Operação Pegadores
Delegado diz para PGE solicitar a Carlos Lula o listão dos 400 fantasmas
Política

Wedson Cajé alertou para o fato de que relação foi criada pela própria SES e enviada ao e-mail do secretário desde setembro de 2015

O delegado de Polícia Federal Wedson Cajé Lopes, responsável pela Operação Pegadores, orientou a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) a solicitar diretamente ao titular da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Carlos Eduardo Lula, a célebre lista dos mais de 400 fantasmas das unidades hospitalares do Maranhão.

O petardo foi disparado no ofício em que Cajé encaminha à PGE informações referentes a operação que desbaratou a quadrilha que havia tomado de assalto os cofres públicos da SES. Apenas entre fevereiro e setembro de 2015, mais de R$ 18 milhões foram afanados.

“No tocante ao segundo ponto do pedido realizado, ou seja, a relação dos 427 (quatrocentos e vinte e sete) funcionários, que estariam recebendo pagamentos com recursos da Secretaria de Estado da Saúde sem vínculo com o ICN, instituto responsável pela prestação dos serviços, é preciso desde já trazer à lume que a relação dos beneficiários da ‘Folha Complementar’ já se encontra à disposição da Secretaria de Estado da Saúde desde o dia 22 de setembro de 2015, quando a relação original foi enviada para o e-mail [email protected]”, orientou.

O delegado ainda relembrou que os nomes beneficiados com a suplementação do salário — servidores lotados diretamente na SES ou até mesmo na Assembleia Legislativa do Maranhão, mas que embolsavam pagamentos como funcionários das unidades hospitalares controladas por terceirizadas, por isso fantasmas — foram enviadas pela própria pasta para o ICN (Instituto Cidadania e Natureza), à época utilizado pela quadrilha para escoar o dinheiro público.

“Desta forma, para ter acesso a tal relação, inclusive, em sua versão original, é despiciendo autorização judicial ou requerimento à Polícia Federal. Basta que os órgãos estatais solicitem ao Sr. Carlos Eduardo de Oliveira Lula cópia da lista encaminhada por BENEDITO SILVA CARVALHO em 22 de setembro de 2015, ou mesmo, buscar tal versão em sua origem, já que tais pedidos partiram da Secretaria de Estado da Saúde para o ICN antes que tais pagamentos fossem realizados”, alertou.

Desde a deflagração da Pegadores, o ATUAL7 já havia publicado sobre o pleno conhecimento de Carlos Lula a respeito da lista. Ele pode, inclusive, responder por prevaricação e omissão, em razão de haver protegido o esquema, em vez de levar o caso aos órgãos competentes, incluindo não somente os federais, mas a própria Secretaria de Estado da Transparência e Controle (STC) e a Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ).

Ainda no início deste mês, o secretário foi procurado pela reportagem para se posicionar a respeito do assunto, por meio de seu e-mail pessoal e da Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap), mas até o momento desta publicação não retornou o contato.

Recentemente, não bastando o silêncio tumular, Lula foi ainda mais além. Diante de uma iminente prisão, ele tentou brecar, no Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, todas as decisões contra a quadrilha e investigações contra ele próprio.

Contudo, convencido de que o farto material comprobatório colhido pela força-tarefa da Sermão aos Peixes é grave e as investigações merecem ter continuidade, o desembargador federal Ney Bello Filho, relator do processo por prevento, decidiu acolher apenas o pedido de levar o caso para foro competente, em razão do secretário ter foro por prerrogativa de função.

Ataques de Flávio Dino à Operação Pegadores atingem Ney Bello
Política

Desembargador federal se baseou nas provas que o governador acusa de serem inventadas e falsas para manter a prisão de investigados e subir o caso para o TRF-1

Apesar de mirar sempre na Polícia Federal, especialmente no delegado Wedson Cajé, como se não tivesse conhecimento da existência de outros órgãos federais na força-tarefa da Sermão aos Peixes, a sequência de ataques proferida pelo governador Flávio Dino (PCdoB) contra a Operação Pegadores tem atingido também, e principalmente, o desembargador federal Ney Bello Filho. E em cheio.

Relator prevento do caso, Ney Bello poderia ter o mesmo entendimento do chefe do Executivo estadual, que é seu amigo de longas datas e parceiro literário, de que toda a operação é uma orquestração política; de que Cajé inventou uma falsa lista de mais de 400 fantasmas na saúde do Estado; de que é mentiroso o desvio de verba da saúde por meio de uma empresa que era sorveteria e virou especialista em gestão hospitalar da noite para o dia; de que o dinheiro público roubado é estadual e não federal; e de que o delegado usou um dossiê falso para perseguir o comunista, sem provas, elementos ou indícios. E barrar as investigações.

Em vez disso, em todas as suas decisões, o magistrado tem dado destaque ao farto material que embasou a deflagração da operação contra a quadrilha que assaltou mais de R$ 18 milhões dos cofres públicos entre fevereiro e setembro de 2015. Até mesmo nas decisões em que ele mandou soltar alguns dos integrantes da organização criminosa, Bello fez questão de esclarecer sempre que a não necessidade de prisão desses investigados se dava em razão deles já estarem fora do cargo público, e por isso não representarem perigo para as investigações.

Apenas isso, e não que as acusações feitas pela PF são “espetaculosas”, “espalhafatosas” ou “escandalosamente ilícitas”, como alega o titular da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Carlos Lula, que, em vez de haver barrado a subtração do dinheiro público, se agarrou no privilégio do foro por prerrogativa de função e buscou abrigo no Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, tentando fugir de uma iminente prisão, ao disparate de chegar até a pedir a suspensão de todas as decisões relacionadas à Operação Pegadores.

O pedido de suspensão, claro, foi solenemente ignorado por Ney Bello, que, novamente baseado nos autos que Flávio Dino ferozmente ataca, reconheceu somente a necessidade de que as investigações, se continuadas contra Lula, devem ser feitas com autorização do foro competente.

Se ataca Wedson Cajé pelo que está nos autos da Operação Pegadores, Flávio Dino atinge em cheio também Ney Bello, que é quem tem reconhecido a gravidade e importância de todas as acusações que pesam contra os assaltantes de dinheiro público, inclusive se baseando nelas para manter preso no Complexo Penitenciário de Pedrinhas o apontado pela Sermão aos Peixes como o principal operador do esquema no governo comunista, o médico Mariano de Castro Silva.

Iminência de prisão leva Lula a buscar abrigo no TRF-1 e Flávio Dino a criticar a PF
Política

Secretário teve de confirmar que relatório aponta para sua omissão na pasta. Governador pode causar embaraço às investigações ao vender-se como desconhecedor do que aprendeu quando foi juiz federal

O secretário estadual de Saúde, Carlos Lula, está com medo de ser preso. Citado em diversos trechos do relatório da Polícia Federal relacionado à Operação Pegadores, Lula buscou abrigo no Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, agarrando-se do privilégio do foro por prerrogativa de função para pedir a subida do caso para a Corte.

E foi acolhido, em decisão proferida pelo célebre desembargador Ney de Barros Bello Filho, o que pode livrá-lo de ser alvo de uma nova operação e ainda tornar nula a deflagrada mais recentemente — baixe o documento.

Para brecar o avanço das investigações da força-tarefa da Sermão aos Peixes na 1ª Vara Criminal da Justiça Federal no Maranhão, Lula usou curiosamente pelo menos dois argumentos que acabam por colocar o Palácio dos Leões no centro da organização criminosa que subtraiu mais de R$ 18 milhões dos cofres públicos da saúde entre os meses de fevereiro e setembro de 2015 — e não entre aquele ano e 2017, como foi afirmado inicialmente por toda imprensa local.

O primeiro argumento é de que as investigações contra ele são de crime federal, o que derruba o desesperado alerta feito pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE) no mês passado, de que os recursos afanados pela Orcrim seriam, em sua integridade, originado do Tesouro Estadual.

Já o segundo argumento, ainda mais vexaminoso, é de que os diversos diálogos em que o titular da SES tem envolvimento direto e indireto apontam que houve omissão da parte dele nos desvios do dinheiro da saúde pública.

Da Reclamação feita ao TRF-1, extrai-se que o secretário estadual de Saúde teme a iminência de sua prisão, já que, além do farto material já colhido pela PF, a Sermão aos Peixes avança agora sobre a Emserh (Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares), que já esteve sob sua chefia direta e atualmente ainda lhe deve subserviência. A estratégia é provar que ele já estava sendo investigado sem a autorização do tribunal competente, o que pode levar todas as provas da Pegadores a serem anuladas, com base na Teoria do Fruto da Árvore Envenenada.

Já o governador Flávio Dino (PCdoB), que possui foro no Superior Tribunal de Justiça (STJ), voltou a atacar a Polícia Federal nas redes sociais.

Apesar de toda a investigação que desbaratou a quadrilha que assaltou os cofres públicos logo nos primeiros meses de seu governo ser formada, além da PF, também pela Receita Federal, Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e Ministério Público Federal (MPF), Dino tem focado os seus tentáculos todos na Polícia Federal, principalmente no delegado Wedson Cajé Lopes, coordenador da Sermão aos Peixes.

Ex-juiz federal, o governador do Maranhão tem conhecimento empírico de que o relatório da PF relacionado à Pegadores tem por base indícios de crimes levantados por todos os órgãos federais, em conjunto, mas tem preferido se passar por palerma para se esconder numa suposta perseguição política ao seu governo, o que pode acabar causando embaraço às investigações. O que é crime, inclusive passível de pedido de prisão.

Pegadores: alerta da PGE coloca em xeque eficiência da PGJ e da STC
Política

Se confirmado que dinheiro afanado da saúde seria do Tesouro Estadual, órgãos falharam gravemente no combate à corrupção e na fiscalização de verbas públicas

O governo Flávio Dino (PCdoB), por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE) do Maranhão, levou ao vexame e colocou em xeque a eficiência de pelo menos dois importantes órgãos maranhenses de combate à corrupção e na fiscalização de verbas públicas.

Em arguição feita no mês passado à juíza substituta Paula Souza Moraes, da 1ª Vara Criminal da Justiça Federal no Maranhão, relacionada à Operação Pegadores, a PGE-MA alertou para o fato de que os mais de R$ 18 milhões afanados na Secretaria de Estado da Saúde (SES) seriam do Tesouro Estadual e não oriundos da União, o que, em tese, anularia a competência da força-tarefa da Sermão aos Peixes para atuar no caso.

“Conforme Nota Técnica elaborada pela Secretaria de Estado de Planejamento e Orçamento do Maranhão, é possível constatar que os recursos públicos destinados ao sistema estadual de saúde entre os anos de 2015 e 2017, e que teriam sido supostamente desviados pelas condutas apontada no bojo da operação de investigação em curso, são compostos por verbas integrantes do tesouro estadual, [...] o que atrai a atuação dos órgãos e agentes integrantes do sistema estadual de Justiça, sob pena de vir a ser suscitada nulidade dos atos apuratórios e judiciais até agora praticados”, alega o Palácio dos Leões no documento.

Se confirmada a tese, a Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ) e a Secretaria de Estado de Transparência e Controle (STC) podem ter falhado em suas obrigações, gravemente, já que caberia a ambas ter descoberto e brecado a organização criminosa (Orcrim) que desviou o dinheiro público da saúde por meio de empresas de fachada e de salários extras para funcionários fantasmas de unidades hospitalares no Maranhão.

O ATUAL7 procurou os dois órgãos desde a semana passada, para se posicionarem sobre a possível falha, mas não houve retorno até a publicação desta matéria.

Comandada pelo promotor de Justiça Luiz Gonzaga Coelho, que na foto em destaque aparece atento ao discurso do chefe do Executivo estadual, a PGJ é a unidade central do Ministério Público, que tem dentre as suas atribuições constitucionais a defesa das instituições públicas.

Já a STC, controlada pelo advogado Rodrigo Pires Lago, instituiu em seu âmbito a Força Estadual de Transparência e Controle do Maranhão (Fetracon), responsável pela fiscalização e controle dos gastos da Administração Pública para o combate e prevenção à corrupção.

Flávio Dino mantém silêncio sobre lista dos fantasmas e flagra em Ana do Gás
Política

PF entregou relação de servidores irregulares à SES há uma semana. Deputada do PCdoB foi gravada coagindo diretora de UPA a aceitar uma parente fantasma

Uma semana após o secretário estadual de Saúde, Carlos Lula, afirmar haver recebido da Polícia Federal a famigerada lista dos mais de 400 funcionários fantasmas de terceirizadas da pasta, o governador Flávio Dino (PCdoB) permanece em total silêncio sobre o assunto.

Estranha, a mudança de comportamento do chefe do Executivo chama a atenção. Até antes de Lula vazar a informação, Dino usava as redes sociais quase que diariamente para atacar os agentes federais responsáveis pela deflagração da Operação Pegadores, cobrando transparência e a cessão imediata da relação, que insinuava não existir, prometendo tomar as medidas cabíveis. Até agora, porém, sete dias depois, pelo menos publicamente, nada foi feito.

O silêncio tumular do governador do Maranhão também é observado em outro caso relacionado a funcionários fantasmas em seu governo, notadamente nas unidades hospitalares.

Desde o final de semana passado, ferve nas redes sociais um vídeo em que a deputada estadual Ana do Gás, que é do PCdoB, aparece coagindo uma diretora de uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) em São Luís a aceitar que uma padrinhada sua, que seria uma parente, continue a receber religiosamente os vencimentos, embora não comparecesse ao serviço. A parlamentar, inclusive, chegou a ameaçar que denunciaria a servidora pública ao secretário Carlos Lula.

Acostumado a passar o dia nas redes sociais criticando governos anteriores pelas mesmas práticas relacionadas à corrupção, o comunista formou combo com silêncio anterior e calou-se também sobre o caso da correlegionária, também envolvendo diretamente o seu próprio governo.

Nem mesmo quando procurado a se manifestar, como provocou o ATUAL7 nos dois casos, em solicitações por e-mail à Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap), Flávio Dino tem saído do armário.

Por autoproteção, deputados devem ignorar corrupção de Ana do Gás
Política

Deputada do PCdoB foi gravada coagindo uma diretora de uma UPA a aceitar a lotação de uma parente como funcionária fantasma

Apesar de um ou outro deputado esboçar indignação e tecer críticas ao governo Flávio Dino pela pilhagem em escândalos de corrupção e desvios de dinheiro público, com um claro espírito corporativista, todas as bancadas da Assembleia Legislativa do Maranhão concordaram em ignorar o flagra de corrupção envolvendo a deputada estadual Ana do Gás (PCdoB).

Segundo apurou o ATUAL7, o combinado é que a parlamentar não compareça a sessão desta segunda-feira 4, e os deputados utilizem a gazeta para justificar o silêncio diante do escândalo.

Ana do Gás foi gravada na semana passada tentando coagir uma diretora de uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) em São Luís a se corromper e aceitar que uma apadrinhada sua, que seria uma parente, a continuar lotada e recebendo pela unidade sem precisar ir trabalhar. Tudo em meio à Operação Pegadores, deflagrada pela força-tarefa da Sermão aos Peixes dias antes do flagra da deputada comunista.

Pelo regimento interno da Casa e pelo Código de Ética dos Deputados, Ana do Gás deveria ter o mandato cassado, devido à gravidade do exposto da gravação.

As investigações da Polícia Federal apontam para o envolvimento de mais da metade dos 42 deputados da Assembleia Legislativa na organização criminosa que tomou de assalto os cofres públicos, tanto na indicação de apadrinhados-fantasmas como Ana do Gás, quanto na indicação empresas para operar na rede pública estadual de saúde.

Neste sentido, os parlamentares que não tem envolvimento com o esquemão preferem não criar um desgaste institucional na Casa; e os que integram a quadrilha temem ter seus esquemas expostos, serem alvos da iminente nova operação da Sermão aos Peixes e ficarem sem a proteção dos colegas no Poder Legislativo.

População ignora desvios na saúde e Flávio Dino torna-se imbatível, aponta Exata
Política

Segundo o instituto, aprovação do comunista cresceu após o seu governo ser alvo de operação da Polícia Federal por desvios de mais de R$ 18 milhões

Parece até mentira e coisa eleitoral para favorecer determinado candidato, mas para o Exata, a população maranhense preferiu ignorar a Operação Pegadores, deflagrada pela força-tarefa da Sermão aos Peixes contra desvios de R$ 18 milhões da saúde no governo Flávio Dino (PCdoB), e aumentou a confiança depositada no comunista.

É o que aponta pesquisa realizada pelo instituto entre os dias 27 de novembro e 1º de dezembro, e divulgada neste domingo 3, em parceria com o Jornal Pequeno. Foram ouvidos 1.415 eleitores, em todas as regiões do estado.

De acordo com o levantamento, 62% dos maranhenses aprovam a gestão de Dino contra 35% que a desaprovam, e 3% não sabem responder. Em outubro, antes da PF desbaratar a quadrilha que estava afanando os cofres públicos, eram 61% de aprovação; e em abril, a aprovação havia ficado em 60%.

Ou seja, segundo os números da Exata, a descoberta de existência de corrupção no governo Flávio Dino, e logo no setor da saúde, em vez de desfavorecer, favoreceu o comunista. Tanto favoreceu que, ainda de acordo com o instituto de pesquisa, se as eleições fossem hoje, ele levaria de lavada logo no primeiro turno.

Pelos números, o governador Flávio Dino venceria a eleição na primeira etapa, com 63% dos votos. A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) ficaria em segundo lugar, com 29%. E o senador Roberto Rocha e a ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge, dividiram o terceiro lugar, ambos com míseros 4%, cada.

Em comparação à pesquisa anterior, de outubro, a deflagração da Operação Pegadores também foi boa para Dino. Na anterior, ele marcou três pontos a menos — praticamente a margem de erro da pesquisa atual, que é de 3,2 pontos percentuais.

Com a iminência de uma nova operação pela Sermão aos Peixes, desta vez para pegar o “Polvo”, não é de se espantar se, no próximo levantamento do Exata, Flávio Dino, o imbatível, beirar ou até mesmo ultrapassar 100% de intenção de votos.

“Me sinto envergonhado”, diz Aluísio sobre subserviência de deputados ao Palácio
Política

Deputado criticou atitude dos parlamentares que manobraram e barraram uma moção de aplausos à superintendente da PF-MA pela Operação Pegadores

O deputado federal Aluísio Mendes (Podemos) usou as redes sociais para criticar os parlamentares estaduais que, anilhados ao Palácio dos Leões, manobraram e barraram uma moção de aplausos à superintendente da Polícia Federal do Maranhão, delegada Cassandra Parazi.

A proposta foi apresentada pelo deputado Wellington do Curso (PP), em homenagem à condução dos trabalhos da 5ª fase da Sermão aos Peixes, denominada Operação Pegadores. Deflagrada há duas semanas, a operação pilhou o governo Flávio Dino, do PCdoB, em desvios de mais de R$ 18 milhões de recursos públicos da saúde.

Para Aluísio, a atitude de subserviência de quase a totalidade do Parlamento estadual contraria a grande maioria da população brasileira, que reconhece a importância e aplaude a PF por seu trabalho contra a corrupção.

“Enquanto a grande maioria do povo brasileiro reconhece a importância e aplaude a Polícia Federal por seu trabalho contra a corrupção, a Assembleia Legislativa do Maranhão nega moção de aplausos à instituição que é hoje a mais aprovada pelos brasileiros”.

Ex-agente da PF, ele disse ainda que a ação dos deputados estaduais maranhenses causam vergonha.

“Como policial federal e representante da categoria na Câmara, me sinto envergonhado em ver o Poder Legislativo do Maranhão tão subserviente ao governo Flávio Dino, que tem criticado a Polícia Federal por ter descoberto desvio de recursos na atual gestão”, lamentou.

Em meio à Pegadores, Ana do Gás coage servidora a aceitar apadrinhada em UPA
Política

Sinecurada seria fantasma na unidade. Gravação mostra que a parlamentar chega a alertar que levaria o caso ao secretário Carlos Lula

Um vídeo disseminado nas redes sociais mostra a deputada estadual Ana do Gás coagindo a diretora da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Parque Vitória, Camila Maia, a aceitar que uma apadrinhada sua, supostamente fantasma, continue a ser lotada na unidade sem precisar ir trabalhar.

A gravação, segundo as publicações, teria ocorrido nesta semana, poucos dias após a força-tarefa da Sermão aos Peixes deflagrar a Operação Pegadores, para brecar o desvio de dinheiro na rede pública estadual de saúde justamente por meio de funcionários fantasmas. Ana do Gás é do PCdoB, mesmo partido do governador Flávio Dino, de onde mais de R$ 18 milhões foram afanados por meio do esquema.

“Eu só sei te dizer que eu não vou me corromper, eu não vou me corromper. Eu não vou assinar uma folha de uma pessoa que não comparece. Depois que eu comecei a assumir, foi que você vem, você faz o seu horário das 8 horas às 11 horas. Depois que o ponto apareceu, foi que ela fica até 12 horas. E conversou comigo, Camila eu não tenho condições…”, diz Camila Maia no vídeo.

Emblemática, a discussão entre a deputada e a servidora pública aponta para uma possível certeza de impunidade da comunista.

Mesmo sabendo que estava sendo gravada, ela chega a alertar à diretora da UPA que procuraria o secretário estadual da Saúde, Carlos Lula, para informar sobre o ocorrido.

“Você pode falar o que você quiser. Vamos ao que interessa. Eu vou lá para a Secretaria [de Saúde] e vou pedir para o secretário lhe mandar um documento. Você quer que publique esse documento?”, questiona Ana do Gás, possivelmente referindo-se a uma determinação que seria dada por Lula.

O ATUAL7 solicitou por e-mail à Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap), ao próprio secretário e à parlamentar um posicionamento sobre o assunto e aguarda retorno. Não foi possível solicitar uma resposta à diretora da UPA, Camila Maia, por o contato dela não ser encontrado.

Pegadores: segredos de Mariano Silva são garantia de sua vida
Política

Operador da organização criminosa que assaltou mais de R$ 18 milhões da saúde estadual mantém em Pedrinhas informações que podem derrubar Executivo e Legislativo

Quando o médico Mariano de Castro Silva saiu da superintendência da Polícia Federal do Maranhão direto para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, ele levou para uma das prisões mais violentas do país o que tem de mais valioso: segredos que dizem respeito a peixes graúdos dos poderes Executivo e Legislativo, que não revelou aos agentes da força-tarefa da Sermão aos Peixes, e dificilmente pretende revelar, porque são a garantia de sua vida e de sua família.

Considerado homem-bomba por ser o operador da organização criminosa que tomou de assalto mais de R$ 18 milhões dos cofres da saúde no governo Flávio Dino, do PCdoB, Mariano sabe que o grupo político beneficiado com os esquemas na saúde estadual é o mesmo que governa atualmente o sistema penitenciário.

E sabe mais: segundo revelado por membros de entidades de direitos humanos no Maranhão, ainda no início de 2016, há uma espécie de acerto entre o Governo do Estado e lideranças de facções criminosas que comandam o crime dentro e fora de Pedrinhas.

Desde a prisão de Mariano, pelo menos duas informações crescem nos bastidores: a primeira diz respeito a uma possível rebelião prestes a estourar na ala onde o operador do esquemão da saúde está preso; a segunda, mais assustadora, sobre um possível mal-estar que o médico piauiense poderia sofrer na prisão, levando-o à morte.

Boatos ou não, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) precisam ficar atentos a esses possíveis movimentos. Se durante depoimento quando da deflagração da Operação Pegadores Mariano Silva não ultrapassou o limite que estabeleceu como garantidor de sua vida, não é sendo deixado aos desleixos do próprio sistema que ele alimentou com dinheiro da corrupção que vai se conseguir uma eventual delação.

Governistas barram moção de aplausos à PF pela Operação Pegadores
Política

Deputados anilhados ao Palácio dos Leões seguiram as diretrizes dos líderes Rogério Cafeteira e Rafael Leitoa

Parlamentares anilhados ao Palácio dos Leões barraram, nesta quinta-feira 30, uma moção de aplausos proposta pelo deputado estadual Wellington do Curso(PP) à superintendente da Polícia Federal do Maranhão, delegada Cassandra Parazi, pela condução dos trabalhos da Operação Pegadores.

Deflagrada há cerca de duas semanas, a operação, considerada a 5ª fase da Sermão aos Peixes, pilhou o governo Flávio Dino, do PCdoB, em desvios de mais de R$ 18 milhões do Fundo Nacional de Saúde (FNS). O dinheiro, segundo a força-tarefa, escoou por meio de uma empresa que era uma sorveteria, funcionários fantasmas, empresas de fachada e serviu até mesmo para bancar namoradas, esposas e amantes de agentes públicos integrantes da organização criminosa.

Para barrar a moção, o governo contou inicialmente com uma manobrada nos deputados Zé Inácio (PT) e Levi Pontes (PCdoB), no início desta semana, que impediram a leitura do requerimento na Ordem do Dia.

Já na sessão de mais cedo, os serviços ficaram por conta dos deputados Rogério Cafeteira (PSB), que é líder do governo na Casa, e Rafael Leitoa (PDT), líder do maior bloco parlamentar da Assembleia, o chamado Blocão. Ambos conduziram o rebanho governista a rejeitar a moção de aplausos propostas por Wellington à delegada da PF.

Cafeteira, inclusive, durante um discurso inflamado, chegou até mesmo ao ponto de quase inocentar o ex-secretário de Saúde do Maranhão e cunhado da ex-governadora Roseana Sarney, Ricardo Murad.

Agora, para o líder de Flávio Dino no Poder Legislativo estadual, Murad, que foi o principal alvo da PF na primeira etapa da Sermão aos Peixes, foi vítima de “espetacularização” e “exploração midiática excessiva”. Ele disse ainda que torce para que o cunhado de Roseana possa “esclarecer os fatos” que, por pouco, quase o levaram para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Pegadores: operador de Orcrim atuava também como agiota
Política

Investigadores encontraram quase 100 cheques das empresas BrasilHosp e V. P. Santos num cofre do médico Mariano de Castro Silva

A força-tarefa da Sermão aos Peixes deve abrir uma linha de investigação para apurar a atuação do médico Mariano de Castro Silva, operador da organização criminosa que assaltou mais de R$ 18 milhões da saúde no governo Flávio Dino, na Máfia da Agiotagem.

Durante a deflagração da Operação Pegadores, há cerca de suas semanas, agentes da Polícia Federal encontraram quase uma centena de folhas de cheques num cofre na residência de Mariano, em Teresina (PI), revelando que o operador da Orcrim mantinha também uma linha de crédito paralela com empresas que prestam serviços para a saúde pública estadual e do município de Coroatá, ambos onde ele era lotado, além do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) do Maranhão.

Uma dessas empresas é a Brasil Produtos Médico e Hospitalares (BrasilHosp), controlada pelo ex-superintendente de Acompanhamento da Rede de Serviço da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Luiz Marques Júnior. De posse de Mariano, foram encontradas nada menos que 30 folhas de cheques emitidos pela BrasilHosp, cada um no valor de R$ 10,5 mil.

A outra é a Márcio V. P. Santos – ME, que tem como proprietário Márcio Vinícius Portugal Santos, filho do atual secretário de Saúde de Coroatá, Vinicius Araújo. Da V. P. Santos, foram encontrados 59 folhas de cheques, cada um no valor de R$ 20 mil.

Aos todo, as 89 folhas de cheques das duas empresas somam quase R$ 1,5 milhão, e se estendem até março de 2021.

Nos bastidores, já se comentava sobre a atuação de Mariano no esquema de agiotagem desde quando ele ainda era lotado na saúde municipal de Caxias, quando os cofres da cidade ainda eram controlados pelo presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Humberto Coutinho (PDT) — que se encontra fora do cargo em tratamento de saúde.

Há rumores, inclusive, de que, além de operar com empresas que ainda prestam serviços para o Governo do Estado e para alguns municípios maranhenses, Mariano Silva teria emprestado dinheiro também para alguns deputados da atual legislatura, e até mesmo efetuado alguns pagamentos para esses parlamentares.

Zé Inácio e Levi manobram contra moção de aplausos à PF pela Pegadores
Política

Proposta foi apresentada pelo deputado Wellington do Curso

Os deputados governistas Zé Inácio (PT) e Levi Pontes (PCdoB) manobraram, durante a sessão legislativa de segunda-feira 27, contra uma moção de aplausos à superintendente da Polícia Federal do Maranhão, delegada Cassandra Parazi, apresentada pelo deputado Wellington do Curso (PP), pela condução dos trabalhos da Operação Pegadores, que pilhou o governo Flávio Dino em desvios de mais de R$ 18 milhões.

Durante a leitura da Ordem do Dia no início dos trabalhos, Inácio aguardou o momento exato em que a proposta de Wellington seria lida para intervir e pedir que uma matéria de sua autoria furasse a fila.

Logo depois, foi a vez de Pontes.

Novamente quando a moção seria finalmente lida no plenário, o comunista apressou-se em pedir à Mesa Diretora da Casa que fosse feita a leitura do quórum.

Como a contagem apontou baixa presença de deputados na sessão, a leitura da moção de aplausos à PF foi transferida para a sessão dessa quarta-feira 29, mas estranhamente não foi colocada na ordem do dia.

Prestação de contas deve revelar total de empresas e funcionários fantasmas
Política

Dinheiro da saúde era repassado para as terceirizadas somente após apresentação de notas fiscais e relatórios atestando como os recursos públicos eram utilizados

Está na prestação de contas das terceirizadas da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh) a caixa de pandora do esquema criminoso que tomou de assalto os cofres da rede estadual pública de saúde, durante os já mais de 1000 dias do governo do PCdoB, de Flávio Dino.

De acordo com os contratos celebrados entre as duas pastas e os institutos que geriram ou ainda gerem as unidades hospitalares do Maranhão, para ter direito ao recebimento mensal dos repasses, também mensalmente, as terceirizadas devem primeiro apresentar notas fiscais e relatórios procedimentais detalhados sobre como o dinheiro recebido no mês anterior foi gasto.

Essa documentação, inclusive, dever ser obrigatoriamente atestada pelo gestor da unidade de saúde; por uma comissão de avaliação da execução dos contratos de gestão; pelos ordenadores de despesas da SES e da Emserh; e, principalmente, pelo secretário estadual de Saúde, maior ordenador do fundo.

Pela prestação de contas, a força-tarefa da Sermão aos Peixes, que deflagrou a Operação Pegadores há pouco mais de uma semana, poderá saber o total e quais são as empresas de fachada ou fantasma que foram utilizadas para escoar o dinheiro desviado, quer por meio de superfaturamento de contratos, quer por meio de sinecuras a apadrinhados que sequer prestavam serviços ou que recebiam pagamentos extras, como na famigerada lista dos 400 fantasmas.

A documentação, também, reverá toda a ramificação da organização criminosa e quem dela foi beneficiado, como políticos, servidores públicos, empresários, familiares dos operadores da quadrilha e, possivelmente, até mesmo profissionais da imprensa.

Pegadores: interceptações mostram que comando era dado por Jerry e Pacheco
Política

Diálogo entre Rosângela Curado, Péricles Silva e Ivaldo Rodrigues aponta para o envolvimento direto da Articulação Política com a organização criminosa

Pelo menos duas interceptações feitas pela Polícia Federal com autorização da Justiça mostram que o comando da organização criminosa que assaltou mais de R$ 18 milhões dos cofres públicos da saúde estadual era dado pelos então secretários de Articulação Política, Márcio Jerry Barroso, e de Saúde, Marcos Pacheco.

Segundo relatório da PF relacionado à Operação Pegadores, que desbaratou a quadrilha, ambas as gravações estão relacionadas com indícios de fraude e desvio de verbas da contratação de pessoal.

Uma dessas conversas, publicada pelo ATUAL7 na semana passada, diz respeito a um diálogo mantido entre os investigados Benedito Silva Carvalho, um dos chefões do Instituto Cidadania e Natureza (ICN), e Josefa Equitéria Gonçalves Muniz Farias, lotada na Assembleia Legislativa do Maranhão e, segundo a PF, funcionária fantasma no esquemão da saúde.

Em dado momento, quando Benedito revela preocupação sobre a presença de Quitéria, como é conhecida a servidora, em uma das folhas fantasmas, ela responde textualmente:

— Se tiver não tem problema não, nem se preocupe porque isso aí o Pacheco sabia, na época foi acordado com ele com o Jerry… tudo, entendeu? [Se refere a Marcos Pacheco e Marcio Jerry] — diz.

Já o outro diálogo foi mantido entre a então subsecretária estadual de Saúde, Rosângela Curado; o diretor e um dos sócios do ICN, Péricles Silva Filho; e o vereador de São Luís, Ivaldo Rodrigues (PDT).

Irritado por uma possível indicação de sete pessoas para a UPA da Vila Luizão, onde mantém reduto eleitoral, fora de sua lista de apadrinhados, o pedetista buscava satisfações de Curado sobre a contratação de pessoal para a unidade. Com Péricles aguardando num outro telefone, ela tranquiliza Ivaldo sobre o “fuxico”:

— Tô falando com o dono do ICN, dono! Não estão, mas se estão, não são contratados pela ICN. Eu estou falando com seu Péricles. Eu não vou ligar pra ninguém, vereador Ivaldo, eu só tô lhe dando satisfação pro senhor saber que a gente não tá enganando, não foi contratado ninguém, eu tô com Péricles na linha. Péricles tá me dizendo: “Rosângela, ninguém foi contratado porque não foi dado o comando pela Articulação Política e nem pela Secretaria de Saúde” — diz.

Reveladora, além de confirmar o total aval de Pacheco com as ações da organização criminosa, essa segunda conversa aponta também que a citação da Articulação Política, então comandava por Jerry, num dos trechos do relatório da Pegadores, pode estar longe de ter sido apenas um ato falho da PF.

Em possível ato falho, PF liga pasta ocupada por Márcio Jerry à esquema na saúde
Política

Relatório relacionado à Operação Pegadores aponta a Articulação Política como um dos alvos de investigação da força-tarefa da Sermão aos Peixes

A Polícia Federal apontou a extinta Secretaria de Estado de Articulação Política (Seap), então comandada pelo presidente do PCdoB no Maranhão, Márcio Jerry Barroso, como um dos principais alvos de investigação da força-tarefa da Sermão aos Peixes.

O possível ato falho está registrado no volume I do relatório da PF relacionado à Operação Pegadores, deflagrada no Maranhão há pouco mais de uma semana, após desvios de mais de R$ 18 milhões da saúde no governo Flávio Dino, do PCdoB.

“Antes, porém, de apresentarmos as fraudes, em tese, praticadas, impõem fazermos algumas considerações sobre a qualificação, ocupação e função desempenhada por alguns investigados na estrutura da Secretaria de Estado da Saúde e na Secretaria de Articulação Política, que são as duas repartições que possuíam servidores diretamente envolvidos nos fatos ora investigados”, diz o trecho.

Numa das primeiras mudanças administrativas do governo comunista, ocorrida em fevereiro de 2016, a Seap foi extinta ao se fundir com outra pasta, passando a chamar-se Secretaria de Estado de Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap), permanecendo ainda sob o comando absoluto de Márcio Jerry.

Pelo que se depreende das 200 primeiras folhas dos autos, a Seap, ainda existente no primeiro ano de investigação da Sermão aos Peixes, pode ter conquistado destaque no documento no lugar da Superintendência de Acompanhamento à Redes de Serviços da Secretaria de Estado da Saúde (SES), uma das fontes utilizadas pela organização criminosa que assaltou os cofres da SES para escoar dinheiro público.

É possível, ressalta-se, que a troca dos nomes das pastas possa ter sido apenas um ato falho da Polícia Federal. Contudo, diante de outros trechos do próprio relatório, que apontam para o possível conhecimento de Márcio Jerry sobre o esquema, bem como o controle de um dos braços criminosos da quadrilha por uma de suas cunhadas, o caso não deixa de ser, no mínimo, curioso.

Pegadores: Justiça decreta prisão preventiva de Luiz Junior e Mariano Silva
Política

Investigados desviaram dinheiro da saúde até dois dias antes da operação da PF. Lavagem de dinheiro estava sendo por meio da MT Gás e Brasilhosp

O juiz Márcio Sá Araújo, da 12ª Vara Federal, respondendo pela 1ª Vara Criminal da Seção Judiciária do Maranhão, decretou, nesse sábado 25, a prisão preventiva dos investigados Luiz Marques Barbosa Júnior e Mariano de Castro Silva, presos pela Polícia Federal na 5ª fase da Sermão aos Peixes, deflagrada no último dia 16, denominada Operação Pegadores.

Ele atendeu a pedido feito pela PF, diante da nova descoberta de que Luiz Júnior e Mariano Silva também operaram no desvio de recursos da rede pública estadual de saúde por meio da MT Gás Ltda - EPP, onde são sócios.

Segundo documentos encontrados pelos federais, a MT Gás recebeu dinheiro afanado da saúde, até dois dias antes da deflagração da operação, por intermédios da Quality Serviços Médicos Ltda e do Instituto de Serviços Médicos e Consultoria Ltda (ISMC).

Ambas são apontadas pela força-tarefa como empresas de fachada e controladas pelo próprio Mariano para lavagem de dinheiro.

Uma outra empresa, a Brasilhosp - Brasil Produtos Médicos e Hospitalares, de Luiz Júnior, também operava no esquema. De acordo com os federais, a participação Brasilhosp se dava por meio do clico de lavagem do dinheiro público desviado dos cofres da saúde por meio dos pagamentos feitos à MT Gás.