Rubens Pereira Júnior
Votação de PEC que amplia poder do Congresso sobre órgão de fiscalização do Ministério Público tem apoio de Rubens Júnior
Política

Texto será votado nesta terça-feira (19). Proposta tem provocado forte reação pela tentativa de interferência no órgão

Pauta defendida pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a PEC (proposta de Emenda à Constituição) que muda a composição do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), para deixar o órgão mais suscetível à interferência política, teve o apoio do deputado federal maranhense Rubens Júnior para que fosse mantida na pauta de votação na última quinta-feira (14).

O comunista foi um dos 214 parlamentares contrários ao requerimento de retirada de pauta naquela data. Contudo, como 145 foram favoráveis, sob pressão e diante do risco de derrota no plenário, Lira decidiu apenas discutir a matéria e marcar a votação para esta terça-feira (19).

Pelo Maranhão, também votaram como Rubens Júnior os colegas de bancada Pastor Gil (PL), André Fufuca (PP), Aluísio Mendes (PSC), Edilázio Júnior (PSD), Zé Carlos (PT), Pedro Lucas Fernandes (PTB) e Gil Cutrim (Republicanos).

Apenas os maranhenses Hildo Rocha (MDB), Josivaldo JP (Podemos) e Bira do Pindaré (PSB) integraram a resistência dos foram favoráveis ao adiamento da votação da chamada PEC da Vingança.

Para ser aprovada, uma proposta de Emenda à Constituição precisa de ao menos 308 votos dos 513 deputados, em votação em dois turnos.

De autoria do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), a PEC tem atraído duras críticas de associações ligadas a promotores e procuradores, que denunciam a tentativa de apliação dos poderes do Congresso em relação ao CNMP, órgão responsável por realizar a fiscalização administrativa, financeira e disciplinar do Ministério Público e de seus membros.

Na semana passada, uma mobilização contrária à aprovação da PEC, realizada em frente à sede das Promotorias de Justiça da Capital, no Calhau, na capital do Maranhão, recebeu o apoio de membros e servidores do Ministério Público do Maranhão, além de integrantes do Judiciário, Defensoria Pública, Ministério Público Federal e representantes da sociedade civil organizada.

Atualmente, o CNMP é composto por 14 membros. A ideia em discussão na Câmara aumenta o colegiado para 15 integrantes e amplia de dois para quatro a quantidade de assentos indicados pelo Congresso para o órgão. Além disso, também determina que o corregedor do conselho, um dos cargos mais importantes do órgão, deve ser membro da carreira, mas será escolhido pelo Legislativo.

Bancada do MA vota a favor de texto que desconfigura Lei de Improbidade
Política

Projeto relatado por Weverton Rocha no Senado também derruba direitos das pessoas com deficiência. Mudança aprovada pelos deputados maranhenses abre brecha para nepotismo

A bancada do Maranhão na Câmara dos Deputados votou fechada a favor da proposta que desconfigura a Lei de Improbidade Administrativa, passando a exigir que se comprove a intenção de lesar a administração pública para que se configure irregularidade.

Por 395 votos a favor e 22 contrários, os deputados acataram sete das oito alterações feitas pelo Senado, em texto relatado pelo senador maranhense Weverton Rocha (PDT). Pelo Maranhão, todos os 12 deputados que votaram na sessão de terça-feira (5) aprovaram a mudança na lei, em vigor há quase três décadas com o objetivo de penalizar na área cível agentes públicos envolvidos em desvios, mas que agora podem se beneficiar com as alterações nas regras de punição.

O próprio Weverton é alvo em duas ações por improbidade, inclusive sob acusação de enriquecimento ilícito. Com a nova lei, o pedetista pode ser beneficiado com prescrição dos processos.

Participaram da sessão na Câmara e votaram favoráveis ao retrocesso no combate à corrupção os deputados maranhenses: Bira do Pindaré (PSB), Edilázio Júnior (PSB), Gastão Vieira (PROS), Gil Cutrim (Republicanos), Hildo Rocha (MDB), Josivaldo JP (Podemos), Juscelino Filho (DEM), Marreca Filho (Patriota), Pastor Gil (PL), Pedro Lucas Fernandes (PTB), Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e Zé Carlos (PT).

Além de desconfigurar a Lei de Improbidade ao ponto de dificultar a condenação de políticos, empresas e empresários que tenham lesado os cofres públicos, o texto também derruba direitos das pessoas com deficiência.

Na mudança da legislação que combate atos que atentam contra princípios da administração pública, foi retirado o trecho que exigia do agente público, servidor ou não, o cumprimento de requisitos de acessibilidade previstos na Lei 13.146/2015, a chamada Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, sob pena do agente público incorrer em ato de improbidade.

A Câmara decidiu rejeitar apenas uma emenda feita pelo Senado que tratava sobre nepotismo, abrindo brecha para políticos contratarem os próprios parentes em cargos da gestão pública. Foram 253 votos contrários e 162 favoráveis.

Com a mudança, para ser enquadrado como improbidade, terá de ser comprovado “dolo com finalidade ilícita” na nomeação. Da bancada maranhense, somente Bira e Josivaldo votaram pela rejeição.

O texto, que segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), também dá exclusividade ao Ministério Público para propor ações de improbidade administrativa.

Na semana passada, a pedido do PSB, do governador Flávio Dino, o ministro Gil Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), suspendeu em uma canetada parte da Lei de Improbidade.

Congresso derruba veto de Bolsonaro a federações partidárias; PCdoB comemora
Política

Projeto garante a participação de pequenos partidos nas próximas eleições, que ganham sobrevida

O Congresso Nacional derrubou nesta segunda-feira (27) o veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao projeto de lei que cria o Sistema de Federações Partidárias. Agora em vigor, a proposta garante a participação de pequenos partidos nas próximas eleições –como o PCdoB, que corria o risco de ser extinto pela cláusula de barreira, mas agora ganha sobrevida para a eleição de 2022.

A criação da lei é uma vitória ao PCdoB, ex-partido do governador Flávio Dino e que ainda compõe uma de suas bases. No Maranhão, sua maior representação é de Márcio Jerry, presidente do partido no estado e atual secretário de Cidades e Desenvolvimento Urbano do Dino, seguido de Rubens Pereira Júnior, deputado federal e candidato não eleito a prefeito de São Luís apoiado pelo governador em 2020.

Nas redes sociais, Jerry e Rubens comemoraram a decisão do Congresso. “Bancada pequena nada, o PCdoB é uma bancada gigante em sua capacidade e influência”, publicou o secretário. Na Câmara dos Deputados, a legenda possui oito pessoas em sua bancada –a 5ª menor, ao lado do Avante e do Novo, com direito a quatro minutos de horário de televisão.

Com a aprovação do projeto, estes partidos passam a poder se juntar com outros de afinidades semelhantes por quatro anos, sendo considerados um partido único mas, ao mesmo tempo, mantendo suas particularidades. Os argumentos desfavoráveis às federações, defendidos por governistas e, principalmente, pelo PP, é de que elas seriam similares às coligações, proibidas desde 2017.

A principal diferença entre os dois é justamente o tempo em que as legendas permanecem unidas –enquanto as federações permanecem por anos, as coligações surgem e duram apenas durante as campanhas. De acordo com Rubens Júnior, a coligação “facilita alianças fisiológicas”.

Na prática as federações partidárias ajudarão partidos pequenos, ameaçados, a eleger mais parlamentares. Juntos, seriam tratados como um só, com direito a uma estrutura de liderança na Casa. Partidos que saírem da federação antes dos quatro anos sofrerão punições.

Rubens Júnior garante que segue no PCdoB; Jerry diz não saber
Política

Rumor surgiu após comunista deixar Articulação Política para reassumir mandato na Câmara

O deputado Rubens Pereira Júnior garantiu ao ATUAL7 que segue no Partido Comunista do Brasil, o PCdoB. “Recebi 09 convites. Sigo no PCdoB. Após definição do sistema eleitoral, pode ter mudança ou não. Se reavalia.”

A resposta foi dada a questionamento sobre rumores de que deixaria a legenda, após a saída da Secretaria de Estado da Articulação Política para reassumir o mandato na Câmara.

Márcio Jerry, presidente do PCdoB no Maranhão, porém, demonstrou dúvida sobre o assunto.

Procurado para comentar se procede o rumor da saída de Rubens Júnior das hostes comunista, foi lacônico: “Não sei.”

Dino estuda colocar Rubão, pai de Rubens Júnior, na Articulação Política
Política

Um dos padrinhos do governador do Maranhão, chefe do clã de Matões já dava as cartas na pasta

O governador Flávio Dino (PSB) estuda colocar o ex-deputado Rubens Pereira, o Rubão, no lugar do filho, Rubens Pereira Júnior, o Rubinho (PCdoB), no comando da Articulação Política do Palácio dos Leões.

Mesmo fora do cargo, Rubão, um dos padrinhos políticos do governador do Maranhão, já dava as cartas na pasta.

Rubens Júnior deixa o cargo para voltar ao mandato na Câmara dos Deputados, após o suplente Elisabeth Gonçalo (Republicanos-MA) descumprir acordos com o clã de Matões.

Procuradoria abre investigação para apurar suspeita de crimes eleitorais por Rubens Júnior
Política

Procedimento foi aberto a partir de provocação feita pelo ATUAL7 sobre suposto abuso de poder político e de autoridade em benefício da candidatura de Flávio Dino ao Senado

O MPF (Ministério Público Federal) determinou a instauração de uma notícia de fato para apurar as suspeitas de crimes eleitorais supostamente cometidos pelo secretário de Estado de Articulação Política, o deputado federal licenciado Rubens Pereira Júnior (PCdoB).

O procedimento foi aberto pela Procuradoria Regional Eleitoral no Maranhão, a partir de provocação feita pelo ATUAL7 ao órgão para que se manifestasse sobre fatos noticiados pelo blog do Gilberto Léda.

A publicação mostra vídeo em que Rubens Júnior orienta abertamente os 32 superintendentes regionais da SECAP a monitorarem quais prefeitos maranhenses estão “do lado” do governo Flávio Dino (PSB) e quais não estão; “quem é o deputado estadual” e “quem é o deputado federal” que “está forte” em cada região do Maranhão; e “onde o Bolsonaro tá mais forte e onde o Flávio [Dino] tá mais fraco”.

O encontro institucional em que os supostos crimes eleitorais foram cometidos foi realizado no início de julho no auditório do Edifício João Goulart, em São Luís, utilizado como sede administrativa de diversas secretarias e órgãos do Governo do Maranhão.

Em outro trecho do discurso, evidenciando as orientações eleitorais em um evento oficial do Estado, Rubens Júnior diz que “quanto mais forte estiver o Flávio Dino, maior é a chance de a gente ganhar a eleição no ano que vem, o Flávio ser senador”.

Em tese, houve extrapolação do limite institucional no ato, indicando prática de abuso de poder político e de autoridade pelo titular da SECAP para favorecer Dino. Ambos podem ser alvo de ação de investigação judicial com pedido inelegibilidade, o que pode tirá-los da disputa eleitoral de 2022.

Diante da suspeita de que tenha também havido improbidade administrativa, o Ministério Público do Maranhão foi procurado pelo ATUAL7 no último dia 2, por e-mail –inclusive enviado ao próprio procurador-geral de Justiça Eduardo Nicolau e ao Caop (Centro de Apoio Operacional) de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa. Contudo, até o momento, não houve manifestação a respeito do caso.

No âmbito do MPF do Maranhão, a notícia de fato, que consiste no levantamento preliminar de informações, é instaurada por determinação do procurador-regional eleitoral substituto, Hilton Araújo de Melo, que deve ser o responsável pelo comando do órgão pelo biênio 2021/2023, em substituição ao procurador Juraci Guimarães Júnior, que está de férias e próximo de deixar o cargo.

Duarte terá de rejeitar apoio de Neto e Rubens para continuar como ‘filho do povo’
Política

Candidato do Republicanos vai disputar segundo turno após forte campanha contra o filhotismo na política

Para não se revelar como engodo eleitoral, Duarte Júnior terá de rejeitar, publicamente, qualquer apoio político advindo de Neto Evangelista (DEM) e Rubens Pereira Júnior (PCdoB) no segundo turno da disputa pela prefeitura de São Luís.

Durante toda a primeira etapa do pleito e desde a pré-campanha, o candidato do Republicanos se vendeu ao eleitorado ludovicense como “filho do povo” contra os “filhos de políticos”. Aceitar o apoio dos adversários no pleito seria, portanto, destoante, e o obrigaria a abandonar o discurso que se encaixa contra o rival Eduardo Braide (Pode), que também representa o filhotismo na política.

Além disso, durante o acirramento do primeiro turno, Duarte Júnior lembrou a população sobre a promessa eleitoreira do VLT (Veiculo Leve sob Trilhos) e que Neto Evangelista recebia a regalia de 18 salários como deputado estadual e ainda achava pouco. Já contra provocações de Rubens Júnior, respondeu o comunista o chamando de “bandido” e “filho de ficha suja”.

Neto e Rubens, inclusive, somados a diversos secretários e integrantes de segundo e terceiro escalão do Palácio dos Leões, são os principais responsáveis pela disseminação do suposto exame do Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública) do Maranhão, positivo para Covid-19, atribuído a Duarte.

Até o momento, não houve qualquer aproximação entre eles, mas a entrada pessoal do governador Flávio Dino (PCdoB) no segundo turno, já declarando apoio a Duarte, pode forçar a abertura de diálogo.

Bira, Braide, Neto e Rubens receberam 18 salários pela Alema
Política

Regalia foi suspensa após revelação pela imprensa. Resolução assinada por Braide aumentou benefícios aos deputados. Apenas Bira doou integralmente valor extra recebido

Lembrado por Duarte Júnior (Republicanos) como vidraça apenas de Neto Evangelista (DEM), o recebimento de 18 salários pela Alema (Assembleia Legislativa do Maranhão) beneficiou também outros três hoje candidatos ao Palácio de La Ravardière: Bira do Pindaré (PSB), Eduardo Braide (Pode) e Rubens Pereira Júnior (PCdoB). Além do gordo salário de R$ 20 mil, outros R$ 50 mil mensais caíam na conta bancárias dos representantes do povo, a titulo de ajuda de custo.

A regalia foi criada em 2002 e perdurou até 2012, sendo reduzida somente após revelação pela Folha de S. Paulo e pelo Fantástico, da Rede Globo. Eleitos para a Alema pela primeira vez em 2010, três foram beneficiados por pouco mais de um ano: Bira, Braide e Neto. Na vida pública parlamentar desde 2006, Rubens embolsou por mais tempo: mais de cinco anos. Dos quatro, apenas Bira doou a entidades filantrópicas o valor integralmente recebido com os salários extras, mas somente após o caso virar escândalo.

Todos foram procurados pelo ATUAL7, por meio de suas assessorias, na quarta-feira 11, para que se posicionassem a respeito do recebimento da regalia. Nenhum retornou o contato.

Sob protestos de alguns deputados que ocupavam a Casa à época, inicialmente, o benefício foi apenas parcialmente derrubado, já que houve a aprovação unânime de redução do valor, mas de 18 para 15 salários.

Apenas cerca de um ano depois houve o corte do 14º e 15º salários. Na mesma época, porém, os deputados aprovaram resolução administrativa que aumentou os valores de benefícios pagos pela Alema a eles próprios. Com a medida, os 42 parlamentares da Casa passaram a incorporar mais de R$ 41 mil, por ano —aproximadamente o mesmo valor que recebiam no mesmo período com os 14º e 15º salários. Apenas Bira foi contra.

“Primeiro, sou contra porque acho inoportuno, fica parecendo que é uma medida de compensação, após a extinção dos 14º e 15º salários. Segundo e sobre o auxílio-moradia, porque já temos as verbas indenizatórias e para os deputados que moram em São Luís não há razão de existir. Eu não recebo, porque não tem como justificar”, criticou, à época.

De acordo a resolução, os parlamentares aumentam o valor do auxílio-moradia de R$ 2,2 mil para R$ 2,85 mil —mesmo tendo base eleitoral e morando em São Luís. Também aumentaram o valor da Verba Indenizatória de Exercício Parlamentar, de R$ 15 mil para R$ 16.261,95; e da Verba Indenizatória de Ajuda de Gabinete, de R$ 17.894,67 para R$ 19.400,16.

Dos quatro prefeituráveis de São Luís que à época eram deputados estaduais, Eduardo Braide foi o que teve maior participação direta no aumento das regalias com o dinheiro público. Além de ter direito ao benefício, ele integrava a Mesa Diretora e foi um dos que assinou a resolução.

Rubens Pereira Júnior reassume mandato na Câmara
Política

Na vaga estava o suplente de deputado Gastão Vieira, do PROS, partido do também candidato a prefeito Yglésio Moyses

O candidato a prefeito de São Luís pelo PCdoB, Rubens Pereira Júnior, reassumiu o mandato na Câmara dos Deputados, desde o dia 4 de outubro último. Estranhamente, porém, até o momento, não houve qualquer divulgação nas redes sociais e no site do parlamentar a respeito do retorno à Casa.

Na vaga estava o suplente de deputado Gastão Vieira, do PROS, partido do também candidato a prefeito da capital, Yglésio Moyses.

Independente, embora de boa relação com o Palácio dos Leões, Yglésio tem rebatido tecnicamente e apontado como inviáveis diversas propostas eleitorais de adversários na disputa, inclusive de Rubens Júnior. Recentemente, inclusive, acusou secretários e dirigentes de órgãos do governo de Flávio Dino (PCdoB) de abuso de poder político em prol do comunista.

Yglésio aponta abuso de poder em ato eleitoral de secretários de Dino pró-Rubens Júnior
Política

Primeiro, segundo e terceiro escalão do Governo do Maranhão se reuniram para reforçar campanha de comunista à prefeitura de São Luís. Lei das Eleições veda cessão de servidores e uso de seus serviços para comitês de campanha eleitoral

O deputado estadual e candidato do PROS à prefeitura de São Luís, Yglésio Moyses, apontou crime eleitoral de secretários e dirigentes de órgãos de primeiro, segundo e terceiro escalão do governo de Flávio Dino (PCdoB) que participaram de ato de campanha de Rubens Pereira Júnior ao Palácio de La Ravardière, pelo mesmo PCdoB de Dino.

“Que coisa linda é ver um monte de secretário do governo estadual, muito provavelmente no horário de expediente, fazendo campanha pro Rubinho. Abuso de poder político mandou lembranças… Novas caras, velhas práticas”, postou no Twitter, nessa quarta-feira 4.

A publicação ocorreu poucas horas após o deputado federal Márcio Jerry, presidente estadual do PCdoB e coordenador da campanha de Rubens Júnior, divulgar na rede social o ato eleitoral, em anúncio de tom institucional, identificando os participantes da reunião pelos cargos no Palácio dos Leões, e não como cidadãos comuns.

“Time forte reuniu hoje para reforçar a campanha Rubens prefeito de São Luís. Secretários e dirigentes de órgãos do governo Flávio Dino na campanha rumo ao segundo turno. À vitória!”, publicou.

Ao ATUAL7, Jerry negou que tenha ocorrido abuso de poder político.

“A referência [aos cargos no governo estadual], obviamente, é à ação deles como cidadãos e cidadãs que são e não agindo como secretários e dirigentes”, alegou.

Procurado, o Governo do Maranhão não se manifestou até o momento.

Pela Lei das Eleições, agentes públicos, servidores ou não, não pode ser cedidos e nem usar de seus serviços para comitês de campanha eleitoral de candidato, durante o horário de expediente normal, salvo se o servidor ou empregado estiver licenciado. O que passar disso, pode ser enquadrado como abuso de poder político do candidato, com objetivo de afetar a igualdade de oportunidades entre os concorrentes ao pleito.

A 11 dias da eleição, secretários do governo Dino entram abertamente na campanha de Rubens Júnior
Política

Entrada foi anunciada em tom institucional pelo coordenador da campanha do PCdoB à prefeitura de São Luís, Márcio Jerry. Ato pode caracterizar abuso de poder político

Pela Lei das Eleições, agentes públicos, servidores ou não, não pode ser cedidos e nem usar de seus serviços para comitês de campanha eleitoral de candidato, durante o horário de expediente normal, salvo se o servidor ou empregado estiver licenciado. O que passar disso, pode ser enquadrado como abuso de poder político do candidato, com objetivo de afetar a igualdade de oportunidades entre os concorrentes ao pleito.

Nesta quarta-feira 4, faltando 11 dias para as eleições municipais de 2020, dezenas de secretários estaduais e dirigentes de órgãos do governo de Flávio Dino (PCdoB) sujeitaram-se à crítica e ao escrutinamento público e participaram abertamente de ato eleitoral em prol da candidatura de Rubens Pereira Júnior à prefeitura de São Luís.

No Twitter, o deputado federal Márcio Jerry, coordenador da campanha comunista ao Palácio de La Ravardière, em tom institucional, identificou os participantes como detentores de cargos no Poder Executivo estadual, não como cidadãos comuns.

“Time forte reuniu hoje para reforçar a campanha Rubens prefeito de São Luís. Secretários e dirigentes de órgãos do governo Flávio Dino na campanha rumo ao segundo turno. À vitória!”, publicou, em ato que pode caracterizar abuso de poder.

Embora não tenha o apoio declarado do governador do Maranhão, Rubens Júnior é do PCdoB, partido de Dino e de Jerry.

Procurado, Márcio Jerry disse ao ATUAL7 que o ato eleitoral foi realizado fora do horário de expediente.

“Reunião das 12:30 às 13:30 h. Todos cidadãos e cidadãs no gozo pleno dos direitos políticos. Todos fora do ambiente de trabalho”, garantiu, completando: “São cidadãos e cidadãs que integram um governo. Sem forçar a barra pra achar erro fica fácil entender a normalidade e legalidade da reunião”.

Confrontado sobre haver declarado os participantes do ato como “secretários e dirigentes de órgãos estaduais”, e não como “cidadãos”, Jerry ironizou: “Tá serto”. Novamente confrontado, justificou que estava apenas brincando.

Após a insistência do ATUAL7, alegou que “a referência [aos cargos no governo estadual], obviamente, é à ação deles como cidadãos e cidadãs que são e não agindo como secretários e dirigentes”.

Perguntado sobre a atuação dos “secretários e dirigentes de órgãos estaduais” na campanha eleitoral, Márcio Jerry respondeu que será fora do horário do expediente, e disse que “alguns vão tirar férias a que fazem jus”. Questionado sobre quais, porém, não soube afirmar.

“Aí não sei. Alguns vão tirar, mas não sei quem nem quando. E todos só atuarão na campanha nos limites do que é legalmente permitido”, garantiu.

Também procurado para se posicionar a respeito do assunto, o Governo do Maranhão ainda não enviou resposta.

Rubens Júnior engana ao afirmar que não muda de partido
Política

Candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís já foi filiado ao PSC e ao PRTB. Primeira eleição para deputado estadual foi em coligação que apoiava Roseana Sarney

O candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior, engana ao afirmar nas redes sociais, propaganda eleitoral e em debates, insistentemente, que nunca mudou de partido, apoiador ou aliado durante sua vida pública.

“Eu não mudo de partido, eu não mudo de apoiador, eu não mudo de aliado”, insistiu na falsa informação, durante debate do iMirante/O Estado realizado na terça-feira 20.

Checagem feita pelo ATUAL7 no sistema FILIA (Filiação Partidária), no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) mostra que, antes de virar comunista, Rubens Júnior foi filiado a pelo menos dois outros partidos. A verificação também foi publicada no projeto Sem Migué, plataforma de fact-checking que conta com a colaboração de checadores voluntários. O projeto Rumbora Marocar também fez verificação própria.

Segundo os dados oficiais da Justiça Eleitoral, a primeira filiação de Rubens foi ao PSC, em 25 de agosto de 2003. Pouco mais de dois anos depois, em 30 de setembro de 2005, ele pulou para o PRTB, partido onde disputou eleição pela primeira vez, em 2006, conquistando uma vaga na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Já o repositório de dados eleitorais do TSE mostra que, naquele pleito, o PRTB formou com os partidos PRP e PHS a coligação Maranhão - Vontade do Povo. Embora isolada, a coligação fazia parte do grupo de partidos que apoiava a eleição Roseana Sarney (então PFL) para o Palácio dos Leões.

Há, inclusive, o registro de doação do Comitê Financeiro Único PFL-MA, do tipo estimada, no valor de R$ 4 mil, para a candidatura de deputado estadual de Rubens Pereira Júnior naquela corrida eleitoral.

Filiado ao PCdoB somente em 28 de setembro de 2009, atualmente, Rubens Júnior apoia e é aliado de Flávio Dino, governador reeleito do Maranhão.

Com renúncias de Madeira e Adriano, Solidariedade vai com Rubens e PV com Braide
Política

O primeiro retirou a candidatura por motivos de saúde; o segundo para evitar vexame nas urnas

Com as renúncias de candidatura por Carlos Madeira e Adriano Sarney —o primeiro por motivos de saúde e o segundo para evitar vexame nas urnas—, seus respectivos partidos, Solidariedade e PV, já decidiram que caminho tomar nas eleições municipais de 2020.

Já anunciado publicamente, o Solidariedade vai apoiar o candidato da coligação “Do Lado do Povo”, Rubens Pereira Júnior (PCdoB). O PV, por sua vez, embora ainda sem anúncio oficial, decidiu ir com Eduardo Braide (Podemos), da coligação “Pra Frente São Luís”.

Pressionado por uma das alas do partido, Madeira também declarou apoio a Rubens Júnior. Já Adriano, pelo menos até o momento, não pretende declarar apoio público a algum dos candidatos à prefeitura de São Luís.

Rubens Júnior tem diagnóstico de Covid-19 após diversas aglomerações
Política

Candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís permanecerá em isolamento domiciliar, até recuperação. Agenda de campanha será conduzida pelo vice na chapa, Honorato Fernandes

O candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior, cancelou a participação pessoal em toda a agenda de campanha, por tempo indeterminado. Nesta segunda-feira 5, após indisposição no último fim de semana, ele foi diagnosticado com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

A infecção ocorre após Rubens Júnior aglomerar-se por diversas vezes, antes, durante e depois das convenções partidárias, inclusive sem máscara de proteção.

“Estou sob medicação por orientação médica, em casa e em repouso. Já me sinto bem melhor. Logo, espero estar recuperado para voltar a estar ao lado de vocês, construindo uma São Luís de todos nós”, publicou no Twitter.

Até a recuperação do candidato, a agenda de campanha será tocada pelo vice na chapa, Honorato Fernandes (PT), como já vinha ocorrendo desde a indisposição de Rubens Júnior.

Segundo a assessoria, o petista já foi infectado pelo novo coronavírus, no início da pandemia na capital, mas submeteu-se a nova exame após a confirmação do diagnóstico do companheiro de chapa.

A senadora Eliziane Gama (Cidadania), que também coordena a campanha de Rubens Júnior, disse ao ATUAL7 que fará exame, nesta terça-feira 6, para saber se foi contaminada pelo novo coronavírus. O coordenador-geral, deputado federal Márcio Jerry, que é presidente do PCdoB no Maranhão, informou que, desde março, fez sete testes para Covid-19, todos negativos. Segundo ele, por não apresentar qualquer sintoma e não haver estado com Rubens Júnior desde a última quinta 1º, diz, “não há razão para [novo] teste até o momento”.

Rubens Júnior suspende agenda de campanha após sentir indisposição
Política

Candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís fez novo exame para Covid-19, e aguarda resultado

O candidato a prefeito de São Luís pelo PCdoB, Rubens Pereira Júnior, realizou, nesta segunda-feira 5, um novo exame para detectar se contraiu a Covid-19. A informação foi revelada por ele próprio, nesta segunda 5, pelo Twitter.

Segundo Rubens, ele sentiu indisposição no último final de semana. Embora outros exames tenham apresentado resultado negativo para o novo coronavírus, o candidato vai permanecer em casa com a família até o resultado do novo teste. Por esta razão, toda a agenda de campanha está suspensa.

“Estou sob acompanhamento médico, em casa, com minha esposa e filhos. Espero logo estar novamente ao lado de vocês debatendo nossas propostas para o futuro de São Luís”, escreveu.

Conforme mostrou o ATUAL7, embora a pandemia não tenha terminado nem exista vacina para a Covid-19, o comunista e outros candidatos a prefeito da capital aglomeraram durante a realização das convenções eleitorais de seus respetivos partidos. Mesmo após a expedição de recomendação pelo Ministério Público Eleitoral, as aglomerações continuam ocorrendo livremente.

Com apoio de Lula, Rubens Júnior ganha força e empata tecnicamente com Duarte e Neto
Política

Apoio de partidos de adversários a Jair Bolsonaro tende a favorecer candidato do PCdoB na disputa pela prefeitura São Luís, segundo dados da Econométrica

O apoio do ex-presidente Lula (PT) ao deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB) tende a provocar uma mudança no cenário da disputa pela prefeitura de São Luís. Antes da adesão expressa do petista, Rubens Júnior patinava entre os últimos colocados em todas as pesquisas de intenção de votos, quase sempre registrando a preferência de apenas 1% do eleitorado ludovicense.

Segundo levantamento do Econométrica, divulgado pela TV Guará nessa quarta-feira 30, porém, ele aparece com 6% em intenção de votos, figurando na quarta posição da pesquisa estimulada. Antes dele, aparecem os deputados estaduais Duarte Júnior (Republicanos, 10,8%) e Neto Evangelista (DEM, 10,6%). O primeiro colocado, isolado, é o deputado federal Eduardo Braide (Podemos), com 47,3%.

Pela margem de erro, de 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos, Rubens está tecnicamente empatado com Duarte e Neto.

Como a pesquisa foi realizada antes da campanha eleitoral ser oficialmente liberada, agora com o candidato nas ruas em busca de votos, a tendência é de escalada de Rubens Júnior. Indiretamente, ele também tem o apoio do governador Flávio Dino (PCdoB), que evita declarar o voto expresso do afilhado para não contrariar seguidores de sua gestão.

Na capital, segundo a pesquisa Econométrica, Dino tem 70,1% de aprovação, o que favorece o candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís. Já o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) registrou 51,1% de desaprovação.

Em Brasília, enquanto o PCdoB e o PT fazem oposição a Bolsonaro, os partidos de Eduardo Braide, Neto Evangelista e Duarte Júnior são aliados e votam de acordo com as pautas do governo.

O Econométrica entrevistou 1 mil pessoas, em 44 bairros de São Luís, entre os dias 20 e 22 de setembro de 2020. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número MA-06272/2020, e tem 95% de nível de confiança.

Ex-presidente Lula declara apoio a Rubens Pereira Júnior em São Luís
Política

Em troca, PCdoB vai apoiar a petista Benedita da Silva no Rio de Janeiro

Após ter o nome indevidamente usado na pré-campanha eleitoral, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) confirmou apoio ao candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior.

O anúncio foi feito pelo petista no Twitter, nesta terça-feira 15. Segundo publicou, o apoio foi oficialmente fechado no início da tarde de hoje. Em troca, o PCdoB fechou no Rio de Janeiro com Benedita da Silva, na disputa pela prefeitura na capital fluminense.

“O PT vai estar junto com outros partidos em muitas cidades. Agora mesmo acabamos de confirmar que o @PCdoB_Oficial vai estar com a @dasilvabenedita no Rio de Janeiro e nós vamos apoiar o candidato do @FlavioDino no Maranhão. Vamos com @rubenspereirajr em São Luís.”, escreveu Lula.

O apoio do ex-presidente, cuja declaração aponta que o próprio Dino participou da mesa de negociação, é considerado como salvação para Rubens Júnior. Ele vem patinando nas últimas colocações em todas as pesquisas de intenção de votos divulgadas até então.

O vice na chapa do comunista, vereador Honorato Fernandes, é do PT.