Fiema
Confiança do empresário permanece em alta, aponta Fiema
Economia

Pesquisa foi realizada com empresas da construção civil e indústrias extrativas e de transformação, entre 2 e 14 de dezembro de 2018

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) do Maranhão permaneceu com bons indicadores no mês de dezembro, marcando 65,2 pontos, segundo resultado de pesquisa divulgado nessa segunda-feira 28 pela Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Segundo a federação, o registro representa 0,3 pontos a menos que o mês anterior, mas ainda muito relevante como indicador de confiança.

O índice segue uma trajetória que na maioria dos meses acompanha a tendência do movimento brasileiro, e marca 63,8 pontos. O indicador varia de 0 a 100. Valores abaixo de 50 pontos indicam falta de confiança do empresário. Quanto mais abaixo de 50 pontos, maior e mais disseminada é a falta de confiança.

No que se refere à trajetória do índice, a média histórica é de 58,06, isso constata a existência de altos e baixos do período em questão. Em relação às condições atuais, todos os índices cresceram se comparado ao mês anterior, ficando todos acima de 50, sendo o mais relevante o das condições atuais da empresa, pontuando 52,6. Sobre as expectativas, nota-se bons indicadores, sendo o mais expressivo a expectativa em relação à economia brasileira.

Ainda segundo a Fiema, se separando por setor, a indústria de extração e de transformação permanece com o ICEI maior, ou seja, essas empresas estão mais confiantes, marcando 66 pontos, contra 62,6 da construção civil.

O ICEI é obtido a partir da ponderação dos resultados referentes às Condições Atuais e Expectativas dos empresários em relação à economia brasileira, o Estado e a empresa. Participaram do levantamento empresas da construção civil e indústrias extrativas e de transformação, no período de 2 a 14 de dezembro do ano passado.

Deputados discutem demandas do setor produtivo em encontro na Fiema
Economia

Solenidade contou com a presença de eleitos e reeleitos no pleito deste ano

Deputados estaduais eleitos e reeleitos reuniram-se, nesta segunda-feira 17, com representantes da classe empresarial, para discutir demandas do setor produtivo no Maranhão. O encontro aconteceu na sede da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), a convite do presidente do Sistema Fiema, Edilson Baldez, e do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB).

O encontro teve como objetivo aproximar a classe política da classe empresarial, propondo uma discussão conjunta sobre os melhores caminhos para promover o desenvolvimento do estado, a partir de iniciativas que incentivem a geração de emprego e renda.

Ao fazer uso da palavra, o presidente da Assembleia Legislativa ressaltou a importância do encontro, além da relação harmônica e respeitosa que a classe empresarial tem com o Parlamento. Ele pontuou, ainda, que é preciso conhecer a realidade econômica do estado, para que o Maranhão cresça de forma justa e com distribuição de renda.

“É um momento importante, para que os deputados possam conhecer mais detalhes da economia do Maranhão e, ao mesmo tempo, discutir alguns impasses que atrasam um pouco investimentos importantes para o estado. Então, é um momento rico, onde podemos discutir e já sinalizar soluções, que algumas delas passam pela Assembleia Legislativa”, assinalou Othelino Neto.

“Não podemos apenas ter uma relação mais próxima com o Poder Executivo, pois o Legislativo sente as necessidades da população. Então, essa é uma das oportunidades, dentre as muitas que virão ainda, para que possamos discutir os assuntos que são de interesse para o desenvolvimento do nosso estado”, completou Edilson Baldez.

Na ocasião foram apresentadas demandas do setor, como a questão dos licenciamentos ambientais, a conclusão das obras de duplicação da BR-135, a conclusão do zoneamento econômico-ecológico, o Plano Diretor de São Luís, entre outros itens, apontados pela classe empresarial como entraves para o desenvolvimento do Maranhão.

“Precisamos que os parlamentares ajudem a classe empresarial e a população a melhorar o estado, para que possamos trazer mais empresas, mais indústrias para o Maranhão e, assim, gerar mais emprego para a nossa população”, afirmou Cláudio Azevedo, vice-presidente da Fiema.

Segundo destacou o deputado estadual eleito Yglésio Moyses (PDT), a indústria no Maranhão responde por 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado e, por isso, qualquer iniciativa que vise aquecer a economia é fundamental. “Uma iniciativa que una os empresários da indústria, no sentido de direcionar as políticas públicas para que essa indústria seja incentivada, aquecendo a atividade econômica, com certeza vai fortalecer essa distribuição de renda que esperamos tanto”, disse.

Fiema enviará nova carta ao Palácio enaltecendo Flávio Dino?
Política

Quatro meses depois de ser vangloriado por Edilson Baldez, comunista deixou entidade de fora das discussões sobre incentivos fiscais a indústria e agroindústria maranhenses

O governador Flávio Dino (PCdoB) usou a força de sua base aliada e conseguiu ter aprovada na Assembleia Legislativa do Maranhão, nesta terça-feira 26, medida provisória que institui nova sistemática de tributação no estado e garante uma série de isenções do Imposto Sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre a Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) a empresas do setor da indústria e agroindústria maranhenses.

O texto foi aprovado em sua forma original, após a maioria do plenário rejeitar uma emenda do deputado estadual Eduardo Braide (PMN), que incluiria um representante da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema) no Conselho Deliberativo (Condep), criado para analisar e aprovar projetos de adesão aos incentivos fiscais concedidos pelo dispositivo. Com isso, o colegiado será formando apenas por membros do próprio Poder Executivo.

Há pouco mais de quatro meses, a Fiema encaminhou uma carta pra lá de oferecida ao comunista, assinada pelo seu eterno presidente, Edilson Baldez, onde dizia reconhecer o trabalho que, segundo a federação, Flávio Dino desenvolve no Maranhão, sempre em parceria com a entidade.

“Por essas ações positivas que ajudam a transformar os nossos indicadores sociais, econômicos e de desenvolvimento e que confirmam o sentimento de que o Governo do Maranhão caminha no rumo certo é que parabenizamos Vossa Excelência por mais esta grande conquista ao ser destacar no ranking dos melhores governadores do Brasil”, escreveu Baldez no documento.

Com a Fiema agora retirada das discussões sobre os incentivos às industrias maranhenses, envergonhada e sem prestígio para sequer indicar um representante para o Condep, fica o questionamento: a entidade pretende enviar nova carta enaltecendo Dino?

Edilson Baldez se perpetua no comando da Fiema
Política

Engenheiro e empresário é um “sem indústria”, porém preside a entidade desde 2009. Ele foi reeleito para o quadriênio 2017-2021

O engenheiro e empresário do setor de construção civil e hotelaria, mas sem indústria, Edilson Baldez das Neves, conseguiu se perpetuar, nesta quinta-feira 22, na presidência da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), por mais quatro anos. Ele foi re-reeleito para o comando da entidade, em chapa única, para o quadriênio 2017-2021, após obter 24 votos válidos dos delegados representantes dos sindicatos da indústria maranhense.

Embora seja um “sem indústria”, Baldez está no comando da Fiema desde 2009. Ele assume o novo mandato em junho do próximo ano.

A eleição triunfante foi dirigida por uma comissão eleitoral presidida pelo diretor Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) no Maranhão, José Ahirton Batista Lopes; e composta também pelo presidente do Conselho Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) no Maranhão, José Adriano Jansen, e pelo assessor da Presidência da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de São Luís, Antônio Froes.

De acordo com dados levantados pelo ATUAL7 junto à Receita Federal do Brasil, o presidente da Fiema é dono de pelo menos cinco empresas, sendo uma do Distrito Federal e quatro do Maranhão: Constans Construtora Ltda; SHT – Serviços de Hotelaria e Turismo Ltda; Engec – Engenharia e Construções Ltda; Federação Nacional de Hotéis Restaurantes Bares e Similares; e o Instituto Euvaldo Lodi Núcleo Regional do Maranhão.

Indústria, porém, nenhuma.

Ainda assim, até 2021, quando terminará o novo mandato, ele estará por longos 12 anos no comando da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão.

Além da Fiema, o “sem indústria” Edilson Baldez preside, ainda, o Conselho Deliberativo do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) no Maranhão; e é membro da Diretoria da Confederação Nacional das Indústrias (CNI) e Coordenador da Ação Pró-Amazônia.