

Atenta a chamada, Valéria Macedo já estaria, inclusive, se preparando para deixar a legenda.

Roseana prepara nova caravana; meta é visitar outras 50 cidades
Política

Na primeira etapa, pelo menos 30 municípios foram visitados. Emedebista tem reunido com lideranças políticas e relembrado obras iniciadas ou entregues por ela

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) se prepara para percorrer novas cidades, na segunda etapa da Caravana da Guerreira — também já chamada de Caravana da Liberdade, pelo fato da população, agentes públicos e empresários maranhenses estarem aderindo ao movimento, contra a política de perseguição e descontrolada arrecadação de impostos pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Na primeira etapa, encerrada na semana passada, pelo menos 30 municípios foram visitados. Apesar do foco inicial ser a classe política, diversos moradores dos municípios por onde Roseana passou compareceram aos eventos, levando a emedebista a estender um pouco mais a agenda nesses locais, para poder conversar e ouvir a todos.

O novo trajeto ainda está sendo decidido por Roseana. A meta é visitar entre 40 a 50 novos municípios.

A exemplo da primeira caravana, serão visitadas lideranças políticas e relembradas obras iniciadas ou entregues durante o período em que ela esteve no comando do Palácio dos Leões.

Roseana pretende encontrar também prefeitos que ainda estão com Dino por medo, e que não poderão comparecer aos eventos mais abertos da segunda caravana, mas que já oferecem suas próprias residências para reuniões de almoço e jantar com a pré-candidata — como ocorreu recentemente, na primeira caravana, no sul do Maranhão.

Em pré-campanha, Roseana ataca Dino e usurpa obras que não concluiu
Política

Emedebista apontou comunista como incompetente. Ela tenta passar para a população que obras concluídas e entregues pelo governador são dela

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB), pré-candidata ao Palácio dos Leões em 2018, deu início à sua pré-campanha, nessa quinta-feira 8, no município de Santa Inês, apontando como será conduzida as outras visitas que ela fará a cidades estratégicas do Maranhão com a chamada Caravana da Guerreira.

Pela primeira vez, após quatro anos em silêncio, Roseana resolveu partir para cima do governador Flávio Dino (PCdoB) e apontou como dela obras que foram deixadas inacabadas ou abandonadas durante sua gestão, mas concluídas e entregues pelo comunista. “Quero que digam se foi executada alguma obra estruturante. (...) Tinha dinheiro, tem dinheiro. O que precisa é ter administração e ser competente para gerenciar este estado”, disse.

Longe da expectativa criada pela sua equipe de marketing, de que, para mostrar a força da emedebista, grandes lideranças políticas pulariam no barco dinista e já participariam desses primeiros eventos de pré-campanha, Roseana esteve cercada apenas do núcleo duro sarneysta e das mesmas caras que não tiveram espaço no governo de Dino.

A falta de lideranças regionais também foi sentida.

Apesar dos enquadramentos forçados para parecer que o evento teve gente, as próprias imagens distribuídas pela assessoria de Roseana Sarney revelam que apenas alguns ex-prefeitos, ex-vereadores ou ex-qualquer coisa compareceram ao ato político. Nas gravações, após procura dentre os presentes, poucas são as lideranças reconhecidas.

Em Santa Luzia, segundo município visitado ontem, o lançamento de pré-campanha foi um fiasco. Tirando parte do público que sempre acompanhará a emedebista em todas as cidades que ela percorrer, e das poucas pessoas que saíram com ela de Santa Inês, pouco menos de 20 pessoas participaram do evento.

Outro fato que também chamou a atenção foi a ausência de Sarney Filho (PV). A não participação do ministro do Meio Ambiente na caravana, mas apenas a de Edison Lobão (MDB), aponta que a chapa senatorial de Roseana pode ainda não estar definida.

Alta rejeição obriga Roseana a fazer visitas relâmpago em pré-campanha
Política

Emedebista pretende percorrer 30 municípios em 10 dias. Maioria das reuniões começa próximo ou após o meio-dia

Com alta rejeição popular, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) resolveu que sairá mesmo do sofá e levará às ruas sua pré-campanha ao Palácio dos Leões. Ou melhor, às ruas não. Segundo agenda divulgada pela assessoria da emedebista, Roseana levará sua caravana para reuniões fechadas, apenas com lideranças políticas.

Os encontros estão marcados para começar por Santa Inês, nesta quinta-feira 8, e devem ser encerados no próximo dia 17, em Peritoró.

A programação inclui ainda as cidades de Buriticupu, Bom Jesus das Selvas, Açailândia, Imperatriz, Davinópolis, Governador Edison Lobão, Ribamar Fiquene, Campestre, Porto Franco, Estreito, Carolina, Riachão, Balsas, São Pedro dos Crentes, Fortaleza dos Nogueiras, São Raimundo das Mangabeiras, São Domingos do Azeitão, Nova Iorque, Pastos Bons, São João dos Patos, Paraibano, Colinas, São Domingos do Maranhão, Presidente Dutra, Dom Pedro, Santo Antonio dos Lopes e Capinzal do Norte.

Todas as visitas serão relâmpago, sendo a maioria próximo ou após o meio-dia — Roseana não gosta de acordar cedo.

Alguns trajetos serão de até cinco municípios por dia, o que aponta para conversas rápidas e, consequentemente, desprestígio às lideranças políticas que ensaiam se movimentar para receber a chegada da pré-candidata do MDB com grandes recepções. Ela estará mais atenta ao relógio, para não furar a agenda, do que aos assuntos que serão discutidos nos encontros.

As reuniões apressadas, porém, tem como objetivo principal evitar que Roseana seja exposta por muito tempo aos protestos já preparados contra ela por grupos políticos contrários à sua tentativa de retorno aos Leões e, principalmente, populares.

Foi por medo de enfrentar protestos da população, inclusive, que ela mudou a agenda de pré-campanha, marcada inicialmente para começar em Imperatriz — e furada logo depois, praticamente em cima da hora.

É que, apesar de bem recebida pela classe política e empresarial, e de já ter se elegido a deputada federal, senadora e quatro vezes governadora do Maranhão, Roseana ainda não sabe lidar muito bem como o povo.

Caravana de Roseana e prisão de gestores afetarão cenário político de 2018 no MA
Política

Pré-candidata deve começar a percorrer cidades-pólo e regiões do estado em março. Prefeitos, ex-prefeitos e empresários envolvidos na Máfia da Agiotagem devem ser alvo de operações

A caravana da pré-candidata ao Palácio dos Leões, Roseana Sarney (MDB), em cidades-pólo e regiões do Maranhão, e a prisão de prefeitos, ex-prefeitos e empresários envolvidos na Máfia da Agiotagem irão definir os rumos da eleição para o governo estadual em 2018, antes mesmo das convenções partidárias, quando serão selados acordos e coligações rumo ao pleito de outubro próximo.

A força da primeira ação tem relação direta com a importância da entrada oficial da emedebista na disputa, afastando todos os boatos de que ela não será candidata. A segunda, de maior impacto, tem como potência eleitoral a moralidade com a coisa pública e a possível retirada de grandes lideranças políticas e empresarias do jogo eleitoral, por meio de prisões e iminência destas.

Prometida inicialmente para novembro do ano passado, em seguida adiada para a segunda quinzena deste mês e depois para o início de março próximo, a visita da comitiva de Roseana pelo estado é aguardada por diversas lideranças políticas e empresarias que não abandonaram a ex-governadora do Maranhão e até por aquelas que chegaram a trocá-la pelo governador Flávio Dino (PCdoB), mas já retornaram nos bastidores.

Em relação ao combate à Máfia da Agiotagem, desde que assumiu o comando do Palácio dos Leões, o governador mostrou serviço contra a organização criminosa apenas nos dois primeiros anos, 2015 e 2016, ainda assim com o 1º Departamento de Combate à Corrupção (Deccor), vinculado à Superintendência de Combate à Corrupção (Seccor), da Polícia Civil do Maranhão, tendo como alvo, quase sempre, os mesmos alvos — sendo ainda que um deles, o agiota Eduardo DP, passou a subir no palanque do comunista e a celebrar contratos com o governo. Outro empresário do ramo financeiro paralelo, Gláucio Alencar, embora não tenha subido em palaque do chefe do Executivo, também passou a ter empresa que opera no esquema a firmar contratos com o Palácio.

Como, nos últimos quatro anos, menos de 10% das 41 prefeitos inicialmente investigados foram alvo de deflagração de operações — levantamento do ATUAL7 aponta que número de gestores envolvidos é maior —, e por as investigações já estarem em estado avançado, a iminência de novas prisões para 2018 é garantida.

Em razão do ano eleitoral, as novas operações poderão ter pelo menos dois motes: o primeiro diz respeito à moralidade da coisa pública, com Flávio Dino sendo eleitoralmente favorecido por estar combatendo a corrupção; e a segunda, mais política ainda, é a de intimidação a quem ousar deixar o dinismo para apoiar algum adversário do governador.

Sarney transfere título de eleitor para o MA e assume coordenação de Roseana
Política

Mudança de domicílio eleitoral foi efetivada nessa segunda-feira 19. Será a primeira vez que ele votará nos filhos e no neto

O ex-presidente e ex-senador da República, José Sarney (MDB), oficializou, na 3ª Zona Eleitoral de São Luís, na tarde dessa segunda-feira 19, a transferência do seu título de eleitor, do Amapá para o Maranhão.

A confirmação da informação é do Blog do Marco D’Eça – mas já havia sido antecipada pelo blogueiro Robert Lobato.

Com a mudança de domicílio eleitoral, Sarney encerra as discussões sobre ser novamente candidato a senador pelo Amapá.

Além de voltar a ser eleitor maranhense, será a primeira vez que ele votará nos filhos e no neto. Nas eleições de 2018, Roseana Sarney (MDB) disputará o Palácio dos Leões, Sarney Filho (PV) o Senado e Adriano Sarney (PV) a reeleição na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Já no campo político, o retorno de Sarney ao Maranhão como eleitor tem caráter estratégico, com ele passando a pessoalmente coordenar a campanha de Roseana Sarney e a estar mais próximo de lideranças que já o procuravam em Brasília em busca de auxílio do governo federal — inclusive muitas que o governador Flávio Dino (PCdoB) presume estar fechado com ele.

Ainda no ano passado, o deputado federal e pré-candidato ao Senado, José Reinaldo Tavares (sem partido), já havia alertado para essa questão, de que Dino não enfrentaria Roseana em outubro próximo, mas o próprio José Sarney.

Roseana e Flávio Dino remarcam agenda em Imperatriz para março
Política

Pré-candidata iniciará pré-campanha com grande reunião na Princesa do Tocantins. Para evitar derrota em outubro, governador tenta seguir os passos da principal adversária na disputa

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) e o governador Flávio Dino (PCdoB) remarcaram para o mês de março a agenda política que seria realizada por ambos, em dias e objetivos distintos, na cidade de Imperatriz.

Conforme revelado pelo ATUAL7 na manhã desta sexta-feira 16, Roseana e seu grupo político decidiram iniciar na Princesa do Tocantins a pré-campanha da emedebista pelo retorno ao Palácio dos Leões. É de lá, inclusive, que deve vir o vice de Roseana, que pode ser uma grande liderança da Igreja Assembleia de Deus.

Em princípio a visita da pré-candidata estava marcada para acontecer já nesta segunda-feira 19, mas em atendimento a pedidos de diversas lideranças de outras regiões, que já querem fazer parte da primeira caravana e solicitaram mais alguns dias para reorganizarem suas agendas, acabou sendo adiada para a primeira quinzena do próximo mês.

Na mesma esteira, Dino e sua coalização de partidos e lideranças políticas — que deve começar a ser desfeita antes mesmo da ida de Roseana a Imperatriz, com algumas legendas já voltando a caminhar com o grupo Sarney —, também decidiu por adiar a agenda política na cidade.

O comunista havia convocado uma reunião de emergência para acontecer na noite de hoje, com o objetivo de tentar alinhar o seu projeto de reeleição e evitar debandadas. Contudo, seguindo os passos da principal adversária, além de também adiar a agenda, Dino também remarcou a nova data para a primeira quinzena de março próximo.

Segundo fontes ouvidas pelo ATUAL7, apesar do governador haver desmarcado a agenda de hoje em Imperatriz, um pequeno grupo de aliados da região tocantina já estava na cidade e, por isso, a pedido do deputado estadual Marco Aurélio (PCdoB), acertou por realizar agora a noite uma pequena reunião. O encontro, inclusive, terminou há pouco.

Roseana sai do sofá e inicia agenda de pré-campanha em Imperatriz
Política

Uma grande comitiva, inclusive de lideranças que imaginava-se estar com Flávio Dino, está preparada para recepcionar a emedebista. Pré-candidata pretende visitar 17 cidades-pólo e municípios das regiões

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) deixará de fazer pré-campanha ao Palácio dos Leões apenas no sofá da mansão no Calhau, em São Luís, e começará a realizar diversos atos políticos pelo Maranhão. Na extensa agenda já definida, a primeira cidade a ser visitada será a de Imperatriz, na próxima segunda-feira 19.

Segundo apurou o ATUAL7, uma grande comitiva, formada por parlamentares, prefeitos, ex-prefeitos, vereadores, ex-vereadores e lideranças políticas — que imaginava-se estarem fechados pela reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB) — está formada para recepcioná-la e acompanhá-la durante todo o trajeto, que contempla ainda outras cidades da Região Tocantina.

A decisão pelo pontapé da pré-campanha ser na Princesa do Tocantins tem relação direta com a escolha do vice de sua chapa.

Embora tenha inicialmente cogitado dar a vaga ao senador João Alberto Souza (MDB-MA), o grupo de Roseana acabou fechando questão pelo vice ser de Imperatriz. Provavelmente, inclusive, uma liderança da Igreja Assembleia de Deus.

Por decisão de Roseana, o trajeto da aguardada caravana da emedebista pelo Maranhão foi dividido em 17 regiões.

A estratégia é que ela visite primeiro uma cidade-pólo — como a própria Imperatriz, Barra do Corda, Presidente Dutra, Bacabal, Santa Inês, Timon, dentre outras — para, logo após, durante o período de pelo menos uma semana, visitar também os demais municípios da região percorrida.

A cúpula roseanista prevê que, até um mês antes das convenções partidárias, Roseana já terá resgatado para o eleitorado maranhense o legado de obras e ações realizadas durante seus mandatos anteriores, além de já conquistado eleitores que se decepcionaram ao confrontar o discurso de campanha e a realidade do governo Dino, especialmente quanto ao aumento descontrolado de impostos e à política de perseguição.

Roseana Sarney e Flávio Dino lideram rejeição no Datailha
Política

37,3% dos entrevistados pelo instituto declararam que não votariam de jeito nenhum na emedebista. Outros 20,6% preferem qualquer um, menos o comunista

Mesmo aparecendo melhor posicionados no quesito intenção de votos, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) e o governador Flávio Dino (PCdoB) lideram o índice de rejeição do eleitorado maranhense na pesquisa Datailha.

O levantamento foi divulgado nesta quinta-feira 15, pela TV Difusora. Segundo os números, 37,3% não votariam em Roseana de jeito nenhum. Outros 20,6% indicaram que votariam em qualquer outro candidato, menos em Dino.

Pela ordem, os demais rejeitados são Ricardo Murado (PRP), com 8,5%; Roberto Rocha (PSDB), com 7,7%; Eduardo Braide (PMN), com 4,2%; e Maura Jorge, com apenas 3,1%. Brancos, nulos, indecisos e nenhum deles somam 16,9%.

Houve ainda eleitores que demonstraram rejeição por mais de um candidato. Dino e Murad marcaram 0,1%; em todos, exceto Flávio Dino ficou com 0,3%; Dino e Roseana 0,4%; Roseana Sarney e Eduardo Braide 0,3%; em todos 0,3%; e em todos, exceto Roseana, Roseana e Eduardo Braide, e Flávio Dino e Braide 0,1% cada.

Registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão sob o número MA-06345/2018, o levantamento Datailha/TV Difusora entrevistou 2.137 eleitores, em 37 municípios de todas as regiões do estado, nos dias 8 e 9 de fevereiro. O intervalo de confiança de 95% e a margem de erro é de 3.2% para mais ou para menos.

Dino consolida vantagem sobre Roseana e seria reeleito já no 1º turno, diz Datailha
Política

Governador venceria o pleito de 2018 com 62,39% da intenção de votos

O governador Flávio Dino (PCdoB) lidera a disputa para o Palácio dos Leões, com 50,1% das intenções de voto contra apenas 23,4% de Roseana Sarney (MDB), segundo pesquisa Datailha divulgada nesta quinta-feira 15, pela TV Difusora. Com o resultado, Dino seria reeleito já no primeiro turno.

De acordo com o levantamento, o deputado Eduardo Braide (PMN), ficou com 3,9%. Ricardo Murad (PRP) teve 1,03%. Roberto Rocha (PSDB) marcou 0,98%. Maura Jorge ficou na lanterna, com 0,84%. Os brancos e nulos somaram 10,39%, e outros 9,36% disseram que não sabem ou não quiseram responder o questionamento.

Considerados apenas os votos válidos, isto é, excluídos os votos nulos, brancos e os eleitores indecisos, Flávio Dino marcaria 62,39% da intenção de votos, enquanto Roseana Sarney 29,15%. Braide teria 4,90%. Murad 1,28%. Rocha 1,22% e Maura 1,05%.

Registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão sob o número MA-06345/2018, a pesquisa Datailha foi realizada em 37 cidades maranhenses de todas as regiões do estado e ouviu 2.137 eleitores nos dias 8 e 9 de fevereiro. O intervalo de confiança de 95% e a margem de erro é de 3.2% para mais ou para menos.

Flávio Dino x Roseana Sarney

Na simulação de um eventual embate direto, Dino bate Roseana por 52,6% a 26,9%, segundo a pesquisa. Os indecisos, brancos e nulos somam 20,6%.

Em votos válidos, Dino teria 66,14% contra 33,86% de Roseana.

A pesquisa Datailha/TV Difusora é a primeira avaliação de votos ao governo estadual divulgada em 2018.

Falta de retorno de ex-aliados aponta para fracasso de Roseana em 2018
Política

Políticos que trocaram a emedebista por Flávio Dino não têm a segurança de que ela pode derrotar o comunista nas urnas

Quase três meses depois de anunciar oficialmente que é pré-candidata ao Palácio dos Leões, de viabilizar verbas junto ao governo federal para distribuir aos municípios do Maranhão, e mesmo após limpar a sua ficha em processos relacionados a corrupção, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) consegue juntar em torno de seu projeto de retorno ao comando do Estado apenas agentes de baixa expressividade. Ou manter quem nunca abandonou o clã.

Com a proximidade do pleito, a falta de retorno de políticos de altura — como André Fufuca (PP), Cléber Verde (PTB), Josimar de Maranhãozinho (PR), Gastão Vieira (PROS), Pedro Fernandes (PTB) e Juscelino Filho (DEM) —, que trocaram de barco e agora são devotos do governador Flávio Dino (PCdoB), aponta que a emedebista não consegue passar aos ex-aliados a confiança de que derrotará o comunista nas urnas. Nem mesmo sequer provocar um eventual segundo turno.

Até agora, com mandato, apenas alguns prefeitos, vereadores e cerca de meia dúzia de deputados estaduais e federais resolveram abraçar a pré-candidatura de Roseana. A maioria, inclusive, às escondidas. Mas nada que lhe garanta musculatura eleitoral e partidária.

O restante de apoiadores, segundo os poucos registros divulgados sobre reuniões que vem ocorrendo no comitê do Calhau, é formado por ex-prefeitos, ex-vereadores e até ex-lideranças políticas, que não conseguem mais mover nem mesmo a própria rua ou condomínio onde moram. Mesmo se juntados, o punhado é tão ínfimo que todos conseguem aparecer facilmente numa única foto. E na foto ainda ficam buracos no meio e sobra espaço nos lados.

Se até as convenções pelo menos um dos ex-aliados não retornar à casa, Roseana Sarney pode não apenas ser derrotada por Flávio Dino, mas também amargar um retumbante fracasso. Possivelmente por reconhecer isso que ela permaneça até agora em pré-campanha apenas no sofá de casa. Facilita, mais na frente, um eventual recuo para a disputa pelo governo.

TJ mantém absolvição de Roseana em processo por desvio de R$ 1,95 milhão
Política

Decisão é dos desembargadores Vicente de Paula Castro, José Luiz Almeida e Guerreiro Júnior

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Maranhão rejeitou, nesta quinta-feira 1º, recurso do promotor Lindonjonson Gonçalves, do Ministério Público do Maranhão, e mantiveram a absolvição da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) em processo por desvios de recursos, na ordem de R$ 1,95 milhão, para a construção de hospitais.

Os votos foram proferidos, em unanimidade, pelos desembargadores Vicente de Paula Castro, José Luiz Almeida e Guerreiro Júnior. A informação é do Blog do Gilberto Léda.

Em março do ano passado, decisão do juiz Clésio Coelho Cunha, então respondendo pela 7ª Vara Criminal de São Luís, já havia absolvido sumariamente a emedebista, “por falta de conduta da acusada para o resultado das ações descritas”.

Além de Roseana, outras 15 pessoas, dentre elas o ex-secretário estadual de Saúde e pré-candidato ao Palácio dos Leões Ricardo Murad (PRP), empreiteiros, ex-secretários e membros da comissão de licitação, foram denunciadas por Lindonjonson suposta participação nos desvios do dinheiro público.

Fraude em licitação, superfaturamento de contratos e desvio de recursos para campanhas eleitorais são algumas das acusações.