Operação Pegadores: Sorveteria virou empresa especializada na gestão de serviços médicos
Política

Operação Pegadores: Sorveteria virou empresa especializada na gestão de serviços médicos

Empresa de fachada desviou mais de R$ 1,2 milhão por meio de notas frias. Desvio teve início em 2015, primeiro ano de governo de Flávio Dino

Uma sorveteria passou por um processo de transformação jurídica e se tornou, da noite para o dia, numa empresa especializada na gestão de serviços médicos. A mudança possibilitou a empresa de fachada desviar mais de R$ 1,2 milhão de recursos federais na Secretaria de Estado da Saúde (SES) por meio de notas frias, durante o primeiro ano do governo Flávio Dino, em 2015.

A informação foi divulgada na manhã desta quinta-feira 16, pela Polícia Federal, durante as primeiras horas da Operação Pegadores, considerada a 5ª fase da Operação Sermão aos Peixes, que apura os indícios de desvios de recursos públicos federais por meio de fraudes na contratação e pagamento de pessoal, na execução de contratos de gestão e termos de parceria firmados pelo Governo do Estado do Maranhão com entidades do terceiro setor.

Participam da operação o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), Ministério Público Federal (MPF) e Receita Federal do Brasil. Ao todo, estão sendo cumpridos 45 mandados judiciais, que foram expedidos pela 1ª Vara Criminal da Justiça Federal do Maranhão, sendo 17 mandados de prisão temporária e 28 mandados de busca e apreensão.

Os mandados estão sendo cumpridos em São Luís, Imperatriz, Amarante e no município de Teresina (PI). As diligências de busca e apreensão estão sendo cumpridas na sede da Secretaria de Estado da Saúde (SES) do Maranhão e na Superintendência de Acompanhamento à Rede de Serviços.

As prisões foram determinadas em desfavor de servidores públicos vinculados à SES, diretores, tesoureiros e administradores das Organizações Sociais, além de empresários vinculados às empresas de fachada e envolvidos no pagamento de propina a servidores públicos.

Os delitos investigados correspondem aos crimes de peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Após os procedimentos legais, os investigados serão encaminhados ao sistema penitenciário estadual, onde permanecerão à disposição da justiça federal.

Além disso, foi determinado o bloqueio judicial e sequestro de bens em valor total que supera a cifra de R$ 18 milhões.



Comentários 12

  1. Pingback: Atual7

  2. Maria Helena

    A polícia federal está de parabéns, mas essa história de que pessoas estão na folha de pagamento recebem geralmente um gordo salário é comum no Brasil e quase todas as administrações, nós enquanto população sempre ouvimos falar disso ou conhecemos alguém que é beneficiado, mas não podemos fazer nada nem mesmo uma denúncia porque não temos como provar e não se briga com peixe grande, eu me pergunto se a justiça autorizar a PF a fazer um pente fino em todas as administrações munipais e estaduais pelo país, será que não ficaríamos mais chocados do que já estamos? Terceirizar serviços públicos só beneficia o pode público e empresários, na boa eu acho que a culpa também é nossa enquanto eleitores porque votamos nessas pessoas que em meio ao mar de escândalos sempre consegue renovar o mandato que a população ao votar no próximo ano não esqueça desse fato e assim, faremos uma faxina na política local e nacional.

  3. Pingback: Atual7

  4. Pingback: Atual7

  5. Pingback: Atual7

  6. Pingback: Atual7

  7. Pingback: Atual7

  8. Pingback: Atual7

  9. Pingback: Atual7

  10. Pingback: Atual7

  11. Pingback: Atual7

  12. Pingback: Atual7

Comente esta reportagem