Fred Campos
Inquérito sobre lavagem de dinheiro envolvendo clã Campos será julgado pela 1ª Vara de Paço do Lumiar
Política

Suspeita baseada em relatórios do Coaf é de que Alderico estaria utilizando o pai Flávio e o irmão Fred Campos como laranjas na Qualitech. Pré-candidato a prefeito atribui caso a opositores políticos no município

O inquérito da Polícia Civil do Maranhão sobre possível prática de lavagem de dinheiro envolvendo o pré-candidato a prefeito Fred Campos (PSB) será encaminhado para a 1ª Vara de Paço do Lumiar.

A movimentação foi determinada nessa segunda-feira (5) pelo juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula, da 2ª Vara, após declínio por reconhecimento de incompetência para julgar casos envolvendo a Fazenda estadual e municipal, conforme parecer do Ministério Público.

Além de Fred, o ex-presidente da Câmara do município, Alderico Campos, de quem é irmão, e o empreiteiro Flávio Campos, pai de ambos, são alvos da investigação. A apuração mira ainda a Qualitech Engenharia, empresa da família.

A investigação foi oficialmente instaurada em 2021 pelo 2º Deccor (Departamento de Combate à Corrupção), ligado à Seccor (Superintendência Estadual de Combate à Corrupção), a partir de informações do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontando movimentações financeiras atípicas do clã.

Conforme mostrou o ATUAL7, a principal suspeita é de que Alderico Campos ainda seria o real proprietário da Qualitech, da qual fora sócio até 2011, e que estaria utilizando o pai e o irmão como laranjas, em suposta tentativa de burlar os sistemas de controle e o fisco. Dados levantados pelo 2º Deccor mostram que ele figura como procurador de contas da empreiteira desde 2016.

Em julho do ano passado, embora as suspeitas do Coaf tenham sido reforçadas por dados de quebras de sigilos fiscal e bancários da família Campos e da empreiteira, a Polícia Civil do Maranhão sugeriu o arquivamento da investigação no âmbito criminal e a remessa dos autos para promotorias de probidade.

Contudo, cabe ao Ministério Público definir se formula denúncia criminal contra o clã com base no que já foi apurado, se arquiva o caso ou devolve os autos ao 2º Deccor para cumprimento de novas diligências.

O ATUAL7 não conseguiu o contato de Flávio Campos para comentar o assunto. Uma mensagem privada foi deixada em um perfil de rede social de Alderico Campos, único meio encontrado, mas não houve retorno. A Qualitech Engenharia, procurada por e-mail, também não respondeu a solicitação.

Único a se manifestar, Fred Campos atribuiu o inquérito a opositores políticos em Paço do Lumiar.

“Já tem parecer conclusivo pelo arquivamento. Isso ai foi em 2019, véspera da eleição e que disputei para prefeitura e fizeram com o intuito de me prejudicar, mas após verificarem, perceberam que era uma denúncia infundada e sem qualquer cabimento e pediram o arquivamento. Mais uma fake news que criam diariamente contra mim. Para me atingir. Isso foi denúncia dos nossos adversários da eleição passada”, disse.

“A movimentação dele [Alderico Campos] é irrelevante perto da movimentação da empresa [Qualitech Engenharia]. Ele é funcionário da empresa e tem função administrativa”, completou.

Coaf aponta movimentações suspeitas nas contas de Alderico envolvendo Flávio e Fred Campos
Política

Família de empresários e a Qualitech Engenharia também tiveram os sigilos fiscais e bancários quebrados. Ministério Público vai decidir sobre apresentação de denúncia, arquivamento ou retorno dos autos ao 2º Deccor da Polícia Civil do MA

Um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) aponta movimentações financeiras atípicas do ex-presidente da Câmara de Paço do Lumiar, Alderico Jeferson Abreu da Silva Campos, envolvendo os sócio proprietários formais da empresa Qualitech Engenharia, Flávio Henrique Silva Campos e Frederico de Abreu Silva Campos, respectivamente, pai e irmão do ex-vereador.

O documento, obtido pelo ATUAL7, traz informações sobre movimentações financeiras realizadas entre 2014 e 2020. A reportagem também teve acesso às quebras de sigilos fiscal e bancário da família Campos e da empreiteira, autorizadas pela Justiça a pedido do 2º Deccor (Departamento de Combate à Corrupção), ligado à Seccor (Superintendência Estadual de Combate à Corrupção), da Polícia Civil do Maranhão.

Em julho do ano passado, o 2º Deccor, que atua nos casos de desvio de verbas públicas no âmbito do estado, sugeriu ao Ministério Público estadual o arquivamento do inquérito instaurado com base na relatório de inteligência financeiro do Coaf, sob alegação de não ter observado um mínimo necessário de materialidade em relação aos crimes investigados de atribuição exclusiva do departamento. Contudo, também indicou o compartilhamento das informações levantadas com promotorias onde existam apurações de improbidade administrativa em trâmite.

“Quando o Coaf aponta possíveis indícios de sonegação fiscal, ele o faz com alusão ao imposto de renda, já que se refere a divergências entre movimentações bancárias efetivas e declarações de rendimentos feitas pelo pesquisado. E essa possível sonegação não é matéria da Justiça Estadual. De todo modo, o mesmo relatório que chega à Polícia Civil também é compartilhado pelo Coaf, obrigatoriamente, ao Ministério Público Estadual, à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal, de modo que todos os organismos de controle têm acesso aos dados nele veiculados”, explicou ao ATUAL7 Luiz Augusto Aloise de Macedo Mendes, delegado de Polícia Civil do 2º Deccor, sobre as sugestões feitas ao Ministério Público maranhense.

A reportagem não conseguiu o contato de Flávio Campos. Uma mensagem privada foi deixada em um perfil de rede social de Alderico Campos, único meio encontrado, mas não houve retorno. A Qualitech Engenharia, procurada por e-mail, também não respondeu a solicitação.

Ao ATUAL7, Fred Campos atribuiu o caso à opositores políticos em Paço do Lumiar, município da Região Metropolitana de São Luís onde também já foi vereador, e no qual disputou em 2020, sem sucesso, o comando da prefeitura –e pretende concorrer novamente, nas eleições de 2024.

“Já tem parecer conclusivo pelo arquivamento. Isso ai foi em 2019, véspera da eleição e que disputei para prefeitura e fizeram com o intuito de me prejudicar, mas após verificarem, perceberam que era uma denúncia infundada e sem qualquer cabimento e pediram o arquivamento. Mais uma fake news que criam diariamente contra mim. Para me atingir. Isso foi denúncia dos nossos adversários da eleição passada”, disse.

“A movimentação dele [Alderico Campos] é irrelevante perto da movimentação da empresa [Qualitech Engenharia]. Ele é funcionário da empresa e tem função administrativa”, completou.

No período analisado pelo Coaf, Alderico efetuou em sua conta bancária 223 movimentações financeiras, parte em dinheiro em espécie, consideradas suspeitas pelo órgão que investiga lavagem de dinheiro, em razão do padrão pouco usual e acima da capacidade econômico-financeira para quem, à época, era vereador. Atualmente empresário do ramo da construção civil, ele ocupou uma cadeira no Legislativo luminense por duas vezes seguidas, de 2009 a 2016, tendo comandado a Casa no primeiro mandato.

A principal suspeita levantada pelo Coaf é de que Alderico ainda seria o real dono da Qualitech, da qual fora sócio até 2011, e que estaria utilizando o pai e o irmão como laranjas, em suposta tentativa de burlar os sistemas de controle e o fisco. Dados levantados pelo 2º Deccor mostram que ele figura como procurador de contas da empreiteira desde 2016.

No total, foram movimentados mais de R$ 8,5 milhões. Entre 1º de janeiro de 2014 a 30 de junho de 2015, foram mais de R$ 4,2 milhões; entre 20 de abril de 2018 a 9 de abril de 2019, mais de R$ 2,6 milhões; e entre 10 de abril de 2019 a 29 de fevereiro de 2020, mais de R$ 1,6 milhão.

Com a empreiteira do núcleo familiar, o pai, o irmão e a Conveniência Sofia Campos, de propriedade de Fred Campos e Darlene Marciana de Abreu Silva Campos, mãe do ex-vereador, aponta a investigação, foram movimentados grandes volumes.

Em síntese, o relatório de inteligência financeira aponta ainda que ocorreram movimentações atípicas com pessoas com as quais Alderico Campos, aparentemente, não teria relações pessoais ou negociais, como agentes públicos, empresas de construção, comércio de combustível, vendedores, advogados, entre outros.

Há indícios de lavagem de dinheiro e sonegação fiscal, segundo o Coaf. A movimentação atípica, porém, só é considerada crime quando a origem do dinheiro for comprovadamente ilícita.

No âmbito estadual, a apuração tramita na 2ª Vara de Paço do Lumiar, sob responsabilidade do juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula, após declínio de competência da 4ª Vara Criminal de São Luís, em decisão proferida no final de outubro de 2023 pela juíza Ana Cristina Ferreira Gomes de Araújo, para o processo e julgamento do caso.

No último dia 4 de janeiro, o magistrado abriu prazo de 15 dias para o Ministério Público maranhense se manifestar sobre as sugestões apresentadas pelo 2º Deccor.

Cabe ao MP-MA, como coordenador e executor da ação penal pública, além de fiscal da atividade finalística das unidades policiais, definir se haverá denúncia criminal contra a família Campos, arquivamento do caso ou retorno dos autos ao 2º Departamento de Combate à Corrupção para novas diligências.

Promotoria decreta sigilo em investigação sobre lavagem de dinheiro envolvendo Fred Campos
Política

Candidato a prefeito de Paço do Lumiar já é alvo de três procedimentos preparatórios no âmbito do MP Eleitoral

A Promotoria Eleitoral que atua junto à 93ª Zona Eleitoral decretou sigilo sobre todo o procedimento preparatório instaurado em agosto para apurar suposta lavagem de dinheiro e corrupção eleitoral envolvendo o candidato a prefeito de Paço do Lumiar, Fred Campos (PL).

A decisão de blindar o acesso do eleitor comum às movimentações da investigação foi confirmada ao ATUAL7 pela assessoria do Ministério Público do Maranhão, nessa quarta-feira 9, após consulta inicial no SIMP (Sistema Integrado do Ministério Público).

Na resposta, o MP informou que a Promotoria Eleitoral “decretou o sigilo do processo para garantir a eficácia das investigações”. A responsável pelo procedimento é a promotora Nadja Veloso Cerqueira.

Via de regra, a adoção de sigilo ocorre quando o órgão investigador pretende pedir à Justiça a decretação de medidas cautelares, como busca e apreensão, contra alvos da apuração.

Conforme mostrou o ATUAL7, indícios preliminares do procedimento preparatório eleitoral apontam que Fred Campos estaria oferecendo vantagens no posto de combustível Júlia Campos II, de sua propriedade, a moradores de um condomínio em Paço do Lumiar.

A apuração sobre suposta lavagem de dinheiro e corrupção eleitoral, inclusive, já está mais avançada que outras duas — uma por envolvimento do candidato a prefeito em possível pagamento por serviços de plotagem em veículos com propaganda do PL e outra por distribuição de títulos de regularização fundiária no município. Esta última envolve a Secid (Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano).

MP Eleitoral pede apoio do Gaeco em 3ª investigação envolvendo Fred Campos
Política

Procedimento apura se houve pagamento por plotagem de veículos em Paço do Lumiar promovendo o número do PL, partido do pré-candidato a prefeito

O Ministério Público Eleitoral no Maranhão abriu um procedimento preparatório para apurar a circulação de veículos particulares em Paço do Lumiar, com adesivos perfurados no vidro traseiro, divulgando o número do Partido Liberal (PL), que tem como pré-candidato a prefeito do município o advogado Fred Campos.

Segundo a promotora Nadja Veloso Cerqueira, da 93ª Zona Eleitoral do Maranhão, a investigação vai apurar se os veículos estariam promovendo o número do PL de forma intencional, o que pode revelar possível recompensação financeira pelo serviço.

“O § 8º do art. 37 da LE estatui que a veiculação de propaganda eleitoral em bens particulares deve ser espontânea e gratuita, sendo vedado qualquer tipo de pagamento em troca de espaço para esta finalidade”, destaca Nadja Cerqueira na portaria que instaurou o procedimento, na última quarta-feira 2.

Entre as diligências determinas pela promotora Eleitoral consta ofício ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas), para averiguação de eventual ligação entre a plotagem do PL em Paço do Lumiar e o pré-candidato a prefeito do município pelo partido, sobretudo se por recrutamento pago.

É a terceira investigação aberta sobre suposto ilícito eleitoral envolvendo Fred Campos, e a primeira com auxílio direto do Gaeco —atualmente sob coordenação do promotor Luiz Muniz Rocha Filho, por designação do procurador-geral de Justiça, Eduardo Jorge Hiluy Nicolau.

Conforme mostrou o ATUAL7, as demais apurações tratam, respectivamente, sobre suposta distribuição de títulos de regularização fundiária em Paço do Lumiar e lavagem de dinheiro, esta última com a investigação já mais avançada.

MP Eleitoral instaura novo procedimento contra Fred Campos, envolvendo títulos de terras
Política

Pré-candidato a prefeito de Paço do Lumiar já é investigado por suposta lavagem de dinheiro e corrupção eleitoral

O MPE (Ministério Público Eleitoral) no Maranhão instaurou procedimento, na terça-feira 1º, parar apurar suposta distribuição de títulos de regularização fundiária em Paço do Lumiar pelo pré-candidato a prefeito do município pelo PL, Fred Campos.

Responsável pela investigação, a promotora Nadja Veloso Cerqueira expediu uma série de requerimentos à Secid (Secretaria de Estado da Cidade e Desenvolvimento Urbano), em busca de esclarecimentos sobre como os documentos teriam ido parar em posse do pré-candidato.

As solicitações, segundo ela, consideram “a gravidade do noticiado, pois, em tese, podem os fatos configurar crime eleitoral”.

O procedimento também tem como alvo os vereadores Lourinho da Van (Republicanos) e Rafael Neves (PL).

É o segundo procedimento aberto contra Fred Campos relacionado às eleições de 2020, em pouco mais de duas semanas.

No primeiro, instaurado no último dia 19, e já avançado, o MP Eleitoral apura suposta lavagem de dinheiro e corrupção eleitoral, envolvendo um posto de combustível do pré-candidato do PL.

Investigação sobre Fred Campos por suposta lavagem de dinheiro avança no MP Eleitoral
Política

Procedimento apura se pré-candidato a prefeito de Paço do Lumiar teria oferecido vantagens a moradores de um condomínio que fica na cidade. Também há suspeita de corrupção eleitoral

O Ministério Público Eleitoral no Maranhão recebeu, na semana passada, ofício e certidão sobre informações solicitadas ao 2º Ofício Extrajudicial de Paço do Lumiar pela promotora Najda Veloso Cerqueira, no bojo de um procedimento preparatório instaurado no último dia 19, para apurar suposta corrupção eleitoral e lavagem de dinheiro envolvendo o advogado Fred Campos, pré-candidato a prefeito do município pelo PL.

O procedimento consta como “concluso” para deliberações da promotora, que responde pela 93ª Zona Eleitorado do Maranhão.

Conforme mostrou o ATUAL7, indícios preliminares que levaram o MP Eleitoral a abrir a investigação apontam que Fred Campos estaria oferecendo vantagens no posto de Gasolina Júlia Campos II, de sua propriedade, aos moradores de um condomínio localizado em Paço.

Um dos trechos de print de uma rede social, anexado aos autos, promete que “cada unidade pode cadastrar a quantidade de veículos que quiser e o condomínio receberá R$ 0,10 (dez centavos) por litro abastecido”.

A investigação tem o prazo de 60 dias, mas pode ser concluída antes.

MPE apura suposta corrupção eleitoral e lavagem de dinheiro envolvendo Fred Campos
Política

Órgão investiga se pré-candidato a prefeito de Paço do Lumiar ofereceu vantagens a moradores de um condomínio que fica na cidade

O MPE (Ministério Público Eleitoral) instaurou procedimento preparatório para apurar suposta corrupção eleitoral e lavagem de dinheiro envolvendo o pré-candidato a prefeito de Paço do Lumiar, Fred Campos (PL).

As investigações tiveram início no último dia 19, sob comando da promotora Nadja Veloso Cerqueira, responsável pela 93ª Zona Eleitoral do Maranhão.

Segundo indícios preliminares, um print de uma conversa por rede social do síndico do Condomínio Praza das Flores II, na Mercês, em Paço do Lumiar, “conta a preocupação do pré-candidato Fred Campos em oferecer vantagens aos condôminos e os conclama a cadastrarem veículos no Posto de Gasolina Júlia Campos II, de bandeira Shell, localizado no cruzamento entre a Rua Santo Antônio e a Rodovia MA 204, no chamado ‘Joelho de Porco’”.

A mensagem, de posse do MPE, diz ainda que “cada unidade pode cadastrar a quantidade de veículos que quiser e o condomínio receberá R$ 0,10 (dez centavos) por litro abastecido”.

“Em tese, podem os fatos configurar corrupção eleitoral e lavagem de dinheiro de gasto eleitoral a requerer a coleta de mais subsídios necessários à atuação do Ministério Público Eleitoral perante a Justiça Eleitoral”, destaca a promotora eleitoral da portaria que abriu o procedimento.

Como diligências, ela determinou a expedição de requisição ao 1º Ofício Extrajudicial de Paço do Luminar, para que informe os proprietários de imóveis e respectivas unidades do Condomínio Plaza das Flores II, no prazo máximo de três dias.

Também foi requisitado ao 2º Ofício Extrajudicial de Paço do Limiar informações, por certidão de inteiro retor, do registro da ata da última assembleia geral de escolha de síndico do condomínio.

Os levantamentos devem ser concluídos em até 60 dias.