Gomes Sodré Engenharia Ltda
Edivaldo Júnior volta a paralisar obras de reforma no Hospital da Criança
Política

Prefeito de São Luís já recebeu todo o repasse federal para a obra, pouco mais de 2,2 milhões de reais

Retrato de como o prefeito de São Luís trata a saúde das crianças da cidade
Atual7 Crime Retrato de como o prefeito de São Luís trata a saúde das crianças da cidade

Passados três meses do período chuvoso, quando os trabalhos deveriam estar em nível avançado, as obras de reforma de ampliação do Hospital Odorico Amaral de Matos, o Hospital da Criança, no bairro da Alemanha, em São Luís, estão paralisadas.

É o que mostra imagens enviadas por WhatsApp ao Atual7, feitas por um leitor no início desta semana, no amontoado de buracos, vigas de concreto, pedaços de pau e escadas abandonados pela empresa Gomes Sodré Engenharia Ltda, responsável pelo empreendimento que está longe de uma maquete apresentada pela Prefeitura de São Luís.

Em maio passado, o local por pouco não virou palco de duas tragédias, quando foi completamente tomada pelas águas águas da chuva, que invadiram quase todas as dependências da unidade. Na época, imagens que correram as redes sociais mostraram o desespero de pais e funcionários para salvar as crianças que se encontraram internadas no hospital.

Orçada em quase 15 milhões de reais, a reforma se arrasta desde outubro de 2013, primeiro ano de gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC), e prevê a construção de espaços para a realização de exames especializados de ultrassom e tomografia computadorizada, 25 enfermarias, centro cirúrgico com quatro salas de grande porte, uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com 11 leitos, além salas de espera com 91 lugares.

Passados quase dois anos, e restando apenas sete meses para a entrega, a obra já foi paralisada por pelo menos quatro vezes.

O curioso é que, apesar do estado de descaso e de abandono em que a obra de reforma de aplicação do Hospital da Criança foi deixada, Edivaldo Júnior já recebeu todo o dinheiro do governo federal, pouco mais de 2,2 milhões de reais, que - pelo pouco que foi feito até agora no local, como atestam as imagens - não se sabe onde foi parar.

Mais do que merecedor da atenção do Ministério Público, o caso é de polícia.

Prefeitura de São Luís arrasta reforma do Hospital da Criança desde 2013
Política

Gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior já consumiu toda a verba federal destinada para a obra

A reforma de ampliação do Hospital Odorico Amaral de Matos, o Hospital da Criança, no bairro da Alemanha, em São Luís, vem se arrastando desde setembro de 2013, quase dez meses depois da data de assinatura de um convênio de quase R$ 2,3 milhões assinado entre o governo federal e o Executivo municipal, ainda sob os últimos dias de gestão do ex-prefeito tucano João Castelo, para bancar a obra - que somado aos mais de R$ 12 milhões da Prefeitura de São Luís chegam perto dos R$ 15 milhões que devem cair na conta da empresa Gomes Sodré Engenharia Ltda, responsável pela reforma.

Hospital da Criança passa por reforma desde 2013, quando Edivaldo  já prometia a criação de um sistema de escoamento de águas pluviais no local
Agência de Notícias/Prefeitura de São Luís Ficou na promessa Hospital da Criança passa por reforma desde 2013, quando Edivaldo já prometia a criação de um sistema de escoamento de águas pluviais no local

Embora esteja há mais de dois anos no comando da Prefeitura de São Luís e como não pode culpar o antecessor de falta de recursos para a obra, desde que vídeos compartilhados nas redes sociais na última quarta-feira (15), e novamente nesse domingo (19), mostraram o desespero de pais por a unidade ter sido completamente tomada pelas águas da chuva, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) tem se utilizado das obras de reforma como justificativa para os alagamentos.

A alegação também é repetida pela secretária municipal de Saúde, Helena Duailibe, e outros subordinados ao prefeito Edivaldo Júnior, dando a entender à população ludovicense que as obras são recentes, e não de quase dois anos.

Levantamento feito pelo Atual7 no site oficial da Prefeitura de São Luís e no Portal da Transparência do governo federal confirma, porém, que se não houvesse demora na conclusão da reforma do hospital, que tem como prazo de entrega o dia 12 de fevereiro de 2016, alagamentos como os ocorridos na última semana, e que obrigaram a transferência urgente de 54 crianças para unidades de saúde que sequer estão preparadas para receber os pacientes, poderiam ter sido evitados.

Com previsão de construção de espaços para a realização de exames especializados de ultrassom e tomografia computadorizada, 25 enfermarias, centro cirúrgico com quatro salas de grande porte, uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com 11 leitos, além salas de espera com 91 lugares, restando menos de 10 meses para a conclusão, a obra já consumiu todo o repasse federal e ainda assim não passa de um amontoado de buracos e vigas de concreto.

Registro da reforma no Hospital da Criança, feita no último dia 16, um dia depois do primeiro alagamento
Yuri Almeida/Atual7 Longe de ser concluída Registro da reforma no Hospital da Criança, feita no último dia 16, um dia depois do primeiro alagamento

A responsabilidade direta da falta de ação do prefeito da capital pelos alagamentos no Hospital da Criança pode ser ainda atestada em uma matéria postada ainda em outubro de 2013 na própria agência de notícias da prefeitura, que mostra que, desde aquele ano, a unidade hospitalar já passava por reforma, incluindo entre as adequações físicas a criação de um sistema de escoamento de águas pluviais, que até hoje não foi feito.

Um vídeo, postado no canal oficial da Prefeitura de São Luís no Youtube em julho do ano passado, quando a placa de reforma foi trocada por outra, aponta também como o dinheiro público que escoou nas águas da chuva deveria ter sido investido, mas não foi.

Quem assiste aos quase dois minutos de gravação percebe que a realidade de quem precisa dos serviços do Hospital da Criança é vergonhosamente diferente da mostrada pela propaganda institucional da gestão Edivaldo Holanda Júnior, que exibe ainda uma maquete, merecedora de quadros como o do programa Fantástico, da Rede Globo, diante do que já foi gasto e do pouco executado na reforma: Cadê o dinheiro que estava aqui?