Gastão Vieira
“PROS nunca saiu da base do Flávio”, garante Gastão Vieira
Política

Pré-candidato a deputado federal, ex-ministro pegou carona com o governador Flávio Dino em um helicóptero do CTA para o município de Anapurus

O ex-ministro do Turismo e presidente do PROS no Maranhão, Gastão Vieira, afirmou ao ATUAL7 que o seu partido faz parte da base do governo Flávio Dino desde o período em que a legenda esteve sob o comando do prefeito afastado de Bacabal, Zé Vieira, atualmente no PP.

“O PROS nunca saiu da base do Flávio desde quando Zé Vieira foi seu presidente”, disse Vieira, dias antes de pegar carona com o chefe do Executivo estadual num helicóptero do CTA (Centro Tático Aéreo), da Polícia Militar do Maranhão, para o município de Anapurus.

Sobre o loteamento do Palácio dos Leões para atrair ou manter aliados visando 2018, o ex-ministro declarou que, desde o apoio dado à reeleição de Edivaldo Holanda Júnior (PDT) em São Luís, as conversas que o partido vem mantendo não envolvem cargos, mas apenas política. A preocupação do PROS no estado, garante, é conseguir eleger um deputado federal e dois estaduais.

“Apoiamos o prefeito de São Luís sem receber cargos. Nossa frequência, nas conversas que estamos tendo com vários partidos, só envolve política, futuras coligações. Nosso foco é eleição de um deputado federal e dois estaduais”, ressaltou.

Para a vaga de federal, Gastão Vieira confirmou que o nome será o dele próprio. Já para a Assembleia Legislativa do Maranhão, ele não informou quais nomes o partido pretende lançar.

“Quatro a cinco bons candidatos a estadual”, resumiu.

Novamente procurado, nesta terça-feira 14, para comentar a carona que pegou com Flávio Dino no helicóptero do CTA, que custou R$ 16,5 milhões aos contribuintes maranhenses e foi adquirido em 2010 para combater o crime e socorrer emergências médicas, Vieira preferiu não se posicionar a respeito.

Flávio Dino leva Gastão Vieira em helicóptero do CTA para Anapurus
Política

Aeronave custou R$ 16,5 milhões e foi adquirida para combater o crime e socorrer emergências médicas

O governador Flávio Dino (PCdoB) deu carona para o ex-ministro do Turismo, Gastão Vieira (PROS), num helicóptero do CTA (Centro Tático Aéreo) da Polícia Militar do Maranhão.

Enviado ao ATUAL7 por uma moradora de Anapurus, o flagrante foi feito nesta segunda-feira 13, quando o comunista cumpria agenda oficial no município.

Antes, ele já havia ido ao Piauí para receber o título de Cidadão Piauiense e a medalha do Mérito Renascença, em evento em que confirmou que disputará a reeleição para o Palácio dos Leões. Presidente do PROS no Maranhão, Gastão é pré-candidato a deputado federal e caminha para firmar aliança com o comunista em 2018.

O helicóptero que Dino usou de forma particular ao dar carona para um agente político sem lotação no alto escalão do Poder Executivo, o que abriria brecha para eventual legalidade, custou R$ 16,5 milhões aos contribuintes maranhenses e foi adquirido em 2010, pela ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), para combater o crime e socorrer emergências médicas.

Em 2011, o então senador José Sarney (PMDB-AP) também foi flagrado utilizado a aeronave de forma particular, também dando carona. À época, o passeio no helicóptero do CTA foi feito pelo empresário Henry Duailibe Filho, que possuía contratos com o governo de sua filha.

O ATUAL7 procurou o Governo do Maranhão e Gastão Vieira para se posicionarem sobre o assunto, e aguarda retorno.

Gastão Vieira recebe prêmio da CGU por boas práticas na gestão pública
Política

Software de fiscalização do Fies gerou economia de mais de R$ 65 milhões. Ele foi premiado na categoria Fortalecimento dos Controles Internos

O presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Gastão Vieira, recebeu da Controladoria Geral da União, nessa sexta-feira 9, Dia Internacional contra a Corrupção, o prêmio de melhor iniciativa na categoria Fortalecimento dos Controles Internos, do 4º Concurso de Boas Práticas da CGU.

A iniciativa premiada foi o software de código aberto Fiscaliza Fatura (FisFa), responsável pelo aperfeiçoamento da fiscalização de faturas dos agentes financeiros do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Desenvolvido pela Diretoria de Gestão de Fundos e Benefícios, o software gerou uma economia de mais de R$ 65 milhões em um ano.

Na cerimônia de entrega do prêmio, em Brasília, Vieira destacou a importância da criação de ferramentas de controle para evitar o desperdício de recursos públicos. “Hoje o FNDE dá mais um passo para se tornar um exemplo, não só de transparência, mas em iniciativas no aperfeiçoamento de processos que garantam um serviço cada vez mais qualificado para toda a população brasileira. O recebimento do prêmio é o reconhecimento ao trabalho de uma equipe empenhada em criar ferramentas de controle para evitar o desperdício de dinheiro público. E isso, significa que estamos no caminho certo”, disse.

O concurso, realizado anualmente, contou com 43 inscritos, divididos em cinco categorias. As iniciativas foram avaliadas segundo critérios previamente estabelecidos, como criatividade e inovação, custo-benefício, impactos da iniciativa/contribuição para a efetividade, simplicidade e replicabilidade.

Gastão revela que presidência do FNDE foi em troca de votos contra impeachment
Política

Deslize aconteceu durante reclamação sobre os votos do PROS na Câmara. Bancada prometeu dar seis votos a favor da presidente Dilma, mas deu apenas dois

Nada de escolha técnica. Nada de profissional com histórico invejável e gabaritado para o cargo. Nada de proximidade, amizade ou confiança da presidente Dilma Rousseff (PT). Durante o ato no qual o PROS declarou apoio à reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), na segunda-feira 18, o ex-deputado federal Gastão Vieira deslizou e acabou soltando que recebeu a presidência do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) em troca de votos de seu partido contra o impeachment da presidente Dilma, autorizado pela Câmara dos Deputados no domingo 17.

“A presidente tem todo direito de me demitir. Foi feito um acordo. E quando eu vi a votação, o líder do meu partido foi o primeiro a votar contra o governo. Depois continuaram os demais”, disse Gastão, fazendo ar de indignado para ser mantido no emprego pela petista.

Segundo revelou, o acordo pela sinecura era para que a bancada do PROS na Câmara, composta por seis deputados, votasse unânime contra o impedimento da presidente. Contudo, durante a votação, quatro parlamentares da sigla votação pelo afastamento de Dilma.

“Partido tem que ter posição e comando. Acordos são feitos para serem cumpridos”, reclamou.

A reclamação de Gastão Vieira é explicável. O FNDE é uma autarquia vinculada ao Ministério da Educação (MEC) que repassa recursos constitucionais, automáticos e voluntários aos Estados, municípios e Distrito Federal para execução de programas relacionados a alimentação escolar, livro didático, transporte escolar e escolas de educação infantil, além da responsabilidade pela gestão do Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies. O orçamento do órgão para 2016 é de aproximadamente R$ 30 bilhões.

Nomeação de Gastão articulada como passo para reaproximação entre Dilma e Sarney
Política

Outro nome ligado a Sarney que deve assumir uma secretaria no Ministério da Justiça ou mesmo um ministério é o líder do PTN, Aluísio Mendes

Pessoas ligadas ao PMDB na Câmara dos Deputados admitiram ao Atual7, na manhã desta quinta-feira 7, que a nomeação do ex-ministro do Turismo Gastão Vieira ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) foi uma articulação que envolveu os ex-presidentes José Sarney (PMDB-AP) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Lula está em Brasília para tentar conter o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). O governo acredita que pode ter até 200 votos na Câmara contra a ação e tem distribuído cargos em segundo e terceiro escalão para conter os ânimos mais exaltados.

Desde a semana passada, Sarney tem intensificado o coro contra o governo federal. Mas Lula iniciou uma reaproximação do governo com caciques do PMDB. E parte dessa reaproximação consiste em aumentar o nível de influência de Sarney na Esplanada dos Ministérios, radicalmente reduzida pelo governo Dilma Rousseff.

Nas conversas de que haveria uma mudança nas relações do PMDB com o governo, Sarney exigiu uma contrapartida do Poder Executivo. A primeira foi a nomeação de Gastão Vieira. Pela primeira vez um político vai assumir o FNDE, uma pasta com orçamento de aproximadamente R$ 30 bilhões.

Com a nomeação de Gastão, o governo também espera captar os votos do PROS na Câmara e manter, ao menos, três votos dos peemedebistas maranhenses na casa: Hildo Rocha, Alberto Filho e João Marcelo. Conforme o Atual7 apurou, outros nomes ligados ao grupo Sarney estão sendo sondados para assumir cargos no segundo e terceiro escalão petista.

Um nome que aparece forte para assumir uma secretaria no Ministério da Justiça ou mesmo um ministério é o líder do PTN, o deputado Aluísio Mendes. O ex-secretário de Segurança Pública do Maranhão é um nome muito próximo à Sarney e tem se destacado pelo trâmite acima do normal que vem tendo na capital federal.

Dilma nomeia Gastão Vieira como presidente do FNDE
Política

Portaria foi publicada na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira 6

A presidente Dilma Rousseff (PT) nomeou o ex-deputado federal Gastão Vieira (PROS) para exercer o cargo de presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

O órgão é uma autarquia vinculada ao Ministério da Educação (MEC) que repassa recursos constitucionais, automáticos e voluntários aos Estados, municípios e Distrito Federal para execução de programas relacionados a alimentação escolar, livro didático, transporte escolar e escolas de educação infantil, além da responsabilidade pela gestão do Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies.

Vieira, que já foi ministro do Turismo no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff, assume o comando do FNDE em substituição a Antônio Idilvan de Lima Alencar, que estava no posto desde fevereiro de 2015, sob a indicação do ex-ministro da pasta Cid Gomes.

A portaria de nomeação de Gastão Vieira e de exoneração de Idilvan Alencar foi publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira 6.

Maranhense Gastão Vieira cotado para o Ministério da Educação
Política

Ex-ministro do Turismo é tido como um aliado leal pela própria presidente Dilma Rousseff

O maranhense Gastão Vieira (PROS), ex-ministro do Turismo, pode voltar a ocupar o chamado primeiro escalão do governo Dilma Rousseff, do PT.

Com a renúncia de Cid Gomes do Ministério da Educação - depois de discutir com deputados no plenário e abandonar o recinto da Câmara -, Vieira se tornou o principal nome do partido para ocupar o ministério.

Sempre tido por Dilma como um aliado leal e a melhora em indicadores da área quando a Educação no Maranhão esteve sob seu comando são apontados como fatores que podem levar ao eventual convite.

Gastão Vieira conta ainda com a avaliação de quem já ocupou o MEC, o ex-ministro Fernando Haddad, que o tem como um bom nome. O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercante, e o próprio Cid Gomes também tem no maranhense uma boa alternativa.