Enem
Metrópoles mostra estado de abandono de escola no Maranhão
Maranhão

Em reportagem especial, site do Distrito Federal mostra os rincões do Brasil onde o ensino pede socorro. Unidade estadual em Jatobá está entre as piores em desempenho de todo o país

Reportagem especial produzida pelo Metrópoles, portal de notícias do Distrito Federal (DF), percorreu três estados (Maranhão, Acre e Sergipe) que tiveram a pior nota no Enem em 2013, 2014 e 2015 para entender a que ponto de abandono precisa chegar uma escola para ser taxada como “a pior do Brasil”.

No Maranhão, a unidade de ensino médio visitada foi o colégio Aluísio Azevedo, que funciona na zona rural do município de Jatobá. A unidade – anexo de Cachimbo, instituição matriz que fica na região urbana do município – teve a menor média nas provas objetivas do Enem em 2014. Segundo um funcionário da regional, “essa escola é como filho que pai colocou no mundo, mas não cria”.

A visita ao Aluísio Azevedo, diz o Metrópoles, aconteceu há exatamente uma semana, dia 7 de novembro. A gestora da região, Geralda Alves, concordou em receber a equipe e mostrar o espaço, mas, no dia do encontro, sem avisar, chamou um ônibus e levou todos os alunos da escola para a sede, mais bem cuidada e apresentável aos olhos da imprensa.

Os estudantes, porém, questionaram essa atitude, tomaram posse da chave da filial do Aluísio Azevedo e convidaram a reportagem para pegar o ônibus de volta a Cachimbos. Na unidade, mostraram o que o governo estadual – responsável pelo ensino médio – gostaria de esconder: a situação só piorou desde 2014 e está longe de ser uma “Escola Digna”.

“Antes, o colégio ficava em um prédio um pouco melhor. O lugar onde está hoje é emprestado pelo município e tem menos condições ainda que o anterior de abrigar as turmas. Já sugeri que arrumassem um ônibus para levar os meninos para a sede, mas os gestores da região dizem que não é possível”, admitiu à reportagem o diretor da unidade, Reijunior Soares.

Os alunos do anexo de Cachimbos são agricultores, em maioria. Depois de trabalhar o dia inteiro, eles vão ao colégio à noite para tentar aprender, mas lá não encontram sequer iluminação adequada. Há duas lâmpadas fracas em cada sala e sempre há disputa para sentar debaixo do único ventilador do local, onde a temperatura ultrapassa os 40°C com facilidade.

Não há internet, computador e nem carta chega ao bairro. A limpeza também é um problema: não existe funcionário para desempenhar a função, que fica por conta de uma voluntária da comunidade. Banheiros ficam dias sem ver água. Sem biblioteca, os poucos livros didáticos ficam jogados no chão, em um corredor. Como não há salas suficientes, parte das aulas é dada no pátio.

“A gente se sente humilhado numa situação como essa. Trabalho por boa vontade, com fé na mudança, mas tenho até que reaproveitar giz e apagar o quadro com papel higiênico”, diz Feliciana Lima, professora do anexo.

Acesse a reportagem completa do Metrópoles.

Colun obtém melhor desempenho no Enem entre as instituições públicas do MA
Maranhão

Resultado foi divulgado nessa terça-feira 4, pelo Inep

O Colégio Universitário da Universidade Federal do Maranhão (Colun/UFMA) obteve o melhor desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) entre todas as escolas públicas do Maranhão em 2015. O resultado foi divulgado nessa terça-feira 4, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), do Ministério da Educação (MEC).

A lista contempla as 14.998 escolas que cumpriram o critério de ter, no mínimo, dez alunos participantes do Enem 2015 com taxa de desempenho igual ou superior a 50%. Os resultados também contabilizam os 1.212.908 estudantes matriculados no 3º ano do ensino médio regular declarados no Censo da Educação Básica de 2015 e que realizaram as quatro provas objetivas e a prova de redação do exame.

Para a coordenadora do Núcleo Técnico Pedagógico (NTP) do Colun, Maria Jandira de Andrade Sousa, o resultado do colégio é fruto de ações iniciadas desde o ensino fundamental. “Também realizamos um bom trabalho mesmo junto àqueles que ingressam no Colégio Universitário no ensino médio. O planejamento é pensado num currículo vasto”, afirma.

O trabalho, como explicou, é intensificado no 3º ano do ensino médio, onde os alunos têm carga horária ampliada, com revisões pontuais, acompanhamento em tempo integral, aulas extras, projetos de pesquisa e extensão, dentre outras atividades extracurriculares. “Além disso, os conselhos de classe são fundamentais para esse desenvolvimento, tendo em vista que junto aos estudantes é possível identificar os erros, apontar soluções e tomar devidas providências”, completa Jandira.

O diretor do Colégio Universitário, Reginaldo Manoel Almeida Moraes, atribui o bom desempenho do Colun pelo nível de qualificação dos professores e compromisso destes com a educação pública. “No 3º ano o regime é diferenciado com aulas específicas, curso de férias e revisões”, destaca.

Para o professor da disciplina de Música do Colun, Micael Carvalho dos Santos, a o resultado é um orgulho e premia o empenho do corpo docente. “Essa conquista é muito importante para UFMA e reflete o nível de competência desta universidade. Justifica o bom investimento orçamentário público feito nos colégios de aplicação (CAP) voltados para a formação de nossos jovens”, comemora.

Governo Flávio Dino prejudica o Enem, afirma Adriano Sarney
Política

Parlamentar reprovou a condução da política estadual de educação, especificamente quanto à demissão de professores contratados e o consequente prejuízo aos alunos

O deputado estadual Adriano Sarney (PV) reprovou, nesta terça-feira 20, a condução da política estadual de educação, especificamente quanto à demissão de professores contratados e o consequente prejuízo aos alunos, principalmente estudantes que estão se preparando para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que será aplicado em todo o país, nos dias 5 e 6 de novembro.

“Estão se aproximando as provas do ENEM e o governador tem prejudicado o ensino no estado neste momento crítico. Tenho visitado diversos municípios e ouvido professores e alunos. Eles dizem enfaticamente que estão sendo prejudicados pela demissão de professores contratados. O governador, por outro lado, diz que vai fazer seletivo, que na realidade só serve para apadrinhados políticos. Por que ele não faz de fato o concurso público? Por que não dá o reajuste para os professores? Essas questões são muito simples de serem respondidas. É porque o governador vive de falsas promessas. Ele é um exímio propagandista e marqueteiro”, declarou o deputado.

Investimento extra FUNDEB

Adriano destacou também informação distorcida do governo sobre a aplicação de recursos estaduais para complementar o FUNDEB (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica), que nas mídias sociais Flávio Dino mostra gráficos e peças informativas para afirmar ter aplicado aproximadamente R$ 360 milhões, em 2015, e R$ 142 milhões, em 2016.

Destarte a propaganda faça parecer excepcional do governo Dino, verifica-se que nos últimos anos da administração Roseana Sarney a complementação do FUNDEB chegou a mais de R$ 1 bilhão, ou seja, mais que o dobro da gestão atual.

Instituto Acqua prorroga inscrições para cursinho gratuito para o Enem em São Luís
Maranhão

Universidade Cidadã terá 40 vagas abertas à comunidade e 40 vagas para profissionais de unidades sob gestão do instituto em parceria com a SES

O Instituto Acqua, em parceria com a Noctuam Ensino e a Secretaria de Estado da Saúde (SES) do Governo do Maranhão, lança no próximo dia 22 de agosto, o projeto Universidade Cidadã, curso preparatório gratuito para o Enem.

A iniciativa, que já é realizada em comunidade de Santo André, em São Paulo, desde maio deste ano, está com inscrições abertas até as 23 horas 59 minutos da próxima segunda-feira 15, e vai oferecer 40 vagas para moradores de São Luís e outras 40 para profissionais de unidades de saúde sob gerenciamento do Acqua em parceria com a SES.

As aulas serão ministradas três vezes por semana em dois horários: das 14 horas às 18 horas e das 18 horas e 15 minutos às 22 horas e 15 minutos. A capacitação para o público em geral será feita na Maternidade Nossa Senhora da Penha, que fica na Rua Dinamarca, Quadra 39 A, s/n, no bairro Anjo da Guarda, enquanto as aulas para os profissionais das unidades de saúde acontecerão no auditório da Maternidade Marly Sarney, localizada na na Avenida Jerônimo de Albuquerque, s/n, no bairro Cohab Anil I.

O Universidade Cidadã possibilita que pessoas de todas as idades participem de aulas preparatórias para o Enem. Além disso, a iniciativa tem como proposta principal oferecer acesso a uma capacitação de qualidade para uma parcela da população maranhense que não teria como investir em um curso particular desse tipo.

O programa prioriza vagas para pessoas de baixa renda e mulheres chefes de família sem trabalho, além de considerar critérios de raça e gênero na seleção dos alunos. Ao abrir espaço para que as pessoas tenham condições de se preparar para o Enem, o Instituto Acqua e a Noctuam Ensino aumentam a autoestima dos alunos e o interesse pela escola, orientam sobre a importância dos estudos para ampliar a condição socioeconômica da família e entregam para a sociedade, ao final do curso, agentes de mudança social.

Benefícios do curso

Entre outras vantagens do projeto, destacam-se os recursos oferecidos para o ensino durante as aulas: todos os participantes receberão apostilas exclusivas, com as questões das últimas cinco provas do Enem comentadas por professores, e terão acesso à plataforma digital Geekie, que contém vídeos, simulados, exercícios e aulas curtas e expositivas das matérias do Ensino Médio cobradas no exame.

O sistema também gera relatórios de desempenho e pode ser acessado por meio de um aplicativo para celular. “Com essa proposta de projeto pedagógico híbrido nós aprovamos em vestibulares seis entre 10 alunos de escolas públicas por meio do Enem e do Prouni, com apenas dois meses de curso em 2015”, contou Diego Zuculin, um dos fundadores da Noctuam Ensino, ao destacar a possibilidade de os alunos obterem descontos em cursos do Ensino Superior por meio de programas de incentivo do governo federal que exigem bons resultados na edição deste ano do Enem.

Os professores do Universidade Cidadã também ministrarão palestras mensalmente sobre temas que incluem apresentação de casos de ex-alunos já atuantes no mercado de trabalho e que tiveram história de vida semelhante à dos participantes do curso. Outro ponto forte do projeto serão as visitas a universidades em São Luís, para possibilitar aos alunos conhecer o ambiente acadêmico que os espera, e os simulados abertos, que proporcionam a todos os interessados em participar do Enem a chance de testar seus conhecimentos nas disciplinas exigidas pela prova.

Inscrições

Para se candidatar a uma das vagas oferecidas pelo Universidade Cidadã é necessário preencher um questionário socioeconômico pela internet. Por meio do link goo.gl/FJ8Dt9, qualquer pessoa responde às perguntas e envia seus dados pessoais para análise. Uma comissão formada por profissionais do Instituto Acqua receberá as informações de todos os inscritos e formará as quatro turmas do curso.

“Queremos proporcionar uma oportunidade para aqueles que sempre sonharam em ingressar em uma faculdade, como por exemplo, mulheres que deixaram o estudo pelo trabalho e educação dos filhos, jovens que trocaram a escola para ajudar a família ou ainda tantas outras pessoas que gostariam de estudar, mas foram impedidas, seja por algum preconceito ou por uma questão socioeconômica”, explicou o diretor-presidente do Instituto Acqua, Ronaldo Querodia.

Entre 22 de agosto e 4 de novembro serão ministradas 150 horas presenciais de curso, além de palestras motivacionais, visitas a universidades, simulados e 300 horas de conteúdo online. “A projeção é que já em 2016 consigamos entre 20 e 30% de aprovação em universidades públicas e até 40% considerando as vagas do ProUni, Fies, universidades federais, estaduais e diplomas de conclusão do Ensino Médio”, avaliou Zuculin.

Mais informações sobre o projeto podem ser obtidas com o Instituto Acqua, pelo telefone (98) 3190-5188.

Enem 2014: Crescimento inventa ranking em que aparece como 1º lugar no Maranhão
Maranhão

Ocupando a terceira locação no estado no ranking do Inep, Crescimento criou soma de notas para desbancar Reino e Educallis

Além de cara e de pontuação pífia, Crescimento ainda manipula dados e faz propaganda enganosa
Divulgação/Escola Crescimento Vergonha alheia Além de cara e de pontuação pífia, Crescimento ainda manipula dados e faz propaganda enganosa

Não bastasse a vergonhosa 408ª colocação no ranking oficial do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o Jardim Escola Crescimento, que levou o bronze entre as escolas privadas do estado mais bem posicionadas - se é que se pode definir assim - no Exame Nacional do Ensino Médio de 2014, resolveu criar uma soma própria de notas em que aparece como 1º lugar do exame no Maranhão.

Criada a partir da média das notas nas provas objetivas e na redação, a nota aplicada pelo Crescimento à própria escola fez com que o Centro Educacional Montessoriano Reino Infantil e Colégio Educallis, respectivamente 213ª e 397ª colocação no geral e 1ª e 2ª  entre as escolas particulares do estado, fossem desbancadas de suas posições oficiais segundo o Inep.

"Iniciamos o 2º semestre de 2015 com uma ótima notícia! Pelo 2º ano consecutivo, conquistamos o 1º lugar no Estado do Maranhão no Enem (resultado total do exame, incluindo média das provas objetivas e redação), além do melhor resultado nas médias de redação do estado. Parabéns aos nossos alunos e profissionais!", diz comentário postado no Facebook pela própria instituição de ensino privado.

A artimanha foi divulgada pelo próprio Jardim Escola Crescimento nas redes sociais, desde as primeiras horas da manhã dessa quinta-feira 6, sem qualquer vergonha ou pudor diante dos alunos e dos pais que já pagam uma das mensalidades mais caras do Maranhão para em troca receber a posição vergonhosa no ranking nacional e a ardil nova colocação.

Enem: Reino, Educallis, Crescimento, Literato e Upaon-Açu não alcançam a 200ª colocação
Maranhão

Cinco das escolas consideradas as mais caras do Maranhão tiveram uma pontuação pífia no Exame Nacional do Ensino Médio de 2014

Imagine o pai ou a mãe que investe, em reais, até 1.500,00 por mês no filho - ou nos filhos - só em mensalidade escolar. Imagine agora esse mesmo pai ou mãe de família que recebe a notícia nada empolgante que a escola que vem recebendo a mensalidade fielmente ficou um pouco ou muito depois da 200ª colocação no Exame Nacional do Ensino Médio. O que você imaginou é o que deve ter ocorrido com quem colocou seu filho - ou os seus filhos - no Centro Educacional Montessoriano Reino Infantil, Colégio Educallis, Jardim Escola Crescimento, Colégio Literato e Upaon-Açu, todos de ensino privado, localizados em São Luís e considerados uns dos mais caros do Maranhão, mas que tiveram resultados risíveis no Exame Nacional do Ensino Médio de 2014.

Ranking Enem das 18 escolas privadas mais caras do MA
Posição Escola Município Média
213 Centro Educacional Montessoriano Reino Infantil São Luís 644,33
397 Colégio Educallis São Luís 629,1
408 Jardim Escola Crescimento São Luís 628,4
853 Colégio Literato Colégio Literato 607,9
940 Upaon Açu São Luís 605,0
1247 Colégio Dom Bosco São Luís 595,9
1465 Complexo Educacional Dom Bosco Balsas Balsas 590,8
1727 Inst Educacional Sul Maranhense COC Impeatriz 584,8
1860 Col Santa Tereza São Luís 582,0
2259 UIRB São Luís 573,9
2359 Col Santa Luzia Imperatriz 572,4
2421 Col Marista Araçagy São José de Ribamar 571,3
2482 CEI-COC São Luís 570,3
2855 Cenaza São Luís 564,1
2867 Esc Santa Terezinha Imperatriz 564,0
2927 Col Batista Daniel de La Touche São Luís 562,9
2936 Colégio O Bom Pastor São Luís 562,8
2977 Esc Dom Pedro II São Luís 562,0

O resultado decepcionante e vergonhoso para o Maranhão foi divulgado nessa quarta-feira (5), pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Se for somada com as posições de outros conhecidos faturadores, como o Colégio Dom Bosco, Complexo Educacional Dom Bosco Balsas, Instituto Educacional Sul Maranhense COC, Colégio Santa Tereza, Universidade Infantil Rivanda Berenice, Colégio Santa Luzia, Colégio Marista Araçagy, Centro de Educação internacional CEI-COC, Cenaza, Escola Santa Terezinha, Colégio Batista Daniel de La Touche, Colégio O Bom Pastor e Escola Dom Pedro II, a lista dos "melhores" colégios particulares maranhenses no Enem 2014 se torna ainda mais alarmante.

Nenhum colégio do Maranhão, nem os necessários públicos ou os caros privados, mais uma vez, chegou perto do "top 20". Como nas edições anteriores, só o Sudeste concentrou, mais uma vez, a maior parte das instituições com melhor desempenho na prova. Foram 70 das 100 melhores colocadas – no exame anterior, haviam sido 77.  A região Nordeste fica em segundo lugar no ranking, com 20 escolas entre as cem melhores na avaliação. Em seguida, aparecem as regiões Centro-Oeste, com seis escolas, Sul, com três, e Norte, com uma. Em números mais detalhados, das 20 escolas mais bem posicionadas, cinco estão em São Paulo; tanto Minas Gerais quanto Rio de Janeiro têm quatro; o vizinho Ceará tem três; o outro vizinho, Piauí, tem duas; e Mato Grosso do Sul e Goiás têm uma escola cada.

A escola com a média geral mais alta do Brasil no Enem 2014 foi o Colégio Objetivo Integrado, de São Paulo.  Criada em para abrigar uma "tropa de elite", a escola já havia ocupado a mesma posição em 2013.

Para amenizar a situação das escolas públicas e privadas de todo o país - e dar alívio principalmente para as particulares do Maranhão - que tiveram resultado pífio, o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, argumentou que o Enem é um elemento, mas não pode ser critério único para definir a qualidade de uma escola.

"Nós queremos dar os dados do Enem, mas mostrar que não são absolutos, podem ser interpretados de formas diferentes. O pai não pode só olhar o ranking puro do Enem ao matricular o filho na escola", afirmou o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro.

O interessante, porém, é que Janine também declarou que não é somente a qualidade da escola e dos professores que determinam o resultado do aluno no Enem. Ele afirmou que a classe social dos estudantes também tem influência no desempenho - caso que não se aplica, em tese, a maioria esmagadora de quem estuda nos maranhenses Reino Infantil, Colégio Educallis, Jardim Escola Crescimento, Colégio Literato e Upaon-Açu.

Maranhão

Luis Henrique Sales quer cursar Engenharia da Computação

Veículos nacionais deram destaque, durante todo esse sábado (24), à brilhante conquista do estudante maranhense Luís Henrique Sales Santos, 19 anos, que junto com outros 249 estudantes em todo o Brasil obteve a nota mil na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2014.

A nota máxima no Enem à redação do maranhense virou destaque no R7, Agência Brasil, Info, O Dia, Folha de S. Paulo, Brasil Post, MSN, Época, O Povo e iG, além de vários blogs nacionais.

O educador Carlos Wellington, fundador do Curso Wellington, e o estudante Luís Henrique
Divulgação Orgulho maranhense O educador Carlos Wellington, fundador do Curso Wellington, e o estudante Luís Henrique

Luis Henrique Sales, que perdeu 25% da audição por consequência de uma paralisia cerebral, é morador do bairro do Gapara, região da periferia da capital maranhense, sempre estudou em escola pública, e fez o preparatório para o Enem em uma das unidades do Curso Wellington.

Ele já havia conquistado uma vaga no Instituto Federal do Maranhão (Ifma) para técnico em mecânica. Agora, o estudante maranhense pretende cursar Ciências da Computação em uma instituição de ensino superior, aguardando para isso apenas o resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que será divulgado nesta segunda-feira (26).