Peritoró
Dívidas previdenciárias provocam bloqueio do FPM de 11 prefeituras do MA
Economia

Capital e mais 10 cidades do interior do estado tiveram o repasse zerado ou alvo de corte pelo governo federal

Na primeira e segunda cota do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), do ano de 2019, ao menos 11 prefeituras municipais do Maranhão tiveram o repasse zerado ou alvo de corte pelo governo federal, devido a dívidas previdenciárias das administrações municipais.

Segundo consulta do ATUAL7 aos dados públicos do Tesouro Nacional, feita nesta segunda-feira 21, no primeiro decêndio tiveram bloqueio pela Secretaria da Receita Federal (SRF) os municípios de Bacabal (Edvan Brandão), Buriticupu (Zé Gomes), Paço do Lumiar (Domingos Dutra) e Santana do Maranhão (Fransquin Tavares).

Os outros atingidos pelo bloqueio, a partir do segundo decêndio, foram Bacabeira (Fernanda Gonçalo), Chapadinha (Magno Bacelar), Colinas (Valmira Miranda), Peritoró (Pe. Jozias), Santa Quitéria do Maranhão (Alberto Rocha), São Benedito do Rio Preto (Maurício Fernandes) e São Luís (Edivaldo Holanda Júnior).

O FPM é principal fonte de receita para a maioria dos municípios brasileiros.

A transferência tem como base a arrecadação do Imposto de Renda (IR) e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de acordo com o número de habitantes.

===

ERRAMOS: Por erro de digitação, divulgamos inicialmente que 14 prefeituras haviam sido alvo do bloqueio, mas a quantidade correta, conforme os nomes dos municípios apontados na publicação inicial, é de apenas 11.

Em Peritoró, PDT e PCdoB se unem e lançam mulher de ficha suja à prefeitura
Política

Escolha foi decidada após intervenção do secretário Márcio Jerry. Vice ficou com a desconhecida Lorena Macedo

O PDT e o PCdoB definiram chapa, na última sexta-feira 29, para a disputa pela Prefeitura de Peritoró em outubro próximo.

A unção foi derramada na cabeça de Joana Maria Soares Mendes, a Joana da Amovelar (PDT), alcunha ganhado em referência ao seu marido, o ex-prefeito de Coroatá, Luís Mendes Ferreira, o Luis da Amovelar, ficha suja condenado pela justiça estadual e federal em diversos processos por embolsar dinheiro público.

Segundo divulgado por aliados, o martelo foi batido após intervenção do secretário de Comunicação e Articulação Política do governo Flávio Dino, Márcio Jerry Barroso. Na vice, a unção caiu sobre a desconhecida Lorena Macedo (PCdoB), esposa do deputado estadual Fábio Macedo (PDT).

Essa é a segunda vez que a mulher de Amovelar tenta o controle do município. A primeira foi em 2012, quando foi retirada da disputa pela Justiça Eleitoral em decorrência do marido ainda estar no comando da Prefeitura de Coroatá, do qual Peritoró é termo judiciário e contíguo.

Atualmente a cidade é administrada pelo prefeito Jozias Lima Oliveira, o Padre Josias (PTN), que concorre à reeleição.

Bom Dia Brasil desmascara prefeito de Peritoró sobre escolas em casebres
Política

Reportagem mostrou que pelo menos cinco escolas do município funcionam em barracões de palha e chão batido

Reportagem do Bom Dia Brasil, dessa sexta-feira 11, desmascarou o prefeito de Peritoró, Padre Josias, e o secretário municipal de Educação, Jhonadison Fernando Higino Delgado. Após repercussão de um vídeo nas redes sociais, que mostra crianças em um casebre que funciona como escola, a prefeitura lançou nota em que garante que a gravação foi montada, e diz ainda que acionaria o Ministério Público do Maranhão e o Conselho Tutelar da cidade para denunciar o que chamou de “fato político”.

Os 2 minutos e 52 segundos da reportagem, porém, mostra que o secretário Jhonadison Higino Delgado, que assina a nota oficial da prefeitura, não somente mentiu, como outras quatro escolas em Peritoró também funcionam em barracões cobertos de palha e chão de terra batida.

Em um dos trechos do vídeo, o menino Taylan Maia, de apenas 9 anos, mostra como está escola: “Aqui não tem filtro, o que tinha está quebrado, nem banheiro a gente tem. Não tem onde colocar livro. Não tem a merenda que a gente está precisando”, diz.

Além do menino, pais e até um professor, apesar da possibilidade de sofrer represálias, também confirmam o descaso do prefeito Padre Josias com a educação pública municipal.

Como Padre Josias não foi encontrado pela reportagem do Bom Dia Brasil, coube ao secretário municipal de Educação, que mentiu na nota oficial da prefeitura, apresentar uma nova versão diante das câmeras.

Agora, com a triste realidade das crianças que precisam estudar vindo a tona em rede nacional, em vez de acionar, Jhonadison Higino Delgado é quem deve ser acionado pelo Ministério Público.

Assista a reportagem completa abaixo:

-->