Ana do Gás
Flávio Dino mantém silêncio sobre lista dos fantasmas e flagra em Ana do Gás
Política

PF entregou relação de servidores irregulares à SES há uma semana. Deputada do PCdoB foi gravada coagindo diretora de UPA a aceitar uma parente fantasma

Uma semana após o secretário estadual de Saúde, Carlos Lula, afirmar haver recebido da Polícia Federal a famigerada lista dos mais de 400 funcionários fantasmas de terceirizadas da pasta, o governador Flávio Dino (PCdoB) permanece em total silêncio sobre o assunto.

Estranha, a mudança de comportamento do chefe do Executivo chama a atenção. Até antes de Lula vazar a informação, Dino usava as redes sociais quase que diariamente para atacar os agentes federais responsáveis pela deflagração da Operação Pegadores, cobrando transparência e a cessão imediata da relação, que insinuava não existir, prometendo tomar as medidas cabíveis. Até agora, porém, sete dias depois, pelo menos publicamente, nada foi feito.

O silêncio tumular do governador do Maranhão também é observado em outro caso relacionado a funcionários fantasmas em seu governo, notadamente nas unidades hospitalares.

Desde o final de semana passado, ferve nas redes sociais um vídeo em que a deputada estadual Ana do Gás, que é do PCdoB, aparece coagindo uma diretora de uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) em São Luís a aceitar que uma padrinhada sua, que seria uma parente, continue a receber religiosamente os vencimentos, embora não comparecesse ao serviço. A parlamentar, inclusive, chegou a ameaçar que denunciaria a servidora pública ao secretário Carlos Lula.

Acostumado a passar o dia nas redes sociais criticando governos anteriores pelas mesmas práticas relacionadas à corrupção, o comunista formou combo com silêncio anterior e calou-se também sobre o caso da correlegionária, também envolvendo diretamente o seu próprio governo.

Nem mesmo quando procurado a se manifestar, como provocou o ATUAL7 nos dois casos, em solicitações por e-mail à Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap), Flávio Dino tem saído do armário.

Por autoproteção, deputados devem ignorar corrupção de Ana do Gás
Política

Deputada do PCdoB foi gravada coagindo uma diretora de uma UPA a aceitar a lotação de uma parente como funcionária fantasma

Apesar de um ou outro deputado esboçar indignação e tecer críticas ao governo Flávio Dino pela pilhagem em escândalos de corrupção e desvios de dinheiro público, com um claro espírito corporativista, todas as bancadas da Assembleia Legislativa do Maranhão concordaram em ignorar o flagra de corrupção envolvendo a deputada estadual Ana do Gás (PCdoB).

Segundo apurou o ATUAL7, o combinado é que a parlamentar não compareça a sessão desta segunda-feira 4, e os deputados utilizem a gazeta para justificar o silêncio diante do escândalo.

Ana do Gás foi gravada na semana passada tentando coagir uma diretora de uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) em São Luís a se corromper e aceitar que uma apadrinhada sua, que seria uma parente, a continuar lotada e recebendo pela unidade sem precisar ir trabalhar. Tudo em meio à Operação Pegadores, deflagrada pela força-tarefa da Sermão aos Peixes dias antes do flagra da deputada comunista.

Pelo regimento interno da Casa e pelo Código de Ética dos Deputados, Ana do Gás deveria ter o mandato cassado, devido à gravidade do exposto da gravação.

As investigações da Polícia Federal apontam para o envolvimento de mais da metade dos 42 deputados da Assembleia Legislativa na organização criminosa que tomou de assalto os cofres públicos, tanto na indicação de apadrinhados-fantasmas como Ana do Gás, quanto na indicação empresas para operar na rede pública estadual de saúde.

Neste sentido, os parlamentares que não tem envolvimento com o esquemão preferem não criar um desgaste institucional na Casa; e os que integram a quadrilha temem ter seus esquemas expostos, serem alvos da iminente nova operação da Sermão aos Peixes e ficarem sem a proteção dos colegas no Poder Legislativo.

Em meio à Pegadores, Ana do Gás coage servidora a aceitar apadrinhada em UPA
Política

Sinecurada seria fantasma na unidade. Gravação mostra que a parlamentar chega a alertar que levaria o caso ao secretário Carlos Lula

Um vídeo disseminado nas redes sociais mostra a deputada estadual Ana do Gás coagindo a diretora da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Parque Vitória, Camila Maia, a aceitar que uma apadrinhada sua, supostamente fantasma, continue a ser lotada na unidade sem precisar ir trabalhar.

A gravação, segundo as publicações, teria ocorrido nesta semana, poucos dias após a força-tarefa da Sermão aos Peixes deflagrar a Operação Pegadores, para brecar o desvio de dinheiro na rede pública estadual de saúde justamente por meio de funcionários fantasmas. Ana do Gás é do PCdoB, mesmo partido do governador Flávio Dino, de onde mais de R$ 18 milhões foram afanados por meio do esquema.

“Eu só sei te dizer que eu não vou me corromper, eu não vou me corromper. Eu não vou assinar uma folha de uma pessoa que não comparece. Depois que eu comecei a assumir, foi que você vem, você faz o seu horário das 8 horas às 11 horas. Depois que o ponto apareceu, foi que ela fica até 12 horas. E conversou comigo, Camila eu não tenho condições…”, diz Camila Maia no vídeo.

Emblemática, a discussão entre a deputada e a servidora pública aponta para uma possível certeza de impunidade da comunista.

Mesmo sabendo que estava sendo gravada, ela chega a alertar à diretora da UPA que procuraria o secretário estadual da Saúde, Carlos Lula, para informar sobre o ocorrido.

“Você pode falar o que você quiser. Vamos ao que interessa. Eu vou lá para a Secretaria [de Saúde] e vou pedir para o secretário lhe mandar um documento. Você quer que publique esse documento?”, questiona Ana do Gás, possivelmente referindo-se a uma determinação que seria dada por Lula.

O ATUAL7 solicitou por e-mail à Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap), ao próprio secretário e à parlamentar um posicionamento sobre o assunto e aguarda retorno. Não foi possível solicitar uma resposta à diretora da UPA, Camila Maia, por o contato dela não ser encontrado.

PCdoB lança pré-candidatura de sobrinho de Ana do Gás e Eunélio Mendonça
Política

Partido do governador Flávio Dino se une a uma oliguarquia rural menos de dois anos depois de derrotar a oligarquia Sarney

Menos de dois anos depois de vencer as eleições de 2014 derrotando a oligarquia Sarney, o partido do governador Flávio Dino, PCdoB, engoliu o próprio discurso e tenta manter o comando da oligarquia Mendonça no município de Santo Antônio dos Lopes. Na noite do último sábado 23, o partido lançou a pré-candidatura do neófito Tiago Mendonça, sobrinho do prefeito de Santo Antônio dos Lopes, Eunélio Mendonça, e da primeira-dama do município, deputada Ana do Gás, também filiada ao comunismo.

Tiago Mendonça chora durante discurso em que recebeu a unção do PCdoB e da oligarquia para comandar a cidade
Blog do Carlinhos São tantas emoções Tiago Mendonça chora durante discurso em que recebeu a unção do PCdoB e da oligarquia para comandar a cidade

O encontro também definiu e lançou os nomes dos pré-candidatos a vereador, inclusive de partidos que orbitam secretarias de primeiro, segundo e terceiro escalão do Palácio dos Leões.

Para eleger o garoto, os comunistas contam ainda com o apoio do tio da parlamentar, o ex-prefeito da cidade Euzébio Napoleão Mendonça. Dr. Napoleão, como é conhecido, é condenado pelo Tribunal de Contas da União a ressarcir ao erário R$ 959.955,66 (novecentos e cinquenta e nove mil, novecentos e cinquenta e cinco reais e sessenta e seis centavos) à Fundação Nacional da Saúde (FNS), de dinheiro desviado da construção de sistemas simplificados de abastecimento de água no município.

A esposa de Dr. Napoleão e ex-vice-prefeita de Santo Antônio dos Lopes, Maria José, também faz parte do grupo quer tenta se perpetuar nos cofres do município. Ela decidiu apoiar Tiago Mendonça após ensaiar uma candidatura laranja.

Além de Tiago Mendonça, o vice da chapa, Cláudio Lima, também é do Partido Comunista do Brasil.

Como vem acontecendo em outras cidades com pré-candidatos do PCdoB, o governador Flávio Dino deve vistar Santo Antônio dos Lopes no mês que vem, segundo a própria deputada Ana do Gás, para inauguração de obras. A neo comunista jura que não são eleitoreiras.

Ana do Gás segue apenas “prestigiando” eventos após um ano de mandato
Política

Das pouco mais de 70 atividades da parlamentar em 2015, menos de 10 foram em prol da população de sua região

A deputada estadual Ana do Gás (PRB), esposa do prefeito de Santo Antônio dos Lopes, Eunélio Mendonça (PSD), após um ano de mandato, segue como parlamentar baixo clero, e apenas "prestigiando" eventos.

A falta de ação da deputada é comprovada em matéria postada no site da própria Assembleia Legislativa do Maranhão, que destaca nessa quarta-feira 3 que Ana do Gás, mesmo sendo parlamentar, teria apenas "prestigiado" a abertura dos trabalhos legislativos, ocorrida ontem 2.

Embora aparente ser um erro da assessoria, pesquisa feita no site do Legislativo estadual mostra que, das pouco mais de 70 atividades de Ana do Gás em 2015, menos de 10 foram em prol da população de sua região, e o restante apenas de participação e "prestígio" a eventos, que é uma ação protocolar, institucional.

Deputados faz de contas

Apesar de liderar o ranking, a esposa do prefeito de Santo Antônio dos Lopes não é a única deputada a ter quase 90% de suas atividades parlamentares resumidas a meras participações em eventos públicos.

Segue na lista de deputados faz de contas, por ordem: Vinícius Louro (PR), Ricardo Rios (PEN), Fábio Braga (PTdoB) e Glaubert Cutrim (PDT).

SEMA comete equívocos no encaminhamento do Fundo Estadual de Recursos Hídricos
Política

PL apresentado pela deputada Ana do Gás não foi elaborado com a participação do CONERH

O Projeto de Lei n.º 207/2014, apresentado pela deputada estadual Ana do Gás (PRB), e aprovado pela Assembleia Legislativa do Maranhão na última quarta-feira 16, foi deliberado de forma equivocada na reunião do Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CONERH), realizada na tarde de ontem 17, no auditório da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA). A informação foi repassada ao Atual7 pelo Fórum Nacional da Sociedade Civil nos Comitês de Bacias Hidrográficas (Fonasc-CBH).

De acordo com a equipe do Fonasc-CBH, o PL não foi colocado na pauta convocatória do Conselho, porém o Regimento Interno permite a inclusão de qualquer matéria durante a leitura da Ordem do Dia, o que também não foi feito. De acordo com o Regimento no artigo 27, parágrafo 2º, a inclusão de matéria de caráter de urgência depende de aprovação do plenário, por meio de requerimento apresentado por conselheiro, o que não foi realizado, ou seja, a discussão do projeto não obedeceu aos ritos regimentais do Conselho.

O secretário adjunto de licenciamento da SEMA e vice-presidente do CONERH, Carlos Victor Belo, feriu o Regimento Interno, conduzindo o plenário ao equívoco de referendar matéria que não estava na pauta e nem foi incluída regimentalmente na Ordem do Dia. A votação foi apertada e venceu por apenas 1 voto, sendo 8 votos favoráveis ao PL, 7 votos contrários e uma abstenção.

Os votos contrários foram dos conselheiros que sabem que a regulamentação do Fundo deve obedecer à Lei  n.º 8.149/2004, que diz que o Fundo será regulamentado por meio de decreto específico e após a aprovação do CONERH.

O que estava na pauta de discussão era a apresentação das contribuições à minuta do decreto que regulamenta o Fundo pela Câmara Técnica de Assuntos Institucionais Legais (CTIL), que havia sido encaminhada pela presidência do Conselho para deliberação em plenário. Se aprovada a minuta com as colaborações dos conselheiros, resultaria em uma resolução a ser encaminhada à Casa Civil com a proposta de Decreto que regulamenta o Fundo Estadual de Recursos Hídricos/FERH, e dá outras providências.

Sobre o PL 207/2014

O Projeto de Lei apresentado pela deputada Ana do Gás não foi elaborado com a participação do Conselho. Este PL foi apresentado na Assembleia Legislativa no ano passado e também não tinha sido referendado pelo CONERH. A parlamentar acrescentou emendas e lamentavelmente não recebeu as contribuições do plenário do Conselho, ferindo a própria política de recursos hídricos que preconiza os princípios da participação e da descentralização.

Durante as discussões no plenário, o secretário Victor Belo reconheceu que não sabia da iniciativa da deputada e tão pouco das “costuras políticas” para a aprovação do PL, conforme foi informado pela assessora da parlamentar.

O segmento da sociedade civil lamenta a forma como todo o processo foi conduzido, uma vez que se entendia a construção de relações institucionais e de parcerias com a comissão de meio ambiente da Assembleia. “Não entendemos o porquê que essa discussão teve esse desfecho. Tínhamos a compreensão de que estas relações institucionais representam avanços para a implementação da política. Só se faz política de recursos hídricos com muita participação”, disse Thereza Christina Pereira Castro, conselheira e vice-coordenadora nacional do Fonasc.

Diante do desfecho inesperado da reunião do CONERH, a presidente da Câmara Técnica de Assuntos Institucionais Legais (CTIL) do Conselho, Gleyce Oyama, fez um desabafo: “Até quando o Maranhão continuará sendo o mais pobre em conhecimento e competência dos gestores públicos? Cansada de ver tantos esforços sendo jogados pra cima como se a sociedade civil e usuários não significassem nada”.

Segundo Oyama, colocar pessoas que não se preocupam com o crescimento do Maranhão, ou que não sejam capacitadas para a função pública, é um dos piores erros, e que mais uma vez o estado perde a chance de reverter seu quadro de situação. “É lamentável tal situação! Preferem ver o Maranhão na lama, a sociedade sem água e o dinheiro sendo desviado do que fazer o que é certo em prol de uma gestão mais justa, participativa e transparente”.

Ana do Gás diz que população é quem deseja 217 deputados na Assembleia do MA
Política

Apesar de ter aguardado por cinco horas para falar com secretário de Saúde, deputada afirma ter livre trânsito no governo

Depois de protagonizar a sugestão de que a Assembleia Legislativa do Maranhão deveria abrigar em suas dependências o total de 217 parlamentares, a deputada estadual Ana do Gás, do PRB, não soube digerir as criticas recebidas por usuários de redes sociais e, em nota de esclarecimento, atribuiu ideia à própria população maranhense que , segundo ela, deseja "se ver potencialmente mais representada".

"A deputada falou que 'feliz seria o povo se esta Casa tivesse 217 lugares para cada deputado representar o município', se referindo a um anseio da própria sociedade de se ver potencialmente mais representada na Assembleia Legislativa" diz trecho da nota.

Chateada por ter sido classificada pelo governo estadual e por profissionais que cobrem o Legislativo maranhense como integrante do clero "pré-sal", devido ao seu baixo desempenho e poder de articulação na Casa, Ana do Gás voltou atrás e tentou fazer media com o governo Dino, informando que se referia em seu discurso apenas ao governo passado, e a postura adotada pelo ex-secretário estadual de Saúde, Ricardo Murad.

Apesar de nunca ter conseguido qualquer audiência com Flávio Dino e ter tomado um chá de cadeira de cinco horas pelo atual secretário de Saúde, Marcos Pacheco, a parlamentar disse na nota que "desmente qualquer insinuação de que não teria trânsito no governo estadual".

Ana do Gás sugere que Assembleia Legislativa do Maranhão tenha 217 deputados
Política

Aumento de parlamentares provocaria gastos de quase R$ 31,4 milhões por ano aos cofres públicos

Casal de Santo Antônio dos Lopes continua sendo ignorado pelo governo estadual
Blog do Carlinhos Filho Pré-sal Casal de Santo Antônio dos Lopes continua sendo ignorado pelo governo estadual

Enciumada com o tratamento dado a alguns e dispensado a outros parlamentares do Legislativo do Maranhão, por parte de secretários de Estado e do próprio governador Flávio Dino (PCdoB), a deputada Ana do Gás, do PRB, sugeriu, na manhã dessa terça-feira (24), que a Assembleia abrigue em suas dependências o total de 217 deputados estaduais, sendo um para cada município do estado.

- São muitos colegas e feliz seria o povo se esta Casa tivesse 217 lugares para cada deputado representar o município, porque se discutiriam poderes que são dados no governo, dividindo [deputados] até em alto e baixo clero - defendeu.

A sugestão de Ana do Gás, que geraria gastos de quase R$ 31,4 milhões a mais para os cofres públicos, por ano, só para bancar os salários dos parlamentares, verbas rescisórias, salários dos assessores e custo de manutenção de gabinetes, foi feita logo após a deputada reclamar ter esperado cerca de cinco horas para poder conversar com o secretário estadual de Saúde, Marcos Pacheco, e da negativa do ex-ocupante da mesma pasta, Ricardo Murad, na construção de um hospital do município Santo Antônio dos Lopes, administrado por seu esposo, Eunélio Mendonça, do PSD.

No tocando aos 'cleros', a parlamentar se referia a uma distinção entre os deputados estaduais do Maranhão, feita pelo Executivo do estado por ondem de importância para o governo, e por jornalistas que cobrem a Casa por ordem de desempenho na Assembleia.

Na linha hierárquica, a divisão é feita em deputados que se enquadram no 'altíssimo clero', 'alto clero', 'médio clero', 'baixo clero', 'baixíssimo clero' e o mais rebaixado de todos, o 'pré-sal', onde Ana do Gás estaria encaixada tanto pelo governo e seus secretários, como pelos profissionais da imprensa maranhense.

Deputados fecham blindagem à parentes para votarem em Humberto Coutinho
Política

Negociação foi fechada há duas semanas, durante almoço em um restaurante na capital

Sete deputados estaduais de primeiro mandato fecharam com o governador Flávio Dino (PCdoB) a blindagem de familiares supostamente envolvidos com desvio de recursos públicos em prefeituras do Maranhão em troca de voto no candidato do comunista à Presidência da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Humberto Coutinho, do PDT.

Ao fundo, deputados conversam sobre proposta de blindagem feita por Flávio Dino por meio de Humberto Coutinho
Yuri Almeida/Atual7 Negociata Ao fundo, deputados conversam sobre proposta de blindagem feita por Flávio Dino por meio de Humberto Coutinho

A blindagem seria nos convênios auditados pela Secretaria de Transparência e Controle, comanda pelo advogado Rodrigo Lago.

Inicialmente formadores de um grupo independente e que apoiaria a candidatura do deputado Wellington do Curso (PPS) para presidir a Casa, os parlamentes Ana do Gás (PRB), Júnior Verde (PRB), Vinícius Louro (PR), Ricardo Rios (PEN), Josimar de Maranhãozinho (PR), Zé Inácio (PT) e Glaubert Cutrim (PRB) acertaram os detalhes finais da proposta oferecida por Dino por meio de Coutinho durante um almoço em um restaurante na área nobre da capital, no último dia 8. O ex-deputado Raimundo Louro também participou da reunião.

Os beneficiados seriam o prefeito de Santo Antônio dos Lopes, Eunélio Mendonça (PSD), esposo de Ana do Gás; o ex-deputado estadual Raimundo Louro (PR), pai de Vinícius; o prefeito de Vitória do Mearim, Dóris Rios (PV), pai de Ricardo; a prefeita de Centro do Guilherme, Maria Deusdete Lima, a Detinha (PR), esposa de Josimar; e o prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim (PMDB), irmão de Glaubert. Os deputados Júnior Verde e Zé Inácio, que mantiveram convênios com prefeituras quando comandaram a Secretaria da Pesca do Maranhão - por meio do testa de ferro Dayvson Franklin de Souza, e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) do Maranhão, respectivamente, foram os únicos a negociar a própria blindagem.

Além da proteção durante as auditorias dos convênios feitas pela Transparência e Controle, foi negociado ainda o apoio do governador do Maranhão na disputa pelo comando dos municípios em que os parlamentares mantém as suas bases eleitorais, nas eleições de 2016.