Fake News
Guia do CGI.br traz dicas para evitar desinformação e fake news nas eleições
Política

Iniciativa busca incentivar o combate à desinformação e servir como referência para gestores públicos, empresas e usuários de internet

O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) lançou, nessa terça-feira 14, um guia de combate à desinformação e à disseminação de notícias falsas, as chamadas fake news, no processo eleitoral de 2018.

A publicação, disponível gratuitamente na internet, é resultado de debates promovidos pela entidade em abril deste ano com especialistas da comunidade científica e tecnológica, terceiro setor, setor empresarial e setor governamental, e traz dicas práticas para que os eleitores não sejam vítimas ou compartilhem notícias falsas.

Denominado Internet, Democracia e Eleições, o guia pretende facilitar ao eleitor a separação do que é fato e do que é opinião. O material tem como objetivo informar a população e servir como referência para formuladores de políticas públicas, membros do Judiciário e representantes das empresas de internet.

Segundo a própria CGI.br, a iniciativa reflete as preocupações do comitê com recentes escândalos envolvendo a disseminação de desinformação de forma coordenada, além da multiplicação de agressões direcionadas a grupos específicos. “A importância que a Internet assumiu para a política vem suscitando intensos debates nacional e internacionalmente. É essencial que o CGI.br contribua com essa discussão por meio do Guia, buscando o fortalecimento da democracia no País e um processo eleitoral transparente por meio da Internet”, ressalta o coordenador do órgão, Maximiliano Martinhão.

O guia Internet, Democracia e Eleições está dividido em cinco partes e inclui uma explicação sobre o funcionamento das redes sociais e o modelo de negócios adotado por várias empresas de internet; questões relativas às eleições, a propaganda eleitoral e aos fenômenos de desinformação online; diretrizes que devem ser observadas pelos agentes empenhados no combate à desinformação; dicas para não ser vítima ou compartilhar notícias falsas, além da compilação de fontes de informação adicionais.

Combate às fake news é o desafio das eleições de 2018 no Maranhão
Política

TRE/MA terá Comitê de Segurança e Inteligência para combater notícias falsas. O ATUAL7 checou a informação de que Flávio Dino seria o governador mais eficiente do país

Inibir a divulgação de notícias falsas é uma das principais preocupações da Justiça Eleitoral no pleito deste ano. O diretor-geral do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão, Flávio Vinicius Araújo Costa, deu detalhes em entrevista à TV Assembleia na semana passada sobre o trabalho que deve ser desempenhado pela Corte para coibir a publicação de fake news.

De acordo com Flávio Costa, o TRE/MA já definiu todos os procedimentos a serem adotados e, inclusive, conta com auxílio do jornalismo profissional. Também está sendo montado um Comitê de Segurança e Inteligência dentro do tribunal.

“Considerando a dupla função da Justiça Eleitoral, qual seja, a de organizar e julgar as eleições, asseguro que já estamos preparados. Atuaremos em parceria com diversos órgãos, entre os quais, o Ministério Público Estadual, Federal e Eleitoral, e principalmente, com a boa imprensa”, disse.

A recente divulgação do resultado de um acompanhamento feito G1, da Globo, sobre as promessas dos chefes do Executivo ao longo dos últimos três anos e meio, por exemplo, movimentou as redes sociais, sites, blogs, impressos, emissoras de rádio e TV nos últimos dias. A avaliação em 37 promessas de campanha do governador do Maranhão foi exaustivamente compartilhada até pelo próprio Flávio Dino (PCdoB). Muito se especulou sobre a veracidade das informações.

Diante disso, o ATUAL7 analisou o resultado divulgado pelo G1. Outras checagens em informações disseminadas pelos políticos serão feitas ao longo da época eleitoral, na sessão de verificação de fatos e dados Fact Checking, lançada nesta quinta-feira 19.

Nós checamos

Segundo Flávio Dino, o resultado do G1 aponta que ele seria o governador mais eficiente do país, pois teria cumprido o total de 95% de suas promessas de campanha apresentadas à população no pleito passado, o que não condiz com a verdade.

Conforme consulta do ATUAL7 ao sistema DivulgaCand (Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Flávio Dino apresentou o total de 65 propostas de campanha eleitoral em 2014, e não apenas 37. Foi o departamento de jornalismo do G1 que, desde o início do acompanhamento, resolveu levantar e separar apenas o que, para o veículo, poderia ser claramente cobrado e medido, mas sem fazer comparação entre um governador e outro, já que a quantidade de metas aferidas não foi única para todos.

Além disso, o G1, em nenhum dos trechos de seu acompanhamento ou reportagem a respeito, apontou Dino como o governador que mais cumpriu promessas de campanha - e muito menos que ele tenha sido eleito o mais eficiente do país, como desinformou O Imparcial. Foi o próprio governador quem criou a fake news sobre a falsa maior eficiência do país.

O comunista, inclusive, promoveu outra fake news, usado como base a própria informação falsa que criou e disseminou pessoalmente nas redes sociais e até em artigo, publicado no último final de semana no Jornal Pequeno.

Explica-se:

Das 37 promessas de campanha analisadas G1, de acordo com o próprio site, Flávio Dino cumpriu totalmente apenas 24, ou seja, 64,86%. Outras 11 ele cumpriu em parte e duas não foram cumpridas.

Nas disseminações que vem fazendo sobre o resultado do G1, porém, o governador do Maranhão vem afirmando que é o mais eficiente do país por ter cumprido 95% de suas propostas, o que é incorreto, até mesmo se somada as promessas totalmente cumpridas com as parcialmente cumpridas.

Ou seja, houve uma nova falsa informação, dentro da anterior. Ambas criadas e disseminas como verdade pelo próprio comunista.

Dino, inclusive, chegou a promover uma solenidade bancada com dinheiro público, quando da divulgação do primeiro resultado do levantamento. Foi quando ele iniciou a disseminação da fake news para autopromoção.

Outro lado

O ATUAL7 entrou em contato com a Secretaria de Comunicação e Assuntos Políticos e com o próprio gabinete do governador do Maranhão, por e-mail, solicitando um posicionamento sobre o assunto.

Foi questionado a Flávio Dino se ele disseminou a fake news por equivoco ou intencionalmente; se, caso por equivoco, quando ele pretendia se corrigir; qual base de cálculo ele usou para afirmar que cumpriu 95% promessas de campanha; e qual seria o comportamento dele na pré-campanha eleitoral, caso a falsa informação tivesse sido disseminada por algum de seus adversários políticos.

A solicitação de nota foi encaminhada desde a segunda-feira 16, mas até o momento não houve resposta.

Ednaldo Neves e irmão de Jerry são denunciados à PF por fake news
Política

Denúncia foi formulada pelo PV, do deputado Adriano Sarney. Também foram denunciadas outras duas pessoas, identificadas como Antônio Fabrício Oliveira Silva e Uberlandes Alves

O secretário de Comunicação do governo Flávio Dino, Ednaldo Neves, e o assessor especial do IFMA (Instituto Federal do Maranhão), Samuel Barroso, que é irmão do ex-auxiliar da pasta no Palácio dos Leões, Márcio Jerry Barroso, foram denunciados à Polícia Federal por disseminação da chamada fake news – notícias falsas, em tradução livre. Eles foram denunciados ainda à Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) no Maranhão.

A denúncia foi formulada pelo Partido Verde (PV), conforme divulgado, nesta quarta-feira 23, pela assessoria do deputado estadual Adriano Sarney, presidente na legenda no estado, e pelo blog do Gilberto Léda. Constam ainda na denúncia os nomes de duas pessoas identificadas como Antônio Fabrício Oliveira Silva e Uberlandes Alves.

Segundo a assessoria de Adriano e Léda, Neves e Barroso são acusados de haverem compartilhado, respectivamente, por meio do aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp e pela rede social Facebook, uma foto manipulada sobre o evento em que a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) confirmou que é pré-candidata ao Palácio dos Leões. Na imagem adulterada, o rosto do presidente da República, Michel Temer (MDB), foi colocado sobre o rosto do deputado federal Hildo Rocha.

O objetivo seria colar a baixa popularidade de Temer em Roseana.

As outras duas pessoas denunciadas, Fabrício e Uberlandes, também teriam espalhado a fraude pelo WhatsApp e redes sociais.

A fake news, segundo o Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições – colegiado formado por representantes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do governo e da sociedade civil para discutir estratégias de combate à disseminação de notícias falsas –, por ter o intento de manipular a opinião pública, pode desestabilizar a disputa eleitoral, por influenciar no resultado eleição de 2018 e prejudicar adversários políticos.

Outro lado

Ao ATUAL7, Samuel Barroso alegou que não sabia que a imagem havia sido adulterada, e que tão logo tomou conhecimento da falsa informação, teria apagado o conteúdo de seu perfil na rede social.

“Não percebi que era fake, dada a perfeição da montagem (há até matéria reconhecendo a perfeição), e logo que alertado, excluí a publicação, isso porque sou terminantemente contra fakes, tendo, inclusive, já patrocinado campanhas contra fakes nos grupos sociais que administro e/ou participo,alertando as pessoas sobre tais condutas, as quais constituem crime. E, sabedor que sou que se trata de crime, não seria ingênuo de incorrer, propositadamente, em tal delito. Assim, resta claro que se tratou de um equívoco, imediatamente reparado”, disse.

Procurado, o secretário de Comunicação Ednaldo Neves não retornou o contato até a publicação desta matéria.

Roberto Rocha é vítima de fake news em pré-candidatura ao governo
Política

Senador diz que informação disseminada é inverídica e tem cunho eleitoreiro. Ele se afastou da atividade parlamentar para acompanhar o tratamento do filho caçula

Nos últimos quatro anos, com o aumento do acesso à internet pelo celular e o avanço das mídias sociais e aplicativos de mensagens, a disseminação de notícias falsas, conhecidas como fake news, se tornou comum no Maranhão. A vítima atual é o senador e pré-candidato ao Palácio dos Leões, Roberto Rocha (PSDB).

Possivelmente se aproveitando do afastamento do parlamentar das redes sociais, e de conversas políticas que Rocha manteve com outros pré-candidatos ao governo, foi criada e disseminada a notícia de que ele teria desistido da disputa, em prol do deputado Eduardo Braide (PMN). A informação, porém, é inverídica — e até desumana.

De acordo com o próprio Roberto Rocha, a fake news pode ter sido utilizada politicamente para atingi-lo num momento de extrema fragilidade pessoal. O filho mais novo do senador foi diagnosticado, no mês passado, com um um tipo raro de câncer, levando-o a deixar a atividade parlamentar em segundo plano — o que já havia sido feito anteriormente, quando um outro filho do senador teve de passar por uma delicada cirurgia.

Apesar da Polícia Federal haver instalado um grupo de trabalho em conjunto com outros órgãos federais para coibir informações falsas durante as eleições deste ano, na nota distribuída sobre o assunto, Rocha não informa se levará o caso ao conhecimento da PF. Ele apenas lembra sobre o momento de fragilidade familiar que vem passando e sugere que a fake news tem cunho eleitoreiro, questionando quem teria interesse na falsa informação.

Abaixo, a nota do parlamentar:

A QUEM INTERESSA A MENTIRA?

Circulam pelas redes sociais, alimentadas por blogs bem pagos, notícias falsas anunciando a minha desistência da pretensão de concorrer nas próximas eleições ao Governo do Estado.

Nenhum dos jornalistas ou blogueiros que replicam a informação teve a decência de cumprir o mínimo dever profissional de me ouvir antes.

A informação é absolutamente falsa, mas serve a interesses bem identificáveis, na lógica política.

Desconfio ainda que não seja coincidência o fato da notícia se propagar num momento em que atravesso a mais difícil provação pessoal, que impõe fragilidades a qualquer pai quando se vê lutando pela saúde de um filho.

É contra essa cultura política atrasada, hostil e mesquinha que estou construindo um campo político de renovação para o nosso Maranhão.

Senador Roberto Rocha