Carlos Brandão
Carlos Brandão e Duarte Júnior são diagnosticados com Covid-19
Política

Vice-governador do Maranhão e candidato a prefeito de São Luís participaram de atos de campanha sem máscara dias antes de receberem resultado de exame

O vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão, e o deputado estadual e candidato a prefeito de São Luís, Duarte Júnior, ambos do Republicanos, foram diagnosticados com Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

A informação foi divulgada no Twitter, pelo próprio Brandão, e por meio da assessoria do parlamentar, na noite desta quarta-feira 11. No início da tarde, Duarte já havia suspendido atividades de campanha, após sentir indisposição durante uma caminhada.

Dias antes do diagnóstico, ambos participaram de uma carreata na capital, sem máscara e aglomerando com diversas outras pessoas em um veículo, entre elas a ex-presidente do Procon (Instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor) do Maranhão, Karen Barros, além do deputado federal Josimar Maranhãozinho e sua sobrinha e indicada para a vice na chapa, Fabiana Villar, ambos do PL.

Aglomerações e descumprimento ao uso de máscara como medida sanitária de proteção e enfrentamento ao novo coronavírus são proibidos por decreto estadual. Em tese, a violação poderia gerar aplicação de multa e até prisão.

Além dessa desobediência ao decreto e normas sanitárias mostrada na imagem em destaque, nos último dias, Carlos Brandão e Duarte Júnior aglomeraram diversas outras vezes nos últimos dias, parte delas novamente sem máscara, sempre cumprimentando diversas pessoas.

Segundo balanço da SES (Secretaria de Estado da Saúde), divulgado mais cedo, 188.677 pessoas já foram diagnosticadas com o novo coronavírus no Maranhão e 4.146 morreram em decorrência da doença. Apenas em São Luís, 24.180 receberam o diagnóstico positivo e houve 1.262 por Covid-10.

Chico Gonçalves melindra Carlos Brandão e Flávio Dino em crítica a Duarte Júnior
Política

Ida de candidato para o Republicanos, do vice-governador do Maranhão, teve aval do comunista. Filiação ocorreu mais de um mês antes da entrada de filhos de Jair Bolsonaro

O secretário estadual de Direitos Humanos e Participação Popular, Chico Gonçalves, acabou melindrando seus chefes no Palácio dos Leões, Carlos Brandão e Flávio Dino (PCdoB), em crítica eleitoral feita ao deputado estadual e candidato a prefeito de São Luís, Duarte Júnior.

Militante da campanha de Rubens Pereira Júnior, Gonçalves publicou vídeo nas redes sociais em que destaca que o Republicanos (antigo PRB), partido de Duarte, é o mesmo partido dos filhos do presidente Jair Bolsonaro.

“Você conhece o time de Duarte? Você conhece o time de Rubens? Veja e compare”, provocou.

Ocorre que, além de Duarte, o próprio vice-governador do Maranhão é do Republicanos, que também integra a base aliada encastelada no Palácio dos Leões. Além disso, a saída do parlamentar do PCdoB para entrada no partido de Brandão, em viagem custeada com diárias da Assembleia Legislativa, em fevereiro deste ano, contou com o aval direto de Dino.

Foto: Douglas Gomes/Republicanos

A filiação do senador Flávio Bolsonaro e do vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro, inclusive, foi feita mais de um mês após a ida de Duarte Júnior para o partido, não o contrário. O deputado federal Eduardo Bolsonaro permanece no PSL, antigo partido o pai.

À época, segundo o blog do John Cutrim, o vice-governador do Maranhão e o Republicanos informaram que a chegada dos filhos do presidente da República na legenda não teria qualquer relação com a política no Maranhão.

“Em hipótese alguma, enquanto eu estiver no partido, o Republicanos deixará de ser aliado de primeira hora do governador Flávio Dino, no Maranhão”, disse Brandão.

Procurado pelo ATUAL7, Chico Gonçalves rebateu que tenha melindrado Carlos Brandão e Flávio Dino. “Quem pode ficar e tem direito de ficar melindrado é o eleitor e a leitora com a tentativa de distorcer o debate. O que está em discussão não é a minha relação com o governador, mas a relação do candidato com os seus aliados”, disse.

Sobre o Republicanos ser aliado e integrar o governo comunista, Gonçalves respondeu, sem entrar em detalhes, que o candidato do Republicanos, para “sustentar” um de seus programas de governo, “invocou a sua vinculação com a base de Bolsonaro”. “Fato relevante para o debate eleitoral e a tomada de decisão do eleitor”, salientou.

Questionado a respeito de Flávio Dino usar as redes sociais durante a campanha eleitoral para, rotineiramente, apontar Duarte Júnior como um de seus candidatos à prefeitura da capital, mesmo sendo ele do Republicanos, Chico Gonçalves alegou que a base do governo não tem apenas uma candidatura à prefeitura de São Luís. “O governador está correto. O deputado Duarte integra a base de governo. Agora, eu apoio e voto no candidato Rubens, que também é da base do governo, sendo inclusive filiado ao partido do governador”, disse.

Duarte Júnior também foi procurado pelo ATUAL7. O candidato, porém, evitou confrontar diretamente as críticas feitas pelo secretário estadual de Direitos Humanos.

“Eu quero ser prefeito pra fazer de São Luís um lugar melhor pra todos. E, pra governar pra todos, é preciso conversar com todos. Logo no primeiro dia de governo, eu vou bater na porta do governador Flavio Dino, de quem fui secretário, aluno e de quem sou amigo. E vou a Brasília conversar com o governo federal pra trazer os recursos que precisamos. Eu vou fazer composição, em vez de fazer oposição. Porque, quando os políticos brigam, quem sai perdendo é o povo”, declarou.

Em meio à pandemia, Carlos Brandão vai tirar férias
Política

Vice-governador do Maranhão pretende descansar por mais 30 dias, a partir de 1º de agosto

O vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão (Republicanos), está cansado.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, que já infectou mais de 90 mil pessoas e matou mais de 2,2 mil no Maranhão, e segue avançando pelo interior do estado, ele pediu e teve autorizada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) a concessão de férias.

Brandão descansará por mais 30 dias, a contar do dia 1º de agosto.

As férias regulamentares são relativas ao ano de 2019, que o vice-governador chegou a tirar no início de janeiro deste ano, mas foi obrigado a interromper faltando pouco mais de uma semana para o término.

Por 2022, Brandão abre diálogo com adversários de Duarte em 2020
Política

Questionado, vice-governador silenciou sobre possibilidade de negar legenda ao deputado do Republicanos em troca de apoio dos demais parlamentares em 2022

Possível pré-candidato ao Palácio dos Leões, na condição de sucessor natural do governador Flávio Dino (PCdoB), o vice-governador Carlos Brandão deu mostras de que pode repensar o apadrinhamento à pré-candidatura do deputado estadual Duarte Júnior a prefeito de São Luís pelo Republicanos.

Em meio à crise enfrentada pelo afilhado-correligionário, suspeito de comandar supostas milícia virtual e rede de perfis fakes nas redes sociais, Brandão abriu diálogos com pelo menos dois adversários de Duarte Júnior na disputa eleitoral deste ano: os também deputados estaduais e pré-candidatos a prefeito da capital, Wellington do Curso (PSDB) e Adriano Sarney (PV).

No encontro, embora genericamente e sem fechamento de acordos, segundo confirmou o próprio Brandão ao ATUAL7, foi tratado sobre o futuro político do Maranhão, incluindo o fato de que cenários referentes às eleições de 2022 passam pelas articulações de 2020.

Também participaram o deputado estadual César Pires (PV) e o secretário-chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares.

Questionado pelo ATUAL7 se, em troca de eventual apoio dos parlamentares em 2022, poderia negar legenda a Duarte Júnior na corrida pelo Palácio de La Ravardière deste ano, Carlos Brandão silenciou.

Na semana passada, ataques de Duarte Júnior ao seu próprio grupo político, com o objetivo de se fazer parecer político anti-sistema, passaram a ameaçar as pretensões eleitorais de Brandão. Um petardo disparado possivelmente contra o secretário Rubens Pereira Júnior (Cidades e Desenvolvimento Urbano), que é pré-candidato a prefeito de São Luís pela PCdoB, chegou a provocar a reação negativa de diversos deputados governistas na Assembleia Legislativa.

Ataque de Duarte a Rubens Júnior ameaça apoio do PCdoB a Brandão em 2022
Política

Pré-candidato do Republicanos passou a mirar em comunista para fazer parecer que é anti-sistema. Traição conta com silêncio do vice-governador

A série de ataques do deputado estadual e pré-candidato a prefeito Duarte Júnior (Republicanos) ao seu próprio grupo político, com o objetivo de se fazer parecer anti-sistema e surfar na onda do oposicionista e líder absoluto nas pesquisas Eduardo Braide (Podemos), passou a ameaçar as articulações eleitorais entre o PCdoB e o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), sucessor natural de Flávio Dino em 2022.

Na última segunda-feira 9, pressionado em entrevista à TV Difusora pelo vazamento de mensagens de grupos de Telegram atribuídas a ele —com conteúdos que apontam para liderança sobre supostas milícia virtual e rede de fakes, homofobia, gordofobia, assédio moral e censura à imprensa—, Duarte Júnior perdeu o controle e alfinetou o deputado federal licenciado e secretário estadual Rubens Pereira Júnior (Cidades e Desenvolvimento Urbano), pré-candidato do PCdoB ao comando da capital. Dias antes, também em possível referência a Rubens Júnior, e embora filho político adotivo do governador Flávio Dino (PCdoB), já havia criticado o filhotismo político.

“Eu sou ficha limpa. Eu não sou candidato porque meu pai é ficha suja e eu sou plano B”, disse o pré-candidato do Republicanos.

Embora não seja ficha suja, de fato, Rubens Júnior entrou na política em 2006 após o seu pai, o ex-deputado estadual Rubens Pereira, o Rubão, tornar-se inelegível por condenação no TCU (Tribunal de Contas da União).

Ao atacar o comunista, porém, além trair seu antigo partido, Duarte Júnior começa a criar obstáculos para Brandão nas negociações eleitorais com o PCdoB, o que favorece o senador Weverton Rocha (PDT), também aliado de Dino e principal adversário do vice-governador na sucessão do Palácio dos Leões.

A avaliação é de integrantes do próprio PCdoB, ouvidos pelo ATUAL7 sob condição de anonimato.

Segundo eles, como não freia o destempero e ataques de Duarte Júnior, principalmente os agora concentrados em Rubens Júnior, há um clima de incerteza no partido em relação a Carlos Brandão.

A ameaça a Brandão como resposta ao estilo desagregador de seu correligionário chegou também à Assembleia Legislativa. Na última quarta-feira 11, a maioria esmagadora da Casa mostrou-se avessa a Duarte Júnior, em apartes em massa a um discurso do deputado Wellington do Curso (PSDB), que faz oposição ao governo de Dino.

Indignados com a traição de Duarte Júnior a Rubens Júnior, todos os parlamentares governistas presentes na sessão legislativa —Hélio Soares (PL), Rigo Teles (PV), Yglésio Moyses (Pros), Cleide Coutinho (PDT), Roberto Costa (MDB), Antônio Pereira (DEM), Helena Duailibe (SD) e Rildo Amaral (SD)— criticaram o pré-candidato a prefeito pelo Republicanos.

“Rubens enfrentou Temer, defendeu o povo do Maranhão. Lamento que Duarte Júnior, que sempre pode contar com os aconselhamentos de Rubens Pereira, tenha atacado de maneira vil e por conta de uma eleição, uma pessoa a quem ele sempre pediu apoio. Para mim, trata-se de comportamento de gente sem caráter e covarde mesmo”, declarou Yglésio, também pré-candidato a prefeito de São Luís.

Fiel a Flávio Dino, apesar da avalanche criada por seu afilhado, até o momento, Carlos Brandão parece pouco se importar com os ataques de Duarte Júnior ao seu próprio grupo político. Silêncio que, se perdurar, pode passar a ser entendido como aval.

Aposta de Dino e Brandão para São Luís, Duarte Júnior filia-se ao Republicanos
Política

Vitória do deputado para Prefeitura de São Luís dificultaria candidatura de Weverton Rocha ao Palácio dos Leões em 2022

O deputado estadual Duarte Júnior teve abonada, na noite desta terça-feira 11, sua filiação ao Republicanos (antigo PRB). O objetivo é disputar a Prefeitura de São Luís em 2020 como candidato do coração do governador Flávio Dino (PCdoB) e oficial do vice-governador Carlos Brandão, principal estrela na legenda no estado.

Até a semana passada, ele ainda aguardava entrar na corrida pelo PCdoB, que o colocou na Assembleia Legislativa do Maranhão nas eleições de 2018. Compromisso antigo entre o ex-deputado estadual Rubão e o deputado federal Márcio Jerry, ex-ISO do gabinete do hoje secretário Rubens Pereira Júnior (Cidades e Desenvolvimento Urbano), no entanto, atrapalharam os planos.

Com Duarte, Dino e Brandão pretendem tomar a prefeitura da capital das mãos do senador Weverton Rocha (PDT), que sem nome com musculatura mínima no próprio partido, tem apoiado a pré-candidatura deputado Neto Evangelista (DEM).

Agora empresário do ramo da Comunicação, aliançado com diversos prefeitos e ex-prefeitos maranhenses e padrinho do presidente da Famem (Federação dos Municípios do Estado do Maranhão), Rocha é hoje forte pré-candidato ao Palácio dos Leões em 2022, e tem como adversário o vice-governador Carlos Brandão, sucessor natural de Dino.

Contudo, sem o controle do Palácio de La Ravardière, entendem Flávio Dino e Brandão, o pedetista perderia força e dificilmente se aventuraria no pleito.

Dino defende Brandão e lamenta falta de consenso para sucessão em 2022
Política

Em entrevista, governador destacou que vice é seu sucessor natural ao Palácio dos Leões

O governador Flávio Dino (PCdoB) defendeu o direito de seu vice, Carlos Brandão (PRB), ser seu sucessor no Palácio dos Leões, nas eleições de 2022. Ao mesmo tempo, lamentou a falta de consenso em seu grupo para o pleito.

Segundo o comunista, Brandão é “pré-candidato natural em 2022”, e “infelizmente”, “há outras alternativas”.

As declarações foram dadas em entrevista ao Jornal Pequeno, divulgada nesta terça 7, ao ser questionado sobre os nomes já cogitados para a disputa.

“Há um debate, que vai acontecer na hora própria, no que diz respeito à futura eleição majoritária. O que estou dizendo é que, é claro, Brandão é uma espécie de pré-candidato natural, até porque existe o cenário de eu sair do governo e ele, naturalmente, assumir”, declarou.

Até o momento, além de Carlos Brandão, do grupo dinista, também pleita o comando do Executivo o senador Weverton Rocha (PDT).

Sobre essa questão, sem citar nomes e tentando amenizar a situação, Dino mostrou incômodo com a possibilidade de disputa no próprio grupo, mesmo diante da defesa em prol de Brandão.

“Agora há também, infelizmente, outras alternativas. A gente não pode fechar esse debate agora”, disse.

Em possível lembrança a crise criada pelo ex-governador José Reinaldo Tavares (PSDB) em 2018, que aceitou o afastamento do afilhado político após diversos atos públicos de menosprezo, Flávio Dino criticou a antecipação do debate sobre 2022.

“Se a gente precipita, a gente acaba jogando fora um processo rico de diálogo, de entendimento, e acaba se enfraquecendo. Por isso que as coisas tem que ter um tempo. É igual fruta no pé. Eu digo muito aqui para minha equipe. Fruta no pé se a gente colhe muito cedo, ela está verde. Se a gente deixa ela muito tempo no pé, vem um passarinho bica, a fruta pode apodrecer. Processo político é assim também: a gente precisa saber a hora da colheita. E não é agora o tempo. Os frutos ainda estão muito verdes: os frutos de 2022. Agora vamos amadurecer são os frutos de 2020. Esta é a agonia da hora”, completou.

Brandão compartilha link que critica ausência de Dino do Maranhão
Política

Postagem destaca que, em vez de se ausentar, comunista deveria logo se licenciar ou renunciar ao mandato para se dedicar ao embate com Bolsonaro pela Presidência em 2022

O vice-governador Carlos Brandão (PRB) compartilhou no WhatsApp um link de uma publicação que critica a ausência do governador Flávio Dino (PCdoB) do Maranhão.

O compartilhamento ocorreu no final da tarde deste domingo 11, num grupo chamado Blog do Pedro Jorge.

Publicada pelo jornalista Marco Aurélio D'Eça, a postagem é uma análise sobre textos de outros dois jornalistas, Jorge Aragão e Gilberto Léda, a respeito da ausência cada vez mais constante de Dino do governo, deixando a gestão estadual sob responsabilidade de Brandão, na tentativa se viabilizar nacionalmente para o embate com Jair Bolsonaro pela Presidência da República, em 2022.

Num dos trechos, D'Eça diz que, em vez de continuar se ausentando do governo, Flávio Dino deveria se licenciar ou mesmo renunciar ao mandato, “entregando a Brandão o comando do estado”.

Apesar da torcida do vice-governador para que a eventual licença ou renuncia ocorra logo, pela legislação eleitoral, para se candidatar ao Palácio do Planalto, Dino tem até abril do ano do pleito para se desincompatibilizar do cargo.

Será quando Brandão, já em pré-campanha aberta pelo Palácio dos Leões, assumirá em definitivo o governo para disputar a reeleição sentado nos cofres.

Brandão e Othelino assumem interinamente o Governo do Maranhão
Política

Flávio Dino se ausentará do País de 15 a 19 de maio, para palestrar no Brazil Fórum UK, em Londres. Vice se licenciará do cargo por dois dias, para tratar de interesses particulares

O governador Flávio Dino (PCdoB) se ausentará do País, a partir desta quarta-feira 15 até o próximo domingo 19, para cumprir agenda em Londres, Inglaterra. Ele participará como palestrante da Escola de Economia e Ciência Política, no Brazil Fórum UK.

Durante o período assumirá o comando do Palácio dos Leões, interinamente, o vice-governador, Carlos Brandão (PRB), e o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Othelino Neto (PCdoB),

Ocorre que, nesta terça-feira 14, Brandão comunicou à Alema que se licenciará do cargo entre os dias 16 e 17, para tratar de assuntos de interesses particulares, sem remuneração.

Em razão da movimentação, Othelino assume o governo estadual, interinamente, pelo período.

A partir do dia 18, o comando do Estado passa a ser novamente exercido, interinamente, por Brandão, que permanecerá na chefia do Palácio dos Leões até o retorno de Flávio Dino ao Brasil, conforme previsto no art. 59 da Constituição do Estado.

Prefeitos irão depor em ação que pede a cassação da chapa Dino-Brandão
Política

Juízes eleitorais terão 30 dias para colher depoimentos das testemunhas. Em eventual condenação, deverá ser realizada nova eleição para o governo estadual

O desembargador Tyrone Silva, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão, determinou a expedição de Cartas de Ordem a diversos juízos eleitorais para que procedam a oitiva de prefeitos arrolados como testemunhas na ação que pede a cassação da chapa do governador Flávio Dino (PCdoB) e do vice Carlos Brandão (PRB), por supostos crimes eleitorais no pleito do ano passado. Também é réu o secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto.

A decisão foi tomada no início deste mês, mas publicada somente na semana passada, quando passou a valer. A informação foi divulgada pelo blog do jornalista Marco Aurélio D’Eça e confirmada pelo ATUAL7.

Dentre as testemunhas, estão os prefeitos Edivaldo Holanda Júnior (São Luís), Fábio Gentil (Caixas), Luciano Leitoa (Timon), Zé Farias (Brejo), Lahesio Rodrigues (São Pedro dos Crentes), Dr. Erick (Balsas) e Mercial Arruda (Grajaú).

Também serão ouvidos, em zona eleitoral da capital, Luiz Renato Souza Leal, Lídia Cunha Schramm, Maria Raimunda de Fátima Santos Oliveira e o secretário estadual da Saúde Carlos Eduardo Lula.

Os depoimentos deverão ser tomados em até 30 dias. Todas as testemunhas arroladas deverão comparecer à audiência independente de intimação, conforme determinação do magistrado.

Segundo os autos, Dino usou a estrutura administrativa do Palácio dos Leões, por meio de distribuição de convênios e obras durante o período eleitoral, para se beneficiar dos votos nesses municípios.

A Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) é movida pela coligação “Maranhão Quer Mais”, que teve Roseana Sarney (MDB) como candidata ao Palácio dos Leões.

Em caso de eventual condenação da chapa Flávio Dino-Carlos Brandão, ambos ficarão inelegíveis e deverá ser realizada nova eleição para o Governo do Maranhão.

Brandão silencia sobre suspeita de candidatura laranja do PRB
Política

Partido do vice-governador teve candidata que gastou, na mesma eleição em que ele se reelegeu, quase R$ 600 mil com campanha, mas obteve somente 161 votos

O vice-governador Carlos Brandão decidiu silenciar sobre a suspeita de que o PRB, partido comandado no Maranhão pelo deputado federal Cléber Verde, usou verba pública do fundo partidário para bancar uma candidatura laranja.

A suspeita foi levantada pelo Jornal Nacional, na semana passada, com base nos dados divulgados pela Justiça Eleitoral. A candidata a deputada estadual Marisa Rosas, da coligação Todos pelo Maranhão 3, teve despesas de mais de R$ 600 mil com a campanha, mas obteve apenas 161 votos.

Dos gastos, a maior parte, R$ 540 mil, foi destinada para três gráficas. Uma delas, que fica em Tuntum e pertente a um filiado do partido, recebeu R$ 460 mil.

Além de ser um dos nomes mais importantes da legenda, onde conquistou o posto de primeiro vice-governador do PRB no Brasil, Brandão foi reeleito na chapa do governador Flávio Dino (PCdoB) no mesmo pleito. Procurado pelo ATUAL7 por meio de sua assessoria para comentar o caso, ele preferiu não se manifestar.

Também fazem parte da cúpula de figuras importantes do PRB no estado o prefeito de Caxias, Fábio Gentil, e o seu pai, deputado estadual eleito também em outubro passado, Zé Gentil.

Governador em exercício, Carlos Brandão cumpre agenda em Brasília
Política

Agenda prevê audiências com os ministros Tarcísio Freitas e Marcos Pontes

O governador em exercício Carlos Brandão (PRB) cumpre agenda em Brasília, nesta quarta-feira 9. Ele vai ter audiências com ministros do governo de Jair Bolsonaro (PSL), constantemente atacado por Flávio Dino (PCdoB) nas redes sociais, para debater temas de interesse do Maranhão.

Segundo divulgado pelo Palácio dos Leões, a agenda prevê audiências nos ministérios da Infraestrutura, comandado por Tarcísio Gomes de Freitas; e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, comandado pelo tenente-coronel Marcos Pontes.

O secretário estadual de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry, que foi eleito deputado federal em outubro último pelo PCdoB, deve participar da agenda. Parte da bancada maranhense eleita para a Câmara dos Deputados também devem integrar a comitiva.

Brandão está no exercício da função desde o último dia 3, por ocasião das ferais de Dino, e fica no cargo até esta quinta-feira 10. Entre os compromissos que vem tendo neste período, o governador em exercício tem recebido investidores para gerar novos negócios no Maranhão.

Ele também vem se reunindo com secretários e gestores para discutir questões inerentes à administração estadual.

Brandão e Tema vão inaugurar pacote de obras em Tuntum amanhã
Política

Maratona começará no início da tarde e se estenderá até a noite, na zona rural e no perímetro urbano da cidade

O governador em exercício Carlos Brandão (PRB) e o prefeito Cleomar Tema (PSB) se preparam para cumprir uma extensa agenda de entrega de obras, neste sábado 4, na zona rural e no perímetro urbano de Tuntum.

A maratona de inaugurações terá início às 14 horas, no povoado Novo Marajá, com a entrega de uma escola estadual com seis salas de aula, além da implantação de 2,5 km de asfalto, dentro do programa Mais Asfalto. Do Novo Marajá, Brandão e Tema seguem para o povoado Belém, onde será entregue o asfaltamento de uma faixa de malha viária de 7,5 km; será realizada visita a uma escola com 12 salas de aula e com ginásio coberto, já em fase de conclusão, além da entrega de um poço artesiano.

Na sequência, eles seguirão para o povoado Tabocal, para inauguração do sistema de eletrificação. Ainda no mesmo período, está prevista também a entrega do sistema de abastecimento de água à Associação de Moradores do Povoado Cigana.

O pacote de inaugurações se encerrará no período da noite, com a inauguração do Espaço Cultural, na Praça de Eventos, em evento agendado para as 19h, onde o governador em exercício também entregará uma ambulância.

A maratona de inaugurações contará com a presença do deputado federal Aluísio Mendes (Pode); dos deputados estaduais eleitos Daniela Tema (DEM) e Marcelo Tavares (PSB); e dos secretários estaduais Felipe Camarão (Educação), Carlos Lula (Saúde), Ednaldo Neves (adjunto de Comunicação e Articulação Política), além de prefeitos e outras lideranças da região.

Brandão e investidores sul-coreanos discutem novos negócios no Maranhão
Economia

Encontro foi um desdobramento da Missão Ásia comandada pelo vice-governador há pouco mais de um ano

O governador em exercício Carlos Brandão (PRB) recebeu, nesta quinta-feira 3, investidores sul-coreanos para discutir novas oportunidades de negócios entre o Maranhão e o país asiático. Em reunião no Palácio dos Leões, foram tratados temas como agronegócios, tecnologia, infraestrutura e educação.

O encontro foi um desdobramento da Missão Ásia comandada por Brandão há pouco mais de um ano. Um dos países visitados tinha sido justamente a Coreia do Sul.

“Nós estivemos lá visitando os empresários para que viessem ao Maranhão e vissem oportunidades em várias áreas: indústrias, comércio, turismo e setor produtivo, por exemplo. O Maranhão está de portas abertas para negociar e fazer comércio com a Coreia do Sul”, afirmou Brandão, que está no comando do Governo do Maranhão por ocasião das férias do governador Flávio Dino (PCdoB).

Presente na reunião, o CEO da Câmara de Comércio da União de Cidades Brasileiras na Coreia do Sul, Eduardo Komatsu, afirmou que a perspectiva é de fazer investimentos no Maranhão, gerando emprego e renda para a população.

“Vejo que existe muita possibilidade de negócios. O mais importante é apresentar para ambos os lados as perspectivas de negócios e as oportunidades que existem”, afirmou Komatsu.

Segundo o secretário de Estado Extraordinário de Programas Especiais, Enos Ferreira, outra reunião com vários empresários sul-coreanos já está sendo organizada para o mês de abril: “Nossa perspectiva é trazer investidores para o Maranhão. E que haja uma troca de negócios”, declarou.

Reconduzido, Dino tira férias; Brandão assume comando do Estado
Política

Comunista vai ficar afastado até o próximo dia 10 de janeiro

Reempossado e reconduzido ao cargo nessa terça-feira 1º, o governador Flávio Dino (PCdoB) resolveu tirar férias para descansar com a família. Segundo solicitação de afastamento já encaminhada à Assembleia Legislativa do Maranhão, o comunista deixa o comando do Palácio dos Leões a partir desta quinta-feira 3.

Em seu lugar, assume interinamente o vice-governador Carlos Brandão (PRB), até o próximo dia 10.

Será a quinta vez que Brandão exercerá o cargo de governador interino do Maranhão, e a primeira no novo governo.

Durante o período, o governador em exercício assinará documentos e participará de atos já previamente acordados com Dino, seguindo o protocolo.

TRE encontra irregularidades na prestação de contas de Flávio Dino
Política

Análise foi feita pela equipe técnica do tribunal. Relator é o juiz Júlio César Praseres. Caso deverá ser submetido ao plenário da Corte

Análise preliminar da prestação de contas da campanha do governador Flávio Dino (PCdoB) e do vice-governador Carlos Brandão (PRB), reeleitos em outubro último, encontrou sinais de irregularidades na documentação entregue à área técnica do tribunal. A verificação foi encerrada na última quarta-feira 14, gerando o total de 23 páginas. O documento é assinado pelo técnico judiciário Rodrigo Mendonça do Amaral, pelo supervisor Manoel de Jesus Sousa Júnior e pela chefe da Seção de Análise de Contas Eleitorais e Partidárias (SECEP), Mércia Maria Silva Freire Costa — baixe a íntegra.

Cabe agora ao relator das contas, o juiz Júlio César Lima Praseres, submeter o caso ao julgamento do plenário da Corte.

No parecer, a equipe do TRE/MA pede ao magistrado que notifique a campanha de Dino e Brandão para que apresente documentos sobre os recursos estimáveis em dinheiro provenientes de doações de pessoas físicas aplicados em campanha constituem produto do serviço ou da atividade econômica do doador ou, ainda, de prestação direta dos serviços e/ou que constituam bens permanentes que integrem o seu patrimônio. Também foi solicitada a reapresentação da prestação de contas, com status de retificadora, bem como a validação a mídia no tribunal contendo justificativas e documentos que possam comprovar as alterações efetuadas.

Foram dezenas de irregularidades e inconsistências encontradas, como a inexistência de documentos fiscais que comprovem a regularidade dos gastos eleitorais realizados com recursos do Fundo Partidário, do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC); recebimento de recursos de origem não identificada; omissão de receitas e gastos eleitorais; divergências entre os dados dos fornecedores constantes da prestação de contas e as informações constantes da base de dados da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB); possíveis inconsistências quanto à sua situação fiscal de fornecedores constantes da prestação de contas; transferências a outros candidatos ou partidos políticos, mas não registradas pelos beneficiários em suas prestações de contas; omissões relativas às despesas constantes da prestação de contas em exame e aquelas constantes da base de dados da Justiça Eleitoral; despesas junto a fornecedores não registrados ou ativos na junta comercial do estado sede da empresa; dívidas de campanha não comprovadas e ausência de indicação da fonte dos recursos que serão utilizados para a quitação do débito assumido; doações recebidas em data anterior à data inicial de entrega da prestação de contas parcial, mas não informadas à época; gastos eleitorais realizados em data anterior à data inicial de entrega da prestação de contas parcial, mas não informados à época, dentre outras.

O prazo para cumprimento das diligências era de três dias, mas foi prorrogado pelo juiz no dia 19, para seis dias. O despacho atendeu a pedido da defesa, feita pelo escritório Carlos Sérgio de Carvalho Barros - Advogados Associados, alegando a complexidade dos apontamentos feitos pela equipe técnica do TRE maranhense, e do prazo ter sido iniciado num final de semana, dia não útil para os profissionais que estão assessorando o governador e o vice-governador na área contábil.

Um dia depois, a defesa do governador entregou a documentação para o relator da prestação de contas, requerendo que sejam consideradas sanadas, por completo, as irregulares identificadas no relatório preliminar da SECEP, com vistas à aprovação das contas de Flávio Dino e Carlos Brandão, relativas ao pleito deste ano.

No início desta semana, porém, foi expedida uma nova intimação à defesa do governador e do vice-governador do Maranhão, novamente dando o prazo de três dias para que as irregularidades apontadas no relatório do tribunal sejam sanadas e a prestação de contas reapresentada, com o status de retificadora. Procurado pelo ATUAL7 para se posicionar sobre o assunto, o advogado Carlos Sérgio não retornou o contato.

Carlos Brandão também tem candidatura impugnada no TRE
Política

Vice-governador está inelegível em razão de ter assumindo o comando do Estado até dois dias depois do prazo de seis meses antes do pleito eleitoral

O vice-governador do Maranhão, Calos Brandão (PRB), candidato à mesma função na chapa encabeçada por Flávio Dino (PCdoB), teve o pedido de registro de candidatura impugnado, no final da noite desse sábado 18, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão.

Segundo o deputado estadual Edilázio Júnior, autor da contestação, Brandão está inelegível em razão de haver assumindo o comando do Palácio dos Leões até o dia 9 de abril deste ano — ou seja, dois dias depois do prazo de seis meses antes do pleito eleitoral. “(...) o requerimento de registro de candidatura não terá como prosperar, conquanto o beneficiário do vindouro pedido de registro ocupou o cargo de Governador do Estado dentro dos seis meses anteriores ao pleito, consoante amplamente divulgado pela imprensa e no site oficial do Governo do Estado, tendo praticado atos inerentes à função de Governador”, diz trecho do documento.

Além de Brandão, o próprio Flávio Dino também teve a candidatura impugnada no TRE/MA. O autor também foi o deputado estadual Edilázio Júnior (PV).

No caso de Dino, a Ação de Impugnação de Pedido de Registro de Candidatura (AIRC) sustenta que o comunista não pode ter o seu pedido de registro de candidatura deferido pela Justiça Eleitoral, em razão do representante da coligação partidária escolhido em convenção, Rodrigo Maia, possuir impedimento legal para exercer a função.

Conforme documentos anexados à ação, inclusive uma cópia do Diário Oficial do Estado (DOE) do mês passado, Maia ainda exercia a chefia da Procuradoria Geral do Estado (PGE) no dia da convenção que homologou a chapa de reeleição do governador Flávio Dino, o que geraria nulidade insanável do próprio Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (Drap), diante do prazo encerrado em calendário eleitoral.

“Neste sentido, ao ler a ata da convenção partidária que fixou a coligação informada no Drap, percebemos que o representante escolhido não possui condições legais para exercer tal função, tendo em vista que era Procurador-Geral do Estado no dia da convenção, conforme publicação do Diário Oficial do Estado e sendo nomeado dias após para outro cargo de direção no governo estadual. Com efeito, o Procurador-Geral do Estado, por impedimento legal, não pode exercer a função equivalente ao de presidente partidário, muito menos participar de convenção e presidir coligação de partidos em clara conduta vedada”, aponta a contestação.