Investigações e oponentes oradores emperram plano de Braide de lançar pré-candidatura
Política

Investigações e oponentes oradores emperram plano de Braide de lançar pré-candidatura

Suspeitas de lavagem de dinheiro, funcionários fantasmas e a entrada de adversários bons de debate na disputa pelo Palácio dos Leões diminuem chances de parlamentar repetir crescimento de 2016

As investigações da Polícia Federal e do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) sobre possível esquema de lavagem de dinheiro e desvio de dinheiro público por meio de funcionários fantasmas, somadas a entrada de opositores bons de debate na disputa, estão prejudicando a eventual confirmação de pré-candidatura do deputado estadual Eduardo Braide (PMN) ao Palácio dos Leões.

Diferente de 2016, quando — por erro dos então adversários Wellington do Curso (PP), Eliziane Gama (PPS) e Edivaldo Holanda Júnior (PDT) — conseguiu correr solto como outsider, mesmo com um histórico manchado, segundo as investigações, pela nódoa da corrupção, Braide pode ter seu telhado de vidro quebrado tão logo anuncie seu nome à disputa.

Como o eventual massacre será baseado todo em fatos, com documentos oficiais dos órgãos federal e estadual de investigação, e alcançando todo o estado, mesmo ele alegando sempre que nunca se corrompeu, em vez de ascensão, a possibilidade maior é de Braide perder força antes mesmo das convenções partidárias, obrigando-o a se aposentar precocemente da vida pública.

A estratégia de novidade na politica que precisa ser levada aos debates também não serve mais.

Além de haver decaído e estar de reassociando-se com caciques do tipo de Waldir Maranhão (Avante) e Paulo Marinho para ter tempo de propaganda eleitoral, contrariando o discurso antipolítico da eleição passada, Braide não terá a mesma facilidade de 2016, quando enfrentou adversários despreparados para os debates, principal motivo que o levou a, surpreendentemente, ir para o segundo turno na capital.

Se conseguir formar uma coligação que lhe garanta ir para os debates — ou mesmo concorrer pelo PT, como tem sido costurado nos bastidores —, desta vez, em vez de Wellington, Eliziane e Edivaldo, Braide vai enfrentar adversários de grande oratória, como Flávio Dino (PCdoB), Roberto Rocha (PSDB) e Ricardo Murad (PRP). Até mesmo Roseana Sarney (MDB) e Maura Jorge (PODE), após uma maratona de treinamento com media training, podem se sair melhor que o parlamentar do PMN.

Com Eduardo Braide evitado responder até simples perguntas de Marcos Silva, que nem pré-candidato é, não seria uma enormidade afirmar que beira a zero as chances dele crescer novamente em cima de algum desses novos oponentes.



Comentários 5

  1. Francisco Leda

    Amigo voce sempre que pode procurar atingir Paulo Marinho...Paulo, voce talvez não conheça e´ o politico mais preparado do Maranhao. Injustiçado, agora ha poucos dias ganhou na Justiça uma ação que devolveu a Prefeitura de Caxias as ações que haviam sido retiradas atraves de um esquema fraudulento montado por seus adversarios politicos o que ha epoca lhe custou o mandato. A historia esta lhe fazendo justiça. Paulo foi o melhor prefeito da historia do Maranhão. Brilhante deputado federal. Pessoa correta e de bem. Querido por todos em Caxias. Se vc está sendo pago para atingir a candidatura de Braide não fique querendo denegrir os outros. isso não ajuda aqueles que lhes estao pagando para fazer isso, muito pelo contrario se Paulo Marinho decidir apoia Braide nos Cocais ja era para Flavio Dino por aqui....

  2. Pingback: Atual7

Comente esta reportagem