Instituto Prever
Pesquisa mostra baixa potencialidade em pré-candidatura de Rubens Júnior
Política

Risco de vexame eleitoral pode obrigar pré-candidato do PCdoB a sair da disputa

O desempenho pífio na pesquisa do Instituto Prever pelo pré-candidato do PCdoB à Prefeitura de São Luís, Rubens Pereira Júnior, é um sinal de que o partido do governador Flávio Dino terá dificuldades de emplacá-lo no comando da capital.

Segundo o levantamento, divulgado no último sábado 4, o comunista não conseguiu sair da casa dos 1% das intenções de voto em nenhum dos cenários analisados.

O resultado mostra que, apesar de toda a estrutura que tem se formado em torno de Rubens Júnior, ele simples não decola. Nem mesmo ter arrumado os dentes, para melhorar o sorriso ao eleitorado, tem funcionado.

Sob risco de vexame eleitoral, o pré-candidato do PCdoB pode ser obrigado a sair da disputa.

Mas caso insista na aventura, Dino parece já ter traçado um plano para não ser afetado: seguir ignorando o fato que o PCdoB tem um nome oficializado para a capital e liberar secretários estaduais para declarar apoio à pré-candidatura do juiz federal aposentado Carlos Madeira (SD).

Além disto, para se distanciar do já quase-ex-afilhado, tem deixado, cada vez mais claro, que o nome de seu coração para o pleito sempre foi o do deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos).

Eduardo Braide lidera intenções de voto, aponta pesquisa Prever
Política

Duarte Júnior, Wellington do Curso, Adriano Sarney e Bira do Pindaré aparecem tecnicamente empatados na segunda colocação

O deputado federal Eduardo Braide lidera as intenções de voto à Prefeitura de São Luís, segundo pesquisa do Instituto Prever divulgada neste sábado 4.

O pré-candidato do Podemos aparece isolado, com 43,1%, e poderia até vencer no 1º turno. Bem atrás, tecnicamente empatados, aparecem os deputados Duarte Júnior (Republicanos), com 8,8%; Wellington do Curso (PSDB), com 8,7%; Adriano Sarney (PV), com 7,2%; e Bira do Pindaré (PSB), com 5,9%.

É a primeira pesquisa de campanha eleitoral em São Luís realizada com entrevistas pessoais e domiciliares em meio à pandemia do novo coronavírus, o que coloca em dúvida a precisão dos dados coletados, já que o isolamento social impossibilita incluir todas as estratificações de eleitores.

Ainda segundo a sondagem, o deputado estadual Neto Evangelista (DEM), apesar de declaradamente apoiado pelo PDT, que atualmente comanda a capital, é o sexto colocado, com 5,3% das intenções de voto.

Em seguida aparecem: Carlos Madeira (SD), com 2,4%; Jeisael Marx (Rede), com 1,3%; Rubens Júnior (PCdoB), com 1,2%; e Yglésio Moysés (PROS), com 1%.

Detinha (PL), Silvio Antônio (PRTB), Saulo Arcangeli (PSTU) e Honorato Fernandes (PT) não chegaram a 1% das intenções de votos. E Franklin Douglas (PSOL) não pontuou.

Brancos e nulos somam 5,3%. Outros 8,6% não sabem ou não responderam.

Contratada pela Farol Comunicação e Marketing, o Instituto Prever ouviu 1.006 eleitores, entre os dias 29 de junho e 2 de julho. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos, e possui índice de confiança de 95%.

A pesquisa está registrada sob o número MA-04571/2020.

Eduardo Braide oscila para baixo e sai de 25,2% para 23,3%
Política

Números foram registrados pelo instituto Prever, em maio e agosto

As intenções de voto em Eduardo Braide (PMN-MA) na disputa pela prefeitura de São Luís em 2020 oscilaram negativamente nos últimos meses, saindo de 25,2% em maio para 23,3% em agosto, segundo pesquisa do instituto Prever, divulgada pelo Maramais nesta sexta-feira 4.

A pesquisa mais recente foi realizada na capital maranhense entre os dias 23 a 25 de agosto, em 100 bairros. Foram ouvidas 888 pessoas, em 16 regiões da cidade. A margem de erro é de 3,8 pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.

No cenário espontâneo em que Braide aparece com 23,3%, Duarte Júnior (PCdoB) aparece em segundo colocado, com 4,6%. Em maio, ele tinha 2,1%.

Ainda no levantamento espontâneo, Wellington do Curso (PSDB) aparece em terceiro lugar com 3,2%. Em maio, aparecia com apenas 1,0%.

Os demais resultados da espontânea são: Tadeu Palácio com 2,4%; Bira do Pindaré (PSB) com 1,5%; Allan Garcês (PSL) com 1,4%; Osmar Filho (PDT) com 1,2%; Neto Evangelista (DEM) com 1,0%; Adriano Sarney (PV) com 1,0%. Outros nomes citados pelos entrevistados não chegaram a 1%, e 49,8% não sabem em quem votar.

Maioria esmagadora vê governo Flávio Dino igual ou pior ao de Roseana, diz pesquisa
Política

Levantamento é do Instituto Prever. Apenas 35,7% dos entrevistados acham o governo comunista melhor que o anterior

Em pouco mais de um ano e meio a frente do Palácio dos Leões, o governador Flávio Dino (PCdoB) não conseguiu elevar sua popularidade, nem os níveis de aprovação de sua administração. Além disso, o discurso da mudança, pregado massivamente durante a campanha eleitoral de 2014, ainda não surtiu efeito em melhorar as perspectivas da população da capital do Maranhão. É o que mostra uma pesquisa do Instituto Prever.

Para a maioria esmagadora de 61,2% dos entrevistados, o governo Flávio Dino está indo igual ou pior ao da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB). Os que consideram a gestão comunista melhor do que a da peemedebista somam apenas 35,7%. Outros 3,1% não souberam ou não quiseram responder.

Ao todo, foram entrevistados 700 pessoas entre os dias 22 a 24 de julho. O levantamento foi contratado pelo Blog do Neto Ferreira e possui 95% de grau de confiança e uma margem de erro estimada em 2%. A sondagem está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número MA-02842/2016.

Servidor público desvalorizado

A pesquisa confirma denúncia de pelo menos 25 entidades sindicais do estado que participam nesta quinta-feira 28, às 14 horas, em frente ao prédio do Tribunal de Justiça do Maranhão, de um ato público pela valorização dos servidores públicos estaduais. O movimento é o primeiro manifesto das entidades sindicais, que reivindicam ao governador Flávio Dino que reabra o diálogo com as categorias, busque um entendimento junto aos pleitos dos servidores e cumpra com o prometido durante a campanha eleitoral.

Eles denunciam o congelamento de salários e reivindicam a garantia das perdas salariais históricas e a reposição inflacionária do ano anterior, não concedida pelo comunista, no montante de 10,67%.

Segundo as entidades sindicais, o funcionalismo público do Maranhão se encontra num momento em que não há valorização da carreira em consequência da não abertura de diálogo ou canal de negociação com o governador do Flávio Dino, que ainda quer retroagir direitos já garantidos como os 21,7%.

Wellington diminui diferença de empate técnico e se consolida como menos rejeitado
Política

Levantamento é do Instituto Prevê. Edivaldo Holanda Júnior segue como mais rejeitado pela população de São Luís

Levantamento do Instituto Prever/Blog do Neto Ferreira, divulgado nesta quinta-feira 28, aponta que o pré-candidato o prefeito de São Luís, deputado Wellington do Curso (PP), conseguiu diminuir a diferença de empate técnico e se consolidou com o menos rejeitado pela população da capital.

De acordo com os números, o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), aparece na liderança com 22,7% das intenções de votos, seguido pela deputada federal Eliziane Gama (PPS), com 19,1%. O progressista Wellington do Curso, que no levantando anterior do mesmo instituto, de junho, aparecia com 18,2%, agora aparece com 18,8%.

Em seguida, aparecem o deputado Eduardo Braide (PMN) com 4,6% e a vereadora Rose Sales (PMB) com 4,0%. Por último, aparece o vereador Fábio Câmara (PMDB) com 3,5%. Não sabem ou não responderam com 6,0% e nenhum/branco com 21,2%.

A sondagem também avaliou o índice de rejeição por parte dos eleitores em relação ao pré-candidatos. Edivaldo segue absoluto como o mais rejeitado de todos, com 35%. Em seguida, 11,4% dos eleitores afirmaram que não votariam de jeito nenhum em Eliziane Gama; e 9,6% em Fábio Câmara .

Rose Sales tem rejeição de 6,3%; Eduardo Braide 5,9%, e Wellington do Curso se consolidou como o menos rejeitado, com apenas 2,5%. Não souberam ou não responderam surgem 20,1% e não rejeito nenhum com 9,2%.

O Instituto Prever ouviu 700 pessoas entre os dias 22 a 24 de julho. A margem de erro de 3,7% para cima ou para baixo, com intervalo de confiança de 95%. A sondagem está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número MA-02842/2016.