Rubens Pereira Júnior
Rubens Júnior engana ao afirmar que não muda de partido
Política

Candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís já foi filiado ao PSC e ao PRTB. Primeira eleição para deputado estadual foi em coligação que apoiava Roseana Sarney

O candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior, engana ao afirmar nas redes sociais, propaganda eleitoral e em debates, insistentemente, que nunca mudou de partido, apoiador ou aliado durante sua vida pública.

“Eu não mudo de partido, eu não mudo de apoiador, eu não mudo de aliado”, insistiu na falsa informação, durante debate do iMirante/O Estado realizado na terça-feira 20.

Checagem feita pelo ATUAL7 no sistema FILIA (Filiação Partidária), no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) mostra que, antes de virar comunista, Rubens Júnior foi filiado a pelo menos dois outros partidos. A verificação também foi publicada no projeto Sem Migué, plataforma de fact-checking que conta com a colaboração de checadores voluntários. O projeto Rumbora Marocar também fez verificação própria.

Segundo os dados oficiais da Justiça Eleitoral, a primeira filiação de Rubens foi ao PSC, em 25 de agosto de 2003. Pouco mais de dois anos depois, em 30 de setembro de 2005, ele pulou para o PRTB, partido onde disputou eleição pela primeira vez, em 2006, conquistando uma vaga na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Já o repositório de dados eleitorais do TSE mostra que, naquele pleito, o PRTB formou com os partidos PRP e PHS a coligação Maranhão - Vontade do Povo. Embora isolada, a coligação fazia parte do grupo de partidos que apoiava a eleição Roseana Sarney (então PFL) para o Palácio dos Leões.

Há, inclusive, o registro de doação do Comitê Financeiro Único PFL-MA, do tipo estimada, no valor de R$ 4 mil, para a candidatura de deputado estadual de Rubens Pereira Júnior naquela corrida eleitoral.

Filiado ao PCdoB somente em 28 de setembro de 2009, atualmente, Rubens Júnior apoia e é aliado de Flávio Dino, governador reeleito do Maranhão.

Com renúncias de Madeira e Adriano, Solidariedade vai com Rubens e PV com Braide
Política

O primeiro retirou a candidatura por motivos de saúde; o segundo para evitar vexame nas urnas

Com as renúncias de candidatura por Carlos Madeira e Adriano Sarney —o primeiro por motivos de saúde e o segundo para evitar vexame nas urnas—, seus respectivos partidos, Solidariedade e PV, já decidiram que caminho tomar nas eleições municipais de 2020.

Já anunciado publicamente, o Solidariedade vai apoiar o candidato da coligação “Do Lado do Povo”, Rubens Pereira Júnior (PCdoB). O PV, por sua vez, embora ainda sem anúncio oficial, decidiu ir com Eduardo Braide (Podemos), da coligação “Pra Frente São Luís”.

Pressionado por uma das alas do partido, Madeira também declarou apoio a Rubens Júnior. Já Adriano, pelo menos até o momento, não pretende declarar apoio público a algum dos candidatos à prefeitura de São Luís.

Rubens Júnior tem diagnóstico de Covid-19 após diversas aglomerações
Política

Candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís permanecerá em isolamento domiciliar, até recuperação. Agenda de campanha será conduzida pelo vice na chapa, Honorato Fernandes

O candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior, cancelou a participação pessoal em toda a agenda de campanha, por tempo indeterminado. Nesta segunda-feira 5, após indisposição no último fim de semana, ele foi diagnosticado com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

A infecção ocorre após Rubens Júnior aglomerar-se por diversas vezes, antes, durante e depois das convenções partidárias, inclusive sem máscara de proteção.

“Estou sob medicação por orientação médica, em casa e em repouso. Já me sinto bem melhor. Logo, espero estar recuperado para voltar a estar ao lado de vocês, construindo uma São Luís de todos nós”, publicou no Twitter.

Até a recuperação do candidato, a agenda de campanha será tocada pelo vice na chapa, Honorato Fernandes (PT), como já vinha ocorrendo desde a indisposição de Rubens Júnior.

Segundo a assessoria, o petista já foi infectado pelo novo coronavírus, no início da pandemia na capital, mas submeteu-se a nova exame após a confirmação do diagnóstico do companheiro de chapa.

A senadora Eliziane Gama (Cidadania), que também coordena a campanha de Rubens Júnior, disse ao ATUAL7 que fará exame, nesta terça-feira 6, para saber se foi contaminada pelo novo coronavírus. O coordenador-geral, deputado federal Márcio Jerry, que é presidente do PCdoB no Maranhão, informou que, desde março, fez sete testes para Covid-19, todos negativos. Segundo ele, por não apresentar qualquer sintoma e não haver estado com Rubens Júnior desde a última quinta 1º, diz, “não há razão para [novo] teste até o momento”.

Rubens Júnior suspende agenda de campanha após sentir indisposição
Política

Candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís fez novo exame para Covid-19, e aguarda resultado

O candidato a prefeito de São Luís pelo PCdoB, Rubens Pereira Júnior, realizou, nesta segunda-feira 5, um novo exame para detectar se contraiu a Covid-19. A informação foi revelada por ele próprio, nesta segunda 5, pelo Twitter.

Segundo Rubens, ele sentiu indisposição no último final de semana. Embora outros exames tenham apresentado resultado negativo para o novo coronavírus, o candidato vai permanecer em casa com a família até o resultado do novo teste. Por esta razão, toda a agenda de campanha está suspensa.

“Estou sob acompanhamento médico, em casa, com minha esposa e filhos. Espero logo estar novamente ao lado de vocês debatendo nossas propostas para o futuro de São Luís”, escreveu.

Conforme mostrou o ATUAL7, embora a pandemia não tenha terminado nem exista vacina para a Covid-19, o comunista e outros candidatos a prefeito da capital aglomeraram durante a realização das convenções eleitorais de seus respetivos partidos. Mesmo após a expedição de recomendação pelo Ministério Público Eleitoral, as aglomerações continuam ocorrendo livremente.

Com apoio de Lula, Rubens Júnior ganha força e empata tecnicamente com Duarte e Neto
Política

Apoio de partidos de adversários a Jair Bolsonaro tende a favorecer candidato do PCdoB na disputa pela prefeitura São Luís, segundo dados da Econométrica

O apoio do ex-presidente Lula (PT) ao deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB) tende a provocar uma mudança no cenário da disputa pela prefeitura de São Luís. Antes da adesão expressa do petista, Rubens Júnior patinava entre os últimos colocados em todas as pesquisas de intenção de votos, quase sempre registrando a preferência de apenas 1% do eleitorado ludovicense.

Segundo levantamento do Econométrica, divulgado pela TV Guará nessa quarta-feira 30, porém, ele aparece com 6% em intenção de votos, figurando na quarta posição da pesquisa estimulada. Antes dele, aparecem os deputados estaduais Duarte Júnior (Republicanos, 10,8%) e Neto Evangelista (DEM, 10,6%). O primeiro colocado, isolado, é o deputado federal Eduardo Braide (Podemos), com 47,3%.

Pela margem de erro, de 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos, Rubens está tecnicamente empatado com Duarte e Neto.

Como a pesquisa foi realizada antes da campanha eleitoral ser oficialmente liberada, agora com o candidato nas ruas em busca de votos, a tendência é de escalada de Rubens Júnior. Indiretamente, ele também tem o apoio do governador Flávio Dino (PCdoB), que evita declarar o voto expresso do afilhado para não contrariar seguidores de sua gestão.

Na capital, segundo a pesquisa Econométrica, Dino tem 70,1% de aprovação, o que favorece o candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís. Já o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) registrou 51,1% de desaprovação.

Em Brasília, enquanto o PCdoB e o PT fazem oposição a Bolsonaro, os partidos de Eduardo Braide, Neto Evangelista e Duarte Júnior são aliados e votam de acordo com as pautas do governo.

O Econométrica entrevistou 1 mil pessoas, em 44 bairros de São Luís, entre os dias 20 e 22 de setembro de 2020. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número MA-06272/2020, e tem 95% de nível de confiança.

Ex-presidente Lula declara apoio a Rubens Pereira Júnior em São Luís
Política

Em troca, PCdoB vai apoiar a petista Benedita da Silva no Rio de Janeiro

Após ter o nome indevidamente usado na pré-campanha eleitoral, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) confirmou apoio ao candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior.

O anúncio foi feito pelo petista no Twitter, nesta terça-feira 15. Segundo publicou, o apoio foi oficialmente fechado no início da tarde de hoje. Em troca, o PCdoB fechou no Rio de Janeiro com Benedita da Silva, na disputa pela prefeitura na capital fluminense.

“O PT vai estar junto com outros partidos em muitas cidades. Agora mesmo acabamos de confirmar que o @PCdoB_Oficial vai estar com a @dasilvabenedita no Rio de Janeiro e nós vamos apoiar o candidato do @FlavioDino no Maranhão. Vamos com @rubenspereirajr em São Luís.”, escreveu Lula.

O apoio do ex-presidente, cuja declaração aponta que o próprio Dino participou da mesa de negociação, é considerado como salvação para Rubens Júnior. Ele vem patinando nas últimas colocações em todas as pesquisas de intenção de votos divulgadas até então.

O vice na chapa do comunista, vereador Honorato Fernandes, é do PT.

Se optar por coerência, Wellington deve evitar apoio a Braide, Duarte, Neto e Rubens
Política

Movimentos do deputado estadual ao longo da vida pública impedem acordo com os quatro pré-candidatos a prefeito de São Luís

Arrancado do pleito municipal de 2020, o deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) fez movimentos ao longo da vida pública que o impedem, se desta vez priorizar pela coerência política, de declarar apoio a pelo menos quatro pré-candidatos a prefeito de São Luís.

Caso Wellington não repita o erro confesso de 2016, o principal rejeitado seria o deputado federal Eduardo Braide (Pode), por motivos expostos demasiadamente pelo próprio tucano nos últimos dias, inclusive na tribuna do Palácio Manuel Beckman: traição. Segundo Wellington, Braide teria se unido ao senador Roberto Rocha (MA) para tirá-lo da corrida eleitoral. Como resposta, ele tem trabalhado contra a eleição do apadrinhado pelo presidente do PSDB do Maranhão. Retroceder desse posicionamento, portanto, além de desconforme, seria suicídio político.

Apesar da promessa de quitação de dívidas financeiras atualmente com diversos credores para passar a dever apenas Josimar Maranhãozinho, qualquer cogitação de apoio ao deputado Duarte Júnior (Republicanos) também atropelaria o discurso e histórico de luta de Wellington. Por representação formulada pelo deputado do PSDB, o gabinete do ex-presidente do Procon é alvo de investigação na Polícia Federal, desde 2018. Em março, Wellington cobrou explicações de Duarte sobre documentos que apontam para possível participação de um funcionário de seu gabinete em suposta milícia virtual. Á época, Duarte Júnior deixou o plenário da Alema durante as cobranças, até hoje não esclarecidas. Eventual apoio seria um caso peculiar de Síndrome de Estocolmo. Pesa ainda as diversas suspeitas de corrupção contra Josimar, a quem Wellington teria de também passar a declarar ter “orgulho”.

Eventual priorização pela coerência também impediria Wellington do Curso de fechar com o deputado estadual Neto Evangelista. Embora pré-candidato do DEM, Neto tem como patrono o PDT e o senador Weverton Rocha, a quem, na campanha de 2016, quando terminou em terceiro lugar, Wellington combateu fervorosamente —e permaneceu enfrentando, mesmo após as eleições daquele ano. Para apoiar Neto, Wellington teria de sofrer ou fingir amnésia eleitoral, e passar a defender a continuação da gestão do PDT na capital.

Por fim, mas não menos incoerente, qualquer declaração de apoio a Rubens Júnior seria o mesmo que Wellington do Curso desmentir tudo o que declarou ao longo dos dois mandatos de deputado estadual na Assembleia Legislativa, como principal opositor e fiscalizador do governo do PCdoB e de Flávio Dino no Maranhão.

Vale lembrar que, em 2016, Wellington não agiu com coerência, segundo ele próprio tem confessado em entrevistas recentes. Embora tenha apontado o suposto envolvimento de Eduardo Braide em casos de corrupção com a chamada Máfia de Anajatuba durante o debate eleitoral, no segundo turno, o tucano fechou com o hoje alegado algoz, e passou a declarar que o suposto envolvimento e investigação contra Braide pela Polícia Federal seriam ataques do Palácio dos Leões.

Gonzaga tira da pauta julgamento de recurso de Edmar Cutrim em ação sobre nepotismo
Política

Decisão foi tomada por desembargador após PGJ comprovar não ter sido intimada pelo Tribunal de Justiça

O desembargador Luiz Gonzaga, do Tribunal de Justiça do Maranhão, tirou da pauta da Sexta Câmara Cível da corte o julgamento do recurso do conselheiro Edmar Serra Cutrim, do TCE (Tribunal de Contas do Estado), contra uma ação de improbidade em que ele é suspeito de prática de nepotismo cruzado com o deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB).

O recurso, que pede o trancamento da ação, seria apreciado em ambiente virtual, a partir desta quinta-feira 20. Gonzaga atendeu pedido da procuradora Lize Costa.

Em manifestação no último dia 18, ela comprovou que, diferentemente do que afirmou o desembargador ao suspender, liminarmente, o recebimento da denúncia do Ministério Público do Maranhão contra Edmar Cutrim e Rubens Júnior, a PGJ (Procuradoria-Geral de Justiça) não foi intimada.

“Ocorre que não há nos autos virtuais, documentos que demonstrem a intimação desta Procuradoria Geral de Justiça, para se manifestar no referendado agravo, constando apenas os despachos internos do Órgão Julgador, via Relator”, escreveu, apresentando ainda uma certidão da Coordenação de Processos da PGJ, para melhor esclarecer os fatos.

Segundo a promotora Sidneya Nazareth Liberato, da 31ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, em 2007, então deputado estadual, Rubens Júnior nomeou em seu gabinete na Assembleia Legislativa o filho do conselheiro, Glalbert Cutrim, para o cargo em comissão de técnico parlamentar especial. Em contrapartida, no ano posterior, Edmar Cutrim nomeou Camila Torres e Silva, a Camila Pereira, irmã do comunista, para assessorá-lo em seu gabinete na corte de Contas estadual.

A continuidade da ilegalidade, ainda de acordo com o MP-MA, perdurou por cerca de seis anos, tendo Glalbert Cutrim sido exonerado do cargo apenas em 2014, por conta da obrigatoriedade de desincompatibilização prevista na legislação eleitoral, para poder se candidatar à Alema. Atualmente, ele é deputado reeleito na Casa, pelo PDT.

Embora documentados todos os elementos indicativos do ato de improbidade administrativa, no final de julho, —sob a alegação de que a PGJ, mesmo intimada, não havia se manifestado nos autos—, o desembargador do Tribunal de Justiça entendeu que “não restou satisfeita a prova suficiente de autoria e materialidade de violação” à Súmula Vinculante 13 do STF (Supremo Tribunal Federal), que trata sobre nepotismo, e suspendeu o recebimento da denúncia.

Ao ATUAL7, a PGJ chegou a dizer que ainda não havia sido informada, formalmente, sobre a decisão, e que avaliaria quais providências seriam tomadas quando isso ocorresse.

Fala de Orlando Silva não afeta aliança entre PCdoB e PT em São Luís
Política

Em entrevista à Folha, pré-candidato a prefeito de SP disse que ‘o PT é parte do passado’. Para Márcio Jerry e petistas ouvidos pelo ATUAL7, contexto local é outro

Apesar da iminente ruptura na tradicional aliança entre PT e PCdoB na capital paulista, exposta pelo pré-candidato comunista à prefeitura, Orlando Silva, nessa quarta-feira 12, ao dizer em entrevista à Folha de S.Paulo que o partido do ex-presidente Lula “é parte do passado”, em São Luís, as conversas para a oficialização da aliança das legendas em torno da pré-candidatura de Rubens Pereira Júnior (PCdoB) não foram afetadas.

É o que garantem ao ATUAL7 petistas e o presidente do PCdoB no Maranhão, deputado federal Márcio Jerry.

Militante histórico do PT, o secretário de Direitos Humanos do Maranhão, Chico Gonçalves, defende que a fala de Orlando Silva não pode ser atribuída ao próprio PCdoB.

“Orlando Silva expressa um ponto de vista pessoal; não é o ponto de vista do PCdoB. Pra ocupar espaço, faz uma disputa tacanha e ingênua. Não é possível, pensar e articular alternativas democráticas para o país sem o PT e Lula. De nossa parte, continuamos valorizando a aliança estratégica com o PCdoB. O único passado que precisamos deixar pra trás é o autoritarismo e as picuinhas”, disse.

A mesma defesa é feita por Cricielle Muniz, embora pré-candidata do PT ao Palácio de La Ravardière. Além de duvidar da entrevista publicada pela Folha, para reforçar a aliança entre as legendas, ela recorda que Silva integrou os governos Lula e Dilma Rousseff, e que, atualmente, o PT comanda pastas do primeiro escalão do governo Flávio Dino (PCdoB).

“Se o Dep. Orlando falou realmente isto, acho lamentável e um equívoco, pois nós sabemos a importância do PT e do PC do B para a luta democrática no país. A nossa aliança não é com pessoas, é pelo Brasil e pelo povo brasileiro. O PC do B, integrou os governos do PT no nível federal e nós integramos o governo aqui Estado”, declarou.

Para Márcio Jerry, que é coordenador da pré-campanha de Rubens Júnior, a fala do correligionário deve ser analisada apenas no contexto da atuação situação eleitoral da capital paulista.

“Deputado Orlando Silva falou num dado contexto, avaliando situação da cidade de São Paulo; Eu acho que o PT de fato é parte do passado, e isso é bom; mas é também parte importante do presente e sem dúvida alguma parte do futuro; PCdoB e PT tem relação antiga, de décadas, com divergências e convergências, mas quase sempre em alianças”, defendeu.

A garantia de que a fala de Orlando Silva não afetou o diálogo entre PT e PCdoB em São Luís também pode ser confirmada pelo fato de que, também ontem, o vereador petista Honorato Fernandes participou de uma reunião entre Rubens Pereira Júnior e lideranças partidárias sobre as eleições 2020 na capital, como mostra a imagem em destaque. Fernandes, inclusive, além de fazer parte da base de apoio ao comunista, está entre os cotados para ser o vice de Rubens Júnior.

Recurso de Edmar Cutrim será julgado pela Sexta Câmara Cível do TJ-MA no dia 20
Política

Decisão que tornou conselheiro do TCE do Maranhão e o deputado Rubens Júnior réus por nepotismo cruzado está suspensa por determinação do desembargador Luiz Gonzaga Filho

A Sexta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão colocou na pauta do próximo dia 20 o julgamento virtual do recurso do conselheiro Edmar Serra Cutrim, do TCE (Tribunal de Contas do Estado), para trancar a ação a que ele e o deputado federal licenciado Rubens Pereira Júnior (PCdoB) respondem por nepotismo cruzado.

Conforme mostrou o ATUAL7, no final de julho, a decisão pelo recebimento da denúncia, que havia tornado a dupla ré por improbidade, foi suspensa liminarmente pelo desembargador Luiz Gonzaga Almeida Filho, que ganhou a relatoria do processo após a desembargadora Anildes Cruz declarar-se suspeita para atuar no caso, por motivo de foro íntimo.

Segundo a promotora Sidneya Nazareth Liberato, da 31ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, em 2007, então deputado estadual, Rubens Júnior nomeou em seu gabinete na Assembleia Legislativa o filho do conselheiro, Glalbert Cutrim, para o cargo em comissão de técnico parlamentar especial. Em contrapartida, no ano posterior, Edmar Cutrim nomeou Camila Torres e Silva, a Camila Pereira, irmã do comunista, para assessorá-lo em seu gabinete na corte de Contas estadual.

A continuidade da ilegalidade, ainda de acordo com o MP-MA, perdurou por cerca de seis anos, tendo Glalbert Cutrim sido exonerado do cargo apenas em 2014, por conta da obrigatoriedade de desincompatibilização prevista na legislação eleitoral, para poder se candidatar à Alema. Atualmente, ele é deputado reeleito na Casa, pelo PDT.

Embora documentados todos os elementos indicativos dos atos de improbidade administrativa, para o desembargador do Tribunal de Justiça, “não restou satisfeita a prova suficiente de autoria e materialidade de violação” à Súmula Vinculante 13 do STF (Supremo Tribunal Federal), que trata sobre nepotismo.

A decisão, mostrou o ATUAL7, foi proferida após a PGJ (Procuradoria-Geral de Justiça), mesmo intimada, haver deixado decorrer o prazo sem apresentar qualquer manifestação.

Por ser em ambiente virtual, a sessão para julgamento do recurso terá início no próximo dia 20 e término no dia 27. Caso não ocorra o julgamento neste período, o processo entrará automaticamente na sessão virtual subsequente.

Rubens Júnior, do PCdoB, implode discurso antisarney ao buscar apoio do MDB de Roseana
Política

Iniciada por Flávio Dino no ano passado, reabertura de diálogo com os Sarney pode se consolidar em 2020 pelo comando da Prefeitura de São Luís

Quando o pré-candidato Rubens Pereira Júnior publicou no Twitter que entrou na disputa pela Prefeitura de São Luís “pra valer”, ninguém poderia imaginar que ele levaria tão a sério ao ponto de buscar apoio até mesmo do MDB, partido do ex-senador José Sarney e da ex-governadora Roseana Sarney.

Ao se deslocar para a Assembleia Legislativa para encontro com o deputado Roberto Costa, que coordena o partido sarneysta nas eleições 2020, e admitir ao jornalista John Cutrim que está conversando “com todos que querem debater a cidade de São Luís”, Rubens Júnior rompe com o discurso antisarney, demasiadamente usado por ele próprio durante seu histórico político.

Em fevereiro, por exemplo, quando ainda não havia “bigodado” e tinha Sarney como sinônimo de lepra política, insinuou nas redes sociais que o grupo estaria apoiando Eduardo Braide (Pode), devido à aliança deste com o PSD de Edilázio Júnior. “E o grupo Sarney começa a mostrar pra qual lado vai na eleição de São Luís”, escreveu.

A reabertura de diálogo e aproximação de um membro do PCdoB com os Sarney, porém, não é novidade.

No ano passado, o governador Flávio Dino (PCdoB), ele próprio eleito e reeleito para o Palácio dos Leões sob o discurso antisarney, foi à Brasília em buscar de conselhos do ex-oligarca sobre como apear do poder o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), sob a alegação de que estaria defendendo a democracia.

Seguindo o líder, portanto, o pré-candidato do PCdoB tenta agora transformar o diálogo em casamento, pelo comando da Prefeitura de São Luís.

Mesmo que Roberto Costa não queira firmar aliança com os comunistas, o ato de Rubens Júnior já implodiu qualquer discurso antisarneysta no pleito. O eleitor já sabe que tudo não passa de jogo de cena de quem já foi aliado e do mesmo governo, tendo rompido apenas por causa do que agora os reúne: o poder.

Mesmo intimada, PGJ não se manifestou sobre pedido de suspensão de denúncia contra Rubens Júnior e Edmar Cutrim
Política

Deputado e conselheiro do TCE são acusados de nepotismo cruzado. Caso está suspenso por decisão do desembargador Luiz Gonzaga

Apesar de intimada a, querendo, intervir no recurso que pedia a suspensão da decisão que recebeu a denúncia de nepotismo cruzado contra Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e Edmar Serra Cutrim, a PGJ (Procuradoria-Geral de Justiça) não se manifestou sobre o caso.

A inércia foi destacada pelo desembargador Luiz Gonzaga Almeida Filho, do Tribunal de Justiça do Maranhão. Conforme mostrou o ATUAL7, na última terça-feira 28, ele suspendeu os efeitos da decisão que havia tornado réus o deputado federal licenciado e o conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), por improbidade administrativa.

“Apesar de intimada, a Procuradoria Geral de Justiça deixou decorrer o prazo sem apresentar qualquer manifestação”, escreveu.

Procurada pelo ATUAL7, por meio de sua assessoria, a PGJ limitou-se a responder que “ainda não foi informada da decisão”, e que “avaliará as providências a serem adotadas”, quando isso acontecer.

Segundo a promotora Sidneya Nazareth Liberato, da 31ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, em 2007, então deputado estadual, Rubens Júnior nomeou em seu gabinete na Assembleia Legislativa o filho do conselheiro, Glalbert Cutrim, para o cargo em comissão de técnico parlamentar especial. Em contrapartida, no ano posterior, Edmar Cutrim nomeou Camila Torres e Silva, a Camila Pereira, irmã do comunista, para assessorá-lo em seu gabinete na corte de Contas estadual.

A continuidade da ilegalidade perdurou por cerca de seis anos, tendo Glalbert Cutrim sido exonerado do cargo apenas em 2014, por conta da obrigatoriedade de desincompatibilização prevista na legislação eleitoral, para poder se candidatar à Alema. Atualmente, ele é deputado reeleito na Casa, pelo PDT.

Embora documentados todos os elementos indicativos dos atos de improbidade administrativa, para o desembargador do Tribunal de Justiça, “não restou satisfeita a prova suficiente de autoria e materialidade de violação” à Súmula Vinculante 13 do STF (Supremo Tribunal Federal), que trata sobre nepotismo.

O caso está suspenso até que a Sexta Câmara Cível decida sobre o mérito do recurso, o que ainda não tem data para ocorrer.

Desembargador suspende recebimento de denúncia contra Rubens Júnior e Edmar Cutrim por nepotismo
Política

Segundo o Ministério Público, comunista nomeou Glalbert Cutrim em seu então gabinete na Assembleia Legislativa e conselheiro nomeou Camila Pereira em seu gabinete no TCE

O desembargador Luiz Gonzaga Almeida Filho, do Tribunal de Justiça do Maranhão, concedeu medida liminar, na última terça-feira 28, suspendendo o recebimento de denúncia contra o ex-deputado estadual Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e o ex-presidente do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Edmar Serra Cutrim, em ação de improbidade administrativa por suposta prática de nepotismo.

Conforme mostrou o ATUAL7, a denuncia havia sido recebida em setembro do ano passado, pela juíza de Direito Alexandra Ferraz Lopez, da 7ª Vara da Fazenda Pública.

Segundo o Ministério Público, em 2007, então deputado estadual, Rubens Júnior nomeou em seu gabinete na Assembleia Legislativa o filho do conselheiro, Glalbert Cutrim, para o cargo em comissão de técnico parlamentar especial. Em contrapartida, no ano posterior, Edmar Cutrim nomeou Camila Torres e Silva, a Camila Pereira, irmã do comunista, para assessorá-lo em seu gabinete na corte de Contas estadual.

A continuidade da ilegalidade, ainda de acordo com o MP-MA, perdurou por cerca de seis anos, tendo Glalbert Cutrim sido exonerado do cargo apenas em 2014, por conta da obrigatoriedade de desincompatibilização prevista na legislação eleitoral, para poder se candidatar à Alema. Atualmente, ele é deputado reeleito na Casa, pelo PDT.

Para o desembargador do TJ-MA, porém, após análise do caso, “não restou satisfeita a prova suficiente de autoria e materialidade de violação” à Súmula Vinculante 13 do STF (Supremo Tribunal Federal), que trata sobre nepotismo.

Com a decisão de Luiz Gonzaga, que atendeu a pedido da defesa de Edmar Cutrim, o caso fica suspenso até que a Sexta Câmara Cível decida sobre o mérito do recurso, ainda sem data para ocorrer.

Em pesquisa, Datailha inventa boato de apoio de Lula a Rubens Júnior
Política

Indução pode ter sido utilizada para favorecer pré-candidato do PCdoB, que já vinha se utilizando da estratégia

O Instituto Datailha registrou pesquisa de intenção de votos para a Prefeitura de São Luís em que inventa um boato possivelmente com a intenção de induzir o eleitor a favor do pré-candidato do PCdoB, Rubens Pereira Júnior.

Em um dos questionamentos, o Datailha primeiro afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apoia Rubens Júnior, e pergunta se ao saber disso, somada ao fato dele ser do partido de Flávio Dino, em quem o eleitor votaria.

“O ex-Presidente Lula está apoiando Rubens Júnior para a Prefeitura de São Luís. Rubens Júnior tem o apoio de Lula e é do mesmo partido do governador Flávio Dino. Sabendo dessa informação, [votaria] em [?]:”, questiona o instituto, apresentando em seguida os nomes dos pré-candidatos.

Além de Rubens Pereira Júnior, os únicos outros nomes apresentados são: Adriano Sarney (PV), Bira do Pindaré (PSB), Duarte Júnior (Republicanos), Carlos Madeira (SD), Yglésio Moyses (PROS), Eduardo Braide (PODE), Jeisael Marx (Rede), Neto Evangelista (DEM) e Wellington do Curso (PSDB).

No caso, mesmo declarados pré-candidatos e estarem em plena pré-campanha, ficaram de fora da pesquisa: Detinha (PL), Cricielle Muniz (PT), Franklin Douglas (PSOL) e Saulo Arcangeli (PSTU).

Embora alguns integrantes do PT com cargo no governo de Dino tenham fechado apoio ao comunista, não há qualquer declaração pública do ex-presidente Lula ao pré-candidato do PCdoB —que já vinha se aproveitando dessa estratégia para tentar angariar votos dos ludovicenses com uma camisa com a escrita: “Eu sou Dino e Lula”.

Registrada nessa quinta-feira 16, sob o número MA-00027/2020, a pesquisa Datailha informou à Justiça Eleitoral que ouviu 1.014 eleitores, entre os dias 13 e 15 de julho, em um intervalo de confiança de 95% e margem de erro de 3,0%. O resultado está previsto para ser divulgado no próximo dia 22. A contratante é a empresa Vieira Press.

Por votos, pré-candidatos a prefeito de São Luís ignoram pandemia e provocam aglomeração
Política

Até a obrigatoriedade do uso de máscara está sendo desrespeitada por um dos postulantes ao Palácio de La Ravardière

Em meio à pandemia do novo coronavírus, que no Maranhão tem São Luís como epicentro da doença, alguns pré-candidatos a prefeito da capital têm ignorado o aumento de casos positivos e de óbitos na cidade e, em busca de votos, provocado aglomeração.

Um deles tem sido o postulante do PCdoB ao Palácio de La Ravardière, Rubens Pereira Júnior. Na última terça-feira 7, por exemplo, em ato político que reuniu mais de 40 pessoas na sede do PP, mais da metade estava sem máscara, item de uso obrigatório para enfrentamento à Covid-19 —que já matou mais de 900 pessoas na capital.

Apesar dele próprio estar usado máscara, as imagens sugerem que Rubens Júnior estava mais preocupado em reunir o maior número de pessoas possíveis na reunião, para contrapor a baixa popularidade de sua pré-candidatura, do que em garantir o distanciamento seguro entre os presentes.

Outro que também tem seguido o caminho inverso do que se espera de um líder é o juiz federal aposentado Carlos Madeira. Pré-candidato a prefeito de São Luís pelo Solidariedade, em busca de visibilidade eleitoral, ele tem não apenas gerado aglomeração, mas também aparecido constantemente, ele próprio, sem máscara.

Apenas nesta semana, foram duas vezes em que o magistrado aposentado descumpriu a norma, em ambas para ato de recebimento de apoio: do secretário estadual da Cultura, Anderson Lindoso; e do autor da Lei da Ficha Limpa e também ex-juiz, Márlon Reis.

Nas imagens, ele está sempre acompanhado do líder de seu partido e secretário estadual de Industria e Comércio, Simplício Araújo, outro que para aparecer bem em fotos desobedece a determinação baixada pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

O deputado estadual e pré-candidato do Republicanos, Duarte Júnior, também tem provocado aglomerações. Em fotos compartilhadas por ele próprio nas redes sociais, além das pessoas estarem muitos próximas das outras, algumas aparecem sem máscaras.

Assim como os adversários-íntimos (pertencem ao mesmo grupo político, liderado por Dino), a conquista do voto para Duarte Júnior aparenta também ser mais valiosa com que a saúde do eleitor.

Em todos os casos, cabe ao Ministério Público do Maranhão e ao Ministério Público Eleitoral a expedição de recomendação para que os pré-candidatos evitem, durante seus atos político-eleitorais, a facilitação da propagação do novo coronavírus em São Luís.

Pesquisa mostra baixa potencialidade em pré-candidatura de Rubens Júnior
Política

Risco de vexame eleitoral pode obrigar pré-candidato do PCdoB a sair da disputa

O desempenho pífio na pesquisa do Instituto Prever pelo pré-candidato do PCdoB à Prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior, é um sinal de que o partido do governador Flávio Dino terá dificuldades de emplacá-lo no comando da capital.

Segundo o levantamento, divulgado no último sábado 4, o comunista não conseguiu sair da casa dos 1% das intenções de voto em nenhum dos cenários analisados.

O resultado mostra que, apesar de toda a estrutura que tem se formado em torno de Rubens Júnior, ele simples não decola. Nem mesmo ter arrumado os dentes, para melhorar o sorriso ao eleitorado, tem funcionado.

Sob risco de vexame eleitoral, o pré-candidato do PCdoB pode ser obrigado a sair da disputa.

Mas caso insista na aventura, Dino parece já ter traçado um plano para não ser afetado: seguir ignorando o fato que o PCdoB tem um nome oficializado para a capital e liberar secretários estaduais para declarar apoio à pré-candidatura do juiz federal aposentado Carlos Madeira (SD).

Além disto, para se distanciar do já quase-ex-afilhado, tem deixado, cada vez mais claro, que o nome de seu coração para o pleito sempre foi o do deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos).

Rubens Júnior recebe apoio oficial do Cidadania, de Eliziane Gama
Política

A aliança contou com a articulação do marido da senadora, o empresário Inácio Melo

Em evento pequeno e transmitido pelas redes sociais devido à pandemia do novo coronavírus, o Cidadania, partido que tem como estrela no Maranhão a senadora Eliziane Gama, oficializou apoio ao pré-candidato do PCdoB à Prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior.

A aliança, mostrou o ATUAL7, contou com a articulação do marido de Eliziane, o empresário Inácio Melo.

Com a oficialização do apoio, Rubens Júnior passa a formar, até o momento, o maior grupo partidário para a disputa municipal, adiada pelo Congresso para para 15 de novembro. A decisão foi tomada para dar mais segurança à população diante da pandemia, que tem como principal medida de prevenção o distanciamento social.

Antes já haviam oficializado aliança com o comunista o Partido da Mulher Brasileira (PMB), Progressistas (antigo PP) e Democracia Cristã (DC).