Análise
Se optar por coerência, Wellington deve evitar apoio a Braide, Duarte, Neto e Rubens
Política

Movimentos do deputado estadual ao longo da vida pública impedem acordo com os quatro pré-candidatos a prefeito de São Luís

Arrancado do pleito municipal de 2020, o deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) fez movimentos ao longo da vida pública que o impedem, se desta vez priorizar pela coerência política, de declarar apoio a pelo menos quatro pré-candidatos a prefeito de São Luís.

Caso Wellington não repita o erro confesso de 2016, o principal rejeitado seria o deputado federal Eduardo Braide (Pode), por motivos expostos demasiadamente pelo próprio tucano nos últimos dias, inclusive na tribuna do Palácio Manuel Beckman: traição. Segundo Wellington, Braide teria se unido ao senador Roberto Rocha (MA) para tirá-lo da corrida eleitoral. Como resposta, ele tem trabalhado contra a eleição do apadrinhado pelo presidente do PSDB do Maranhão. Retroceder desse posicionamento, portanto, além de desconforme, seria suicídio político.

Apesar da promessa de quitação de dívidas financeiras atualmente com diversos credores para passar a dever apenas Josimar Maranhãozinho, qualquer cogitação de apoio ao deputado Duarte Júnior (Republicanos) também atropelaria o discurso e histórico de luta de Wellington. Por representação formulada pelo deputado do PSDB, o gabinete do ex-presidente do Procon é alvo de investigação na Polícia Federal, desde 2018. Em março, Wellington cobrou explicações de Duarte sobre documentos que apontam para possível participação de um funcionário de seu gabinete em suposta milícia virtual. Á época, Duarte Júnior deixou o plenário da Alema durante as cobranças, até hoje não esclarecidas. Eventual apoio seria um caso peculiar de Síndrome de Estocolmo. Pesa ainda as diversas suspeitas de corrupção contra Josimar, a quem Wellington teria de também passar a declarar ter “orgulho”.

Eventual priorização pela coerência também impediria Wellington do Curso de fechar com o deputado estadual Neto Evangelista. Embora pré-candidato do DEM, Neto tem como patrono o PDT e o senador Weverton Rocha, a quem, na campanha de 2016, quando terminou em terceiro lugar, Wellington combateu fervorosamente —e permaneceu enfrentando, mesmo após as eleições daquele ano. Para apoiar Neto, Wellington teria de sofrer ou fingir amnésia eleitoral, e passar a defender a continuação da gestão do PDT na capital.

Por fim, mas não menos incoerente, qualquer declaração de apoio a Rubens Júnior seria o mesmo que Wellington do Curso desmentir tudo o que declarou ao longo dos dois mandatos de deputado estadual na Assembleia Legislativa, como principal opositor e fiscalizador do governo do PCdoB e de Flávio Dino no Maranhão.

Vale lembrar que, em 2016, Wellington não agiu com coerência, segundo ele próprio tem confessado em entrevistas recentes. Embora tenha apontado o suposto envolvimento de Eduardo Braide em casos de corrupção com a chamada Máfia de Anajatuba durante o debate eleitoral, no segundo turno, o tucano fechou com o hoje alegado algoz, e passou a declarar que o suposto envolvimento e investigação contra Braide pela Polícia Federal seriam ataques do Palácio dos Leões.

Rubens Júnior, do PCdoB, implode discurso antisarney ao buscar apoio do MDB de Roseana
Política

Iniciada por Flávio Dino no ano passado, reabertura de diálogo com os Sarney pode se consolidar em 2020 pelo comando da Prefeitura de São Luís

Quando o pré-candidato Rubens Pereira Júnior publicou no Twitter que entrou na disputa pela Prefeitura de São Luís “pra valer”, ninguém poderia imaginar que ele levaria tão a sério ao ponto de buscar apoio até mesmo do MDB, partido do ex-senador José Sarney e da ex-governadora Roseana Sarney.

Ao se deslocar para a Assembleia Legislativa para encontro com o deputado Roberto Costa, que coordena o partido sarneysta nas eleições 2020, e admitir ao jornalista John Cutrim que está conversando “com todos que querem debater a cidade de São Luís”, Rubens Júnior rompe com o discurso antisarney, demasiadamente usado por ele próprio durante seu histórico político.

Em fevereiro, por exemplo, quando ainda não havia “bigodado” e tinha Sarney como sinônimo de lepra política, insinuou nas redes sociais que o grupo estaria apoiando Eduardo Braide (Pode), devido à aliança deste com o PSD de Edilázio Júnior. “E o grupo Sarney começa a mostrar pra qual lado vai na eleição de São Luís”, escreveu.

A reabertura de diálogo e aproximação de um membro do PCdoB com os Sarney, porém, não é novidade.

No ano passado, o governador Flávio Dino (PCdoB), ele próprio eleito e reeleito para o Palácio dos Leões sob o discurso antisarney, foi à Brasília em buscar de conselhos do ex-oligarca sobre como apear do poder o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), sob a alegação de que estaria defendendo a democracia.

Seguindo o líder, portanto, o pré-candidato do PCdoB tenta agora transformar o diálogo em casamento, pelo comando da Prefeitura de São Luís.

Mesmo que Roberto Costa não queira firmar aliança com os comunistas, o ato de Rubens Júnior já implodiu qualquer discurso antisarneysta no pleito. O eleitor já sabe que tudo não passa de jogo de cena de quem já foi aliado e do mesmo governo, tendo rompido apenas por causa do que agora os reúne: o poder.