Operação Ágio Final
Elo entre agiotas e integrantes da bancada do MA deve levar Ágio Final para o STF
Política

Três suspeitos de associação criminosa foram presos preventivamente pela Polícia Federal, ontem

Deflagrada pela Polícia Federal, nessa quinta-feira 3, a Operação Ágio Final deve chegar ao STF (Supremo Tribunal Federal), por conta do elo entre agiotas, lobistas e integrantes da bancada federal do Maranhão.

Para avançar nas investigações e evitar o trancamento do inquérito policial, a partir de informações colhidas no bojo da operação e em publicações da imprensa, os investigadores terão de ter autorização do Supremo, por meio da PGR (Procuradoria-Geral da República), em razão de foro privilegiado por prerrogativa de função dos parlamentares.

Parte dos suspeitos de associação criminosa foi presa preventivamente pela PF, ontem: o agiota Josival Cavalcante da Silva, o Pacovan; o vereador de Itapecuru Mirim, Abraão Nunes Martins Neto (PDT); e o ex-prefeito de Água Doce, Antônio Jose Silva Rocha (PSDB).

De acordo com a PF, por meio de ameaças ao prefeito de São José de Ribamar, Eudes Sampaio (PTB), eles buscavam o pagamento de parte dos recursos públicos federais destinados ao município, sob o pretexto de ter influído na destinação das verbas.

É onde entram os integrantes da bancada federal do Maranhão, tanto da Câmara quanto do Senado.

Principalmente durante a pandemia do novo coronavírus, após a edição da Portaria 1.666, de 1° de julho de 2020 pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido), agiotas e lobistas —entre eles o famigerado João Batista Magalhães, o Magáiver— começaram a procurar de prefeitos do interior do Maranhão, inicialmente para negociar e depois para exigir o pagamento de até 30% de recursos federais transferidos para as contas das prefeituras.

As cobranças, porém, diferentemente do denunciado por Eudes Sampaio ao Ministério Público Federal, não teriam sido feitas por acaso. Por trás, existiria um perigoso esquema envolvendo integrantes da bancada federal maranhense, que, em paralelo às indicações ao destino da verba federal, teriam vendido esses recursos por até 20% do valor, recebendo à vista. Na outra ponta, já acertados com gestores municipais, lobistas e agiotas ficariam com o poder de indicar quais empresas, maior parte de fachada, deveriam ser contratadas para a compra de produtos ou execução de serviços, colocando no valor contratado o ágio final.

==

ERRAMOS: O ex-prefeito de Água Doce, Rocha Filho, está atualmente filiado ao PSDB, e não mais ao PDT, como informado, equivocamente, anteriormente. A informação já foi corrigida.

Pacovan está entre os presos pela PF em operação contra extorsão a Eudes Sampaio
Política

PF diz que investigados exigiam pagamento de parte dos recursos públicos federais destinados ao município, sob o pretexto de ter influído na destinação das verbas

O agiota Josival Cavalcante da Silva, o Pacovan, está entre os presos pela Polícia Federal, nesta quinta-feira 3, em operação contra suspeita de extorsão ao prefeito de São José de Ribamar, Eudes Sampaio (PTB).

Batizada de Ágio Final, a ação cumpriu três mandados de prisão e sete de busca e apreensão, em São Luís, São José do Ribamar, Itapecuru Mirim e Pindaré Mirim.

Também foi autorizado afastamento do sigilo de dados telefônicos dos investigados.

Segundo a PF, os investigados exigiam pagamento de parte dos recursos públicos federais destinados ao município, sob o pretexto de ter influído na destinação das verbas

As investigações continuam, e novas operações podem ser deflagradas.

Integrantes da bancada federal do Maranhão, tanto da Câmara quanto do Senado, podem ser alvo de próximas operações.

PF prende três e faz buscas em operação contra extorsão a prefeito no MA
Cotidiano

Investigados exigiam pagamento de parte de recursos públicos federais, sob o pretexto de ter influído na destinação das verbas

A Polícia Federal prendeu, na manhã desta quinta-feira 3, três pessoas suspeitas de praticar extorsão a um prefeito de município do interior do Maranhão. A operação foi deflagrada em São Luís, São José do Ribamar, Itapecuru Mirim e Pindaré Mirim.

A PF não divulgou o nome do gestor, nem dos alvos.

Os mandatos foram expedidos pelo juízo da 1ª Vara Federal Criminal. Também foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão, e autorizado o afastamento do sigilo de dados telefônicos dos investigados.

Batizada de “Ágio Final” em razão do valor exigido pela suposta associação criminosa, a operação é resultado de investigação iniciada a partir de denúncia apresentada pelo próprio prefeito à Procuradoria da República no Maranhão, informando ameaças sofridas ao longo de 2020.

Segundo a PF, os investigados exigiam pagamento de parte dos recursos públicos federais destinados ao município, sob o pretexto de ter influído na destinação das verbas.

As extorsões eram realizadas de forma ostensiva, com episódios de invasão a residência do gestor e intermediação com terceiros, de modo a conferir maior pressão para o pagamento dos valores exigidos.

Cerca de 40 policiais federais participaram da operação.

Se confirmadas as suspeitas, os investigados responderão pelos crimes de extorsão qualificada, estelionato majorado e associação criminosa, que somadas as penas podem chegar até dezoito anos de reclusão mais multa.