Weverton e Erlânio compram postos de Pacovan, alvos da Jenga
Política

Weverton e Erlânio compram postos de Pacovan, alvos da Jenga

Senador e prefeito são donos de empresas que substituíram o Joyce V e Joyce VI. Agiota usou estabelecimentos para lavar dinheiro de prefeituras. Esquema movimentou mais de R$ 200 milhões

Pelo menos dois postos de combustíveis apontados pela força-tarefa da Operação Jenga como de propriedades, de fato, do agiota Josival Cavalcante da Silva, o Pacovan, foram comprados pelo senador Weverton Rocha (PDT) e pelo prefeito de Igarapé Grande e presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT). A informação foi revelada, com exclusividade, pelo blog do Werbeth Saraiva, e confirmada pelo ATUAL7.

Os postos adquiridos pelos pedetistas são os antigos Petromais Comércio de Derivados de Petróleo Ltda - Joyce V, localizado na Avenida Jerônimo de Albuquerque, no Angelim, em São Luís; e o Gás Óleos Santa Terezinha Ltda - Joyce VI, localizado na Avenida da Praia, Lote Recreio do Araçagy, em São José de Ribamar.

Na negociação até então desconhecida, não houve aproveitamento dos CNPJS, mas criação direta de novas empresas, ambas abertas em 5 de dezembro de 2019. Agora, o Joyce V está registrado sob o nome empresarial Petro São Francisco Ltda; e o Joyce VI, Petro São José Ltda. O capital social de cada um é de R$ 150 mil.

Cyntia Vanessa de Sousa Muniz, nomeada por Erlânio Xavier como membro do CAE (Conselho de Alimentar Escolar) da Prefeitura de Igarapé Grande, pelo período 2018/2026, também aparece no registro dos postos de combustíveis junto à Receita Federal, como administradora.

O ATUAL7 questionou Weverton Rocha sobre a origem do dinheiro para a aquisição de postos de combustíveis; fechamento de contratos com o poder público; e se ele tinha conhecimento, na aquisição, do uso do postos para lavar dinheiro público de prefeituras. Em nota encaminhada pela assessoria do senador na tarde deste sábado 30, há apenas repetição do que foi publicado sobre a negociação, com ênfase no fato de que a venda de combustíveis é legal.

“Trata-se de uma empresa nova e que, portanto, não foi adquirida/comprada de ninguém, mas sim constituída por seus sócios com capital privado (sem qualquer dinheiro público), na forma da lei. Explora atividade econômica lícita, dentro de todos os parâmetros, conformidades, e autorizações legalmente previstas”, disse.

Os mesmos questionamentos foram encaminhados ao prefeito Erlânio Xavier, por mensagem de WhatsApp, por ele não ter atendido a tentativa de contato por telefone. Até o momento, porém, não houve retorno. Não conseguimos o contato de Pacovan.

A Operação Jenga foi deflagrada pela Polícia Civil do Maranhão em maio de 2017, e mirou um esquema de lavagem de dinheiro do agiota a partir de diversas empresas, incluindo os postos de combustíveis agora adquiridos pelos pedetistas.

Segundo a SSP (Secretaria de Estado da Segurança Pública), mais de 200 milhões foram movimentados pelo esquema fraudulento, em apenas três anos.

Em dezembro do ano passado, por decisão do juiz Ronaldo Maciel, da 1ª Vara Criminal de São Luís, de mais de 500 páginas, os envolvidos foram condenados em primeira instância, por crimes contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.



Comente esta reportagem