Eleições 2018
Bolsonaro tem 59% dos votos válidos e Haddad 41%, aponta Ibope
Política

Primeira pesquisa do instituto no segundo turno mostra ainda que o presidenciável do PSL é o menos rejeitado

Na primeira pesquisa realizada pelo Ibope no segundo turno da eleição para presidente da República, divulgada nesta segunda-feira 15, Jair Bolsonaro (PSL) lidera a disputa com 59% dos votos válidos e Fernando Haddad (PT) tem 41%.

O percentual de votos válidos de cada candidato corresponde à proporção de votos do candidato sobre o total de votos, excluídos os votos brancos, nulos e indecisos. Levando em conta o eleitorado total, Bolsonaro lidera por 52% a 37%. Há ainda 9% dispostos a anular ou votar em branco, e 2% que não souberam responder.

Ainda segundo o levantamento, 47% dos eleitores dizem que não votariam de jeito nenhum em Haddad no segundo turno da eleição presidencial. Por outro lado, 35% do eleitorado afasta a possibilidade de votar em Bolsonaro.

Contratado pela TV Globo e pelo jornal O Estado de São Paulo, o Ibope ouviu 2.506 eleitores nos dias 13 e 14 de outubro. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos, e o intervalo de confiança é de 95%. Isso significa que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro. O registro na Justiça Eleitoral foi feito sob o protocolo Nº BR-01112/2018.

Adriano Sarney, Roberto Rocha, Murad e Roseana declaram voto em Bolsonaro
Política

Edison Lobão Filho também chegou a declarar em Bolsonaro, mas recuou e se diz agora eleitor de Haddad

Adversários do governador Flávio Dino no Maranhão decidiram declarar voto no candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, que lidera todas as pesquisas de intenção de votos.

Já se dizem fechados com Bolsonaro o deputado estadual reeleito Adriano Sarney (PV), o senador Roberto Rocha (PSDB), o ex-secretário estadual de Saúde Ricardo Murad (PRP) e a ex-governadora a Roseana Sarney (MDB).

A decisão, segundo revelado por alguns dos novos eleitores do capitão reformado do Exército, é uma tentativa de contrapor Dino, aliado do presidenciável do PT, Fernando Haddad.

Na semana passada, o ainda suplente de senador Edison Lobão Filho, o Edinho (MDB), também chegou a declarar voto em Jair Bolsonaro, mas recuou um dia depois, adotando o novo discurso de que apenas se identifica com o candidato do PSL ao Palácio dos Planalto, mas que seu voto é no candidato petista.

BTG/FSB: Bolsonaro tem 59% de votos válidos; Haddad 41%
Política

Levantamento diz ainda que 47% dos eleitores recebem informações sobre política pelo WhatsApp, mas 87% desconfiam do conteúdo

O primeiro levantamento encomendado pelo Banco BTG Pactual ao Instituto FSB Pesquisa para a disputa presidencial em segundo turno, divulgado nesta segunda-feira 15, aponta Jair Bolsonaro (PSL) com 59% das intenções de votos válidos contra 41% de Fernando Haddad (PT). Esses percentuais desconsideram intenções de voto em branco, nulo e os indecisos.

Na pesquisa estimulada, levando em conta os votos totais, Bolsonaro aparece com 51% enquanto Haddad tem 35%. Brancos e Nulos somam 5%; 6% disseram que não votam em nenhum dos dois candidatos; e 3% não souberam ou não responderam.

Registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-07950/2018, o levantamento foi feito por telefone entre os dias 13 e 14 de outubro, ouvindo 2.000 eleitores a partir de 16 anos nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%.

Na intenção de votos espontânea, 49% dos entrevistados disseram votar em Bolsonaro, 30% em Haddad. Brancos e Nulos somaram 4% dos entrevistados; 6% afirmaram não votam em nenhum dos dois candidatos; e 10% não souberam ou não responderam.

Rejeição

Sobre o potencial de rejeição de cada um dos candidatos, que é quando o eleitor aponta em quem ele não votariam de jeito nenhum, a pesquisa BTG/FSB mostra que Haddad tem maior índice (53%) entre os entrevistados do que Bolsonaro (38%).

WhatsApp

Entre os eleitores ouvidos pela pesquisa, 47% disseram receber informações sobre política por meio do WhatsApp. Já o índice de desconfiança com relação à veracidade das notícias recebidas por meio do aplicativo por esses eleitores alcança 87% dos entrevistados.

Aluisio entre os dez com melhor desempenho nas eleições no país
Política

Levantamento do G1 mostra que o parlamentar registrou um acréscimo de 108,8% no percentual de votos, em relação ao resultado de 2014. Ele é o único do Nordeste na lista dos bem sucedidos nas urnas

O deputado federal maranhense Aluisio Mendes (PODE) é um dos dez parlamentares reeleitos para mais quatro anos de mandato com melhor desempenho em votação em todo o país, na comparação dos resultados de 2014 e 2018. O levantamento é do G1, que aponta que Aluisio registrou um acréscimo de 108,8% no percentual de votos, em comparação com o pleito de 2014. Na eleição de 2018, ele obteve expressiva votação (105.778 votos) contra 50.658 votos catalogados há quatro anos.

Considerando apenas o cenário estadual, Aluisio é o único parlamentar entre os 10 com melhor desempenho na votação, de acordo com o G1. Além disso, é o único deputado da Região Nordeste na lista de bens sucedidos nas urnas.

A constatação de que Aluisio Mendes elevou sua votação em apenas quatro anos reforça a tese de que o parlamentar cumpriu com grande parte dos compromissos firmados com a população. Entre 2014 até este ano, foram várias ações realizadas nas áreas de saúde, segurança pública, infra-estrutura, esporte, previdência e agricultura familiar. Outro fator que explica o expressivo desempenho foi a capacidade de articulação de Aluisio com as lideranças nas cidades maranhenses.

O deputado do Podemos também foi relator do projeto de lei na Câmara que inclui os guardas municipais entre as instituições de composição da Força Nacional de Segurança Pública. Ele também garantiu o andamento das propostas que dispõem sobre o controle e estoque de explosivos e que inclui a segurança pública na participação dos recursos de exploração do petróleo e gás natural.

Desde 2015, início de seu primeiro mandato, Aluisio fez questão de comparecer a várias regiões do estado do Maranhão. Nos últimos três anos, viabilizou emendas que melhoraram a vida da população. “Este é o meu dever como parlamentar, ou seja, lutar por melhorias para a nossa gente. Como o próprio slogan da nossa campanha enfatizou, nós sempre estamos e estaremos presente com a população, ouvindo reivindicações e viabilizando avanços”, disse.

Aluísio Mendes também ressaltou que, para os próximos quatro anos, uma das metas será consolidar avanços no serviço de telefonia móvel. Outra meta é ampliar a área de cobertura do serviço da previdência, já que em municípios no Maranhão, a demanda coberta pelo INSS ainda é insuficiente. “Além destas duas missões, vamos lutar por melhorias na saúde e educação das pessoas”, finalizou.

Aluisio Mendes mais que dobra votação e sai fortalecido das eleições
Política

Deputado do Podemos teve 105.778 votos

O deputado federal reeleito Aluisio Mendes (PODE) saiu fortalecido e confirmou a consolidação de seu nome junto ao eleitorado maranhense no pleito deste ano. Com 105.778 votos, ele mais que dobrou a própria votação, se comparado com o total registrado em 2014, quando obteve 50.658 votos. Com o expressivo crescimento, ele saltou do décimo oitavo mais votado há quatro anos para o oitavo representante maranhense na Câmara, nestas eleições, em número de votos.

O saldo positivo é explicável: desde o início do primeiro mandato e durante toda a campanha eleitoral, vários municípios foram visitados pelo parlamentar, sempre reforçando nestes locais o empenho de abraçar bandeiras de serviços essenciais.

Para o deputado, que é um dos líderes da Bancada da Lava Jato no Congresso Nacional, o resultado obtido nas urnas mostra que o Maranhão acredita em seu trabalho. “Quero agradecer aos mais de 105 mil votos recebidos na eleição deste ano. Essa votação é a prova de que o povo do nosso estado acredita em nosso trabalho. Podem ter certeza de que continuarei trabalhando, sempre em busca de benefícios para toda a população. Esta é a minha obrigação e o meu compromisso. Me dedicarei ao máximo para cumprir com estas metas e para honrar toda essa confiança”, disse.

“Com esta votação tão expressiva nossa responsabilidade aumenta. Se já mostramos ações positivas no primeiro mandato, será necessário mostrar ainda mais nos próximos quatro anos. Não medirei esforços para trazer mais benefícios, assim como fizemos na segurança, infraestrutura, agricultura, previdência, esporte e lazer, saúde e em outros setores”, finalizou Aluisio Mendes.

PCdoB de Jerry e PMN de Braide são reprovados nas urnas e podem ser extintos
Política

Legendas não conseguiram atingir a chamada cláusula de barreira. Regra permite que eles troquem de partido sem o risco de perder o mandato por infidelidade partidária

Projeção feita pela Secretaria-Geral da Câmara dos Deputados, com base nos resultados das urnas divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na madrugada dessa segunda-feira 8, aponta que pelo menos duas legendas que tiveram candidatos eleitos pelo Maranhão para a Casa não conseguiram atingir a chamada cláusula de barreira e, com isso, devem perder instrumentos essenciais à sua existência a partir de 2019.

São elas: o PCdoB de Márcio Jerry e Rubens Pereira Júnior, e o PMN de Eduardo Braide e Pastor Gildenemyr.

Aprovado pelo Congresso em outubro do ano passado com o objetivo de extinguir as legendas com pouca representação na Câmara, o mecanismo estabelece como desempenho mínimo, na atual eleição, que os partidos precisam alcançar pelo menos 1,5% dos votos válidos para a Câmara (1.475.085 votos), distribuídos em 9 estados e com mínimo de 1% dos votos válidos em cada um deles, ou, então, eleger ao menos 9 deputados em 9 estados das 27 unidades da federação.

No caso do PCdoB, os comunistas ainda podem rezar por uma intervenção divina na Justiça Eleitoral em relação aos candidatos que estão sub judice. Até o momento, a legenda apenas bateu na trave, conseguindo eleger nove deputados federais, mas em apenas 7 estados.

Já para o PMN, apesar do bom desempenho no Maranhão por meio da expressiva votação de Braide, que ainda puxou Gildenemyr, a situação é irreversível. Nanica, a legenda conseguiu eleger apenas 3 deputados federais em todo o país.

Pela cláusula de barreira, que prevê uma mudança gradual e mais rígida a cada eleição, as siglas que não superarem o desempenho eleitoral estabelecido perdem direito ao fundo partidário, principal fonte de financiamento das legendas, à propaganda gratuita na TV e rádio, de propor ações de controle de constitucionalidade, além do funcionamento legislativo (liderança, gabinete partidário, estrutura de assessores, discursos nas sessões, dentre outros pontos).

A exigência chegará a 2% de votos e 11 deputados eleitos a partir das eleições de 2022 — e as coligações partidárias nas eleições para deputados e vereadores passarão a estar proibidas; e de 2,5% e 13 eleitos em 2026, até alcançar o índice permanente de 3% e 15 eleitos em 2030.

A regra permite aos políticos eleitos por essas legendas de pouca representação na Câmara dos Deputados trocarem de partido sem o risco de perder o mandato por infidelidade partidária.

Maranhão faz com Levi Pontes o que Conselho de Ética da AL-MA não fez
Política

Comunista teve menos votos do em 2014 e não conseguiu se reeleger. Ele teve um caso arquivado pelos colegas parlamentares do colegiado e o outro sequer já foi analisado

A população eleitora do Maranhão fez com o deputado estadual Levi Pontes (PCdoB) o que seus colegas governistas no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa não fizeram: colocou o comunista para fora do Palácio Manuel Beckman.

De acordo com o resultado final da votação do pleito deste ano, Levi teve apenas 16.646 votos e por isso não conseguiu se reeleger. Foram 2.957 votos a menos do que em 2014, quando se tornou deputado pelo Solidariedade.

No ano passado, o deputado do PCdoB foi alvo de uma representação no Conselho de Ética da Casa, que pedia a cassação de seu mandato, após haver ele próprio divulgado num grupo de WhatsApp um áudio em que dá orientações sobre uma “cota” de peixes — de uma compra feita pela Prefeitura Municipal de Chapadinha, no período da Semana Santa, para distribuição para a população local — que deveria ser entregue para lideranças dele, de outras cidades de sua base eleitoral.

A representação, porém, acabou sendo arquivada pelo Conselho de Ética, sob a alegação de ausência de provas robustas e de que o áudio gravado e divulgado pelo próprio parlamentar seria clandestino.

Em março de 2018, Levi Pontes voltou a ser acionado no colegiado, após ser novamente flagrado em áudio, desta vez negociando a estrutura da Secretaria de Estado da Saúde (SES) em troca de votos, exatamente para as eleições ocorridas no último domingo 7, quando saiu derrotado.

O caso, porém, passados já cinco meses da definição da subcomissão de investigação, sequer foi analisado pela Comissão de Ética da Assembleia Legislativa maranhense.

Mais dois fora

O deputado Cabo Campos (PATRIOTAS), alvo do embrandecido pedido de afastamento de suas funções por apenas dois meses após ser acusado pela própria mulher de violência doméstica, também recebeu dos eleitores maranhenses o tratamento que o Conselho de Ética não lhe deu. Com apenas 8.714 votos, ele não teve votação suficiente para conseguir permanecer na Casa.

O próprio presidente do Conselho, inclusive, o líder do governo Rogério Cafeteira (PSB), também encolheu em votos e não se reelegeu.

A partir de 1.º de janeiro de 2019, salvo se conseguirem algum emprego na Casa do Povo, todos eles estarão fora da Assembleia Legislativa do Maranhão.

“Votos limpos, conscientes e honestos”, diz Wellington sobre reeleição
Política

Deputado foi reeleito vencendo a máquina e hostes do próprio partido. Ele também confirmou a consolidação de seu nome na capital ao ter maior votação do que políticos tradicionais

O deputado estadual Wellington do Curso foi o maior vencedor das eleições para o Assembleia Legislativa do Maranhão. Sem pertencer a qualquer clã político e com uma discreta estrutura de campanha, ele foi reeleito com 24.950 votos para mais quatro anos no Palácio Manuel Beckman após lutar não apenas contra a máquina palaciana, que a todo custo queria lhe apear do mandato, mas contra hostes de seu próprio partido, o PSDB.

No tucanato maranhense, o predileto era o advogado Guilherme Paz, filho da ainda deputada e candidata derrota a vice-governadora, Graça Paz, e do coordenador de campanha de Roberto Rocha ao Palácio dos Leões, o ex-deputado Clodomir Paz.

Apesar de não ter alcançado uma votação expressiva, Wellington confirmou a consolidação de seu nome em São Luís, onde disputou a prefeitura em 2016 e poderá disputar novamente em 2020, sendo o segundo mais votado pelo eleitorado da capital, com 17.328 votos. Wellington, inclusive, mostrou maior robustez eleitoral do que diversos políticos tradicionais e de fortes feudos eleitorais espalhados pela cidade, que também foram eleitos, mas com menos votos que ele junto aos ludovicenses, a exemplo de Helena Duailibe (SD), Edivaldo Holanda (PTC), Neto Evangelista (DEM) e Roberto Costa (MDB).

Nas redes sociais, ele agradeceu o reconhecimento de sua luta no Parlamento estadual, destacando que fez uma campanha limpa, sem os recursos da máquina pública estadual e municipal.

“Tivemos uma campanha limpa, sem dinheiro de secretaria ou de Governo e Prefeitura! O nosso apoio foi de cada trabalhador, professor, militar, estudante, servidor público, concurseiro, pequeno empresário... O nosso apoio foi por parte dos maranhenses! É assim que seguiremos: de forma limpa! O nosso mandato, mais uma vez, foi conquistado com votos limpos, conscientes e honestos”, declarou.

Weverton supera votação de Dino e pavimenta caminho para os Leões
Política

Pedetista elegeu-se senador com a maior votação da história política maranhense para a Casa. PDT fez a maior bancada da Assembleia Legislativa, com sete deputados

O deputado federal e líder do PDT na Câmara dos Deputados, Weverton Rocha, entrou para a histórica política maranhense como o senador eleito com a maior votação de todos os tempos no estado.

Foram exatos 1.997.443 votos, quantidade maior até mesmo do que a depositada pela população no governador Flávio Dino (PCdoB), reeleito com 1.867.396 votos. Exatos 130.047 votos a mais do que o comunista, alçando o pedetista como a maior força político-eleitoral do Maranhão.

Com a super expressiva votação, Weverton mostra ainda que possui cacife para 2022, quando estará na metade do mandato no Senado e Dino deixará o comando do Palácio dos Leões.

Além disso, o PDT, foi o partido que fez a maior bancada na Assembleia Legislativa, com sete deputados ao total. E sem dever nada a Dino, que mostrou-se praticamente indiferente à campanha de Weverton, e nem ao prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que nem o pai, Edivaldo Holanda (PDT), conseguiu reeleger para o Palácio Manuel Beckman, mas por fruto do agora comprovado tirocínio político de Weverton, que preside o partido no estado, e da forte militância pedetista.

Em termo de votos e de liderança política, portanto, o caminho de Weverton Rocha já está pavimentado para, se até lá não for barrado nalgum dos inquéritos em que é alvo por suposta corrupção, ser o sucessor de Flávio Dino no governo estadual.

 

4º lugar para o Senado, Lobão pode parar nas mãos de Moro
Política

Fora do mandato a partir de janeiro de 2019, medalhão do MDB, que é investigado na Lava Jato, ficará sem foro privilegiado

Considerado por alguns analistas e admiradores maranhenses como uma grife da política estadual no Congresso, o ainda presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal, Edison Lobão (MDB-MA), não conseguiu a reeleição e terminou o pleito em 4.º colocado.

Segundo a contagem final de votos feita pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão, ele ficou atrás, pela ordem de votação, de Weverton Rocha (PDT), Eliziane Gama (PPS) e Sarney Filho (PV).

O gosto amargo da derrota e a desmitificação de que era imbatível na eleição para o Senado Federal, porém, em nada se comparam a algo ainda pior: fora do mandato a partir de 1.º de janeiro de 2019, Lobão ficará sem o célebre foro por prerrogativa de função, correndo o risco de parar nas mãos do juiz federal Sérgio Moro — e ainda ter o desprazer de ver a eventualidade exposta no Sistema Difusora, no papel ainda pertencente a sua família, mas atualmente controlado por Weverton.

Alvo da Lava Jato – ou de desdobramentos da maior investigação da Polícia Federal sobre corrupção e propinagem do país –, o emedebista poderá ter seus inquéritos remetidos para julgamento de Moro, responsável pela operação na primeira instância, em Curitiba, conhecido e reconhecimento por determinar a prisão prisão de figurões da política.

Os inquéritos por suposto envolvimento corrupção, inclusive, foram pesadamente utilizados contra ele durante as últimas semanas da campanha eleitoral, pelo também candidato derrotado ao Senado Alexandre Almeida (PSDB).

Ainda cacique em seu partido, Lobão corre o risco de ser julgado por Sérgio Moro após quatro mandatos de Senador, tendo sido eleito para o cargo pela primeira vez em 1986. Foi ainda governador do Maranhão e ministro de Minas e Energia dos governo Lula e Dilma Rousseff, do PT.

Líder do governo, Cafeteira tem votação vergonhosa e não consegue reeleição
Política

Deputado teve menos votos do que nas eleições de 2010 e 2014, quando ainda fazia parte do grupo Sarney

O deputado estadual Rogério Cafeteira (DEM), líder do governo Flávio Dino desde a chegada do comunista ao Palácio dos Leões, não conseguiu se reeleger.

Apesar do desgaste provocado com antigos aliados após submissão canina a Dino nos últimos três anos e nove meses, ele saiu das urnas com vergonhosos 18.754 votos, ficando atrás até de quem tentava uma vaga na Assembleia Legislativa do Maranhão pela primeira vez.

Rebento do grupo Sarney, onde foi nascido e criado, a partir de 1.º de janeiro de 2019, Cafeteira estará fora do Palácio Manuel Beckman pela primeira vez desde as eleições de 2010, quando foi eleito com ajuda da ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Quando ainda sarneysta, inclusive, ele teve uma quantidade maior de votos do que no pleito deste ano.

Em 2010, então pelo PMN, foram 29.244 votos; e em 2014, quando fez campanha e pediu votos para Edison Lobão Filho (MDB), disputando pelo PSC, conquistou 37.229 votos. Com os apenas 18.754 votos em 2018, para conseguir assumir como suplente no exercício do mandato, é necessário que outros 11 candidatos assumam primeiro que ele.

Com a reeleição de Flávio Dino, a esperança de Rogério Cafeteira agora é ser chamado para, pelo menos, ocupar algum cargo nos Leões. Se nem isso conseguir, pode ser o fim de mais um longevo sobrenome na política do Maranhão.

Nenhuma mulher é eleita para a bancada do MA na Câmara Federal
Política

Todos os 18 deputados federais eleitos são homens

Com 100% das urnas apuradas, foram definidos os 18 deputados federais para o mandato 2019-2022 na Câmara Federal pelo Maranhão. Nenhuma mulher foi eleita e a bancada maranhense na Casa será formada 100% por homens.

Josimar Cunha Rodrigues, o Josimar Maranhãozinho (PR) foi o candidato mais votado, com 195.768 votos. Na sequência, ficou Eduardo Braide (PMN), com 189.843 votos; e Márcio Jerry (PCdoB), com 134.223 votos.

Dentre as mulheres, Luana Costa (PSC), que concorria à reeleição, foi a mais votada, com 31.966 votos.

Confira os candidatos eleitos para deputado federal pelo Maranhão:

1. Josimar Maranhãozinho (PR)
2. Eduardo Braide (PMN)
3. Márcio Jerry (PCdoB)
4. Júnior Lourenço (PR)
5. Rubens Pereira Júnior (PCdoB)
6. Pedro Lucas (PTB)
7. Edilázio Júnior (PSD)
8. Aluisio Mendes (PODE)
9. André Fufuca (PP)
10. Cléber Verde (PRB)
11. Bira do Pindaré (PSB)
12. Juscelino Filho (DEM)
13. Júnior Marreca Filho (PATRIOTAS)
14. Hildo Rocha (MDB)
15. Zé Carlos (PT)
16. Gil Cutrim (PDT)
17. João Marcelo (MDB)
18. Pastor Gildenemyr (PMN)

Confira quem são os 42 deputados estaduais eleitos no MA; 18 são novatos
Política

Nova composição do Palácio Manuel Beckman foi escolhida por mais de 3,6 milhões de eleitores. Eles assumem os cargos a partir de 1º de janeiro de 2019 para mandatos de quatro anos

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão concluiu, na madrugada desta segunda-feira 8, a lista dos 42 deputados estaduais oficialmente eleitos para a Assembleia Legislativa estadual, pelos próximos quatro anos. Eles assumem a partir de 1.º de janeiro de 2019.

De acordo com o resultado oficial da contagem de votos, a ex-prefeita de Centro do Guilherme, Maria Deusdete Lima Cunha Rodrigues, a Detinha (PR), foi a deputada estadual mais votada no Maranhão no pleito de 2018, com 88.402 votos. Cleide Coutinho (PDT) e Duarte Júnior (PCdoB) completam a tríade dos mais bem votados no estado para o Parlamento, respectivamente, com 65.438 e 65.114 votos, cada.

Para definição dos cargos, cabe ressaltar, são feitas as contas do quociente eleitoral e a divisão das cadeiras de acordo com o total obtido por cada coligação. Por isso, nem sempre o candidato que teve maior número de votos é eleito.

Ao todo — excluindo-se quem já esteve na Casa em legislaturas anteriores e agora conseguiu retornar, a exemplo de Cleide Coutinho (PDT), Zé Gentil (PRB), Marcelo Tavares (PSB), Rafael Leitoa (PDT), Hélio Soares (PR) e Arnaldo Melo (MDB) —, pelo menos 18 eleitos são novatos e irão assumir o mandato de deputado estadual pela primeira vez: a própria Detinha, Duarte Júnior (PCdoB), Márcio Honaiser (PDT), Dra. Thaíza (PP), Andreia Rezende (DEM), Adelmo Soares (PCdoB), Daniella Tema (DEM), Dr. Yglésio (PDT), Ciro Neto (PP), Fernando Pessoa (SD), Rildo Amaral (SD), Helena Duailibe (SD), Leonardo Sá (PRTB), Felipe dos Pneus (PRTB), Mical Damasceno (PTB), Pastor Cavalcante (PROS), Wendell Lages (PMN) e Pará Figueiredo (PSL).

A nova composição do Palácio Manuel Beckman foi escolhida por mais de 3,6 milhões de eleitores.

Confira a lista de todos os 42 deputados estaduais eleitos:

1. Detinha (PR)
2. Cleide Coutinho (PDT)
3. Duarte Júnior (PCdoB)
4. Zé Gentil (PRB)
5. Othelino Neto (PCdoB)
6. Márcio Honaiser (PDT)
7. Dra. Thaiza (PP)
8. Adriano Sarney (PV)
9. Carlinhos Florêncio (PCdoB)
10. Neto Evangelista (DEM)
11. Marcelo Tavares (PSB)
12. Marco Aurélio (PCdoB)
13. Fernando Pessoa (SD)
14. Andrea Rezende (DEM)
15. Edson Araújo (PSB)
16. Rafael Leitoa (PDT)
17. Ana do Gás (PCdoB)
18. Adelmo Soares (PCdoB)
19. Rigo Teles (PV)
20. Glalbert Cutrim (PDT)
21. Paulo Neto (DEM)
22. Daniela Tema (DEM)
23. Vinicius Louro (PR)
24. Yglésio Moisés (PDT)
25. Hélio Soares (PR)
26. Antonio Pereira (DEM)
27. Ciro Neto (PP)
28. Arnaldo Melo (MDB)
29. Roberto Costa (MDB)
30. Fábio Macedo (PDT)
31. Rildo Amaral (SD)
32. Ricardo Rios (PDT)
33. Leonardo Sá (PRTB)
34. Zé Inácio (PT)
35. Pará Figueiredo (PSL)
36. Helena Duailibe (SD)
37. Mical Damasceno (PTB)
38. César Pires (PV)
39. Pastor Cavalcante (PROS)
40. Wellington do Curso (PSDB)
41. Wendell Lages (PMN)
42. Felipe dos Pneus (PRTB)

Bolsonaro e Haddad decidirão eleição para presidente no 2º turno
Política

Eleitores irão as urnas novamente no próximo dia 28

Os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) decidirão em segundo turno, no próximo dia 28 de outubro, quem será o próximo presidente do Brasil.

Com 99% das urnas apuradas, o capitão reformado do Exército aparece com 46,06% das intenções de voto, enquanto o petista teve 29,24% votos, o que os leva para o segundo turno.

Na sequência, aparecem Ciro Gomes (PDT), com 12,47%, e Geraldo Alckmin (PSDB), com 4,76%. João Amoedo (Novo) tem 2,50% e Cabo Daciolo (Patriota) tem 1,26%;

Henrique Meirelles (PMDB), 1,20%; Marina Silva, 1%; Álvaro Dias (Podemos) tem 0,80%; e Guilherme Boulos (PSOL) tem 0,58%.

A matéria seria atualizada quando houver a apuração total dos votos.

Flávio Dino é reeleito; Weverton e Eliziane são eleitos para o Senado
Política

Roseana Sarney foi a segunda colocada na disputa para o Palácio dos Leões

Com 83% das urnas apuradas no Maranhão, o governador Flávio Dino (PCdoB) já está matematicamente reeleito em primeiro turno.

O comunista tem, neste momento, 1.554.496 votos (59,36%). A segunda colocada, Roseana Sarney (MDB), tem 767.923  votos (29,32%).

Para o Senado, já estão eleitos Weverton Rocha (PDT), no momento com 1.644.897 votos (34,88%); e Eliziane Gama (PPS), com 1.277.880 votos (27,10%).

A matéria seria atualizada quando houver a apuração total dos votos.

Roseana Sarney ao votar: “Vamos pro segundo turno”
Política

Candidata disse estar confiante na votação pelo carinho que recebeu da população

A candidata ao Governo do Maranhão pela quinta vez, Roseana Sarney (MDB), votou nesta manhã no Colégio Santa Teresa, no Centro, em São Luís. Ela chegou acompanhada da neta, Fernanda, por volta das 11h.

A jornalistas, ela afirmou estar confiante de que o pleito será decidido no segundo turno, e que ela será eleita. “Confiante na votação pelo carinho que recebi da população. Minha expectativa é a melhor possível nestas eleições. Queremos sim um Brasil melhor, um Maranhão melhor. Vamos à vitória, vamos pro segundo turno”, afirmou.

Roseana esteve acompanhada ainda dos candidatos ao Senado Sarney Filho (PV) e Edison Lobão (MDB), e também do sobrinho e candidato a reeleição, o deputado estadual Adriano Sarney (PV).

Flávio Dino ao votar: “Vamos ter uma grande vitória”
Política

Governador demonstrou estar confiante de que será reeleito no primeiro turno

O candidato a reeleição ao Governo do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), votou na Unidade Integrada Dr. Clarindo Santiago, no bairro do Olho d’ Água, em São Luís. Ele chegou acompanhado da primeira-dama, Daniela Lima, por volta das 10h.

Em entrevista, Dino demostrou estar confiante na vitória no primeiro turno. “Foi uma campanha bonita, alegre e entusiasmada em que o Maranhão claramente está dizendo que as mudanças sigam em frente. Vamos ter uma grande vitória. Estamos confiantes que o segundo governo vai ser melhor que o primeiro. Estamos muito felizes”, declarou.

Sobre a eleição presidencial, Dino disse que acompanha a posição do PCdoB, e que seu voto pessoal é para o candidato petista, Fernando Haddad. “Estou com essa expectativa da confirmação do segundo [turno], do Haddad, que terá meu voto. Faremos uma reunião ainda essa semana, com todos os eleitos para tentar organizar a campanha do segundo turno”, disse.

Também acompanharam o comunista durante a votação o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), e os candidatos ao Senado Federal pelo PDT, Weverton Rocha (PDT), e PPS, Eliziane Gama.