Eleições 2024
Yglésio Moyses é favorito para assumir Secretaria de Esporte de Brandão
Política

Para 2023, ano pré-eleitoral, orçamento da Sedel é de pouco mais de R$ 41 milhões. Pasta atualmente é comandada por Naldir Vale, indicado do deputado Fábio Macedo

Deputado estadual reeleito, Yglésio Moysés é o favorito a assumir a Secretaria do Esporte e Lazer do novo governo Carlos Brandão. Além de aliado e de integrar o mesmo partido do chefe do Executivo, o PSB, Yglésio atualmente é presidente do Moto Club, um dos maiores e mais populares clubes esportivos do Maranhão.

Ele conta ainda com o aprovação do irmão do mandatário, o empresário Marcus Brandão, de quem se tornou próximo após ser o primeiro parlamentar estadual a defender publicamente a recondução do governador ao Palácio dos Leões.

Se confirmado o favoritismo, o martelo deve ser batido em fevereiro, após a eleição para a presidência da Assembleia Legislativa do Maranhão.

A escolha de Yglésio também contribuiria para que o deputado Edson Araújo, aliado de Carlos Brandão e primeiro suplente do PSB para a próxima legislativa, que inicia em fevereiro, assumisse uma cadeira Casa.

Atualmente, a Sedel é comandada por Naldir Vale Lopes, por indicação do deputado federal diplomado Fábio Macedo (Podemos).

Para 2023, ano pré-eleitoral, o orçamento da pasta é de pouco mais de R$ 41 milhões.

Embora atue de forma independente e seja recém-convertido ao conservadorismo bolsonarista, o presidente do Moto Club mantém afinidades políticas com os Brandão, e se articula para disputar a prefeitura de São Luís no ano que vem contra Eduardo Braide (PSD) com apoio da máquina estadual.

De olho em 2024, Paulo Victor assume Câmara com desafio de superar Duarte Júnior e domar Chaguinhas
Política

Adversário interno, deputado federal tem trabalho positivo no Procon-MA e já demonstrou ser uma máquina de votos em São Luís. 1º vice-presidente da CMSL é conhecido pelo temperamento explosivo e por jogar dos dois lados

Há cerca de um ano, a ambição do vereador de primeiro mandato Paulo Victor (PCdoB) era se eleger presidente da Câmara de São Luís. Desde o último domingo (1º), ele passou a comandar pelo próximo biênio o mais alto orçamento de Poder Legislativo municipal no Maranhão, e agora tenta despontar como principal nome do Palácio dos Leões para a corrida eleitoral de 2024 à prefeitura de São Luís.

Antes de enfrentar o atua gestor da capital, Eduardo Braide (PSD), porém, precisará primeiro triunfar em disputa interna contra o deputado federal Duarte Júnior (PSB-MA), que tem trabalho positivo no Procon (Instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor) do Maranhão e já provou e comprovou ser uma máquina eleitoral de votos em São Luís. Também terá de controlar o temperamento explosivo do 1º vice-presidente da Câmara, vereador Francisco Chaguinhas (Podemos).

Mais próximo do governador Carlos Brandão (PSB) e do irmão do mandatário, o empresário Marcus Brandão, do que Duarte Júnior, PV, como é conhecido o parlamentar municipal, já tem plano traçado para empenhar-se em superar o adversário íntimo: durante os próximos dois meses, o foco seria organizar de forma relâmpago a administração institucional da Câmara de São Luís para, entre fevereiro e março, passar a ocupar uma pasta turbinada que toca programas relevantes e entrega obras sociais e investimentos em infraestrutura diretamente à população ludovicense.

Na mira, conforme mostrou o ATUAL7, estão a Segov (Secretaria de Estado de Governo), que integra o primeiro escalão da gestão estadual, e a Agem (Agência Executiva Metropolitana), atualmente sob o guarda-chuva da Secretaria de Cidades e Desenvolvimento Urbano.

Com o eventual retorno ao governo Brandão, calculam aliados, Paulo Victor teria vitrines para o embate e se consolidaria como gestor popular, fatores considerados essenciais para a disputa.

Ao se licenciar do comando da Câmara de São Luís, porém, o chefe do Legislativo ludovicense deixaria como interino e dominador de R$ 135 milhões de orçamento Francisco Chaguinhas. O parlamentar, que já está no quarto mandato e tem histórico de fazer jogo duplo, sempre que contrariado, principalmente em questões envolvendo asfalto, tem o costume de usar as redes sociais e a tribuna da Casa para desabafar contra aliados.

Nos últimos dois anos, o próprio Paulo Victor já foi alvo de diversos ataques do hoje 1º vice-presidente da Câmara, comumente também envolvendo a vereadora Fátima Araújo (PCdoB).

“Antes do poder você é uma coisa, mas quando chega o poder você é outra totalmente diferente”, alfinetou Chaguinhas em abril do ano passado, ao expor contendas de bastidor sobre a liderança e grupo formado pelo agora chefe do Legislativo municipal.

A nova cúpula da Câmara de São Luís é formada ainda pelos vereadores Ribeiro Neto (Patriota), como 2º vice-presidente; Edson Gaguinho (União Brasil), como 3º vice-presidente; Aldir Júnior (PL), como 1º secretário; Beto Castro (Avante), como 2º secretário; Fátima Araújo (PCdoB), como 3º secretária; Andrey Monteiro (Republicanos), como 4º secretário; e Antônio Garcez (sem partido), como 5º secretário.

Opositor de Dr. Julinho, Dudu Diniz assume presidência da Câmara de SJR
Política

Vereador de primeiro mandato é aliado do governador Carlos Brandão, e pode ser o nome do Palácio dos Leões para 2024 na disputa pela prefeitura

O vereador Dudu Diniz (Cidadania), 38, tomou posse nessa segunda-feira (2) do cargo de presidente da Câmara de São José de Ribamar, terceiro maior colégio eleitoral do Maranhão e em número de habitantes no estado.

Parlamentar de primeiro mandato e opositor ao prefeito Júlio Matos (PL), ele foi eleito em maio para comandar o Legislativo ribamarense pelo biênio 2023-2024, com votos de 11 dos 21 integrantes da Casa. Na chefia do Poder, vai controlar um Orçamento de R$ 13,4 milhões previstos para este ano.

O vereador é aliado do governador Carlos Brandão (PSB). Pelo roteiro desenhado, pode ser o nome do Palácio dos Leões para as eleições de 2024, contra a reeleição de Dr. Julinho, como é conhecido o gestor municipal.

A nova Mesa Diretora da Câmara de São José de Ribamar é também composta pelos vereadores Moisés Gama (PROS), como 1º vice-presidente; Professor Cristiano (Solidariedade), 2º vice-presidente; Jordão Reis (PTB), 1º secretário; Aldiran Guerreiro (PDT), 2º secretário; a vereadora Thays de Negão (PDT), 3ª secretária; e Mário Santos (PP), 4º secretário.

Estiveram presentes da solenidade de posse o vice-governador Felipe Camarão (PT); o presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Paulo Victor (PCdoB); o vice-prefeito de São José de Ribamar, Júnior Lago (Patriotas); e a deputada estadual diplomada Iracema Vale (PSB), candidata de Brandão à presidência da Assembleia Legislativa.

Paulo Victor deve ocupar pasta turbinada que executa obras no governo Brandão
Política

Presidente eleito da Câmara de São Luís é cotado para Secretaria de Governo e Agência Executiva Metropolitana. Ele é pré-candidato a prefeito da capital com apoio do Palácio dos Leões

A importância e o peso do presidente eleito da Câmara Municipal de São Luís, vereador Paulo Victor (PCdoB), na recondução do governador Carlos Brandão (PSB) ao Palácio dos Leões são inegáveis. Com a anunciada pré-candidatura à prefeitura da capital, o que se discute agora é qual cargo estratégico ele assumirá na nova gestão.

Ao menos duas pastas têm sido citadas na roda de apostas: a Secretaria de Governo e a Agência Executiva Metropolitana. Ambas ostentarão orçamentos turbinados em 2023, são executoras de obras e dispõem de espaço amplo para fazer política.

Na terça-feira (27), concluída a aprovação-relâmpago de uma mudança no regimento interno do Legislativo municipal, ele teve facilitadas as condições para se licenciar do cargo e assumir posto de destaque no governo Brandão, sem risco de perder o poder de articulação e o controle de quase R$ 135 milhões previstos para bancar as despesas da Casa no ano que vem.

O objetivo da movimentação é usar o trampolim da máquina para garantir maior visibilidade e, por conseguinte, capilaridade eleitoral a Paulo Victor, hoje mais caroável e com maior interlocução com Brandão e todo o clã de Colinas do que os deputados federal Duarte Júnior, tido como independente, e estadual Yglésio Moyses, recém-convertido ao conservadorismo bolsonarista. Os dois são do mesmo partido do chefe do Executivo maranhense, o PSB, e também postulantes à unção.

A simpatia do ex-governador e senador diplomado Flávio Dino (PSB), futuro ministro da Justiça e Segurança Pública no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), conquistada durante a campanha eleitoral de 2022, e o apadrinhamento do vice-governador diplomado Felipe Camarão (PT), também podem favorecer o vereador no jogo.

Parte do núcleo brandonista considera que PV, como é chamado o vereador, tem o perfil mais qualificado e que melhor agrega no grupo governista para disputar a prefeitura contra Eduardo Braide (PSD), que deve tentar a reeleição.

Apesar desses fatores, apenas exercer o comando da Câmara ludovicense, segundo avaliam fontes ouvidas pelo ATUAL7, além de carregar aspectos discreto e burocrático, não traduz apelo popular nem serve como vitrine para o embate. O retorno de Paulo Victor ao governo estadual, onde já chefiou a Cultura e apresentou resultados positivos, calculam, encaixaria essa peça determinante no quebra-cabeças eleitoral.

Tanto a Segov, de primeiro escalão, quanto a Agem, esta sob o guarda-chuva da pasta de Cidades e Desenvolvimento Urbano, tocam programas relevantes e entregam obras sociais e investimentos em infraestrutura diretamente à população.

Segundo o Orçamento para 2023 aprovado pela Assembleia Legislativa do Maranhão, a estimativa de despesas da Secretaria de Governo para cumprimento de promessas de Brandão no próximo ano é de R$ 90 milhões, e da Agência Executiva Metropolitana, de quase R$ 31 milhões.

Para essa última, há ainda a expectativa de reforço em verbas via remanejamentos de dotações orçamentárias decorrentes do novo desenho institucional que o governador pretende criar no Executivo estadual a partir de fevereiro.