Fake News
Ednaldo Neves e irmão de Jerry são denunciados à PF por fake news
Política

Denúncia foi formulada pelo PV, do deputado Adriano Sarney. Também foram denunciadas outras duas pessoas, identificadas como Antônio Fabrício Oliveira Silva e Uberlandes Alves

O secretário de Comunicação do governo Flávio Dino, Ednaldo Neves, e o assessor especial do IFMA (Instituto Federal do Maranhão), Samuel Barroso, que é irmão do ex-auxiliar da pasta no Palácio dos Leões, Márcio Jerry Barroso, foram denunciados à Polícia Federal por disseminação da chamada fake news – notícias falsas, em tradução livre. Eles foram denunciados ainda à Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) no Maranhão.

A denúncia foi formulada pelo Partido Verde (PV), conforme divulgado, nesta quarta-feira 23, pela assessoria do deputado estadual Adriano Sarney, presidente na legenda no estado, e pelo blog do Gilberto Léda. Constam ainda na denúncia os nomes de duas pessoas identificadas como Antônio Fabrício Oliveira Silva e Uberlandes Alves.

Segundo a assessoria de Adriano e Léda, Neves e Barroso são acusados de haverem compartilhado, respectivamente, por meio do aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp e pela rede social Facebook, uma foto manipulada sobre o evento em que a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) confirmou que é pré-candidata ao Palácio dos Leões. Na imagem adulterada, o rosto do presidente da República, Michel Temer (MDB), foi colocado sobre o rosto do deputado federal Hildo Rocha.

O objetivo seria colar a baixa popularidade de Temer em Roseana.

As outras duas pessoas denunciadas, Fabrício e Uberlandes, também teriam espalhado a fraude pelo WhatsApp e redes sociais.

A fake news, segundo o Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições – colegiado formado por representantes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do governo e da sociedade civil para discutir estratégias de combate à disseminação de notícias falsas –, por ter o intento de manipular a opinião pública, pode desestabilizar a disputa eleitoral, por influenciar no resultado eleição de 2018 e prejudicar adversários políticos.

Outro lado

Ao ATUAL7, Samuel Barroso alegou que não sabia que a imagem havia sido adulterada, e que tão logo tomou conhecimento da falsa informação, teria apagado o conteúdo de seu perfil na rede social.

“Não percebi que era fake, dada a perfeição da montagem (há até matéria reconhecendo a perfeição), e logo que alertado, excluí a publicação, isso porque sou terminantemente contra fakes, tendo, inclusive, já patrocinado campanhas contra fakes nos grupos sociais que administro e/ou participo,alertando as pessoas sobre tais condutas, as quais constituem crime. E, sabedor que sou que se trata de crime, não seria ingênuo de incorrer, propositadamente, em tal delito. Assim, resta claro que se tratou de um equívoco, imediatamente reparado”, disse.

Procurado, o secretário de Comunicação Ednaldo Neves não retornou o contato até a publicação desta matéria.

Roberto Rocha é vítima de fake news em pré-candidatura ao governo
Política

Senador diz que informação disseminada é inverídica e tem cunho eleitoreiro. Ele se afastou da atividade parlamentar para acompanhar o tratamento do filho caçula

Nos últimos quatro anos, com o aumento do acesso à internet pelo celular e o avanço das mídias sociais e aplicativos de mensagens, a disseminação de notícias falsas, conhecidas como fake news, se tornou comum no Maranhão. A vítima atual é o senador e pré-candidato ao Palácio dos Leões, Roberto Rocha (PSDB).

Possivelmente se aproveitando do afastamento do parlamentar das redes sociais, e de conversas políticas que Rocha manteve com outros pré-candidatos ao governo, foi criada e disseminada a notícia de que ele teria desistido da disputa, em prol do deputado Eduardo Braide (PMN). A informação, porém, é inverídica — e até desumana.

De acordo com o próprio Roberto Rocha, a fake news pode ter sido utilizada politicamente para atingi-lo num momento de extrema fragilidade pessoal. O filho mais novo do senador foi diagnosticado, no mês passado, com um um tipo raro de câncer, levando-o a deixar a atividade parlamentar em segundo plano — o que já havia sido feito anteriormente, quando um outro filho do senador teve de passar por uma delicada cirurgia.

Apesar da Polícia Federal haver instalado um grupo de trabalho em conjunto com outros órgãos federais para coibir informações falsas durante as eleições deste ano, na nota distribuída sobre o assunto, Rocha não informa se levará o caso ao conhecimento da PF. Ele apenas lembra sobre o momento de fragilidade familiar que vem passando e sugere que a fake news tem cunho eleitoreiro, questionando quem teria interesse na falsa informação.

Abaixo, a nota do parlamentar:

A QUEM INTERESSA A MENTIRA?

Circulam pelas redes sociais, alimentadas por blogs bem pagos, notícias falsas anunciando a minha desistência da pretensão de concorrer nas próximas eleições ao Governo do Estado.

Nenhum dos jornalistas ou blogueiros que replicam a informação teve a decência de cumprir o mínimo dever profissional de me ouvir antes.

A informação é absolutamente falsa, mas serve a interesses bem identificáveis, na lógica política.

Desconfio ainda que não seja coincidência o fato da notícia se propagar num momento em que atravesso a mais difícil provação pessoal, que impõe fragilidades a qualquer pai quando se vê lutando pela saúde de um filho.

É contra essa cultura política atrasada, hostil e mesquinha que estou construindo um campo político de renovação para o nosso Maranhão.

Senador Roberto Rocha