Gonçalves Dias
Gestão de Toinho Patioba é alvo de Operação Lego por fraudes em licitação
Política

Sede da prefeitura de Gonçalves Dias foi alvo de busca e apreensão. Investigação aponta para a montagem de processos e simulação dos certames com a finalidade de desviar recursos públicos

A Polícia Civil e o Ministério Público do Maranhão deflagraram, na última quarta-feira 29, a Operação Levo, contra fraudes e irregularidades em procedimentos licitatórios, com indícios de montagem de processo e direcionamento de contratação, na Prefeitura Municipal de Gonçalves Dias.

Coordenada pela promotora de Justiça Ariadne Dantas Meneses, a operação teve como alvo a gestão do atual prefeito da cidade, Antônio Soares de Sena, o Toinho Patioba (PSDB).

De acordo com assessoria de comunicação do Parquet, foi cumprido um mandado de busca e apreensão na sede do Poder Executivo Municipal, onde foram apreendidos computadores, notebooks e documentos relacionados a licitações e contratações e, ainda, uma arma de fogo.

Os bens, segundo o MP-MA, serão submetidos a perícia para prosseguimento de investigações sobre fraudes e irregularidades em procedimentos licitatórios, com indícios de montagem de processo e direcionamento de contratação.

A pedido do Ministério Público do Maranhão, foi realizada, nesta quarta-feira, 29, a Operação Lego, que deu cumprimento ao mandado de busca e apreensão na sede da Prefeitura de Gonçalves Dias. O pedido foi feito pela promotora de justiça Ariadne Dantas Meneses, titular da Comarca de Dom Pedro, da qual Gonçalves Dias é termo judiciário.

A residência secretário municipal de Administração, Ancleyson da Silva e Silva, e a casa e o escritório de contabilidade administrado por Antônia Ancleya da Silva e Silva, irmã do secretário, foram alvos de vistoria.

Investigação

A investigação inclui quatro inquéritos civis, que apuram irregularidades em licitações realizadas pela Prefeitura Municipal de Gonçalves Dias, no ano de 2017.

Segundo o Ministério Público do Maranhão, a análise aponta a montagem de processos e simulação dos certames, com a finalidade de desviar recursos públicos e direcionar contratações da administração municipal.

As fraudes se caracterizam também pela criação de novas empresas ou favorecimento de firmas já constituídas, que se alternariam entre as licitações para que nenhuma saia sem firmar contrato com o Executivo.

Acusada de fraude em Olho d‘Água das Cunhãs tem contratos com outras sete prefeituras
Política

Moraes Consultoria Ltda – ME, conhecida como Parcele, fechou mais de R$ 2,2 milhões em contratos nos últimos dois anos

A empresa Moraes Consultorias Ltda – ME, acusada pelo Ministério Público do Maranhão de fraude num contrato com a Prefeitura Municipal de Olho d'Água das Cunhãs, tem contratos com pelo menos outras sete prefeituras maranhenses.

O levantamento foi feito pelo ATUAL7 após o Parquet divulgar, nessa segunda-feira 23, que a empresa teve determinada pela Justiça a indisponibilidade de seus bens e suspenso um de seus contratos com a administração do prefeito Rodrigo Oliveira (PDT), por diversas irregularidades constatadas no procedimento licitatório que consagrou-se vencedora.

Ao todo, somado os R$ 222.600,00 do contrato suspenso em Olho d'Água das Cunhãs, a Parcele, como é conhecida a Moraes Consultoria Ltda – ME no mercado, fechou exatos R$ 2.293.200,00 em contratos com as prefeituras de Gonçalves Dias, Tuntum, Santa Inês, Vitória do Mearim, Arari, Vitorino Freire e Colinas. Parte dos 11 contratos foram fechados em 2016, mas a maioria foi assinada neste ano.

Segundo a promotora de Justiça Gabriele Gadelha Barboza de Almeida, em diligências no município de Tuntum, onde, segundo informado nos contratos, seria a sede da Parcele, foi constatado que no local não funciona a empresa que vem faturando alto das prefeituras.

O ATUAL7 entrou em contato com um dos sócios da Parcele, Luciano Rabelo de Moraes, solicitando um posicionamento sobre as acusações feitas pelo Ministério Público. Até a publicação desta matéria, porém, não houve retorno.